curso livre 02 12 09 universidade metodista de s o paulo l.
Download
Skip this Video
Loading SlideShow in 5 Seconds..
Curso Livre – 02/12/09 Universidade Metodista de São Paulo PowerPoint Presentation
Download Presentation
Curso Livre – 02/12/09 Universidade Metodista de São Paulo

Loading in 2 Seconds...

play fullscreen
1 / 28
morse

Curso Livre – 02/12/09 Universidade Metodista de São Paulo - PowerPoint PPT Presentation

106 Views
Download Presentation
Curso Livre – 02/12/09 Universidade Metodista de São Paulo
An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author. While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript

  1. Curso Livre – 02/12/09Universidade Metodista de São Paulo Psicologia Fenomenológica O Método Fenomenológico Pesquisa e Intervenção Prof. Dra. Dagmar S.P. de Castro

  2. Algumas considerações • Reflexões sobre a maneira como o conhecimento é produzido, dois aspectos: • Produção de conhecimento sistemático – investigação no campo – evolui • Rigor metodológico – campo da metodologia que vai discutir, fundamentalmente quais os posicionamentos necessários a fim de que um determinado experimento/pesquisa seja realizado

  3. Toda pesquisa tem um “problema” • Projeto – definição do problema • Objeto – recorte • Organização os princípios metodológicos, os procedimentos pelos quais irei estudar aquele objeto. • Defino o objeto – vou ter que definir qual a perspectiva metodológica • Perspectiva metodológica – está relacionada a uma antropologia e a uma cosmovisão – visão de ser humano e visão de mundo

  4. Perguntas • Qual a perspectiva antropológica? • Qual a percepção de ser humano? • Qual a visão de mundo está subjacente àquela metodologia? RIGOR – adequação do método ao objeto a ser pesquisado – coerência metodológica do/a pesquisador/a

  5. Tipos de conhecimento • Científico • Filosófico • Religioso • Empírico • Senso comum • Mágico

  6. As mudanças na relação com o tempo e o espaço que a metrópole impõe. Habitamos o planeta chamado terra como nossos antepassados por aqui passaram, mas a relação com o que nos rodeia mudou radicalmente. Inversão do ser pelo ter imposto pela sociedade capitalista. O avanço da tecnologia, dos meios de comunicação de massa vem impor a nós um modo de vida impessoal onde sabemos muito mais da vida dos outros do que da nossa própria vida. As transformações que a imprensa trouxe na esfera da informação. As relações de trabalho que mudaram com o advento da industrialização. A ciência que hoje é produzida está fortemente comprometida com as necessidades de instalação de novos desejos SER HUMANO PASSA A SER CAPAZ DE DESTRUIR O QUE FOI PRODUZIDO POR MÃOS HUMANAS E É CAPAZ DE DESTRUIR O QUE NÃO CRIOU – A TERRA E A NATUREZA.

  7. Contexto contemporâneo Perda da tradição Perda da busca do bem comum Esgarçamento dos vínculos de solidariedade Diminuição do espaço público – privatização do espaço público Perda do Discurso e da Ação Ser humano enquanto competidor Heteronomia Perda da capacidade do pensar – resposta clichê Uso da força e não do poder

  8. Merleau-Ponty, Maurice (04/03/1908-03/05/61)A Fenomenologia da Existência Corpórea • O autor se inspira nos escritos do último Husserl • Distinção de körper – objeto para a ciência e • Leib – corpo vivido – corpo próprio • Corpo e existência – corpo encarnado - Lw • Obras – A estrutura do Comportamento (1942); Fenomenologia da Percepção (1945) • 1949-1952 – Ocupa o cargo de professor titular da cadeira de Psicologia da Criança – Sorbonne (França)

  9. EXPERIÊNCIA CONHECIMENTO DAS COISAS Verificação, comprovação, determinar possibilidades, etc. EXPERIÊNCIA CONHECIMENTO SUBJETIVO Consciência, modificação do suporte, reação da pessoa, etc. Vivência de algo imediatamente dado anterior à reflexão e à predicação

