slide1 l.
Download
Skip this Video
Loading SlideShow in 5 Seconds..
Paulo Moisés Almeida da Costa PowerPoint Presentation
Download Presentation
Paulo Moisés Almeida da Costa

Loading in 2 Seconds...

play fullscreen
1 / 31

Paulo Moisés Almeida da Costa - PowerPoint PPT Presentation


  • 117 Views
  • Uploaded on

Paulo Moisés Almeida da Costa. Produção de Energia Eléctrica. Escola Superior de Tecnologia de Viseu - 1999. Produção de Energia Eléctrica. A energia é hoje, sem qualquer dúvida, um bem essencial e indispensável ao ser humano.

loader
I am the owner, or an agent authorized to act on behalf of the owner, of the copyrighted work described.
capcha
Download Presentation

PowerPoint Slideshow about 'Paulo Moisés Almeida da Costa' - liam


An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript
slide1

Paulo Moisés Almeida da Costa

Produção de Energia Eléctrica

Escola Superior de Tecnologia de Viseu - 1999

produ o de energia el ctrica
Produção de Energia Eléctrica
  • A energia é hoje, sem qualquer dúvida, um bem essencial e indispensável ao ser humano.
  • De entre os diferentes tipo de energia que o homem utiliza, a energia eléctrica tem, sem sombra de dúvida, uma preponderância acentuada.
  • A maior quantidade da energia eléctrica é produzida em instalações próprias para o efeito a que se dá o nome de centrais de produção de energia eléctrica.
  • Uma central eléctrica é uma instalação capaz de converter energia mecânica obtida a partir de outras fontes de energia primária em energia eléctrica.
  • A energia primária pode advir da energia armazenada na água, (potencial gravítica e cinética), da combustão de carvão, gás natural, fuel, resíduos florestais, ou qualquer outro combustível adequado, do vento, do mar, do sol, da fissão nuclear…
  • A produção da energia eléctrica fica a cargo de geradores eléctricos, que podem ser de corrente contínua ou de corrente alternada. De entre os últimos, temos as máquinas síncronas e as máquinas de indução.
  • Sem dúvida que a grande maioria da energia eléctrica produzida no mundo é produzida pelas máquinas síncronas.

Paulo Moisés

produ o de energia el ctrica3
Produção de Energia Eléctrica
  • As máquinas geradoras de energia eléctrica são accionadas pelas máquinas primárias ou turbinas, as quais podem ser hidráulicas, de gás, …
  • Ao conjunto Turbina-Gerador dá-se o nome Grupo Gerador.
  • Existem diversos tipos de centrais produtoras de energia eléctrica, umas mais convencionais, outras de tecnologia mais recente e que procuram aproveitar novas formas de produzir energia de forma mais económica e/ou mais ecológica que a queima de combustíveis fósseis.
  • Neste último ponto incluem-se os aproveitamentos eólicos, solares, geotérmicas, maremotrizes, hidráulicos de dimensão reduzida (micro-aproveitamentos e pequenos aproveitamentos), cogeração, …
  • O aproveitamento de outras formas de energia prende-se também com problemas ligados com a diversificação e redução da dependência energética de determinados países bem como com o futuro desaparecimento dos combustíveis fósseis.
  • Portugal é um país muito dependente do exterior em termos de energia, importando cerca de 80% da energia que necessita , sendo o petróleo responsável por cerca de 85% dessas importações.

Paulo Moisés

produ o de energia el ctrica4
Produção de Energia Eléctrica
  • Para além dos custos financeiros e de risco que têm os combustíveis fósseis para países como Portugal, em termos ambientais esta é uma fonte de energia altamente poluidora, além de não renovável.
  • Os custos de risco para países como Portugal ligam-se com eventuais crises petrolíferas como as sucedidas na década de 70.
  • Tendo em conta o exposto é perfeitamente compreensível que o nosso país procure diminuir a sua dependência do petróleo diversificando as fontes primárias de energia.
  • Com tal intuito, têm-se vindo a introduzir em Portugal o gás natural, bem como a apoiar (financeiramente) a construção de pequenos aproveitamentos hidroeléctricos e de cogeração, bem como aproveitamentos de outras formas de energia.

Paulo Moisés

produ o de energia el ctrica5
Produção de Energia Eléctrica
  • São as centrais em que se aproveita a energia potencial gravítica e/ou cinética da água.
  • Centrais Hidroeléctricas:
  • Nas centrais com grandes albufeiras, a energia potência gravítica da água é transformada em energia cinética a qual por sua vez é transformada nas turbinas hidroeléctricas em energia mecânica que finalmente será transformada em energia eléctrica nos geradores.
  • As albufeiras das centrais hidroeléctricas são construídas sobre o leito de rios, mas o edifício onde se instalam os equipamentos produtores de energia podem estar mais ou menos afastados da albufeira.
  • A albufeira que pode ter maior ou menor capacidade de armazenamento de água a qual será depois turbinada.
  • Note-se que, para que se possa instalar uma central hidroeléctrica para a produção de energia é necessário que se encontrem as condições geográficas ideais, e ainda que se respeitem certas condições ambientais e outras como por exemplo conservação de património.

