Download
slide1 n.
Skip this Video
Loading SlideShow in 5 Seconds..
Teoria Econ mica: Mercado e Concorr ncia PowerPoint Presentation
Download Presentation
Teoria Econ mica: Mercado e Concorr ncia

Teoria Econ mica: Mercado e Concorr ncia

314 Views Download Presentation
Download Presentation

Teoria Econ mica: Mercado e Concorr ncia

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript

    1. 1 Teoria Econmica: Mercado e Concorrncia Elizabeth M.M.Q.Farina Seminrio Internacional sobre Direito da Concorrncia Conselho da Justia Federal Abril, 2005

    2. CADE Conselho Administrativo de Defesa Econmica 2 Redefinio do Papel do Estado Estado como regulador de uma economia de livre mercado instituies

    3. CADE Conselho Administrativo de Defesa Econmica 3 Mercado e Concorrncia Mercado Eficiente Preos refletem oferta e demanda Informao Lucros efmeros Monoplio Lucros no efmeros (barreiras) Oligoplio Interdependncia entre rivais Estratgia

    4. CADE Conselho Administrativo de Defesa Econmica 4 Defesa da Concorrncia e Regulao

    5. CADE Conselho Administrativo de Defesa Econmica 5

    6. CADE Conselho Administrativo de Defesa Econmica 6 POLTICA ANTITRUSTE OU DEFESA DA CONCORRNCIA

    7. CADE Conselho Administrativo de Defesa Econmica 7

    8. CADE Conselho Administrativo de Defesa Econmica 8 Atos de Concentrao Viso Estrutural fragmentao desejvel concorrentes pequenos tem que ser preservados concentrao leva a prticas monopolistas em detrimento dos consumidores e da eficincia alocativa econmica nfase na eficincia concentrao reflete caractersticas da tecnologia e das preferncias do consumidor concentrao reflete eficincia small is beautiful but big is not bad

    9. CADE Conselho Administrativo de Defesa Econmica 9 Condutas

    10. CADE Conselho Administrativo de Defesa Econmica 10 Condutas Escola de Chicago Cartel equilbrio no estvel Outras condutas no estveis Ps-Chicago Cartel - equilbrio estvel Outras condutas estratgias no vazias

    11. CADE Conselho Administrativo de Defesa Econmica 11 Uma fronteira cinzenta Certamente o governo no pode condenar uma firma por aumentar a demanda por seu produto fornecendo informao aos consumidores, por reduzir seus prprios custos investindo em P&D e em capital fsico, ou por acumular experincia. O problema que a maioria das decises que tornam a firma saudvel tambm melhoram sua posio de mercado em relao aos ingressantes potenciais e efetivos . (Tirole, 1988:323)