Cabeamento Estruturado - PowerPoint PPT Presentation

senta
slide1 n.
Skip this Video
Loading SlideShow in 5 Seconds..
Cabeamento Estruturado PowerPoint Presentation
Download Presentation
Cabeamento Estruturado

play fullscreen
1 / 24
Download Presentation
Cabeamento Estruturado
90 Views
Download Presentation

Cabeamento Estruturado

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript

  1. Cabeamento Estruturado Data: 06/09/2012

  2. Dispositivos Passivos: Não modificam o fluxo de sinal, ou seja, não amplificam nem regeneram o sinal. Esses elementos são indispensáveis para o bom funcionamento da infra-estrutura de cabeamento estruturado. Dispositivos Passivos

  3. Cabos de Transmissão O bom funcionamento de uma rede de computadores depende grande parte de um cabeamento bem feito. A estimativa é de que 70 por cento dos defeitos de uma rede estão relacionados a problemas de cabeamento. Há vários tipos de cabos cuja utilização varia conforme a aplicação.

  4. Possui 4 camadas que aumentam a eficiência dessa cabo contra interferências externas. • Cabos de Transmissão - Cabo coaxial

  5. Consiste de dois condutores cilíndricos, um interno e outro externo, separados por um material dielétrico. O interno é o condutor e o externo é proteção. Apresenta resistência de 50 ohms. • Cabos de Transmissão - Cabo coaxial

  6. Taxa máxima de 10 Mbps; Transmissão tipo baseband(uni-canal). Half-duplex; Comprimento máximo de 185 m; Limite de 30 máquinas por segmento de rede; Conexão de cada micro c/ a rede: Conector BNC em T. • Cabo Coaxial Fino - 10Base2

  7. Taxa máxima de 10 Mbps; Transmissão tipo baseband(uni-canal). Half-duplex; Comprimento máximo de aproximadamente 500 m ; Limite de 30 máquinas por segmento de rede; Conexão de cada micro c/ a rede: Conector AUI Usa conectores AUI • Cabo Coaxial Grosso - 10Base5

  8. Cabo Coaxial -Tipos de Transmissão Transmissão Baseband: Uni-canal; Digital; Unidirecional ; Half-duplex .

  9. Cabo Coaxial -Tipos de Transmissão Transmissão Broadband: Multi-canal; Analógica e permite vários canais simultâneos; Unidirecional ; Para transmitir dados nas duas direções: Utilizar dois cabos (um para transmissão e outro para recepção) ; Divisão dos canais ao meio, com a metade da velocidade máxima do canal. 10Mbps em dois canais de 5Mbps.

  10. Corresponde ao conjunto de dois fios de cobre enrolados de forma espiralada(transposição). Nesse tipo de cabo são esses fios que transportam os sinais em uma rede de computadores. • Cabo Par Trançado – Par metálico Par Metálicos

  11. Cabo Par Trançado - Tipos UTP (UnshieldedTwistedPair)– sem blindagem. FTP (FoiledTwistedPair)– Blindagem envoltória STP (ShieldedTwistedPair)– blindagem por par;

  12. Cabo Par Trançado - Características Bitola: 24 AWG. Impedância: 100 Ohms. Capacidade de transmissão: 10Mbps (Ethernet), 100Mbps (Fast Ethernet), 1Gbps (Giga Ethernet) e 10Gbps. Conector: 8P8C. Distância máxima: 100m. Tipo Conexão: direto ou cruzado (crossover). Redes 10BaseT, 100BaseT e 1000BaseT

  13. Camada isolante plástica que protege a blindagem evitando que ela entre em contato com tensões indesejadas. • Cabo Par Trançado - Características Melhores resultados e menor custo para implantação de estrutura de rede, fácil manuseio. Menor rigidez mecânica e mais suscetível a interferências eletromagnéticas (EMI).

  14. Cabos Par Trançado- Categorias

  15. Cabos Par Trançado - Categorias

  16. Largura de Banda (Bandwidth): Mede a taxa máxima de dados capaz de trafegar num determinado meio por unidade de tempo. Medida em Hertz (Hz) Taxa de velocidade (Bitrate): quantidade de dados efetivamente transferidos, ou seja, velocidade de transferência de dados. Medida em Bits por segundo (bps). Conceitos de Transmissão de Dados

  17. Nomenclatura • 10BASE T 10, 100 e 1000 velocidade em Mbps A palavre Base representa a banda Base • 100BASE TX A letra T representa Par Trançado de cobre • 100OBASE TX A letra X representa Full Duplex

  18. Cabos Par Trançado – Conectorização Para a conectorização normal será usado o diagrama EIA-568b nos dois conectores . Para a conectorizaçãocrossover, é usado um conector do padrão EIA-568b e um EIA-568a

  19. Cabos Par Trançado – Conectorização Para a conectorização normal será usado o diagrama EIA-568b nos dois conectores . Para a conectorizaçãocrossover, é usado um conector do padrão EIA-568b e um EIA-568a

  20. Fibra Óptica Transmite informações através de sinais luminosos em vez de elétricos; Não sofrem interferências eletromagnéticas (EMI); Totalmente imune a ruídos;

  21. Fibra Óptica Altas taxas de transmissão; Confiabilidade maior; Como a fibra só pode transmitir em uma direção por vez, o cabo de fibra possui duas fibras: uma para recepção e outra para transmissão de dados (full-duplex) Utilizada normalmente no backbone(espinha dorsal da rede)

  22. Fibra Óptica - Tipos Modo Único ou Monomodo SMF (Single ModeFiber): Utilizada em telefonia e em aplicações que exigem longas linhas (vários km); Espessura: 8 a 10 microns (1 micron = 1 milésimo de milímetro) ; Usa feixe de laser ; Não sofre reflexão nas paredes; 100BaseFx – limite de 20 km; 1000BaseLX – limite de 5km.

  23. Fibra Óptica - Tipos Modo Múltiplo ou Multimodo (MMF – MultipleModeFiber) - 10BaseFL - primeiro padrão de redes Ethernet para fibras ópticas. Máximo-2km. 100BaseFX - limite de 412m por segmento, operando em half-duplex. Para full-duplex chega a 2km utilizando dois cabos. 1000BaseSX – padrão de redes Gigabit Ethernet mais usado. Limite de 220m. SX (short) – comprimento de onda de 850 nm. 1000BaseLX – padrão de redes Gigabit Ethernet. Limite de 550m. LX (long) – comprimento de onda de 1300 nm

  24. Bibliografia Básica: PINHEIRO, José Maurício. Guia completo de cabeamento de redes. Rio de Janeiro: Campus, 2003. PINHEIRO, José Maurício. Cabeamento óptico. Rio de Janeiro: Campus, 2004. PINHEIRO, José Maurício. Infra-estrutura Elétrica para Redes de Computadores. Rio de Janeiro: Campus, 2008. Complementar: MARIN, Paulo Sérgio. Cabeamento estruturado: desvendando cada passo do projeto à instalação. São Paulo: Érica, 2008. RUSCHEL, Guedes André. Do Cabeamento ao Servidor. Rio de Janeiro: Brasport, 2007.