Paulo Moisés

produ o de energia el ctrica6
Produção de Energia Eléctrica
  • A figura que se segue mostra uma central hidroeléctrica onde se pode observar que o edifício onde estão instaladas as máquinas produtoras de energia se encontra relativamente afastado da albufeira.
  • Este procedimento, justifica-se pela necessidade de aumentar a queda útil da água, a qual directamente influência a quantidade de energia que se pode produzir, como veremos.
  • Obviamente, a distância entre os grupos geradores e a albufeira pode assumir um qualquer valor de entre aqueles que são técnico-economicamente aceitáveis.
  • Não podemos esquecer-nos que a abertura de um túnel para condução da água até aos grupos geradores representa custos muito elevados, que têm de ser compensados pelo aumento da energia contida na água resultante de uma maior queda.

Paulo Moisés

produ o de energia el ctrica7
Produção de Energia Eléctrica
  • Note-se também que, a conduta de ligação entre a albufeira e os grupos geradores pode não ser constituída por um túnel subterrâneo mas sim por uma conduta metálica (aço), á superfície.
  • A albufeira de uma central hidroeléctrica é um sistema de armazenamento de energia, uma vez que a água só será turbinada consoante as necessidades do sistema a que a central se interliga.
  • Por vezes a albufeira funciona também como reserva estratégica, não só de energia como também de água para regas e consumo humano.

Vista aérea da represaCaonillas en Utuado, Porto Rico, onde se vê a albufeira e á direita, a conduta forçada á superfície.

Escavação de um túnel para instalação de conduta forçada uma central hidroeléctrica.

Paulo Moisés

produ o de energia el ctrica8
Produção de Energia Eléctrica
  • Existem centrais hidroeléctricas dotadas de uma capacidade especial que consiste na possibilidade de bombearem parte da água já turbinada de novo para a albufeira.
  • Estas centrais são dotadas de duas albufeiras a cotas distintas tais que aquela que possui menor cota armazena parte da água que sai da albufeira de maior cota, a qual já foi turbinada, para mais tarde ser bombeada de novo para esta. Nas horas de maior solicitação de energia, a água da bacia superior é turbinada e depois retida na albufeira inferior e nas horas de vazio bombeada para a bacia superior usando a turbina como motor, se esta for reversível, ou então o próprio alternador.

A Aguieira, aqui bem perto de nós…

Imagem retirada do site da EDP, cujo endereço é: http://www.edp.pt/edp/grupo_edp/grupomain.htm

Paulo Moisés

produ o de energia el ctrica9
Produção de Energia Eléctrica
  • Como já referimos, as centrais hidroeléctricas transformam a energia potencial gravítica da água em energia eléctrica.
  • Mas afinal como se pode estimar a quantidade de energia de uma determinada quantidade de água?
  • A quantificação da energia que se estima produzir através de construção de um aproveitamento hidroeléctrico depende do valor da potência a instalar e do número de horas que se estima para o funcionamento da central.
  • Por outro lado, a potência a instalar depende do valor da queda, ou desnível topográfico conseguido na implantação da obra, e do caudal, o qual, como é óbvio varia com o tempo.
  • Deve-se assim estudar com adequado rigor a conjugação destas duas variáveis, de forma a garantir que a sua combinação proporcione valores de potência e de energia úteis que justificam, do ponto de vista económico a construção de um determinado aproveitamento hidroeléctrico.
  • Como sabemos das leis da física, uma massa de água m, situada a uma altura h, possuí, uma energia potencial gravítica dada pela expressão:

Ep = m*g*h

Paulo Moisés

produ o de energia el ctrica10
Produção de Energia Eléctrica

onde m é a massa de água, g a aceleração da gravidade e h a altura bruta da queda de água.

  • Teoricamente, a potência a instalar seria:

onde Pt é a potência teórica a instalar, V o volume de água, r a massa volumica da água e dV/dt = Q é o caudal.

  • Claro que a potência útil não é igual ao valor da potência teórica, uma vez que o sistema tem perdas de energia no circuito hidráulico (nas condutas, grelhas, e nas turbinas), as quais são expressas através da diminuição do valor da queda bruta, obtendo-se um novo valor de queda a que se designa por queda útil.
  • Além disso, o próprio gerador tem também perdas.

