slide1 n.
Download
Skip this Video
Loading SlideShow in 5 Seconds..
GERAÇÃO DE 22 (1922-1930) PowerPoint Presentation
Download Presentation
GERAÇÃO DE 22 (1922-1930)

Loading in 2 Seconds...

play fullscreen
1 / 14

GERAÇÃO DE 22 (1922-1930) - PowerPoint PPT Presentation


  • 142 Views
  • Uploaded on

GERAÇÃO DE 22 (1922-1930). Profa. Mara Magaña.

loader
I am the owner, or an agent authorized to act on behalf of the owner, of the copyrighted work described.
capcha
Download Presentation

PowerPoint Slideshow about 'GERAÇÃO DE 22 (1922-1930)' - poppy


An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript
slide1

GERAÇÃO DE 22

(1922-1930)

Profa. Mara Magaña

slide2

O período de 1922 a 1930 é o mais radical do movimento modernista, justamente em conseqüência da necessidade de definições e do rompimento de todas as estruturas do passado. Daí o caráter anárquico desta primeira fase modernista e seu forte sentido destruidor.

slide4

OSWALD DE ANDRADE

  • Trouxe idéias do Futurismo para o Brasil.
  • Idealizador dos principais manifestos modernistas.
  • Foi militante político.
  • Características de sua obra:
  • nacionalismo que busca as origens sem perder a visão
  • crítica da realidade brasileira.
  • A paródia como uma forma de repensar a literatura.
  • Valorização do falar cotidiano.
  • Análise crítica da sociedade burguesa capitalista.
  • Inovação da poesia no aspecto formal.
  • Obras:
  • O Rei da Vela
  • Serafim Ponte Grande (*)
  • Memórias sentimentais de João Miramar (*)
  • (*) Há quebra de estrutura dos romances tradicionais: capítulos
  • curtíssimos e semi-independentes, num misto de prosa.
slide5

Seguimos nosso caminho por este mar de longoAté a oitava da PáscoaTopamos avesE houvemos vista de terraos selvagensMostraram-lhes uma galinhaQuase haviam medo delaE não queriam por a mãoE depois a tomaram como espantadosprimeiro cháDepois de dançaremDiogo DiasFez o salto realas meninas da gareEram três ou quatro moças bem moças e bem gentisCom cabelos mui pretos pelas espáduasE suas vergonhas tão altas e tão saradinhasQue de nós as muito bem olharmosNão tínhamos nenhuma vergonha. - Oswald de Andrade

slide6

O Capoeira- Qué apanhá sordado?- O quê?- Qué apanhá?Pernas e cabeça na calçada

Oswald de Andrade

slide9

MÁRIO DE ANDRADE - 1893 / 1945

Há uma gota de sangue em cada poema => obra de estréia

=> influências de escolas anteriores (rigor à métrica, rima,

vocabulário...)

Sua poesia manifesta-se modernista a partir do livro

Paulicéia Desvairada (ruptura com os moldes do passado

e objetivo de análise e constatação da cidade de São Paulo

e seu provincianismo (=cidade multifacetada).

Lutou por uma língua brasileira, próxima do povo

(cuspe = guspe, quese = quasi). Valorizou, também, o

brasileirismo e o folclore brasileiro.

Obras: Clã do Jabuti / Remate de males /

Amar, Verbo Intransitivo/ Macunaíma

(o anti-herói).

slide12

MANUEL BANDEIRA - 1886 / 1968

As fatalidades da vida deixam em sua obra cicatrizes

profundas (morte do pai, da mãe e da irmã, convivência e

sofrimento com sua própria doença).

Buscou na própria vida inspiração para os seus grandes

temas: de uma lado a família, a morte, a infância no Reci-

fe, o rio Capibaribe; de outro, a constante observação da

rua por onde transitam os mendigos, as prostitutas, os

meninos carvoeiros, os carregadores das feiras, falando

o português gostoso do Brasil (humor, ceticismo, ironia,

tristeza e alegria dos homens, idealização de um mundo

melhor.

Obras:

A Cinza das Horas (0bra de estréia-influência parn./simb.)

Carnaval / O Ritmo Dissoluto (engajamento moderno)

Libertinagem (Modernismo)

slide13

Estou farto do lirismo comedidoDo lirismo bem comportadoDo lirismo funcionário público com livro de ponto expediente protocolo e manifestações de apreço ao Sr. DiretorEstou farto do lirismo que pára e vai averiguar no dicionário o cunho vernáculo de um vocábuloAbaixo os puristas

Todas as palavras sobretudo os barbarismos universaisTodas as construções sobretudo as sintaxes de exceçãoTodos os ritmos sobretudo os inumeráveisEstou farto do lirismo namoradorPolíticoRaquíticoSifilíticoDe todo o lirismo que capitula ou que quer que seja fora de si mesmo. (...) (Manuel Bandeira)