diretoria de ensino regi o mogi das cruzes n.
Download
Skip this Video
Loading SlideShow in 5 Seconds..
DIRETORIA DE ENSINO – REGIÃO MOGI DAS CRUZES PowerPoint Presentation
Download Presentation
DIRETORIA DE ENSINO – REGIÃO MOGI DAS CRUZES

Loading in 2 Seconds...

play fullscreen
1 / 22

DIRETORIA DE ENSINO – REGIÃO MOGI DAS CRUZES - PowerPoint PPT Presentation


  • 286 Views
  • Uploaded on

DIRETORIA DE ENSINO – REGIÃO MOGI DAS CRUZES. PREVENÇÃO TAMBÉM SE ENSINA / COMUNIDADE PRESENTE BULLYING PCOP - Jussara B. Alves 2009. Bullying.

loader
I am the owner, or an agent authorized to act on behalf of the owner, of the copyrighted work described.
capcha
Download Presentation

PowerPoint Slideshow about 'DIRETORIA DE ENSINO – REGIÃO MOGI DAS CRUZES' - sebastian


Download Now An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript
diretoria de ensino regi o mogi das cruzes

DIRETORIA DE ENSINO – REGIÃO MOGI DAS CRUZES

PREVENÇÃO TAMBÉM SE ENSINA / COMUNIDADE PRESENTE

BULLYING

PCOP - Jussara B. Alves

2009

bullying
Bullying
  • Definição: é uma palavra de origem inglesa adotada em muitos países para definir “o desejo consciente e deliberado de maltratar uma outra pessoa e colocá-la sob tensão”
  • È o termo utilizado na literatura psicológica anglo-saxônica, nos estudos sobre problema da violência escolar, para designar comportamentos agressivos e anti-sociais.
  • O bullying “compreende todas as atitudes agressivas, intencionais e repetitivas que ocorrem sem motivação, evidente adotadas por um ou mais estudantes contra outro(s), causando dor e angústia, executadas dentro de uma relação desigual de poder, tornando possível a intimidação da vítima”. (Lopes Neto e Saavedra,2003)
a es que podem ser compreendidas como ato de bullying
Ações que podem ser compreendidas como ato de bullying
  • São inúmeras as ações:
  • Apelidar, ofender, “zoar”, “humilhar”, “encarnar”, constranger, discriminar, aterrorizar, amedrontar, tiranizar, excluir, isolar, ignorar, perseguir, chantagear, assediar, ameaçar, difamar, insinuar, agredir, bater, chutar, empurrar, ferir, esconder, quebrar, furtar e roubar pertences.
slide5
Tipos de maus-tratos utilizados pelos autores de bullying e como ocorrem na prática as condutas bullying
  • Tipos de maus-tratos encontrados são: físico, verbal, moral, sexual, psicológico, material e virtual.
diferen a do bullying de outros tipos de viol ncia
Diferença do bullying de outros tipos de violência
  • A principal diferença é a propriedade de causar trauma irreparáveis ao psiquismo das vítimas, comprometendo sua saúde física e mental e seu desenvolvimento socioeducacional.
  • Ao contrário de outras ações violentas, ocasionais e reativas.
  • Bullying é caracterizado por ações deliberadas e repetitivas, pelo desequilíbrio de poder e pela sutileza com que ocorre, sem que os adultos percebam ou permitido que estes finjam não perceber.
slide7
O bullying é uma forma de violência que resulta em sérios prejuízos, não apenas ao ambiente escolar, mas a toda a sociedade, pelas atitudes de seus membros.

As relações por meio de condutas abusivas e intimidatórias incidem na formação dos valores e do caráter, o que refletirá na vida do indivíduo, no campo pessoal, profissional, familiar e social.

Está diretamente relacionado à violência doméstica e sexual, aos crimes contra o patrimônio e, conseqüentemente , à necessidade de altos investimentos governamentais para atender à demanda da Justiça, dos presídios, dos programas sociais e da saúde. (www.diganaoaobullying.com.br)

como distinguir uma brincadeira inofensiva dos atos de bullying
As brincadeiras acontecem de maneira natural entre as pessoas. Elas brincam, “zoam”, colocam apelidos umas nas outras, dão risadas e se divertem.

