s ndromes dolorosas regionais cervicalgia e cervicobraquialgia lombalgia e lombociatalgia n.
Download
Skip this Video
Loading SlideShow in 5 Seconds..
SÍNDROMES DOLOROSAS REGIONAIS : CERVICALGIA e CERVICOBRAQUIALGIA/ LOMBALGIA e LOMBOCIATALGIA PowerPoint Presentation
Download Presentation
SÍNDROMES DOLOROSAS REGIONAIS : CERVICALGIA e CERVICOBRAQUIALGIA/ LOMBALGIA e LOMBOCIATALGIA

Loading in 2 Seconds...

play fullscreen
1 / 10

SÍNDROMES DOLOROSAS REGIONAIS : CERVICALGIA e CERVICOBRAQUIALGIA/ LOMBALGIA e LOMBOCIATALGIA - PowerPoint PPT Presentation


  • 759 Views
  • Uploaded on

SÍNDROMES DOLOROSAS REGIONAIS : CERVICALGIA e CERVICOBRAQUIALGIA/ LOMBALGIA e LOMBOCIATALGIA. 1. INTRODUÇÃO Várias doenças da coluna (Quadro álgico na CC e/ou CL):Traumatismos/Processos inflamatórios/Mecânico-Degenerativos/Neoplásicos.

loader
I am the owner, or an agent authorized to act on behalf of the owner, of the copyrighted work described.
capcha
Download Presentation

PowerPoint Slideshow about 'SÍNDROMES DOLOROSAS REGIONAIS : CERVICALGIA e CERVICOBRAQUIALGIA/ LOMBALGIA e LOMBOCIATALGIA' - yale


An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript
s ndromes dolorosas regionais cervicalgia e cervicobraquialgia lombalgia e lombociatalgia
SÍNDROMES DOLOROSAS REGIONAIS:CERVICALGIA e CERVICOBRAQUIALGIA/ LOMBALGIA e LOMBOCIATALGIA

1. INTRODUÇÃO

  • Várias doenças da coluna (Quadro álgico na CC e/ou CL):Traumatismos/Processos inflamatórios/Mecânico-Degenerativos/Neoplásicos.
  • Há necessidade de Diagnóstico Diferencial (Através da avaliação e exames complementares)

*Lombalgia- Algia de característica mecânica - Transição lombossacra ( surge após força física excessiva em estruturas normais ou após força física em estruturas lesadas).

*Lombalgia X Lombociatalgia X Ciatalgia

2. EPIDEMIOLOGIA

2.1- CERVICALGIA

  • Prevalência de cervicalgia no âmbito ocupacional vem aumentando significativamente- Grande problema da sociedade moderna.
  • Cervicalgia é menos freqüente que a lombalgia.
  • Prevalência atual na população geral é estimada em 29% nos homens e 40% nas mulheres ( Porém estes índices podem ser ainda maiores quando avaliamos populações selecionadas de acordo com as atividades exercidas no trabalho).
  • Cervicalgias pós-traumáticas- Causadas por acidentes automobilísticos( Síndrome do Chicote-Whiplash), apresenta incidência que varia de 18% a 60%.
  • Cervicalgias- Causada por Hérnia Discal Cervical, apresenta difícil estimativa ( Estudo em Minnesota, mostrou incidência anual de 5,5 por 100.000 habitantes; e o nível discal mais afetado C5-C6/C6-C7).
  • Relação direta entre queixas musculoesqueléticas e fatores ocupacionais- Existem evidências positivas de cervicalgias
  • relacionadas com posturas fixas e prolongadas,como: curvatura aumentada do tronco, flexão cervical acentuada durante atividades por períodos longos, ergonomia inadequada e atividades que envolvam vibração contínua das mãos e dos braços
slide2
A maioria dos estudos indica a necessidade urgente de orientação e de programas de reeducação postural, com finalidade de dimimuir os custos gerados pelas síndromes dolorosas cervicais, assim como seus sintomas.

