slide1 n.
Download
Skip this Video
Loading SlideShow in 5 Seconds..
Para que serve o conhecimento das tensões litosféricas? PowerPoint Presentation
Download Presentation
Para que serve o conhecimento das tensões litosféricas?

Loading in 2 Seconds...

play fullscreen
1 / 28

Para que serve o conhecimento das tensões litosféricas? - PowerPoint PPT Presentation


  • 78 Views
  • Uploaded on

Para que serve o conhecimento das tensões litosféricas?. Até pouco tempo. modelos muito antigos e muito novos. Origem dos Esforços Litosféricos. As forças geradas nas bordas das placas pela dinâmica do planeta gera acumulação de tensões (esforços) no interior das placas litosféricas .

loader
I am the owner, or an agent authorized to act on behalf of the owner, of the copyrighted work described.
capcha
Download Presentation

Para que serve o conhecimento das tensões litosféricas?


An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript
slide2
Para que serve o conhecimento das tensões litosféricas?

Até pouco tempo

modelos muito antigos e muito novos

slide3
Origem dos Esforços Litosféricos

As forças geradas nas bordas das placas pela dinâmica do planeta gera acumulação de tensões (esforços) no interior das placas litosféricas.

slide5
Tensões na Litosfera

Segundo Zobacket al. (1989) as duas categorias principais categorias de forças responsáveis pelas tensões na porção superior da litosfera (até 35km) são:

1) A responsável pela tensão tectônica: Forças de borda de placa, forças resultantes de processos geodinâmicos (incluindo flexura da litosfera e variação lateral de densidade), e forças termoelasticas geradas pelo esfriamento da litosfera oceânica;

2) E a responsável por tensões locais: Efeitos locais da topografia, parâmetros elásticos, e efeitos de erosão.

Segundo Bott & Kusznir (1984) a tensão litosférica de origem tectônica é dada por duas categorias principais:

1) Tensão renovável: aquela que persiste continuamente, sendo originada em bordas de placas e devido a compensação isostática.

2) Tensão não-renovável: aquela que é dissipada após o alivio da deformação inicial, e inclui tensões de origem flexural, termal e devido a curvatura do planeta.

s1; s2; s3; SHmax; Shmin

slide6
World Stress Map (WSM)

O World Stress Map(WSM) é uma compilação de dados de tensões tectônicas na porção superior da litosfera terrestre.

Principais áreas de aplicação do WSM:

- Modelagens de bacias;

- Modelagens tectônicas;

- Gerenciamento de reservatório;

- Estabilização de minas;

- Previsão de terremotos, etc.

slide7
Distribuição e Características dos Dados o WSM

A maior parte dos dados de tensões do WSM foi determinado com dados de mecanismos focais (63%).

Cada medida do WSM possui um fator de qualidade (A, B, C ou D) o qual é simbolizado pelo tamanho da barra do SHmax.

slide8
Qual é o azimute da máxima compressão?

Note que os mecanismos focais apresentados na figura ao lado são os mais diversos possíveis.

Embora hajam mecanismos focais tão distintos, o campo de tensões na região não varia.

Os planos de fraqueza onde se originam os sismos podem não ter sido gerados pelas tensões atuais, mas o movimento da falha sim.

Figurade Dimate et al. (2003)

slide9
Exercício: Tensões Listosféricas no Cráton do São Francisco

Estime a direção do SHmax na porção Centro-Norte do Cráton do São Francisco.

slide12
Medidas em Breakouts de poços de petróleo

Os dados de breakouts utilizados no WSM são uma média de breakouts de vários poços próximos.

slide14
WSM: Medidas in-situ (9%)

Apenas dois dados na Índia (apenas três na Ásia)!

Há apenas um dado na América do Sul!

Não há dado algum na placa Africana, na península Ibérica, porção norte da América do

Norte e porção norte da Ásia.

slide17
Tensões Crustais no Brasil

Costa do Brasil:

SHmax ~ paralelo à costa

Shmin ~ perpendicular à costa

(continente se “esparrama” em direção ao oceano)

Interior (Geral):

SHmax ~ paralelo ao empurrão da cadeia meso-atlântica

Interior (Centro Oeste – Norte)

SHmax ~ paralelo ao movimento absoluto da Placa Sul-Americana nos últimos 5 milhões de anos.

