slide1 n.
Download
Skip this Video
Loading SlideShow in 5 Seconds..
EMERGÊNCIAS E URGÊNCIAS PSIQUIÁTRICAS PowerPoint Presentation
Download Presentation
EMERGÊNCIAS E URGÊNCIAS PSIQUIÁTRICAS

Loading in 2 Seconds...

play fullscreen
1 / 76

EMERGÊNCIAS E URGÊNCIAS PSIQUIÁTRICAS - PowerPoint PPT Presentation


  • 160 Views
  • Uploaded on

EMERGÊNCIAS E URGÊNCIAS PSIQUIÁTRICAS. Antonio Carlos Messias – maio / 2010. conceito epidemiologia diagnóstico diferencial objetivos abordagem inicial. Definida como alteração grave do pensamento, do comportamento ou do humor que demanda atenção imediata. Grupos de risco:

loader
I am the owner, or an agent authorized to act on behalf of the owner, of the copyrighted work described.
capcha
Download Presentation

PowerPoint Slideshow about 'EMERGÊNCIAS E URGÊNCIAS PSIQUIÁTRICAS' - suchi


An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript
slide1

EMERGÊNCIAS E URGÊNCIAS PSIQUIÁTRICAS

Antonio Carlos Messias – maio / 2010

slide2

conceito

  • epidemiologia
  • diagnóstico diferencial
  • objetivos
  • abordagem inicial
slide3

Definida como alteração grave do pensamento, do comportamento ou do humor que demanda atenção imediata.

slide4

Grupos de risco:

  • adultos jovens , abaixo dos 40 anos;
  • mulheres;
  • pacientes solitários;
  • minorias e pessoas com baixa condição socioeconômica;
  • Quadros mais comuns:
  • agitação ou ansiedade;
  • ameaças ou comportamentos suicidas ou agressão; psicoses.
  • Transtornos mais frequentes:
  • uso abusivo de álcool;
  • doença física;
  • Transt. Psiquiátrico crônico .
slide5

CAUSAS MAIS FREQUENTES DE EMERGÊNCIAS:

  • demanda por parte do paciente;
  • comportamento extravagante, ideias estranhas;
  • violência (contra outrem, contra propriedade, etc);
  • tentativa de suicídio
  • escândalo público;
  • sobrecarga;
  • abandono social
slide6

Situações Específicas Mais Comuns

1) O Paciente Deprimido Grave

2) A Tentativa de Suicídio

3) O Paciente Psicótico

4) O Paciente Violento

5) O Paciente Ansioso

slide7

Diagnóstico diferencial:

  • EMERGÊNCIA: situação de risco grave – intervenções imediatas e inadiáveis (minutos ou horas) ex:violência,tentativa de suicídio....
  • URGÊNCIA: situação de um risco menor – intervenções a curto prazo (dias ou semanas) ex: comportamento bizarro,qdros de ansiedade.....
  • ELETIVAS: a rapidez da intervenção não é critério essencialmente importante:ansiedade leve,distúrbios de relac. Interpessoal...
slide8

Pacientes clínicos:

logo que se sentem doentes procuram os serviços de atendimento em saúde;

Pacientes psiquiátricos (psicóticos em geral):

aos sinais de piora fogem dos serviços de atendimento e abandonam o uso de medicamentos. Não se acham doentes ou que necessitem de ajuda. Na maioria das vezes não aceitam tratamento.

Pacientes Psiquiátricos precisam de espaço adequado. Colocá-los em pequenas enfermarias é provocar ainda mais a irritabilidade, a agitação e a agressividade dos mesmos.

slide9

FONTES DE ANSIEDADE

(MÉDICO)

CONDUTA DO PACIENTE (violência, suicídio, recusa ao tratamento);

FUNCIONAMENTO DOS SEVIÇOS (meios precários, acúmulo de pacientes)

TOMADA DE DECISÕES (rapidez,críticas, incerteza, responsabilidade profissional)

slide10

Local de Atendimento da Emergência Psiquiátrica

*Difícil ter situação ou local ideal.

