antropologia visual e hiperm dia n.
Download
Skip this Video
Loading SlideShow in 5 Seconds..
Antropologia Visual e Hipermédia PowerPoint Presentation
Download Presentation
Antropologia Visual e Hipermédia

Loading in 2 Seconds...

play fullscreen
1 / 18

Antropologia Visual e Hipermédia - PowerPoint PPT Presentation


  • 248 Views
  • Uploaded on

Antropologia Visual e Hipermédia. 1º ano Antropologia da Imagem 2011/2012 Educação e Comunicação Multimédia Pós-laboral. Docente: Prof. João Maia e Carmo. David Branco 110236004. Antropologia Visual e Hipermédia. Antropologia Visual e Hipermédia. Capítulo 1 - Antropologia Visual

loader
I am the owner, or an agent authorized to act on behalf of the owner, of the copyrighted work described.
capcha
Download Presentation

PowerPoint Slideshow about 'Antropologia Visual e Hipermédia' - ward


An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript
antropologia visual e hiperm dia

Antropologia Visual e Hipermédia

1º ano Antropologia da Imagem 2011/2012

Educação e Comunicação Multimédia Pós-laboral

Docente:

Prof. João Maia e Carmo

David Branco

110236004

antropologia visual e hiperm dia2
Antropologia Visual e Hipermédia
  • Capítulo 1 - Antropologia Visual
  • 1.1 – Definição
  • Nasce em meados do séc. XIX
  • Ramo da Antropologia, aplicada ao estudo e produção de imagens
  • Área da fotografia, cinema e (mais recentemente) dos novos media
  • Observação do real pela imagem
antropologia visual e hiperm dia3
Antropologia Visual e Hipermédia
  • Capítulo 1 - Antropologia Visual
  • 1.2 – Objectivos
  • Utilização das tecnologias de som e da imagem na realização do trabalho de campo
  • Uso da tecnologia na apresentação de resultados de pesquisa
  • Análise dos filmes com vista ao estabelecimento de critérios de apreciação, avaliação e aquisição de boas práticas e de formas de aprendizagem da antropologia e do cinema
antropologia visual e hiperm dia4
Antropologia Visual e Hipermédia
  • Capítulo 2 - As imagens em Antropologia
  • 2.1 – Da fotografia à nova “era digital”
  • Primeira função da imagem: documentar
  • A fotografia e o cinema quando surgem começam a ser questionados pela ciência em geral e, mais especificamente, pelas ciências sociais e pela antropologia
  • Surgem como meio de instrumentação, divulgação, disseminação, comunicação e conhecimento
antropologia visual e hiperm dia5
Antropologia Visual e Hipermédia
  • Capítulo 2 - As imagens em Antropologia
  • 2.1 – Da fotografia à nova “era digital”
  • Com o desenvolvimento da tecnologia diminuem-se as fronteiras entre os media
  • Novas concepções e representações das relações espaço-tempo, distintos períodos, entre presente e memória, regiões diferentes, ligações interdisciplinares, intertextuais e discursivas
  • Hiperescrita
  • Quebra de barreiras entre “profissionais” e “amadores”
  • Tecnologias de memória
antropologia visual e hiperm dia6
Antropologia Visual e Hipermédia
  • Capítulo 2 - As imagens em Antropologia
  • 2.1 – Da fotografia à nova “era digital”
  • Torna-se então urgente encarar o desafio que as tecnologias digitais oferecem à investigação, ensino, criação de espaços virtuais de produção, circulação e utilização do conhecimento e transformações na sociedades contemporâneas
  • Novas áreas de investigação: “sociedade em rede”, “cibercultura”, “ciberantropologia”, “cibersociedade”, “ciberespaço”, “etnologia nas comunidades virtuais”, “inteligência colectiva” e “antropologia digital” – devem ser trazidas para o centro da investigação
antropologia visual e hiperm dia7
Antropologia Visual e Hipermédia
  • Capítulo 2 - As imagens em Antropologia
  • 2.1 – Da fotografia à nova “era digital”
  • A Hipermédia constitui uma forma mais eficaz de integração da antropologia visual com a antropologia através da integração de imagens, sons e audiovisuais com a escrita
  • A Hipermédia constitui uma forma mais eficaz de integração dos filmes com a reflexão teórica
  • A Hipermédia constitui uma forma mais eficaz de integração das práticas actuais com o regresso à antropologia clássica
antropologia visual e hiperm dia8
Antropologia Visual e Hipermédia
  • Capítulo 2 - As imagens em Antropologia
  • 2.2 – O papel das imagens
  • Enriquecer as colecções dos museus, os arquivos, as enciclopédias cinematográficas, etc.
  • Preservação das culturas
  • Comunicação da ciência
  • Manter presente estudos e trabalhos de pesquisa realizados ao longo dos tempos
  • Documentar povos e culturas
  • Permitem ultrapassar a barreira temporal, geográfica, entre outras
  • Tornam os objectos de estudo acessíveis a todos, ao longo dos tempos
antropologia visual e hiperm dia9
Antropologia Visual e Hipermédia
  • Capítulo 3 – Hipermédia
  • Termos proposto por Ted Nelson (anos 60)
  • Nova forma de escrita e leitura, baseada na ligação entre diferentes documentos interrelacionados
  • Consequência do hipertexto,