Porém, quando essas brincadeiras ganham requinte de crueldade, de perversidade, e “segundas intenções” e extrapolam os limites suportáveis – que variam de acordo com a história intrapsíquica de cada indivíduo – transformam-se em atos de violência.

Como distinguir uma brincadeira inofensiva dos atos de bullying
crit rios usados para identificar o comportamento bullying
Critérios usados para identificar o comportamento bullying
  • Os critérios básicos são:
  • Ações repetitivas contra a mesma vítima num período prolongado de tempo;
  • Desequilíbrio de poder, o que dificulta a defesa da vítima;
  • Ausência de motivos que justifiquem os ataques.
  • Devemos levar em consideração os sentimentos negativos mobilizados e as seqüelas emocionais, vivenciados pelas de bullying.
como caracterizar o desequil brio de poder entre v tima e agressor
O desequilíbrio de poder é caracterizado pelo fato de que a vítima não consegue defender-se com facilidade independente da sua idade ou estatura física, nem motivar outros para que a defendam.

Os grupos agressores, reduzem as possibilidades de defesa das vítimas. As estratégias de ataque normalmente são ardilosas e sutis, expondo as vítimas à vergonha e ao constrangimento público.

Como caracterizar o desequilíbrio de poder entre vítima e agressor
as emo es e os sentimentos mais comuns despertados nas v timas de bullying
Dependendo da estrutura psicológica de cada indivíduo, podendo mobilizar ansiedade, tensão, medo, raiva reprimida, angústia, tristeza, desgosto, sensação de impotência e rejeição, mágoa, desejo de vingança e pensamento suicida, dentre outros.

Devemos pensar nos tipos de construções inconscientes de cadeias de pensamentos que estarão sendo construídas na memória da vítima e suas implicações para o desenvolvimento da autoestima, da socialização e do aprendizado.

As emoções e os sentimentos mais comuns despertados nas vítimas de bullying
a tend ncia de se acreditar que todo os atos violentos que acontecem na escola s o bullying
Muito pais e profissionais que lidam com a clientela escolar podem considerar bullying algo que não é, em decorrência de sua complexidade.

Por isso, é necessário conhecer e reconhecer o fenômeno, a fim de diferenciá-lo das brincadeiras ou atitudes inconseqüentes próprias da idade, além das demais formas de violência.

A tendência de se acreditar que todo os atos violentos que acontecem na escola são bullying
as escolas est o preparadas para discutir a quest o da homofobia
As escolas estão preparadas para discutir a questão da homofobia
  • A maioria das escolas não está preparada para discutir a questão. Educar para a diversidade é dever de todas as instituições de ensino, porém o desprezo de muitos professores e funcionários acaba por prejudicar ainda mais a questão.
  • Alguns reproduzem o preconceito, fazendo piadinhas, imitações, insinuações e brincadeiras dentro e fora das sala de aula.
  • As conseqüências de um ensino omisso ou homofóbico são inúmeras e graves, uma vez que a escola interfere decisivamente na formação do indivíduo.
sofrer bullying e sofrer discrimina o s o coisas diferentes
A discriminação é um mal que assola a nossa sociedade e pode ser contra um determinado povo, raça ou grupo, além de outros. A discriminação é uma das ações praticadas contra as vítimas de bullying.

Uma situação para ser considerada bullying – a vítima tem de ser alvo dos ataques de maneira repetitiva durante um prolongado período de tempo, não havendo motivos evidentes que justifiquem os ataques.

Sofrer bullying e sofrer discriminação são coisas diferentes
slide15
Se os adultos, na família ou na escola, demonstram preconceito e desferem contra os homossexuais as mais variadas formas de maus-tratos, certamente os jovens adotarão os mesmos procedimentos.

