evolu o humana n.
Download
Skip this Video
Loading SlideShow in 5 Seconds..
EVOLUÇÃO HUMANA PowerPoint Presentation
Download Presentation
EVOLUÇÃO HUMANA

Loading in 2 Seconds...

play fullscreen
1 / 60

EVOLUÇÃO HUMANA - PowerPoint PPT Presentation


  • 113 Views
  • Uploaded on

EVOLUÇÃO HUMANA. José Ferreira dos Santos Tania Tassinari Rieger. H. floresiensis. Evolução. A evoluação não tem um objetivo a longo prazo. Não existe um alvo a longo prazo, nenhuma perfeição última que sirva de critério de seleção,

loader
I am the owner, or an agent authorized to act on behalf of the owner, of the copyrighted work described.
capcha
Download Presentation

PowerPoint Slideshow about 'EVOLUÇÃO HUMANA' - margot


An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript
evolu o humana

EVOLUÇÃO HUMANA

José Ferreira dos Santos

Tania Tassinari Rieger

H. floresiensis

evolu o
Evolução

A evoluação não tem um objetivo a longo prazo.

Não existe um alvo a longo prazo, nenhuma perfeição última que sirva de critério de seleção,

embora a vaidade humana acalente a noção absurda de que nossa espécie é o objetivo último da evolução.

Dawkins, R. 1986. O relojoeiro cego. Edições 70, Lisboa, p. 71.

evolu o humana1
EVOLUÇÃO HUMANA
  • Quando começamos a pensar a evolução humana?
  • Darwin (1871) – “The Descent of Men”:
  • A África é provavelmente o berço da humanidade
  • Os fósseis serão a prova
slide8
África

º Chade –

Sahelanthropus

tchadensis

(7 m.a.a.)

Quênia –

Orrorin tugenensis

(6 m.a.a.)

slide11

Homem

Primeiros hominídeos

slide15

Animais do Pleistoceno:

mamute e tigre dente-de-sabre

orrorin tugenensis
Orrorin tugenensis
  • 8 maa, Índia colide com Eurásia, originando as Monções que alteram o clima africano
  • 6 maa, Inicia-se a postura ereta, com o Orrorin tugenensis
evolu o dos homin deos
Evolução dos hominídeos
  • Ardipithecus (Ramapithecus) ramidus

º Leste africano – Etiópia (4,5 m.a.a.)

º Dieta: folhas tenras, frutas

º Caninos começam a regredir

australopithecus anamensis
Australopithecus anamensis

º Lago Turkana - Quênia (4 - 4,17 m.a.a)

º Locomoção bípede

º Molares maiores, esmalte mais grosso

australopithecus afarensis
Australopithecus afarensis

º Tanzânia e Etiópia (4 - 2,9 m.a.a)

º Bípedes, escalavam árvores

º 1,35m e 40Kg – machos;

105cm e 35 KG – fêmeas

º Lucy – 500cc, capacidade craniana

(Homem moderno – 1.400-1.300cc

em média)

australopithecus africanus
Australopithecus africanus

º África do Sul (3 - 2,5 m.a.a.)

º Cavernas de Taung, Sterkfontein e Makapansgat

º Maior concentração de C¹³ nos ossos, molares maiores

º Capacidade craniana= 500cc

º Australopithecus garhi

(Etiópia – 2,5 m.a.a.)

evolu o do g nero homo
Evolução do gênero Homo
  • Homo habilis

º Rio Omo e Hadar, Etiópia (2,3-1,5 m.a.a)

º Lago Turkana; Garganta Olduvai

º Pequenos, braços longos e pernas curtas; bípede, dieta com carne e gordura animal; aumento do neocórtex >vida social ativa; grande face e aparelho mastigador; primeiros artefatos líticos (Etiópia) – Indústria Olduvaiense

homo rudolfensis
Homo rudolfensis
  • Carniceiros
homo ergaster e ou homo erectus
Homo ergaster e/ou Homo erectus

º Lago Turkana, Quênia (2 - 1 m.a.a.)

º Mais alto, de proporções mais próximas às humanas; capacidade craniana entre 800 e 900cc; Indústria Acheulense (Modo Técnico II), os bifaces (machados, talhadores e picaretas) aparecem a 1,6 milhões de anos; caçava e comia carniça; cc 915-1.225

º Java e China (H. ergaster ou H. erectus?) – maior coleção de ossos de H. erectus> China

h heidelbergensis e h neanderthalensis
H. heidelbergensis eH. neanderthalensis
  • Pleistoceno médio –

surgem os H. heidelbergensis

e os H. neandertalensis na Europa

e na África

º Indústria Musteriana

(Modo Técnico III);

º Os neandertais tinham

capacidade craniana superior à

nossa – 1750cc (H. antecessor

tinha 1000cc);

h neanderthalensis
H. neanderthalensis

º Pele branca, toros supra-orbitais formando arcos (enquanto os Homens de Cro-Magnon eram negros, não tinham toros supra-orbitais e os crânios eram mais arredondados

origem do h sapiens
Origem do H. sapiens
  • Segundo ARSUAGA, o

Homo antecessor é o

ancestral comum

de neandertais e sapiens

slide35
H. erectus e

H. sapiens

homo sapiens sapiens
Homo sapiens sapiens
  • Surgem a 40 mil anos, durante a última glaciação

º Tecnologia Paleolítico Superior (Modo IV)

º Europa – Homem de Cro-Magnon que coexiste com os neandertais por 10 mil anos

º Fim dos neandertais – auge da última glaciação, 30 mil anos

(Left) Homo erectus skull.

(Right) Homo sapiens skull.

slide47

Árvore hominídea:

quase tão boa quanto uma qualquer

slide48

Homo sapiens

cultura e arte

caverna de chauvet
Caverna de Chauvet

Pintura rupestre realista encontrada na caverna de Chauvet (França), datada do Paleolítico Superior (entre 32,5 e 30,5 mil anos).

tzi o homem do gelo
Ötzi: o homem do gelo
  • Encontrado em 1991 no Maciço Ötztal (Alpes)
  • Originário da Europa Central (Tirol, Itália)
  • Viveu há cerca de 5300 anos
slide55

Media 1,59m

  • Não possuia 12º par de costelas
  • Esteve seriamente doente pelo menos 3 vezes
  • Morreu aos 46 anos, provavelmente por uma flechada

Corpo de Ötzi, alguns de seus objetos e material biológico do ambiente em que viveu

stephen jay gould
Stephen Jay Gould
  • A maior modificação no pensamento sobre evolução humana foi a crescente documentação do desenho arbustiforme da história dos hominídeos
  • A realidade atual, em que há apenas uma espécie humana espalhada pelo globo, representa uma exceção, e não a norma.
coment rios finais
Comentários finais
  • As técnicas para estudo da evolução humana se modernizaram muito
  • Mas a classificação taxonômica dos achados é problemática
  • O número de achados completos é muito pequeno, geralmente somente mandíbulas ou outros ossos isolados