1)Local:

  • Com privacidade possível:
    • facilitar que o paciente fale livremente.
    • evitar exposição física e moral.
  • “seguro”: o paciente não ter
    • acesso a materiais cortantes ou que possam ser utilizados para agredir.
slide11

2)Paciente com risco de violência:

  • Facilidade de acesso de outros profissionais de saúde e de segurança.
  • Ficando sozinho:
    • manter a porta do consultório aberta e pemanecer perto dela.
    • prudente avisar os outros funcionários.
slide12

3)Se possível saber com antecedência que tipo de paciente será atendido:

  • Preparação do material para contenção mecânica.
  • Medicação – agitação psicomotora.
  • Suporte de pessoal para o atendimento.

4)Serviços diagnósticos e auxílio de outros especialistas.

slide13

Detalhes da Avaliação na Emergência

  • Limitação do tempo
  • Quanto mais informações, melhor
  • Relacionamento médico-paciente:
    • Gde parte da entrevista psiquiátrica: saber ouvir e observar
    • Ser franco, honesto, calmo e não ameaçador.
    • Transmitir a idéia de que o médico está no controle e agirá decisivamente para protegê-lo de lesões a si mesmo e aos outros.
    • Erro do psiquiatra de emergência: ignorar uma doença física como causa de uma alteração de comportamento.
slide14

informar claramente ao paciente o plano terapêutico a ser instituído,

    • cada conduta tomada deve ser explicada ao paciente
    • ouvir a opinião do paciente a respeito
  • garantir a adesão
slide15

sempre que possível colher as informações com o próprio paciente

  • usar todas as fontes de informação disponíveis
    • familiares
    • serviços de referência ou de seguimento
    • policiais
    • prontuários médicos
slide16

Tempo limitado para a realização da entrevista

    • características clínicas que exigem intervenção precoce.
    • pressões da demanda
    • expectativas da equipe
  • Entrevista dirigida
    • busca ativa dos sinais e sintomas
slide17

Quatro questões

    • Compreensão
        • Qual o problema?
        • Quem é a pessoa?
        • Por quê agora?
    • Ação
        • Qual o problema focal?
slide18

Regra geral:

  • sinais ou sintomas psiquiátricos podem ser a primeira manifestação de:
    • problemas clínicos
    • problemas neurológicos
    • uso ou abstinência de substâncias
    • Transtornos psiquiátricos
slide19

Avaliação do risco de suicídio

  • nenhum fator de risco ou combinação de fatores tem uma especificidade e uma sensibilidade suficientes para selecionar aqueles que vão ou não tentar o suicídio
  • o mais importante ainda é o julgamento clínico.
slide20

PRINCIPAIS OBJETIVOS DE UM ATENDIMENTO DE EMERGÊNCIA

1)Estabilização do quadro

2)Hipóteses Diagnósticas

3)Exclusão de Causa orgânica

4)Encaminhamento

slide21

1)Estabilização do quadro:

abordagem

+

controle

(verbal, medicamentoso, físico)

simultaneamente – os demais processos do atendimento vão se desenrolando

(história, exame do paciente)

slide22

2)Hipóteses Diagnósticas:

“idéia” do que está acontecendo:

quadro orgânico, psicótico, de humor, de ansiedade, de personalidade

(hipótese provisória)

referência para a condução do atendimento

slide23

3)Exclusão de Causa orgânica:

Exames laboratoriais e de imagem

Indícios de causa orgânica:

  • história do paciente
  • exame físico
  • exame do estado mental (consciência, atenção, sensopercepção, orientação e memória)

Suspeita

slide24

Algumas características que indicam suspeita de organicidade

1) Início agudo

2) Primeiro episódio

3) Idade avançada

4) Dça ou lesão orgânica atual

5) Abuso significativo de substâncias

6) Alucinações não auditivas

7) Sintomas neurológicos

8) Alterações estado mental sugestivas:

  •  estado de alerta, desorientação, alteração da memória, da atenção, concretismo.
slide25

