Fisiatria e a Bandeira Cientifica
Download
1 / 71

Fisiatria e a Bandeira Cientifica - PowerPoint PPT Presentation


  • 243 Views
  • Updated On :

Fisiatria e a Bandeira Cientifica. Marcelo El Khouri Médico Residente de Medicina Física e Reabilitação do HCFMUSP. O que é Fisiatria?. Fisiatria ou Medicina Física e Reabilitação. Reabilitação de grande incapacitado . Reabilitação de pequeno incapacitado . Ortopedia .

Related searches for Fisiatria e a Bandeira Cientifica

loader
I am the owner, or an agent authorized to act on behalf of the owner, of the copyrighted work described.
capcha
Download Presentation

PowerPoint Slideshow about 'Fisiatria e a Bandeira Cientifica' - micol


An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript

Fisiatria e a Bandeira Cientifica

Marcelo El Khouri

Médico Residente de Medicina Física e Reabilitação do HCFMUSP




Reabilitação de grande incapacitado

Reabilitação de pequeno incapacitado

Ortopedia

Fisiatria ou Medicina Física e Reabilitação

Acupuntura

Medicina Esportiva

Dor crônica

Trabalho em equipe interdisciplinar


  • Dor Aguda e Crônica

  • Lombalgia

  • Cervicalgia

  • Sindrome Dolorosa Miofascial

  • Síndrme Fibromiálgica

  • Osteoartrite

  • Lesões no Joelho

  • Lesões no Ombro


Dor

Definição da IASP

“Experiência sensorial e emocional desagradável que é

associada ou é descrita em termos de lesões teciduais”


Importância da dor:

- Sinaliza anormalidades no indivíduo

- Prevalência em hospitais- 45% a 80%

- Brasil- razão das consultas para 1/3 dos doentes.

Dois tipos principais de dor:

- Dor aguda

- Dor crônica


  • Dor Aguda

  • Mecanismo adaptativo de sobrevivência

  • Alerta para lesão tecidual

  • Causa- estímulos nocivos em estruturas somáticas ou viscerais

  • Ansiedade

  • Dor Crônica

  • Dor que se torna um processo patológico

  • Nunca tem uma função biológica protetora

  • Causas:

  • patologias crônicas

  • disfunção do sistema nervoso

  • fenômenos psicopatológicos

  • Gera “stress” físico, emocional e ônus social e ecônomico

  • Depressão


Tipos de dor

  • Nociceptiva: trauma, contratura muscular

  • Visceral: pancreatite aguda, colica nefrética, CCC

  • Neuropática: neuralgia trigeminal, neuropatia pós-herpética, neuropatia periférica (ex:DM)

  • Mista: dor oncológica



Lombalgia1
Lombalgia

  • Lombalgia afeta em torno de 80% dos indivíduos em algum momento da vida

  • Em <45a, é uma importante causa de incapacidade, incluída entre DORT

  • Trabalhadores ‘braçais’ entre 25 a 45a tem 2,5x mais de ausência ao trabalho devido a dor vertebral

  • Lombalgia crônica: 10 a 15% dos trabalhadores

Manoel Jacobsen et al. Dor Contexto Interdisciplinar - 2003


Lombalgia2
Lombalgia

  • Atualmente considerado problema de saúde pública

  • Recorrência de 26,7% quando a dor é >3 meses

  • Relação com fatores psicossociais

  • 90% apresenta substrato mecânico

  • Lombalgia mecânica: dor secundária ao excessivo uso de uma estrutura anatômica normal ou a traumatismo ou a deformidade desta


Lombalgia3
Lombalgia

  • Origem

    - mecânico-degenerativa: disco, ligamentos, arcabouço osteo-muscular

    - não-mecânica localizada e/ou psicossomática: inflamatórias, infecciosas,

    - repercussão de doença sistêmica: tumores, alterações metabólicas



Lombalgia4
Lombalgia

  • História e EF descartar Red Flags

    ->50a ou <20a, febre,calafrios, perda de peso tumor ou infecção

    -dor com piora noturna ou em decúbito dorsal infecção bacteriana recente, dependentes químicos, imunossuprinidos

