Download
curso de pensamento cr tico n.
Skip this Video
Loading SlideShow in 5 Seconds..
Curso de Pensamento Crítico PowerPoint Presentation
Download Presentation
Curso de Pensamento Crítico

Curso de Pensamento Crítico

212 Views Download Presentation
Download Presentation

Curso de Pensamento Crítico

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript

  1. Curso de Pensamento Crítico Filosofia Prática e Pensamento Crítico FLUP Tomás Magalhães Carneiro tiomas@yahoo.com

  2. O que significa “Pensamento Crítico”? - escreva uma definição -

  3. Algumas definições John Dewey – O Pensamento Crítico é o estudo activo, persistente e cuidado de uma crença ou de uma suposta forma de conhecimento através da análise dos fundamentos que a apoiam e das conclusões para que apontam.

  4. Algumas definições Robert Ennis – O Pensamento Crítico é um pensamento razoável e reflectido, preocupado em ajudar-nos a decidir em que acreditar ou o que fazer.

  5. Algumas definições Michael Scriven – O Pensamento Crítico é uma interpretação e avaliação activa e competente de observações, comunicações, informações e argumentos.

  6. Algumas definições Richard Paul – O Pensamento Crítico é uma forma de pensamento – acerca de qualquer assunto ou problema – no qual o pensador melhora a qualidade dos seus raciocínios recorrendo a técnicas que lhe permitem captar as estruturas inerentes ao pensamento e impondo-lhes padrões intelectuais elevados.

  7. Padrões Intelectuais Clareza Precisão Exactidão Pertinência Profundidade

  8. Padrões Intelectuais Clareza Como clarificar um argumento? 1- “Pode desenvolver o que disse por outras palavras?” 2 – “Consegue ilustrar o que disse?” (esquema, desenho, analogia, uma metáfora, um modelo…) 3 – “Pode dar-me um exemplo?” (ligar o pensamento à vida real)

  9. Padrões Intelectuais Precisão Acrescenta detalhe e especificidade a essa clareza Exemplo: - “Queres comer?” • “Sim.” É uma resposta bastante clara – “Sim” – mas não diz especificamente o que se quer comer. Pergunta: “Pode dar-me os detalhes?”

  10. Padrões Intelectuais Exactidão A um bom argumento não basta ser claro e preciso, é também necessário que a sua conclusão seja verdadeira. O contexto da perguntadetermina o grau de precisão e exactidão relevante da resposta.

  11. Padrões Intelectuais Pertinência Os nossos argumentos adequam-se ao tipo de problema / pergunta que procuramos responder?

  12. Padrões Intelectuais de Profundidade Sempre que uma pergunta é complexa a profundidade da resposta é importante. Não é possível lidar com uma pergunta complexa de forma superficial. O contexto ajuda-nos a perceber a complexidade da pergunta. Exemplo: Quem és tu? Esta é uma pergunta simples ou complexa? Somos Livres? – simples ou complexa?

  13. Competências e Técnicas do Pensador Crítico identificação (análise) e avaliação dos diferentes elementos presentes num raciocínio (razões, conclusões, pressupostos, valores, informações, explicações, exemplos, analogias, etc.); clarificação e interpretação de expressões e ideias; avaliação da credibilidade de afirmações; analisar, avaliar e formular explicações; analisar, avaliar e tomar decisões; concluir correctamente a partir das razões apresentadas; produzir argumentos claros e precisos.

  14. Estrutura do Curso Módulo I – Análise de argumentos MóduloII – Avaliação de argumentos Módulo III – Formulação de argumentos

  15. Estruturação do Curso: objectivos gerais de cada um dos módulos Módulo I – Análise de argumentos. No fim deste módulo os alunos deverão conseguir dominar as técnicas mais básicas de Pensamento Crítico que lhes permitirão, com alguma facilidade, compreender o significado dos argumentos, identificar e analisar a estrutura dos raciocínios, assim como começar a produzir os seus próprios raciocínios e argumentos de forma mais clara e precisa.