  10. Vivência da manifestaçãoO que me é dado na experiência? Fenômeno Ex:Árvore - generalidade Rugosa - particularidade Núcleo Intuitivo Atos Imaginação Representação Expressão, juízo Dúvida Noesis Noema árvore

  11. Vivência Natural COTIDIANO CONHECIMENTO CONHECIMENTO ACUMULADO CIENTÍFICO

  12. Da corrente da consciência ao corpo intencional CONHECIMENTO CIENTÍFICO CONHECIMENTO ACUMULADO COTIDIANO Vivência Natural do Objeto Vivência Intencional do Objeto

  13. O saber e a experiência do fenômeno • O saber do corpo: o metabolismo corpo-consciência • O saber do mundo vivido (Lebenswelt): as sedimentações do sentido • O saber do campo fenomenológico: essências e categorias • O saber do mundo factual: as ciências empíricas

  14. Análise Intencional – exercício Análise Intencional do Objeto: modos de visar HORIZONTE DO MODO DE SER NÃO-ÔNTICO HORIZONTE LÓGICO HORIZONTE CULTURAL SOCIAL, ECONÔMICO, HISTÓRICO HORIZONTES DE SENTIDO

  15. NOEMA – SENTIDO - ESSÊNCIA SER VALOR POLÍTICO VALOR PEDAGÓGICO VALOR CULTURAL HORIZONTE LÓGICO HORIZONTE DO MODO DE SER NÃO-ÔNTICO JUÍZOS POSSÍVES VARIAÇÕES LÓGICAS NO TEMPO E NO ESPAÇO ANÁLISE ÔNTICO - ONTOLÓGICA CATEGORIZAÇÃO: TODO – PARTE UNIDADE – PLURAL IDENT. – DIFER. MÃO, ARBUSTO, TECIDO … HORIZONTE CULTURAL ECONÔMICO HISTÓRICO HORIZONTES DE SENTIDO APAGADOR: OBJETO MATERIAL USADO PARA DESFAZER REPRESENTAÇÕES EM UMA SUPERFÍCIE QUE RECEBE REPRESENTAÇÕES DELÉVEIS. PODER (GIZ, FALA, QUADRO) HISTÓRIA DO APAGADOR ANÁLOGOS: BORRACHA, CORRETOR, TECLA ‘DELETAR’, A FALA.

  16. Corpo próprio • É o que se sente sentir, se experimenta experimentar, se vê agir agindo em um comportamento significativo • O corpo próprio se compreende como ser de situação, ser-ao-mundo ou como um existir • Relação Eu-Corpo-Outro-Mundo – o ser humano vive a sua corporeidade de modo significativo para si próprio e deseja ser reconhecido, nesse valor significativo pelos outros • Corporeidade como “fenômeno vivido” é diferente do pensamento causal (SC) • Na Psicologia – esquema corporal dinâmico • O corpo próprio é, pois, ponto ancoradouro e origem de todos os pontos de vista, projeto de um mundo objetivo e intersubjetivo

  17. Corpo é – “sentir-sensível” “vidente-visível” • Entrelaçamento do corpo fenomenal e do corpo objetivo – nexo do sentir (fenomenal) e do sensível (objetivo) • Historicidade pessoal e generalidade (sentir universal e anônimo) • Reconsiderar a interação entre o corpo fenomenal e a visada científica do corpo • Redução fenomenológica

  18. Ser corpo, nós o vimos, é estar atado a um certo mundo, e nosso corpo não está primeiramente no espaço: ele é no espaço Corpo – desdobramento da síntese Corpo expressão – corpo linguagem Corpo próprio como existência (primeira obra de arte) nós o constituímos Desdobramentos: produção de conhecimento e pesquisa, intervenção, clínica e saúde Ex: cirurgia, crianças e adolescentes vitimizadas, plantão psicológico etc

  19. Alguns exemplos de pesquisa • A dimensão pública da corporeidade: adolescencia e cidadania – desdobramentos da pesquisa realizada para obtenção do grau de mestre – “O significado do corpo para a menina de/na rua” Castro, DSP, 1995, orient. Eda Marconi Custódio • De onde surge a interrogação • A escolha do método • A descrição – des ex-cribere • A redução fenomenológica – prefácio da obra Fenomenologia da Percepção de M.Ponty • A interpretação Fenomenológica