    -trauma maior, ou menor em idosos ou osteoporóticos

    -déficit neurológico progressivo ou grave em MMII, disfunção bexiga ou anestesia em sela S. cauda equina, radiculopatia

Projeto Diretrizes: Diagnóstico e tratamento das lombalgias e lombociatalgias. 2001


Lombalgia5
Lombalgia

  • Tratamento

    -fase aguda: repouso relativo (<48h)

    analgésicos, AINH, relaxantes

    musculares, opóides

    acupuntura, meios físicos

    exercícios graduais e orientados

    retirada do fator causal

# tratamento cirúrgico: fraturas instáveis, mielopatias, tumores, listeses, infecções, outros


Lombalgia6
Lombalgia

  • Tratamento

  • fase crônica: analgésicos, adjuvantes,

    opioides, relaxantes musculares

    acupuntura, meios físicos

    exercícios graduais e orientados

    infiltrações, dessensibilização

    retirada do fator causal

    mudança do estilo de vida

    abordagem multidisciplinar

# tratamento cirúrgico: falha no tratamento conservador



Cervicalgia1
Cervicalgia

  • 55% da população em algum momento da vida

  • 12% mulheres e 9% homens com cervicalgia crônica

  • FR: idade, trabalhadores braçais, tensão, vicios posturais


Cervicalgia2
Cervicalgia

  • C1-C2: Fl/Ext, rotação

  • C3-C7: Fl/Ext, movimentação lateral

  • Causas:

    -dor muscular (SDM): trapézio, esternocleido, esplênio da cabeça e do pescoço, elevador da escapula, infraespinhal, escalenos

    posturas anormais, stress, atividades ocupacionais

    -traumatismos, estiramentos, contusões, lacerações

    -disfunções intervertebrais: hernias/degeneração discal,estenose de canal, osteofitos, espondilose cervical


Cervicalgia3
Cervicalgia

  • Causas:

    -tumores: osseos, extra-durais, intramedulares

    -infeccções: Tb, ostemielite

    -proc. Inflamatórios: LES, EA, AR, polimiosite

    -fibromialgia

    -má-formações A-V, AVM

    -neuralgias: glossofaríngeo, trigêmeo, laríngeo sup

    -dor visceral cervical: tireóide, esôfago, laringe...


Cervicalgia4
Cervicalgia

  • História e EF: mesmos RED FLAGS

  • D. Diferencial:

  • Meningite

  • STC

  • Dor secundária a ombro doloroso

  • S. desfiladeiro torácico

  • S. Pancoast

  • Tratamento: ~ lombalgia



SDM

  • Causa mais comum de dor músculo-esquelética

  • PG: foco de hiperirritabilidade sintomático muscular situado em bandas tensas onde há dor e ao ser pressionado gera dor referida em áreas padronizadas, reprodutíveis em cada músculo

  • PG ativo e latente


SDM

  • Clínica:

  • Dor regional em peso, queimor ou latejamento

  • Referencia de dor a distância

  • Às vezes parestesias, paresia, ADM

  • Ausência de padrão radicular ou neuropática

  • Banda muscular tensa palpável com PGs

  • Reprodução das queixas às compressões dos pontos mialgicos

  • Alívio da dor ao estiramento ou infiltração do PG


SDM

  • Diagnóstico clínico:

  • critérios maiores:

    dor intensa nos PGs

    reprodução à compressão do

    nódulo doloroso

    limitação de ADM pela dor

# Não há necessidade de exames subsidiários


SDM

  • Etiologia

    - Traumatismos

  • Sobrecargas agudas ou funcionais

  • Microtraumatismos de repetição

  • Inflamação: miosites

  • Fatores Predisponentes

  • Assimetria MMII, hemipelve pequena

  • Posturas inadequadas, imobilismo prolongado

  • Alterações nutricionais, endócrinas

  • Associado a AR, AO,

  • Infecções crônicas


SDM

  • Fisiopatologia

  • Traumatismo/sobrecarga

  • Isquemia: depleção ATP, pO2, stress oxidativo, ruptura RE, liberação Ca

  • Espasmo muscular localizado

  • Sensibilização secundária central

  • Dor crônica


SDM

  • Tratamento

    - Tratar causa de origem quando possível

  • Analgésicos, AINH, miorrelaxantes (centrais), gabapentina

  • cinesioterapia

  • Métodos físicos, massoterapia, calor, crioterapia, eletroterapia

  • Agulhamento seco, acupuntura

  • Infiltração procaína, lidocaína

  • Toxina botulínica

  • hábitos saudáveis de vida: sono, dieta, exercícios, cessar tabagismo...



S fibromi lgica1
S. Fibromiálgica

  • Reconhecida em meados do sec XIX

  • Prevalência de 1 a 10%

  • Mulheres 9:1

  • Idade de 30 a 60 anos

  • Custos nos EUA de U$ 9bilhões/ano

  • Ocupações mais frequentes: escritório (20%), saúde (14%), educação (11%), desempregados (8%)


S fibromi lgica2
S. Fibromiálgica

  • Quadro clínico

  • dores musculares generalizadas (100%)

  • fadiga generalizada (96%)

  • Anormalidades do sono (86%)

  • Artralgias (72%)

  • Cefaléia (60%)

  • Parestesias (52%)

  • Deficit de memória (46%)

  • Caimbra MMII (42%)

  • Alteração da concentração (41%)

  • Ansiedade (32%)

  • Depressão (20%)


S fibromi lgica3
S. Fibromiálgica

  • Diagnóstico: clínico de exclusão

  • dor em ambos hemicorpos, abaixo e acima da cintura, além do eixo axial >3m

  • Dor com >4Kg/força/cm2 em 11 dos 18 pontos (tender points)


S fibromi lgica4
S. Fibromiálgica

  • Diagnóstico: clínico de exclusão

  • dor em ambos hemicorpos, abaixo e acima da cintura, além do eixo axial >3m

  • Dor com >4Kg/força/cm2 em 11 dos 18 pontos (tender points)


S fibromi lgica5
S. Fibromiálgica

  • D. diferencial

  • SDM, poliartrites, polineuropatias periféricas, polimialgia reumática

  • Hipotiroidismo

  • Outros


S fibromi lgica6
S. Fibromiálgica

  • Tratamento

  • AMT ou relaxante muscular (ciclobenzaprina)

  • AINH só associados

  • Acupuntura/aletroacupuntura

  • Condicionamento

  • físico

  • Programas educativos multidisciplinares



Osteoartrite é a principal condição crônica em idosos, e a causa primeira de sintomas e limitações funcionais nessa faixa etária, mais do que qualquer outra doença.

Cerca de um quarto das pessoasacima de 55 anos tem dor em joelho.


Osteoatrite1
Osteoatrite

  • Clínica

  • Dor articular, diminuição da função, instabilidade articular, fraqueza muscular periarticular e fadiga.

  • Dor que tipicamente piora com carga e atividade, melhora com repouso, apresentando também rigidez matinal e endurecimento da articulação após período de inatividade.


EF: dor à palpação, alargamento ósseo, crepitação à movimentação, e limitação da ADM

Inflamação, se presente, é em geral mínima e localizada na articulação afetada.


-O que causa dor: sinovite, distensão de cápsula articular, estimulação de n. periostal, aumento de pressão local intra-ósseo, produção local de mediadores químicos, necrose avascular do osso subcondral, doença inflamatória coexistente.


Diagnóstico e classificação da gravidade é freqüentemente feita por radiografia.

Baixa correlação entre sintomatologia e radiografia.

#Estudo de Framingham, 60% com doença radiográfica eram assintomáticos.


Tratamento

- redução da dor

- manutenção e/ou melhora da mobilidade articular

-melhora da capacidade funcional e da qualidade de vida relacionada à saúde, evitando se possível os efeitos tóxicos da terapia.