  16. Estruturação do Curso: objectivos gerais de cada um dos módulos MóduloII – Avaliação de argumentos. Neste módulo espera-se que os alunos já saibam quando estão diante de um raciocínio e que saibam identificar as diferentes partes de um argumento (Módulo I). Agora procurar-se-á iniciar os alunos na área do Pensamento Crítico propriamente dito incentivando os alunos a avaliar criticamente os argumentos que têm pela frente.

  17. Estruturação do Curso: objectivos gerais de cada um dos módulos Módulo III – Formulação de argumentos. Neste módulo procuraremos pôr em prática os ensinamentos dos dois módulos anteriores. Os alunos serão incentivados a escrever os seus próprios argumentos sobre os mais variados temas, a apresentá-los nas aulas e a discuti-los com os seus colegas. Espera-se que os alunos aprendam a exprimir e defender bem as suas ideias.

  18. Módulo I 1 - Argumentos, Razões e Conclusões 2 - A linguagem do raciocínio 3 - Pressupostos 4 - A estrutura dos argumentos - mapas de argumentos 5 – Os cinco passos da análise 6 - Exercícios

  19. Módulo I1 - Argumentos, Razões e Conclusões

  20. Módulo I1 - Argumentos, Razões e Conclusões Como sabemos se estamos diante de um argumento? Estamos diante de um argumento quando estamos perante um raciocínio que procura atingir uma conclusão. Argumentar é, por isso, diferente de discutir, descrever alguma coisa, insultar, pedir, perguntar, explicar, etc. Por outras palavras, estamos a argumentar quando apresentamos razões para defender uma determinada conclusão.

  21. Módulo I1 - Argumentos, Razões e Conclusões O que é uma conclusão e como a descobrimos num argumento? Uma conclusão é a mensagem que o argumento quer que aceitemos. Descobrimos a conclusão de um argumento perguntando: o que é que o autor do argumento quis provar? Uma conclusão pode surgir num argumento na forma de uma recomendação, de uma validação de uma crença, um conselho, um aviso…

  22. Módulo I1 - Argumentos, Razões e Conclusões O que é uma razão e para que serve? As razões (ou razão) são as partes de um argumento que apoiam a conclusão, ou seja, são as razões que nos levam a defender determinada conclusão. Importante Argumentar não é simplesmente apresentar informações, é apresentar uma conclusão baseada em informações ou razões. Sem conclusão não temos argumento.

  23. Módulo I1 - Argumentos, Razões e Conclusões Exercício_1 Quais das seguintes passagens são um argumento? Se for um argumento indica a sua conclusão

  24. Módulo I1 - Argumentos, Razões e Conclusões a) O Joaquim saiu a correr da alfândega, com relógios e diamantes a cairem da sua mala enquanto fugia. Ao chegar à paragem de táxis esta estava cheia de passageiros. Joaquim correu até ao táxi mais próximo e apontou uma arma ao motorista e gritou: “Para a baixa, rápido!” O táxi arrancou e virou para a saída do aeroporto para a auto-estrada.

  25. Módulo I1 - Argumentos, Razões e Conclusões b)Muitos problemas ambientais não podem ser resolvidos por acções individuais ou locais, por exemplo, a poluição provocada pelos automóveis é um problema à escala mundial. Como tal, tais problemas só podem ser resolvidos através de uma acção internacional.

  26. Módulo I1 - Argumentos, Razões e Conclusões c) No século XVII a cannabis era usada para tratar todo o tipo de doenças, desde espasmos musculares a reumatismo. Agora o seu uso é ilegal mesmo para fins medicinais. Foi descoberto que a cannabis pode ajudar a aliviar os sintomas da esclerose múltipla.

  27. Módulo I1 - Argumentos, Razões e Conclusões Importante Quando procuramos argumentos estamos à procura de razões e de conclusões. Ou seja estamos à procura de razões que apoiem uma conclusão e não à procura de frases e opiniões sem ligação umas com as outras.