4)Encaminhamento

  • Raramente o atendimento de emergência se encerra em si mesmo:

estabilização do quadro

+

controle dos riscos

sequência de tratamento

slide26

INDICAÇÕES DE INTERNAÇÃO PSIQUIÁTRICA

  • Risco de suicídio
  • Risco de agressão
  • Risco de homicídio
  • Autonegligência grave
  • Refratariedade e patologia de difícil controle em ambulatório
  • Troca de esquema terapêutico que exija cuidados ou coloque o paciente em situação de risco (piora dos sintomas ou efeitos adversos)
  • Paciente sem suporte familiar necessário para o tratamento ideal
slide27

Parâmetros legais para a internação involuntária no Brasil

  • A essência das justificativas de uma internação involuntária está na perda da autonomia do indivíduo,decorrente de sua doença mental,que o impede de compreender e entender o caráter desadaptativo de seu estado.
  • Há ainda outros quadros psiquiátricos que, mesmo não apresentando desorganização das funções psíquicas como a consciência e o pensamento, muitas vezes demandam internação contra a vontade do paciente,como nos transtornos alimentares.
slide28

A Lei Federal 10.216/2001: alguns pontos de destaque:

  • com relação às internações psiquiátricas,a lei define suas modalidades,bem como suas justificativas;
  • a necessidade de comunicar o Ministério Público da internação e da alta desses pacientes:
  • tal norma tem sido cumprida anexando-se um “Termo de Comunicação de Internação Psiquiátrica Involuntária” aos doc. médicos necessários para proceder a internação.O próprio hospital se encarrega de tranmiti-los ao Ministério Público,geralmente via fax,sendo o Diretor Clínico o responsável técnico referido na lei.
  • .
slide29

Fica claro na lei que os responsáveis legais têm o direito de retirar os pacientes.

  • A internação involuntária existe em psiquiatria porque tal capacidade por vezes falta ao paciente. Qdo. Isso ocorre, alguém toma em suas mãos as deliberações sobre a vida dele,analogamente ao caso de pessoas interditadas. E a lei brasileira é clara ao dizer quem assume tal papel, no art. 1.775 do Novo Código Civil.
  • O médico,entretanto, decide nos casos em que não há família no momento ou se o riso da não internação é extremo.
slide30

Condições que podem justificar internação involuntária e transtornos que ocorrem mais frequentemente:

transtornos psicóticos - agressividade,risco suicida,não adesão ao tratamento;

mania – agressividade,promiscuidade sexual,gastos excessivos,não adesão ao tratamento;

depressão grave – risco suicida,recusa alimentar.

slide31

Anorexia – risco suicida,recusa alimentar,não adesão ao tratamento;

demência – agressividade,recusa alimentar,não adesão ao tratamento;

dependência química – agressividade,intoxicação com risco de morte,não adesão ao tratamento;

síndrome de abstinência – agressividade,risco suicida

slide32

Tópicos Essenciais

  • Só são voluntárias as internações nas quais o paciente assina o termo de consentimento
  • Qualquer internação sem assinatura expressando o consentimento é involuntária
  • As internações determinadas judicialmente são chamadas compulsórias
slide33

A internação psiquiátrica deve ser sempre feita por um médico (não obrigatoriamente psiquiatra)

A internação involuntária pode ser encerrada por solicitação expressa da família

Em casos de risco iminente,a alta pode ser recusada

slide35

Os comportamentos agressivos de pessoas portadoras de transtorno mental tem uma contribuição insignificante no comportamento violento na sociedade como um todo

slide36

Relação estatisticamente significativa entre entre transtorno mental e violência

    • Comportamento agressivo
      • 11% das pessoas com transtorno mental
      • (Steinwachs et al, 1992)
      • 24% nos 4 meses após a alta hospitalar
    • (Monahan, 1990)
slide37

Características demográficas

  • sexo masculino
  • 15 - 24 anos
  • não branco
  • baixo nível sódio-econômico
  • baixa escolaridade
  • pobreza
  • ausência de vínculos
    • valor preditivo questionável
slide38

Pacientes podem estar violentos por muitas causas e razões...