2.2- LOMBALGIA

  • * Atualmente- 5ª causa de consulta médica (Cefaléia/ H.A / Infecções respiratórias)
  • * 65% a 90% dos adultos- Sofrerão um episódio de lombalgia
  • * Relevância socioecômica- Elevado índice de incapacidade e morbidade
  • * ++ Homems / Mulheres
  • * Faixa etária – 50 / 60 anos
  • * Trabalhadores braçais / Grávidas

3. BIOMECÂNICA- CC e CL

    • Responsável- Sustentação e movimentação da cabeça e proteção das estruturas neurais e vasculares.
    • Estima-se que a movimentação da CC ocorra cerca de 600 vezes por hora, ou a cada seis segundos.
    • Biomecânica da CC e CL- Envolve a distribuição de forças sobre o DI( o AF é responsável pela recepção da carga, sendo distribuída posteriormente para o NP)
    • Processo de envelhecimento- Ocorre redução progressiva do conteúdo de água do NP e uma diminuição na capacidade de nutrição do disco, associada a um aumento do número de fibras colágenas, determinando menor elasticidade.
    • Estas alterações tornam o AF susceptível a rupturas, podendo através destes pontos produzir herniações discais com compressões radiculares( Processo Degenerativo
    • Processo Degenerativo-Caracteriza-se ainda por remodelagem óssea, diminuição da altura do disco e desgaste ósseo.
slide3
4. ETIOLOGIA

4.1-CERVICALGIA

    • Desordem Multifatorial:
      • Cervicalgias Mecânicas
        • Desordens mecânicas- Causa mais comum de cervicalgias.
        • Dor cervical mecânica- Definida como dor secundária a utilização excessiva de uma estrutura anatômica normal( musculatura paravertebral).
        • Caracteristicamente- Exacerbada por certas atividades e aliviadas por outras( Dados colhidos na anamnese- Fatores de melhora ou piora obtidos na anamnese são úteis na localização da região acometida, a flexão cervical levando a agravamento dos sintomas( Doença discal degenerativa) e levando a melhora( Síndromes facetárias)
        • Na maioria dos casos têm curso autolimitado, com a grande maioria dos pctes apresentando resolução completa dos sintomas.
  • A.1- Distensão Cervical( Cervicalgia Mecânica)
    • Definida- Dor cervical não-irradiada, associada a sobrecargas mecânicas ou posturas anormais prolongadas da coluna.
    • Caracteriza-se- Dor em região cervical posterior e em área do músculo trapézio, com restrições ativa e passiva, além de áreas dolorosas à palpação.
    • Condições ocupacionais devem ser consideradas no desencadeamento e recidiva desta patologia.
    • Etiologia- Não está definida, porém pode estar relacionada com o acometimento musculoligamentar, secundário a traumatismo ou a uma sobrecarga mecânica repetitiva.
    • Dor é o sintoma mais comum, apesar de serem freqüentes as queixas de cefaléia tensional( É incomum apresentar irradiação)
    • Ocorre melhora com repouso e imobilização
slide4
O exame físico revela apenas uma área de dor localizada, geralmente paravertebral
    • A intensidade da dor é variável e a limitação da mobilidade cervical se relaciona com o grau da dor
    • Pode ocorrer contratura do ECOM e trapézio
    • A avaliação radiológica pode ser normal ou revelar apenas retificação da curvatura fisiológica da cervical.
  • B- Torcicolo
    • Torcicolo- Decorrente de contratura severa da musculatura do pescoço
    • Posição- Cabeça assume uma atitude em flexão lateral + queixo rodado para o lado oposto da dor.
    • Etiologia- Congênito( Pode está associada a anormalidades anatômicas e neurológicas- subluxação atlanto-axial, atrofia congênita de músculos cervicais) ou adquirido ( traumas, dano muscular repetitivo, fratura, quadro infeccioso)