  28. Módulo I - Análise1 - Argumentos, Razões e Conclusões Exercício_2 Para a conclusão apresentada escolhe aquela que achas que é a melhor razão. Conclusão: Os dadores de sangue deviam ser pagos. 1) A recolha de sangue é um processo muito caro. 2) As pessoas que dão sangue normalmente fazem-no porque querem ajudar os outros. 3) Existem muito poucos dadores de sangue e o pagamento iria incentivar mais pessoas a dar sangue.

  29. Módulo I – Análise2 - A linguagem do raciocínio

  30. Módulo I – Análise2 - A linguagem do raciocínio Algumaspalavras indicadoras de razões e de conclusões: “Porque...”; “Como tal”; “Portanto...”; “Além disso…”; “Acredito que…”; “Pois…”; “Em primeiro lugar…”; “Em segundo lugar…” “E ainda…”; “No entanto…”; “Dessa forma...”; “Consequentemente...”; ; “Daí concluo que...”; “Sou forçado a admitir que...”; ; “Temos de aceitar que...”; “Uma vez que…”; “Dado que...”; ; “Se aceitarmos estas razões…;“Temos de concluir que...”; “Por isso…”; “As razões são…”; “Se… então…”;

  31. Módulo I - Análise2 - A linguagem do raciocínio Exemplo de argumento sem palavras indicadoras Comprei o meu bilhete de avião há mais de dois meses. A TAP tem de me pagar uma indemnização pelos prejuízos que me causou. O hotel que reservei no Brasil para passar as férias já está pago. Não tenho culpa da greve de pilotos que me fez perder o avião. Exercício_3 Encontra as razões e a conclusão deste argumento. Re-escreve o argumento de forma clara usando as palavras indicadoras nos locais adequados:

  32. Módulo I – Análise2 - A linguagem do raciocínio Argumento com palavras indicadoras Comprei o meu bilhete há mais de dois meses e já paguei o hotel que reservei no Brasil para passar as férias. Além disso não tenho culpa da greve dos pilotos que me fez perder o avião, por todos esses motivos acho que a TAP deve pagar-me uma indemnização pelos prejuízos que me causou.

  33. Módulo I – Análise 3 - Pressupostos

  34. Módulo I – Análise3 - Pressupostos Na tradição do Pensamento Crítico entende-se por pressuposto uma premissa que não está explícita no argumento, mas que o autor toma por garantida.

  35. Módulo I – Análise3 - Pressupostos Exercício_4 Encontra os pressuposto em que autor dos seguintes argumentos tem de acreditar para que as suas conclusões sejam verdadeiras: 1) O cérebro das mulheres é em média mais pequeno que o dos homens, daí podemos concluir que as mulheres são menos inteligentes que os homens. Pressuposto: o tamanho do cérebro de uma pessoa indica o seu grau de inteligência.

  36. Módulo I – Análise 3 - Pressupostos 2) Como o gelo dos Pólos está a derreter, a temperatura do planeta deve estar a aumentar. Por esse motivo é de esperar que o nível das águas do mar continue a subir, inundando muitas das zonas costeiras do planeta. Pressuposto A única explicação para o derretimento do gelo dos pólos é o aumento da temperatura do planeta.

  37. Módulo I – Análise3.1 - O que é preciso saber sobre pressupostos 1) Quando identificamos os pressupostos de um raciocínio/argumento estamos a identificar as ideias que o autor tem de dar por garantidas para que as suas razões apoiem a conclusão. Para identificar um pressuposto temos de aprender a ler “entre as linhas” do argumento.

  38. Módulo I – Análise3.1 - O que é preciso saber sobre pressupostos 2) Ao tornarmos visíveis as partes invisíveis dos argumentos estamos a contribuir para a sua melhor compreensão, i.e., para saber que elementos desse raciocínio os pressupostos apoiam.

  39. Módulo I – Análise3.1 - O que é preciso saber sobre pressupostos 3) Existem pressupostos factuais (o autor pressupõe que algo acontece, aconteceu ou acontecerá) e pressupostosvalorativos (o autor tem determinados valores dos quais depende a conclusão do argumento). - verglossário

  40. Módulo I – Análise3.1 - O que é preciso saber sobre pressupostos 4) Existem pressupostos necessários para as razões serem verdadeiras e pressupostos necessários para passarmos das razões para as conclusões. Ou seja, um pressuposto pode apoiar uma razão, uma conclusãointermédia ou a ligação de uma destas para a conclusão.