Tentar determinar a causa

(relação direta com o contexto em que se expressou)

Tratamento

slide39

Situações mais comuns:

    • Trs mentais orgânicos: delirium e intoxicação/abstinência de drogas.
    • Trs cerebrais: epilepsia (ictais, pós-ictais e interictais, sd parciais complexas), alterações dos lobos frontal e temporal.
    • Trs de personalidade: anti-social, paranóide, borderline.
    • Trs psicóticos: esquizofrenia (paranóide, catatônica), TAB (mania e ep misto), psicose pós-parto.
slide40

Preditores de comportamento violento:

    • O próprio comportamento do paciente durante a consulta.
    • História de consumo de álcool ou drogas excessivos.
    • História de atos violentos (com detenções legais ou atividade criminosa).
    • História de abuso na infância.
    • Baixa tolerância a frustações, baixa auto-estima, impulsividade.

*Diagnóstico psiquiátrico, desemprego e estado civil – não são bons indicadores de violência!!

slide41

PECULIARIDADES DA SITUAÇÃO

  • Lidar com os próprios sentimentos
    • Indicativo do potencial de violência
    • Estabelecimento de medidas preventivas
      • Clínicos experientes
    • Sentimentos negativos (medo ou raiva)
      • Evitar condutas punitivas ou
      • excessivamente permissivas
slide42

Cont...PECULIARIDADES DA SITUAÇÃO

  • Expectativas da equipe
    • pressões do staff, acompanhantes, serviço social, polícia para que a intervenção seja rápida
  • Implicações legais
    • Documentação minuciosa
slide43

REDUÇÃO DOS RÍSCOS DE VIOLÊNCIA

  • Treinamento da equipe
  • Disponibilidade de equipe de segurança
  • Organização do espaço físico
  • Sistema de alarme
  • Checar o porte de armas
  • Afastar pessoas que possam ser desestabilizadoras para o paciente
slide44

CONT...RED. DOS RISCOS DE VIOLÊNCIA

  • Ser observado por outros membros da equipe
  • Evitar fazer anotações
  • Atenção ao comportamento do paciente:
    • fala provocativa e ameaçadora
    • tensão muscular
    • hiperatividade
    • impaciência
    • desconfiança
slide45

Fatores que diminuem os riscos de ato violento

  • experiência da equipe
  • treinamento e reciclagem
  • adequação do comportamento
  • suporte contínuo para membros da equipe que tenham sofrido agressões
slide46

TÉCNICA DE ENTREVISTA

  • não fazer movimentos bruscos
  • olhar diretamente para o paciente
  • manter uma certa distância física
  • flexibilidade na condução da entrevista
  • definição clara dos papéis
  • empatia
  • estabelecer rapport
slide47

CONT...TÉC. DE ENTREVISTA

  • perguntas claras e diretas, fala pausada;
  • colocar limites de maneira clara;
  • sem ameaças ou humilhações;
  • não confrontar;
  • estimular o paciente a expressar os seus sentimentos em palavras;
  • assegurar ao paciente que você pretende ajudá-lo a controlar seus impulsos.
slide48

AVALIAÇÃO

  • diagnóstico diferencial
    • delírios paranóides
    • alucinações de comando
    • Ideação suicida/homicida
    • intoxicação ou abstinência
    • delirium
    • saber se o terapeuta ou membros da equipe foram envolvidos no delírio
slide49

AVALIAÇÃO

  • história passada de violência
    • Bom preditor
    • Circunstâncias
    • Frequência
    • Intensidade
    • Problemas legais
slide50

AVALIAÇÃO

  • risco atual
    • prováveis vítimas
    • planos
    • estressor ambiental
    • como chegou ao serviço
    • capacidade de autocontrole
  • história familiar de violência
slide51

MANEJO

Contenção Mecânica:

  • Instrumento importante para o controle de pacientes violentos – bem indicada e conduzida.
  • Indicações:
    • Prevenir danos físicos iminentes à equipe, aos outros pacientes, a si mesmo e também ao ambiente.
    • Diminuir a quantidade de estímulos que o paciente está recebendo.
    • Atender a solicitação do paciente.
slide52

1) Equipe de 5 pessoas – apenas 1 conversa com o paciente (médico). Os outros 4 devem conter os membros. Faixa torácica após a imobilização dos membros.

2) A faixas devem ser de material resistente.

3) O paciente deve ser informado com exatidão sobre o que está acontecendo durante o processo de contenção.