C - Hérnia Discal Cervical

      • Disco Herniado- Protusão do NP através das fibras do AF.
      • A maioria das hérnias ocorrem em situação póstero-lateral, com uma maior incidência na 4ª década de vida.
      • Localização mais freqüente- C5-C6 e C6-C7.
      • Nem toda hérnia discal é sintomática. A presença e grau dos sintomas depende do tamanho da hérnia, bem como da presença de doenças concomitantes.
      • Clinicamente- A principal queixa do pcte é dor no braço, às vezes sem cervicalgia associada.Pode ser descrita como se iniciando no pescoço e posteriormente irradiando-se para oombro, braço,antebraço até os dedos, com distribuição na dependência da raiz acometida
      • O início dos sintomas geralmente é gradual, porém pode surgir quadros de início abrupto.
      • O RX pode ser totalmente normal em um pcte com HDC.
slide5
Ao contrário- 70% das mulheres e 95% dos homens assintomáticos entre 60 e 65 anos de idade apresentam evidências de doença degenerativa discal nas radiografias.
    • A RNM é o melhor exame na abordagem das HD, permite excelente visualização dos tecidos paravertebrais, estruturas ligamentares e do grau de degeneração discal( Nem todas as alterações discais vistas nesse exame são sintomáticas).
  • D- Síndrome do Chicote
    • Causada por impactos indiretos,comumente por colisões automobilísticas(Ocorre um mecanismo de aceleração-desaceleração, com transferência de força para a cervical)
    • Pode causar lesões ósseas ou em partes moles( Em 50% dos casos os pctes apresentam queixas de cervicalgia crônica após o evento e a dor tem origem nas art. Interfacetárias)
    • Os sintomas persistem por mais de 6 semanas em 50% dos pctes e por mais de 6 meses em 30% dos casos.
  • E- Espondiloartrose Cervical
    • É um processo crônico, caracterizado por desenvolvimento osteofitário e outros sinais degenerativos, como conseqüência de doença discal relacionada comumente com a idade.
    • Pode produzir uma grande variedade de sintomas( Porém alguns pctes com alterações degenerativas severas podem ser totalmente assintomáticos).
    • Envolve comumente os segmentos de C4-C7.
    • Devido a diminuição da distância entre os corpos vertebrais, secundária aos fenômenos degenerativos discais, aumenta o estresse mecânico nas facetas, levando ao desgaste da cartilagem e formação osteofitária.
    • A depender da gravidade das alterações a artrose pode se apresentar isolada ou com radiculopatia.
    • Acomete pctes acima de 40 anos, sendo um achado quase universal em estudos radiológicos realizados em pctes acima de 70 anos
    • Os casos sintomáticos apresentam dor cervical intermitente ou contínua, associada a restrição da mobilidade ao exame físico, a dor é referida nas regiões posterior e lateral do pescoço, com ou sem irradiações para a escápula, ombro e mmss( Pode haver também cefaléia)
slide6
A dor radicular ocorre qdo osteófitos ou discos prolapsados estreitam o forame de conjugação.
  • A compressão das raízes cervicais resulta em dor, parestesias, fraqueza muscular e alterações de reflexos( As raízes mais acometidas são C6 e C7).
  • Ao exame físico ocorre dor e restrição aos movimentos de inclinação e extensão.

F- Artrite Reumatóide-AR

  • Coluna Cervical-É a região mais acometida do esqueleto axial na AR, principalmente em C1-C2,em casos graves podendo causar a subluxação atlanto-axial.
  • Ocorrem alterações inflamatórias crônicas nas art. Atlanto-occipital, atlanto-axial, interfacetárias, disco intervertebral, ligamentos.
  • A freqüência das queixas cervicais é elevada em pctes reumáticos, podendo chegar a 80% durante a evolução da doença( Dor na região posterior do pescoço é a queixa mais comum,rigidez e limitação de movs principalmente flexo-extensão)

G- Espondilite Anquilosante-EA

  • O envolvimento cervical nesta doença é menos freqüente que o lombar.
  • As queixas cervicais qdo presentes mostram início mais tardio, após 5 a 8 anos de sintomatologia lombar.
  • Clinicamente- Dor cervical inflamatória, rigidez progressiva dos movs, podendo ocorrer limitação completa em todos os movs, dor cervical com localização alta, com irradiação para occipito e mastóide.
  • Alterações radiológicas-Formação de sindesmófitos, calcificação ligamentar anterior e posterior e fusão dos elementos posteriores.