  20. Análise ideográfica • Análise nomotética • Trajetória metodológica • Relato ingênuo – redução fenomenológica • Levantamento das unidades de sentido • Transformação em categorias analíticas • Análise ideográfica de cada relato • Convergencias/divergencias e ou ideossincrasias – construção da tabela nomotética • Síntese de um pensar

  21. Existência Fascinada – Dulce Mara CritelliTese de doutorado – 1985 – Psicologia da Educação – PUC-SP Orientador: prof. Dr. Joel Martins Forma de organização da tese: Introdução Do Assunto: A identidade imprópria Da Análise: a Fenomenologia Do Contexto: O mundo urbano Do Recorte: O Ontológico Da Estrutura: O texto

  22. Primeira ParteIdentidade Metafísica: a objetividade Capítulo I – Da identidade – Ser dos Entes • A referencia ao ser do Ente • O índice da Referência: a Mesmidade • A referência indiciada: a Igualdade Capítulo II • O mistério do ser – ou a decifração da existência • O paradigma do Ente – ou o Princípio do Pensamento (A multiplicidade dos entes; o logos (fala) e a manifestação do ser dos entes; a fala e o acesso à mesmidade de pensar e ser; a fala como arbítrio do pensar sobre o ser; a idéia (ser) do ente como superação de seu engano; a identidade como idéia do ente) • A Igualdade Lógica de Ser e Ente – ou o Domínio do Pensamento • A Consagração do Pensamento – ou a Objetividade da Existência

  23. Segunda ParteOntologia da Identidade: A Possibilidade Capítulo I – De Ser como Modo-de –Ser Capítulo II – De Ser como Linguagem e Fala Capítulo III – De Ser como Finitude Capítulo IV – De Ser como Poder-Ser Próprio

  24. Terceira ParteImpropriedade Urbana: A Consumação Capítulo I – Da Deserção de Ser Capítulo II – Da Dispensa de Ser: o Apelo Urbano: O encobrimento do Fazer – Negação da Intimidade e do empenho, Negação da temporalidade e da paciência; O Encobrimento da Historialidade; O Encobrimento do Envolvimento; O Encobrimento do Compreender Capítulo III – Da Consumação de Ser Considerações Finais Bibliografia Modo de ser no mundo ocidental – mediado pela Educação

  25. Heloisa Gomes Szmanski- Estudo da Família - Tese de doutorado – PUC – SP –1989orientador: Prof. Dr. Joel Martins • Tema: A Fenomenologia Daseinsanalítica aplicada ao Estudo da Família • Compreender a família vivida • Relato – registro da observação dos modos das pessoas agirem entre si e dos seus relatos verbais – Descrição I (visita familiar – anotação posterior (ambiente físico, modo de agir das pessoas entre si e com pesquisadora, relatos verbais)

  26. Descrição II- busca de compreensão do fenômeno Trabalho de reflexão em busca dos elementos constitutivos da experiência de família (significado) – três momentos: Descrição II -seleção de unidades de significado/significativas Divisão em categorias que expressam o cunho psicológico da investigação e o aspecto tematizado (família) • Análise – a partir das categorias levantadas – descrição reescrita num enfoque psicológico • Interpretação – decifrar o sentido oculto no aparente – buscar o significado dos modos de agir que exemplificam diferentes contextos de significação (escolha do lugar à mesa, tempo que cada um recebe para falar, divisão de tarefas, lembrança do passado...)

  27. Bibliografia • Ver: Construção de um Saber e Responsabilidade Social na Psicologia: O Conselho Tutelar em foro, Instituto de Psicologia, USP, 2002 • Resumos de Cursos – Fenpec-Umesp • Merleau-Ponty – Fenomenologia da Percepção

  28. Agradecimentos: • Fenpec – Psicologia e Fenomenologia • Aos ex-alunos/as Thiago, Ludmila, Candido, ... Que continuaram a caminhada. • Aos profs. Rui, Joel (in memorian), Vitória, Dulce Mara, Creusa Capalbo, Dalva Loreatto, Fátima Pignelli...