  41. Módulo I – Análise3.1 - O que é preciso saber sobre pressupostos 5) Depois de identificarmos um pressuposto é altura de perguntarmos se é verdadeiro ou falso.

  42. Módulo I – Análise 4 - A estrutura dos argumentos - mapas de argumentos -

  43. Módulo I – Análise4 - A estrutura dos argumentos Ao analisarmos as várias estruturas possíveis dos argumentos percebemos que as razões podem apoiar as conclusões de diferentes maneiras. Razões independentes – apoiam sozinhas a conclusão Razões conjuntas – precisam do apoio de outras razões para apoiarem a conclusão Conclusões intermédias – funcionam ao mesmo tempo como conclusão e razão que apoia a conclusão principal.

  44. Módulo I – Análise4 - A estrutura dos argumentos – mapas de argumentos Uma forma de tornarmos visível a estrutura de um argumento é através do desenho de um mapa do argumento.

  45. Módulo I – Análise4 - A estrutura dos argumentos – mapas de argumentos Exercício_5 Encontra a estrutura e desenha o mapa dos seguintes argumentos: 1) As pessoas deviam poder fumar em todo o lado. Fumar não é ilegal e, além disso, milhões de pessoas têm muito prazer em fumar. A estrutura deste argumento é a seguinte: Conclusão - As pessoas deviam poder fumar em todo o lado Razão 1 - Fumar não é ilegal. Razão 2 – (…) milhões de pessoas têm muito prazer em fumar

  46. Módulo I – Análise4 - A estrutura dos argumentos – mapas de argumentos Desenha o mapa da estrutura dos seguinte argumentos: As pessoas deviam poder fumar em todo o lado (C). Fumar não é ilegal (R1) e, além disso, milhões de pessoas têm muito prazer em fumar (R2). R1 R2   C Este é um exemplo de um mapa de argumento com razões independentes em que cada uma das (duas) razões é capaz de, por si só, apoiar a conclusão.

  47. Módulo I – AnáliseA estrutura dos argumentos – mapas de argumentos Exercício_6 A poluição nos nossos rios está a aumentar a cada ano que passa (R1). Quanto mais poluído for um rio, mais danos são causados aos animais que nele vivem.(R2) Como tal, a menos que se faça algo em relação à poluição dos rios o número de animais que vivem nos rios irá diminuir drasticamente (CI). Contudo, não existem planos para diminuir a poluição dos nossos rios (R3). Por isso muitos dos animais que vivem nos nossos rios irão morrer (C). R1 + R2  CI + R3  C Este é um mapa de argumento com duas razões conjuntas (R1 e R2) e uma conclusão intermédia que, aliada a uma terceira Razão (R3) de forma também conjunta conduz à conclusão principal.

  48. Exercício_7 - Desenhar um argumento com pressupostos Como o gelo dos Pólos está a derreter (R), a temperatura do planeta deve estar a aumentar (CI). Por esse motivo é de esperar que o nível das águas do mar continue a subir, inundando muitas das zonas costeiras do planeta (C). Press: A única explicação para o derretimento do gelo dos pólos é o aumento da temperatura do planeta. Assim, o mapa deste argumento é o seguinte: R + [Press]  CI  C Na verdade podemos encontrar ainda outro pressuposto neste argumento. Onde?

  49. Módulo I – Análise 5 – Os cinco passos da análise

  50. Módulo I – Análise 5 – Os cinco passos da análise 1 – Encontrar o Tema e a Conclusão Principal do argumento. 2 – Quais são as Razões apresentadas? 3 – Que palavras ou frases são ambíguas / vagas? 4 – O argumento depende de algum pressuposto? Qual? 5 – Qual a estrutura do argumento? Desenha o Mapa do Argumento.