4.2-LOMBALGIA

  • Difícil diagnosticar - Principalmente lombalgia crônica, frequentemente devido a falta de evidências radiológicas de lesão.
  • Somente 30% dos pctes sintomáticos apresentam alterações da coluna lombar.
slide7
Como a maioria dos casos não necessita de cirurgia- Há poucas informações que comprovam a existência de lesão tecidual correlacionada com os sintomas dolorosos.
  • Na maioria dos casos não se consegue identificar qual a estrutura específica que origina a lombalgia- Diagnóstico?
  • Etiologia – Ampla variedade de possibilidades (Alterações degenerativas / Doenças inflamatórias / Infecciosas / Neoplásicas / Traumas/Mecânicas)
  • Diversos fatores e Condições predisponentes e agravantes
  • Fatores de Risco: Idade / Sexo / Peso corporal / Raça / Atividades profissionais / Gravidez / Excesso de sobrecarga / Posturas inadequadas
  • Etiopatogenia- As lombalgias e lombociatalgias podem ser primárias ou secundárias, com ou sem envolvimento neurológico, sendo classificadas em: Mecânico-degenerativas / Inflamatórias / Infecciosas / Psicossomáticas.

A- Mecânico-Degenerativas

  • Coluna Vertebral- Equilíbrio mecânico entre os segmentos anterior (corpos vertebrais e disco) e posterior ( articulações)
  • Qdo ocorre a ação de forças mecânicas sobre essas estruturas, pode haver um desequilíbrio- Levando à dor por estimulação direta de terminações nervosas existentes, ou pela liberação de substâncias do NP que desencadeiam dor e processo inflamatório pela degeneração do DI.
  • Todas as estruturas do segmento podem ser causa de dor – Porém, há evidências de que o ponto central seria o DI em 85% dos casos( Discopatias ex: fissuras, abaulamentos, diminuição da altura do disco, HD - A degeneração aumenta a carga nas facetas articulares e altera a distribuição de carga no platô vertebral e osso subcondral)
  • Alterações degenerativas do DI – Acrescentam esforço adicional as outras estruturas de suporte da coluna ( facetas , ligamentos, cápsula articular ) ; em conseqüência ocorre um espessamento da sinóvia e cápsula com formação de tecido cicatricial , diminuição do espaço articular nas art. facetárias com formação de osteófitos )

B - Inflamatórias

  • Principais causas- Espondilite Anquilosante / Artrite Reumatóide
slide8
C-Metabólicas
  • Osteoporose- Podendo causar fraturas vertebrais que levarão a transtornos biomecânicos provocando lombalgia.

D-Psicossomáticas

  • Causas emocionais que podem levar à lombalgia ou agravar outras causas já existentes.

E-Outras causas

  • Fibromialgia / Síndrome Dolorosa Miofascial que podem causar contraturas musculares e hipóxia tecidual gerando dor

5-QUADRO CLÍNICO

5.1- CLASSIFICAÇÃO QTO A DURAÇÃO DA DOR

  • Agudas – Até 7 dias
  • Subagudas – 7 dias até 3 meses
  • Crônicas – Mais de 3 meses

5.2 - SINAIS e SINTOMAS :

  • Início: Insidioso ou brusco
  • Característicasdador:
    • É contínua , pouco aliviada com o repouso , e os movimentos da cabeça e do membro superior costumam agravá –la.
    • Há pacientes que referem dor semelhante a uma “descarga elétrica “, principalmente nos movimentos do pescoço.
    • Outra queixa é a sensação de peso no membro superior.
    • Fenômenos Parestésicos(Avaliar raízes)
  • Caracterizar – Forma de Início / Duração / Frequência / Localização / Irradiação / Fatores de piora ou melhora
  • Classificar – Lombalgia Mecânica / Lombalgia Orgânica Ou Inflamatória