Figura de Assumpção (2005)

slide18
Tensões na Placa Sul-Americana

Sub-Andes:

SHmax ~ EW com tendência de ser perpendicular ao platô.

slide20

Dois tipos de modelos de esforços:

- Regional

- Global

Os modelos Regionais (também conhecidos como não-globais) tem a desvantagem de requerer vínculos nas bordas da placa estudada. Essa condição de contorno não é exigida em modelos Globais.

Por outro lado, os modelos Globais assumem valores das propriedades reológicas das margens das placas, e essas são muito pouco conhecidas.

Ambos os modelos sofrem com a falta de dados de espessura da crosta, formato da base da litosfera continental e anomalias de densidade no manto superior.

slide21
Modelos Regional e Global

Modelo regional Modelo global

Pouco conhecimento das forças que atuam no limite das placas.

Baixo conhecimento dos parâmetros reológicos da astenosfera e das placas litosféricas.

Lithgow-Bertelloni & Guynn (2004)

Coblentz & Richardson (1996)

slide22
Modelo Regional de Meijer (1995)

Modelo de Forças

Campo de Tensões

slide23
Modelo Regional de Coblentz & Richardson (1996)

a) Malha de EF e Forças

b) Campo de Tensões

slide24
Modelo Global

Essas tensões são compostas por duas contribuições: (a) Tensões com origem na movimentação do manto oca-sionadapor heterogeneidades de densidade, e (b) tensões opostas ao movimento das placas. Em (c) é apresentado a somatória das tensões exerci-dasna placa.

Tensões horizontais: Mov. Manto & Placas

Tensões Associadas à topografia dinâmica

A topografia dinâmica produz dois tipos de tensões no interior da placa: tensões de membrana, causada pela extensão da placa, e tensões gravitacionais, geradas pela topográfica.

slide25

Direções de SHmax obtidas por Bird (1998) considerando uma combinação do arraste na base da litosfera (somente no continente), velocidade das placas e topografia. O erro médio das direções de SHmax é de 32o.

slide26
Contribuições do Manto
  • Variações abruptas na direção das tensões são de origem litosférica;
  • A influência do fluxo do manto na litosfera oceânica é menor que na continental;
  • Na litosfera continental a contribuição do manto na tensão observada é até 4 vezes maior que a contribuição das tensões geradas pela própria litosfera.
slide27
Considerações Finais

Os modelos regionais são bastante úteis na caracterização do campo de tensões litosféricas, e permitem extrapolar interpretações para regiões onde as tensões não são conhecidas.

Os modelos regionais em geral dão maior peso as contribuições litosféricasdas tensões, o que prejudica análises sobre a geodinâmica de uma placa.

Os modelos globais tornam evidentes as magnitudes das contribuições das tensões. Isso é viável porque não precisamos utilizar forças não conhecidas como condições de contorno.

As modelagens de tensões realizadas nos últimos anos deixam evidente que as contribuições do manto nas tensões tectônicas são importantes, ajudando no conhecimento da dinâmica interna do planeta.

slide28
Referências

Bird, P. (1998), Testinghypothesesonplate-drivingmechanismswith global lithospheremodelsincludingtopography, thermalstructure, andfaults, J. Geophys. Res., 103(B5), 10115-10129.

Bott, M.H.P. & Kusznir, N.J. (1984), TheOriginofTectonic Stress in theLithosphere, Tectonophysics, 105, 1-13.

Zoback, M.L.; Zoback, M.D.; Adams, J.; Assumpção, M.; Bell, S.; Bergman, E.A.; Blümling, P.; Brereton, N.R.; Denham, D.; Ding, J.; Fuchs, K.; Gay, S.; Gregersen, S.; Gupta, H.K.; Gvishiani A.; Javob, K.; Klein, R.; Knoll, P.; Magee, M.; Mercier, J.L.; Muller, B.C.; Paquin, C.; Rajendran, K.; Stephansson, O.; Suarez, G.; Suter, M.; Udias, A.; Xu, Z.H. & Zhizhin, M. (1989), Global patternsoftectonic stress, Nature, 341, 291-298.