4) Posição: decúbito dorsal e com a cabeça levemente elevada.

slide53

5) Se a contenção for na sala de admissão – revistar o paciente em busca de drogas ou armas.

6) Monitorização frequente em relação ao nível de consciência e aos sinais vitais.

7) Os motivos e particularidades do procedimento devem ser registrados adequadamente no prontuário médico.

8) Assim que o paciente estiver controlado, as faixas devem ser retiradas.

slide54

MANEJO FARMACOLÓGICO

  • Os princípios da abordagem psicofarmacológica são: rápido inicio de ação,facilidade de administração da medicação,mínimos efeitos colaterais e mínima interação medicamentosa.
  • O objetivo imediato do manejo farmacológico da agitação psicomotora aguda é o controle comportamental,e não diretamente a sedação,que pode ser considerada objetivo secundário.
  • São empregadas três classes de medicação: antipsicóticos típicos,benzodiazepínicos e mais recentemente,antipsicóticos atípicos.
slide55

A escolha da medicação deve ser guiada, quando possível pela patologia psiquiátrica subjacente. A agitação em paciente psicótico deve ser tratada com antipsicótico,enquanto a agitação de um paciente ansioso deve ser tratada, preferencialmente,com benzodiazepínicos. Se o diagnóstico não estiver claro deve ser guiada pela síndrome delineada.

  • A via de administração dependerá da cooperação do paciente:
  • (IM) - tem a vantagem de ser realizada sem a cooperação do paciente.
  • (VO) – pode ter os mesmos resultados que a IM – nas emerg. a maior parte dos paciente aceita a medicação VO.
  • O uso de medicações parenterais pode ser inviável e arriscado.
slide56

Antipsicóticos típicos (Ats) - em geral os Ats de alta potência ( HALOPERIDOL) são considerados mais seguros do que os de baixa potência (CLORPROMAZINA).

  • HALOPERIDOL – é utilizado por via oral,intramuscular e endovenosa. A dose média oral é de 7,5 – 10 mg/dia.
  • A via IM é mais viável na situação de emergência .O inicio da ação por via IM ocorre de 30 a 60 min. após a aplicação. É usualmente aplicado 5 mg IM que pode ser repetido em períodos de1 a 4 horas até a dose máxima de 50mg/dia.
  • CLORPROMAZINA – é utilizada em apresentações oral e intramuscular,com dose média oral entre 200 a 600 mg/dia – IM pode-se usar 25-50mg que pode ser repetida de uma a quatro horas. No entanto apresenta importantes efeitos anticolinérgicos, o que deve ser considerado em especial nos casos de delírium e em pacientes idosos.
slide57

Antipsicóticos atípicos

  • RISPERIDONA - A risperidona (2mg VO), combinada com o lorazepam (2mg),mostrou-se comparável à combinação de haloperidol (5mg) e lorazepam (2mg) para o manejo agudo da agitação em pacientes psicóticos.
  • Olanzapina, Ziprasidona, Quetiapina, Aripiprazol devido ao seu alto custo não são frequentemente utilizados e, por isso, não serão tratados aqui.
  • Assim como o haloperidol, os antipsicóticos atípicos podem causar aumento do intervalo QTc. Alguns, como a olanzapina e a quetiapina, podem causar hipotensão ortostática, sendo aconselhado o monitoramento dos sinais vitais, em especial se doses repetidas são utilizadas.
slide58

Benzodiazepínicos -existem evidências que,no contexto da agitação são tão efetivos quanto o haloperidol, ou até mesmo superiores no tratamento de agitação por quadro psicótico e maníaco.

O LORAZEPAM é geralmente a escolha mais comum para uso na agitação. É o único com absorção rápida e completa por via IM. Possui um tempo de ação de 8 a 10 horas e tem poucas interações medicamentosas. No entanto apenas a apresentação oral está disponível no Brasil.

Com respeito ao DIAZEPAM - não tem sido a primeira escolha no tratamento das agitações com exceção das relacionadas com a abstinência por álcool. É geralmente utilizado por via oral.

slide59

PROMETAZINA – é um medicamento amplamente utilizado associado a antipsicóticos devido ao seu potencial de sedação e indução de sono e um certo papel na redução dos efeitos colaterais dos antipsicóticos.Disponível em ampolas de 2ml com 50mg por ampola.