Paulo Moisés

produ o de energia el ctrica11
Produção de Energia Eléctrica
  • Assim, a potência útil Pu é dada pela expressão:

Pu = r * g ** hu* Q

onde  é o rendimento do gerador e hu a queda útil.

  • A queda útil é dada pela expressão:

hu = h - hp

em que hp representa a perda de energia ao longo do circuito hidráulico, incluindo a turbina.

  • Assim a energia será quantificada por :

Paulo Moisés

produ o de energia el ctrica12
Produção de Energia Eléctrica
  • Como facilmente nos apercebemos, a partir do exposto anteriormente, a potência e a produção de energia de uma central hidroeléctrica depende dos caudais ocorridos e da queda útil do empreendimento.
  • Mais ainda, no estudo para implementação de uma central deste tipo não basta caracterizar a variabilidade de ocorrência dos caudais no que respeita à sua magnitude, mas também o intervalo de tempo em que os mesmos ocorrem.
  • Fácil é de compreender que uma caudal de grande magnitude não é bom se ocorrer durante períodos de tempo muito curtos.
  • O estudo técnico-económico que antecede a construção de uma central hidroeléctrica tem, forçosamente que incluir uma parte dedicada á evolução dos valores dos caudais.
  • Se admitirmos que a massa volúmica da água é de 1000 Kg/m3, que a aceleração da gravidade é de 10 m/s2 e que o rendimento global do sistema é de 80 %, temos que:

Pu = 8000*Q*h (W) = 8*Q*h (kWh)

Paulo Moisés

produ o de energia el ctrica13
Produção de Energia Eléctrica
  • A partir desta expressão, podemos com facilidade concluir que para um mesmo caudal, a potência será tanto maior quanto maior for a queda.
  • Assim se justifica que por vezes se tenham de abrir condutas subterrâneas, ou construí-las á superfície, ficando os grupos geradores mais ou menos afastados da albufeira em função dos estudos técnico-económicos, das condições geográficas e eventualmente outras.
  • A figura que se segue apresenta, em corte, a estrutura básica de uma central hidroeléctrica:

Paulo Moisés

produ o de energia el ctrica14
Produção de Energia Eléctrica
  • .

Imagem digitalizada a partir de um folheto promocional da ABB

Paulo Moisés

produ o de energia el ctrica15
Produção de Energia Eléctrica
  • Mais uma representação em corte de uma hidroeléctrica, onde se destaca a conduta forçada.

Fonte: http://www.fe.up.pt/~leec2002/cadeiras/see1/see.html

Paulo Moisés

produ o de energia el ctrica16
Produção de Energia Eléctrica
  • A imagem que se segue mostra a estrutura de uma hidroeléctrica equipada com uma turbina pelton

Fonte: http://www.fe.up.pt/~leec2002/cadeiras/see1/see.html

Paulo Moisés

produ o de energia el ctrica17
Produção de Energia Eléctrica
  • Idem mas com turbina Francis.

Fonte: http://www.fe.up.pt/~leec2002/cadeiras/see1/see.html

Paulo Moisés

produ o de energia el ctrica18
Produção de Energia Eléctrica

Idem com uma turbina Kaplan.

Fonte: http://www.fe.up.pt/~leec2002/cadeiras/see1/see.html

Paulo Moisés

produ o de energia el ctrica19
Produção de Energia Eléctrica
  • Diferentes tipos de retenção de água...

Fonte: http://www.fe.up.pt/~leec2002/cadeiras/see1/see.html

Paulo Moisés

produ o de energia el ctrica20
Produção de Energia Eléctrica
  • A figura que se segue mostra uma central hidroeléctrica com bombagem de água:

Fonte: http://www.fe.up.pt/~leec2002/cadeiras/see1/see.html

Paulo Moisés

produ o de energia el ctrica21
Produção de Energia Eléctrica
  • Os aproveitamentos hidroeléctricos podem ser divididos em dois grandes grupos em função da sua capacidade de armazenamento de água. Os aproveitamentos de albufeira os quais possuem um reservatório onde se pode armazenar uma considerável quantidade de água e os aproveitamentos a fio de água cujo reservatório tem dimensões reduzidas ou não existe.

Fonte: http://www.edp.pt/edp/grupo_edp/grupomain.htm

Paulo Moisés

produ o de energia el ctrica22
Produção de Energia Eléctrica

1

Fonte: http://www.edp.pt/edp/grupo_edp/grupomain.htm

Paulo Moisés

produ o de energia el ctrica23
Produção de Energia Eléctrica
  • O mapa que se segue mostra os grandes centros produtores de energia eléctrica do nosso país. (Não se incluem os pequenos aproveitamentos independentes).