Como educadores, devemos ensinar e aprender o respeito às diferenças individuais de cada ser, bem como que a homofobia é crime previsto em lei.

professores podem ser alvos de bullying
Muitos professores são assediados sexual e moralmente, humilhados, ameaçados, perseguidos, ridicularizados por seus alunos e até mesmo por seus colegas no ambiente de trabalho.

Caso procurem a direção escolar em busca de auxílio, podem ser mal-interpretados e rotulados de incompetentes. Se chamarem os pais dos autores dos maus-tratos para uma conversa, a maioria não comparece.

Se reclamarem aos próprios alunos, estes geralmente dizem que são brincadeiras inofensivas e que o professor é sensível demais.

Isto tudo aumenta a propensão à síndrome de Burnout.

Professores podem ser alvos de bullying
os professores tamb m praticam bullying contra seus alunos
Os professores também praticam bullying contra seus alunos
  • Ocorre bem mais do que supomos. Não somente os professores, mas outros profissionais que trabalham na escola.
  • Muitos alunos são perseguidos, intimidados, ridicularizados, coagidos e acusados.
  • Esses profissionais comparam, constrangem, criticam, chamam atenção publicamente, menosprezam, mostram preferência a determinados alunos em detrimento de outros, humilham.Rebaixam a auto-estima e a capacidade cognitiva, agridem verbal e moralmente,fazem comentários depreciativos, preconceituosos e indecorosos.
slide18
A vítima de um professor sofre terrivelmente na escola, pois esse fato gera inúmeros sentimentos negativos, cujos resultados geram sensação de impotência, prejudicando o rendimento escolar e promovendo a desmotivação para os estudos.
a es bullying que mais comumente se pratica
Os maus-tratos verbais, por meio de apelidos depreciativos, são os mais incidentes.

Porém, os agressores não param por aí: quando a vítima mostra-se ofendida ou pede para ser deixada em paz, acabam utilizando outras formas de maus-tratos, como,por exemplo, intimidações, perseguições, chantagens, ou até mesmo maus-tratos físicos, para que a vítima não denuncie seus atos.

Ações bullying que mais comumente se pratica
existe um perfil entre as v timas de bullying
A maioria dos alvos de bullying são aqueles alunos considerados pela turma como diferentes ou “ esquisitos”.

São tímidos, retraídos, passivos, submissos, ansiosos, temerosos, com dificuldades de defesa, de expressão e de relacionamento.

Além desses, as diferenças de raça, religião, opção sexual, desenvolvimento acadêmico, sotaque, maneira de ser e de se vestir parecem perfilar o retrato das vítimas.

Existe um perfil entre as vítimas de bullying
faixa et ria se pode identificar a ocorr ncia de bullying
Faixa etária se pode identificar a ocorrência de bullying
  • Pode ser identificado em qualquer faixa etária e nível de escolaridade. Entre os 3 e os 4 anos de idade podemos perceber o comportamento abusivo, manipulador, dominador e,por outro lado, passivo, submisso e indefeso.
  • A maior incidência está entre os alunos do 6º ao 9º ano, período em que, progressivamente, os papéis dos protagonistas se definem com maior clareza.
  • Não raro, encontramos grupos de alunos de séries avançadas submetendo colegas de séries inferiores aos seus ataques ou fazendo com que entreguem dinheiro, lanche ou pertences.
  • Esses alunos promovem ainda o psicoterrorismo, disseminando o medo e o terror dentro e fora da escola por meio de ameaças,intimidações, perseguições ou ainda, dos maus-tratos físicos e verbais.
causas do bullying
Causas do bullying
  • São inúmeros os fatores que colaboram para crescimento da violência e da agressividade infanto-juvenis.
  • Levando em consideração as mudanças sociais que ocorrem em nosso cotidiano, uma sucessão de causas e conseqüências que influenciam o modo de ser e de viver do indivíduo e do grupo.
  • As mudanças sociais têm grande influência no surgimento desse fenômeno, na medida em que todo esse movimento não consegue transmitir referenciais estáveis, modelos construtivos,valores e ideais que possam ser compartilhados e sentidos como próprios.