  • Aproxima ligações a várias formas de media: texto, vídeo, fotografia, som, animação gráfica, etc.
  • Mais que a junção de vários medias no suporte computacional, está relacionada com internet, DVD’s, CD_ROM’s, dispositivos móveis, portáteis, etc.
  • Diferentes finalidades para além
  • da simples disponibilização de
  • informação
antropologia visual e hiperm dia10
Antropologia Visual e Hipermédia
  • Capítulo 4 – Antropologia Visual e Hipermédia
  • 4.1 - Relação
  • Estão associadas desde finais do séc. XIX
  • AlfredCortHaddon, em 1898 foi pioneiro na utilização de imagens e de sons na pesquisa, servindo de incentivo e modelo aos seguintes
  • Em 1901, Baldwin Spencer e Frank Gillen registaram a primeira ligação entre o som e a imagem, marcando o interesse da antropologia na observação e registo das sonoridades e das intervenções verbais e da sua relação com o não-verbal registado pela imagem
  • O primeiro estudo sistemático de terreno com imagem fotográfica e cinematográfica deve-se a MargaretMead, dele resultam a obra BalineseCharacter, a PhotographicAnalysis (1942) e o filme A Balinesefamily (1951).
antropologia visual e hiperm dia11
Antropologia Visual e Hipermédia
  • Capítulo 4 – Antropologia Visual e Hipermédia
  • 4.1 - Relação
  • A Antropologia Visual Não é recente
  • Não emerge com a democratização das tecnologias
  • É uma antropologia de urgência
  • Responsabilidade d reunir e preservar documentos sobre costumes que desaparecem e povos ainda no seu estado natural – sem escrita
  • A Hipermédia contribui para a recolha, transformação e organização de «dados visuais e auditivos, conservados e reprodutíveis» (Mead, 1973)
antropologia visual e hiperm dia12
Antropologia Visual e Hipermédia
  • Capítulo 4 – Antropologia Visual e Hipermédia
  • 4.2 – Caminho para o Futuro
  • Advento dos novos «actores de cultura»
  • Eliminação de barreiras entre amadores e profissionais
  • Proconsumidores
  • Tecnologias digitais como meio de armazenamento de informação e de comunicação ou mesmo de representação do trabalho de campo em antropologia
  • Recurso à hipermédia em todas as fases da pesquisa
  • Torna possível «apresentar todo o percurso de um investigador, articular o processo desenvolvido ao longo de décadas e as contínuas reescritas do percurso»
antropologia visual e hiperm dia13
Antropologia Visual e Hipermédia
  • Capítulo 4 – Antropologia Visual e Hipermédia
  • 4.3 – As novas tecnologias ao serviço da Antropologia
  • Facilitam o trabalho do investigador
  • Acesso público online a inúmeros documentos
  • Contacto directo com autores facilitado
  • Permite obter uma série de dados mesmo antes do início das investigações propriamente ditas
  • Facilidade de comunicar com outros investigadores do mesmo domínio
  • Participação em comunidades virtuais relacionadas com o objecto de estudo com a hipótese de inquirir os participantes em tempo real
  • Internet, computadores e comunicação mediada por computador transformaram-se numa necessidade
  • para o investigador
antropologia visual e hiperm dia14
Antropologia Visual e Hipermédia
  • Capítulo 5 – A Antropologia Visual em Portugal
  • Aparecimento do filme etnográfico como ferramenta da etnologia em meados da década de 60
  • Assenta, entre outros, em imagens de etnias africanas usadas como propaganda colonial pelo Estado Novo
  • Anos 70 – vários realizadores exploram este género
  • Expande-se o filme etnográfico após o 25 de Abril
  • O desenvolvimento deste género aparece ligado ao cinema directo – a realidade tal como ela é
  • Manoel de Oliveira, António Campos, António Reis, Ricardo Costa, SergeTreffaut, Pedro Costa e Margarida Cordeiro
  • Começo marcado pelo filem “nazaré, Praia de Pescadores” (1929) de Leitão de Barros
  • “Maria do mar” (Manoel de Oliveira, 1930) – constitui a primeira etnoficção produzida em Portugal e a segunda a nível mundial
antropologia visual e hiperm dia15
Antropologia Visual e Hipermédia
  • Capítulo 5 – A Antropologia Visual em Portugal
  • Para além da propaganda colonial do Estado Novo, surgem filmes como: “Acto de Primavera”, “Genta da Praia da Vieira”, “mau tempo, marés de mudança”, “Trás-os-Montes” , “O pão e o vinho”, “Vilarinho das Furnas” e “Falamos de Rio de Onor”
  • Procuram captar uma realidade que ameaça extinguir-se a todo o instante
  • Por consequência da Hipermédia, a Antropologia Visual em Portugal tem outros tem outros domínio além do filme etnográfico
  • Registos fotográficos, escritos, de som e de vídeode vários estudos efectuados em Portugal, bem como outros realizados por investigadores portugueses mas no estrangeiro
antropologia visual e hiperm dia16
Antropologia Visual e Hipermédia

Conclusões??

Um percurso comum;

Um conjunto de vantagens;

Apoio da Hipermédia na Antropologia;

Portugal não é excepção;

Antropologia 2.0

obrigado
Obrigado

David Branco – 110236004

contacto@davidmatosbranco.pt