TRATAMENTOS COMBINADOS - a combinação de fármacos tem como alvos a excitação, a agressividade e a ansiedade.

Haloperidol 5 mg e midazolam (esse último podendo ser utilizado de 2,5 a 15 mg. Essa associação tem um baixo perfil de efeitos colaterais, sendo também bastante eficaz .

Outra opção de tratamento combinado inclue haloperidol e prometazina – controle dos sintomas psicóticos,maior poder de sedação e controle parcial sobre sintomas extrapiramidais.

slide61

Quase todos os pacientes na sala de emergência têm algum grau de ansiedade.

  • Quadros de ansiedade patológica: motivo da procura do PS (clínico e PQ).
    • Transtornos somatoformes e conversivos.
    • Ataques de pânico.
    • Reações agudas ao estresse.
    • Quadros de ansiedade de origem orgânica.
slide62

As causas clínicas de ansiedade devem ser sempre consideradas inicialmente.

  • Na abordagem inicial mostrar sempre uma postura calma e ter uma atitude de reasseguramento.Importante encorajar o paciente a relatar toda a sintomatologia.
  • Realizar uma entrevista com o objetivo de obter o maior número de informações possíveis.Caso não seja possível, realizar uma entrevista breve inicialmente.Em outro momento, buscar outras informações complementares.
slide63

Após escutar a descrição dos sintomas do paciente, mapear:

    • História das manifestações psicológicas e fisiológicas de ansiedade; aguda / crônica.
    • Evento que precedeu essas manifestações.
    • Como ele reagiu a tais sintomas no passado?
    • Doenças ou medicações clínicas ou psiquiátricas associadas.
    • Uso de álcool ou drogas.
    • História familiar de doença mental.
    • Vínculo afetivo, profissional e social.
    • Internação PQ ou clínica.
slide64

SINTOMAS SOMÁTICOS DE ANSIEDADE

Musculoesqueléticos: aperto nos músculos, espasmos, dor lombar, cefaléia, fraqueza, tremores, hiperatividade, resposta reflexa exagerada.

Cardiovasculares:palpitações, taquicardia, sensação de calor e frio, palidez, dor no peito.

GI : boca seca, diarréia, sintomas dispépticos, “bola que sobe e desce”, náuseas e vômitos.

Urinários: polaciúria.

SNC: tontura, parestesias, cefaléia.

Respiratórios: hiperventilação, taquipnéia, aperto no peito.

Miscelânia: sudorese, mãos apertadas, agitação.

slide65

No exame físico deve-se considerar o estado geral do paciente,com atenção a estados febris,desidratação,hipóxia,alterações do aparelho cardio respiratório.

  • Em relação ao exame psíquico do paciente ansioso,podemos ter uma aceleração do discurso;parecendo uma hipomania;ou lacônico. O humor pode ser ansioso ou deprimido.
  • Em relação à investigação com exames laboratoriais,devemos realizar hemograma,eletrólitos,glicemia,uréia,creatinina,função tireoidiana e eletrocardiograma para confirmar ou excluir patologias clínicas causadoras dos sintomas.
  • A investigação deverá prosseguir com exames complementares como toxicológicos na urina e/ou sangue,função hepática,tomografia,eletroencéfalograma.
slide66

Diagnóstico Diferencial dos quadros orgânicos e os de origem psiquiátrica:

  • História mórbida pregressa.
  • Revisão de sistemas.
slide67

QUADRO ORGÂNICO - sintomas por:

    • Uso de substâncias (cocaína e anfetamina).
    • Abstinência de sedativos (BZDs e álcool).
    • Algumas doenças orgânicas (neurológicas, endocrinológicas, circulatórias, reumáticas, etc).
slide68

Transtornos Somatoformes:

    • Múltiplos sintomas físicos, não explicados por nenhum transtorno físico detectável.
    • Preocupação com os sintomas  angústia persistente (consultas repetidas).
    • Recusa persistente em aceitar o reasseguramento de que não há nenhuma causa física para os sintomas apresentados.
    • Na emergência: diagnóstico é importante para que não sejam feitas intervenções clínicas desnecessárias.
slide69

Transtorno Conversivo

    • “Histeria” - conotação pejorativa.
    • Investigação clínica SEMPRE!!
    • Conhec/o suficiente do ambiente psicológico e social, das relações pessoais – possibilidade de se formular as razões para o aparecimento do transtorno.
    • A incapacidade física – ajuda o paciente a escapar de um conflito desagradável ou da expressão direta de seus sentimentos.
    • Apresentações: incapacidade de mover todo ou parte de um membro ou membros, paralisias, convulsões, analgesias, cegueiras, surdez.
slide70

Ataques de Pânico:

    • Extremamente comuns nas emergências (cardiologia).
    • Sensações de palpitação, falta de ar, sudorese, náusea, sensação de morte iminente ou perda do controle.
    • Episódios de intensa ansiedade, abruptos.
    • Tendem a desaparecer em no máx 1 hora.
slide71

Reação Aguda ao Estresse

    • Paciente exposto a um estresse mental ou físico excepcional, seguido de um início imediato de sintomas:
      • Estupor dissociativo.
      • Retraimento social inesperado.
      • Diminuição da atenção.
      • Desorientação aparente.
      • Raiva, agressividade verbal.
      • Desespero.
      • Hiperatividade.
      • Pesar incontrolável e excessivo.
slide72

Melhora relacionada com:

    • a avaliação e a tranquilização.
    • Medicação – agente ansiolítico ou outro recurso terapêutico.
  • Encaminhamento:
    • Verificar a necessidade de uma avaliação mais detalhada por um especialista.
    • Raramente há a necessidade de uma internação psiquiátrica.
slide73

Tratamento medicamentoso na Emergência

  • Os benzodiazepínicos são os psicofármacos mais utilizados para a tranquilização dos pacientes,constituindo o tratamento de escolha na emergência para os transtornos ansiosos.
  • Promovem alívio rápido dos sintomas ,com poucos efeitos colaterais.
  • São considerados seguros,porém são necessários alguns cuidados em relação à idade dos pacientes (idosos e crianças), condições clínicas associadas como: gestantes, puérperas,pacientes com problemas renais,hepáticos cardiológicos e pulmonares.
  • Os benzodiazepínicos podem causar lentificação psicomotora,prejuízo na memória,além de reação paradoxal.
slide74

A prescrição a longo prazo deve ser realizada com cautela,levando em consideração o tipo de tratamento ansioso, o grau de comprometimento do paciente e até que ele consiga tratamento ambulatorial.

Benzodiazepínicos

Clonazepam: 0,5 a 2mg por dia: meia vida de 18 a 50h.

Diazepam: 5 a 40mg por dia: meia vida de 30 a 100h.

Alprazolam: 0,5 a 2mg por dia: meia vida de 6 a 20h.

Lorazepam: 2 a 6mg por dia: meia vida de 10 a 20h.

slide75

O alprazolam tem sido muito utilizado para o transtorno de pânico,podendo ser usado na dose de 0,5mg três vezes ao dia.

  • O clonazepam tem ação mais prolongada que o alprazolam e com maior tempo de início de ação.Em vista de sua meia – vida,tem sido uma alternativa para os pacientes com pânico.
  • Em relação ao tratamento de manutenção temos os antidepressivos de vários perfis de ação.Cada paciente deve ser avaliado com critério para estabelecer as comorbidades psiquiátricas,a fim de eleger o antidepressivo que melhor trate os transtornos.
slide76

Os antidepressivos apresentam alguns efeitos colaterais,principalmente cardiovasculares;o inicio de sua ação demora em média 15 dias.

  • A psicoterapia cognitivo comportamental deve ser recomendada aos pacientes com transtornos ansiosos,principalmente no pânico com evitação fóbica.
  • Alguns pacientes recorrem com frequencia aos serviços de emergência,mesmo em tratamento de manutenção;nesse caso,deve-se avaliar a terapia farmacológica de manutenção que o paciente está utilizando.