Fonte: http://www.edp.pt/edp/grupo_edp/grupomain.htm

Paulo Moisés

produ o de energia el ctrica24
Produção de Energia Eléctrica
  • Centrais térmicas convencionais:
  • As centrais térmicas são instalações onde a energia mecânica necessária para colocar em movimento o rotor do gerador eléctrico se obtém a partir do vapor formado na ebulição de água numa caldeira.
  • O vapor gerado na caldeira tem uma pressão elevada a qual é aproveitada para, na expansão do vapor, accionar a turbina que converterá a energia do vapor em energia mecânica.
  • A designação centrais térmicas convencionais surge para que estas possam ser distinguidas das centrais térmicas nucleares.
  • As centrais térmicas convencionais usam como fonte de energia o carvão, o fuel, gasóleo, o gás natural,... cuja energia térmica, libertada na sua combustão, é aproveitada para transformar água no estado líquido em vapor.
  • Uma central térmica convencional básica tem na sua constituição três elementos essenciais que são a caldeira, a turbina e o gerador.
  • Facilmente se percebe que a caldeira é um elemento essencial pois é nela que se produz o vapor essencial ao processo.

Paulo Moisés

produ o de energia el ctrica25
Produção de Energia Eléctrica
  • O princípio de funcionamento de uma central térmica pode, com facilidade ser compreendido através das figuras que se seguem:

Turbinas

Gerador

Paulo Moisés

produ o de energia el ctrica27
Produção de Energia Eléctrica
  • O condensador é também um elemento importante na constituição de uma central termoeléctrica, pois é ele que permite efectuar um arrefecimento do vapor que circula no circuito fechado, após este se ter expandido nas turbinas.
  • Como sabe das leis da termodinâmica, o calor migra das zonas mais quentes (fontes) para as mais frias (sorvedouros), sendo tanto maior a transferência de energia associada a esta migração quanto maior for a diferença de temperatura entre a fonte e o sorvedouro.
  • Assim, o arrefecimento criado pelo condensador (sorvedouro) é importante pois tal permite aumentar a energia associada ao vapor que se desloca do ponto de produção do vapor (fonte) para o ponto em que este é recolhido e arrefecido (sorvedouro).
  • A figura que se segue mostra alguns condensadores em actividade:

Paulo Moisés

produ o de energia el ctrica28
Produção de Energia Eléctrica
  • Note-se que o fumo que sai das torres que constituem os condensadores não é mais que vapor de água.
  • As figuras que se segue mostra uma central térmica, na qual se pode ver o condensador ao lado esquerdo.

Paulo Moisés

produ o de energia el ctrica29
Produção de Energia Eléctrica
  • AS CENTRAIS TÉRMICAS E AS SUAS IMPLICAÇÕES AMBIENTAIS.
  • Uma central térmica é uma instalação que transforma a energia libertada pela combustão de combustíveis fósseis em energia térmica a qual ao accionar uma turbina se transforma em energia mecânica e esta, finalmente acciona o gerador eléctrico.
  • Neste processo 65% da energia é desperdiçada sob a forma de calor e de contaminação.
  • Assim, só um terço da potência inicial do processo é utilizada como potência eléctrica.
  • Portanto, uma central térmica que possui uma potência de 330 MW, na realidade a sua potência térmica é de aproximadamente 1000 MW.

Paulo Moisés

produ o de energia el ctrica30
Produção de Energia Eléctrica
  • A contaminação destas centrais consiste na emissão de gases pelas chaminés e posterior retorno ao solo a distâncias impensáveis bem como na libertação de grandes quantidades de água de refrigeração no mar ou num rio.
  • Os gases contaminantes são:
  • Dióxido de enxofre (SO2).
  • Óxidos de nitrogénio (Nox).
  • Partículas de metais pesados.
  • Dióxido de carbono (CO2)
  • A tabela que se segue mostra os efeitos produzidos sobre a saúde e sobre o meio ambiente.
  • Produtos Efeitos
  • SO2Chuva ácida. Edemas pulmonares.Morte com alta exposição
  • NOx Problemas respiratórios e pulmonares
  • Partículas Problemas respiratórios, renais,e ósseos
  • CO2 Alterações climáticas.

Paulo Moisés

slide31

Links consultados:

http://www.cfe.gob.mx/internacional/fotos/foto9.html

http://educom.sce.fct.unl.pt/~e4smaria/eaptindx.htm

http://netdial.caribe.net/~jrbaspr/plantas.html

http://www.edp.pt/edp/grupo_edp/grupomain.htm

http://www.fe.up.pt/~leec2002/cadeiras/see1/see.html

Paulo Moisés