Guideline para Tratamento de OA de Joelho

American College of Rheumatology



Fêmur

ANATOMIA DO JOELHO

LigMenisco

Femoral

LCP

LCA

LCA

ML

Menisco

Medial

ML

LCL

LCM

Lig.

Tibio-

fibular

Fíbula

Tíbia

VISTA ANTERIOR

VISTA POSTERIOR


Lesões de joelho

  • LESÃO LIGAMENTAR: CRUZADOANTERIOR, CRUZADO POSTERIOR, COLATERAL MEDIAL, COLATERAL LATERAL

  • LESÃO MENISCAL: MENISCO MEDIAL, MENISCO LATERAL

  • FRATURAS

  • LESÕES OSTEOCONDRAIS


Lesões de joelho

-Sinais e sintomas da lesão ligamentar:- dor articular- derrame articular de instalação rápida- impotência funcional- sensação de “estalido” no momento do trauma- instabilidade articular- derrames de repetição

LESÃO CRÔNCA


Les es de joelho
Lesões de joelho

  • EF

  • teste da gaveta anterior


Les es de joelho1
Lesões de joelho

  • EF

Stress em Valgo

Stress em Varo


Les es de joelho2
Lesões de joelho

  • EF

Teste de Appley



Les es de joelho3
Lesões de joelho

  • Tratamento

    -fase aguda: PRICE

    -conservador vs cirurgico








S ndrome do impacto
Síndrome do impacto

  • Lesão dos mm do manguito rotador

  • Supra espinhoso: mais acometido

  • Impacto do tendão do manguito sob o acrômio e arco coracoacromial rotura


S impacto
S. impacto

  • Causas primárias:

  • Morfologia do acrômio

  • Artrose acromioclavicular

  • Hipertrofia ligamento coracoacromial

  • Processo coracóide

  • Fibrose/Espessamento da bursa subacromial

  • Tubérculo maior do úmero proeminente

  • Trauma

  • Atividade elevação acima da cabeça


S impacto1
S. impacto

  • Exame físico:

  • inspeção, ADM, FM

  • Testes especiais: sulco, apreensão, recolocação, arco doloroso, Jobe, Neer

    - ex. neurológico: C5 a T1 e vascular


S impacto2
S. impacto

  • Exames complementares:

  • RX ombro (AP, axilar, túnel do supra)

  • USG ombro

    - RNM

    - artrografia

    - artroscopia


S impacto3
S. impacto

  • D. Diferencial:

  • Lesão acromioclavicular

  • Tendinite bicipital

  • Lesão do plexo

  • Lesões de disco

  • Radiculopatia

  • Estenose de canal

  • SDM

  • etc


S impacto4
S. impacto

  • Tratamento

  • analgesicos e AINH

  • repouso

  • Fisioterapia

  • Cirurgia: lesão tendão

    não melhora em 3 a 6 meses

    bom prognóstico em 60 a 90%


Tendinite biciptal
Tendinite biciptal

- Junção MT: susceptível à lesão por overuse (atletas); degeneração (idosos)

- Clínica: dor na região anterior do ombro com irradiação para o cotovelo eventualmente


Tendinite biciptal1
Tendinite biciptal

  • causas: técnica de treino inadequada, atividade repetitiva crônica, sobrecarga, perda de flexibilidade, anormalidades anatômicas

  • EF abd/fle/ri ativa do ombro

    Speed ou palm up test

  • DD: CA, SDM, doença do manguito (confusão)


Tendinite biciptal2
Tendinite biciptal

  • Tratamento

    - Fase aguda – PRICE

    evitar esforço MS

    s/ instabilidade-along. gradual

    - Fase subaguda – deslizamento/massagem

    TENS/USG

    iniciar ex. de resistência

    cadeia cinética fechada

    propriocepção, pêndulo


Tendinite biciptal3
Tendinite biciptal

  • complicações: dor recorrente

    rotura

    fraqueza

    compensações inad.

  • cirurgia: casos refratários

  • outros: injeção c/ anestésico e/ou CE

    infiltração de PGs, manipulação

  • prognóstico: é esperada recuperação e retorno ao trabalho/esporte em 6-8 semanas


ad