5.3- EXAME FÍSICO-CERVICAL

  • Exame Físico - Inspeção, Mobilização ativa e passiva, testes clínicos e palpação.
slide9
INSPEÇÃO - Deformidades / Alterações da curvatura cervical / Atitudes antálgicas / Atrofias / Alterações cutâneas / Sinais de traumatismo/ Assimetria na escápula.
  • PALPAÇÃO - Pontos dolorosos / Contratura da musculatura paravertebral
  • MOBILIZAÇÃO ATIVA e PASSIVA - Informa capacidade funcional do segmento cervical / ADM diminuída com a idade e em processos inflamatórios e degenerativos.
  • AVALIAÇÃO NEUROLÓGICA - Presença de dor irradiada para ombro/escápula/ braço.
  • TESTES CLÍNICOS ESPECIAIS: Cervical
    • Teste de Compressão – Estreitamento foraminal/ Aumento da pressão na raiz acometida/ Sobrecarga nas facetas articulares ( Contra-indicação: Instabilidade cervical).
    • Teste de Tração - Aumento diâmetro foraminal/ Diminuição da compressão radicular
    • Teste de Valsalva - Aumento da pressão
    • Manobra de Spurling
  • Fase Aguda: Face de sofrimento
    • Desaparecimento da lordorse cervical;
    • Desvio lateral da cabeça ( torcicolo );
    • Contratura do trapézio do lado envolvido;
    • Dor nos espaços intervertebrais a partir de C5 e C6;
    • Pontos dolorosos no trajeto da raiz comprometida
    • A movimentação da coluna cervical revela dor e redução da extensão e lateralidade para o lado comprometido;
    • Manobra de Spurling +
    • Manobra de Laségue do Membro Superior +
  • * Sinais de Alerta:
    • Febre / Calafrios
    • Sangramento: ouvido,nariz, boca
    • Distúrbios visuais, olfativos, paladar
    • Parestesias ou fraqueza muscular
    • Atrofia em mmss
slide10
5.4- EXAME FÍSICO-LOMBAR
  • Investigar a intensidade e o horário de seu aparecimento
  • Relação existente entre a dor e a atividade corporal e/ ou repouso
  • Se há associação com queixas sistêmicas como : febre, calafrios, perda de peso, anemia
  • Dor irradiada e sua distribuição
  • Anormalidades Estáticas E Dinâmicas
  • Inspeção : Atitude Postural- Posição Antálgica

Assimetrias

Hiperlordose ou Retificação

Pelve

Tônus Abdominal

Marcha

  • Palpação : Localizar Áreas Sensíveis / Espasmos / Sacro-ilíacas
  • Inspeção Dinâmica – Flexão ( Aparece ou é agravada- Lesão discal) / Extensão ( Artrose das art.)
  • Mensuração Angular
  • Testes Clínicos
  • Teste de Força Muscular
  • Exame Neurológico
  • Exames Complementares

6. DIAGNÓSTICO

  • RX: Retificação da lordose cervical;

Redução do espaço discal;

Esclerose do osso subcondral;

Osteófitos marginais.

  • História clínica é essencial para avaliação diagnóstica do pcte com lombalgia e lombociatalgia.
  • Idade do pcte
  • Trabalho e Lazer
  • Clínico – Radiológico
  • Exames Laboratoriais

7. TRATAMENTO CLÍNICO CONSERVADOR

  • Analgésicos /AINH /Repouso /Agentes Físicos.
  • Abordagem combina tto conservador , escolas de coluna, orientação ergonômica e fisioterapia
  • 1º REPOUSO - Posição de repouso/ Não deve ser prolongado
  • 2º MEDICAMENTOS – Analgésicos, AINH, Relaxantes musculares, Infiltrações Epidurais