Educação, Mudanças e Inovação - PowerPoint PPT Presentation

educa o mudan as e inova o n.
Download
Skip this Video
Loading SlideShow in 5 Seconds..
Educação, Mudanças e Inovação PowerPoint Presentation
Download Presentation
Educação, Mudanças e Inovação

play fullscreen
1 / 26
Educação, Mudanças e Inovação
136 Views
Download Presentation
keely
Download Presentation

Educação, Mudanças e Inovação

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript

  1. Educação, Mudanças e Inovação Eduardo ChavesCentro Universitário Salesiano (UNISAL)Americana, SP

  2. Linha de Mudanças: Dois Horizontes 65 anos 65 anos 1945 1995 2010 2025 2075 15 anos 15 anos

  3. Imaginemos os últimos 65 anos no Mundo • Mudanças amplas, profundas, duradouras e aceleradas  mudanças abrangentes e radicais • Televisão comercial: (1941) 1945 • Computador: 1945 • Transístor: 1947 (permitiu microeletrônica) • Aviação a jato comercial: 1952 • Pílula anticoncepcional: 1960 • Internet: 1969 (acadêmica), 1993 (comercial) • Microcomputadores: 1978 • Telefone celular: 1982 • Globalização econômica e cultural

  4. E os próximos 65 anos... Dá para prever? • A pessoa nascida em 1995 provavelmente vai viver, digamos, 80 anos, até 2075 (previsão do Ricardo Semler: 130 anos) • Que mudanças acontecerão no mundo nos próximos 65 anos de sua vida? • Será que conseguiremos lhe dar, hoje, com a escola que temos, uma formação que vai lhe servir bem? Para a vida inteira?

  5. A Educação e a Ausência de Mudanças • Mas a forma em que trabalhamos em sala de aula tem idade bem superior a 65 anos • Quem sabe 250 anos? Talvez 2000? • Sócrates, mais ou menos em 400 AC trabalhava diferente...

  6. Imaginemos alguém nascido em 1995... • Ele nasceu 15 anos atrás, quando, no Brasil: • O real acabava de nascer (1994) • Havia poucos modelos / marcas de carro • Um notebook custava cerca de 5-8 mil dólares • *A Internet comercial estava nascendo (1995)* • Não havia TV por assinatura (cabo ou satélite) • Não havia telefones celulares digitais (1997) • Na verdade, não havia telefones fixos! • Ele entrou no Fundamental em 2001 • Ele vai concluir o Fundamental agora, em 2010

  7. Agora o imaginemos daqui a 15 anos... • O que vai mudar nos próximos 15 anos, em que a pessoa nascida em 1995 vai, talvez, fazer o Ensino Médio (ou um Curso Técnico), quem sabe, um Curso Superior e, com toda certeza, trabalhar • Dá para prever com segurança? Quem vivia em 1995 conseguia imaginar as mudanças dos 15 anos seguintes? • Será que a educação que ele recebeu, e a que ainda pode receber, lhe serviu, e vai lhe servir bem, diante das todas essas mudanças?

  8. A Natureza da Mudança e a Linha da Inovação REFORMA Menor, lenta, gradual, superficial, incremental Maior, rápida, súbita, profunda, sistêmica – – Próxima da prática atual: Reforço do paradigma Inovação Distante da prática atual: Subversão do paradigma + + TRANSFORMAÇÃO Adaptado de David Hargreaves, Education Epidemic

  9. “Para mudar o mundo, precisamos imaginá-lo diferente do que é hoje. Se, nessa visão, usarmos muito do conhecimento e da experiência que nos trouxeram até aqui, terminaremos exatamente onde começamos... Para ter um resultado diferente, temos de olhar as coisas de uma perspectiva radicalmente diferente.” J Allard, Vice-Presidente da MicrosoftBusiness Week, 4 Dez 2006, p.64

  10. “O cúmulo da estupidez é fazer sempre a mesma coisa e esperar que os resultados sejam diferentes”. Albert Einstein

  11. Tese de Nicholas Negroponte • Sistemas educacionais bem avaliados no PISA provavelmente são os menos indicados para promover mudanças inovadoras na educação • Países mal avaliados, como o Brasil, devem aproveitar para “leapfrog”: saltar estágios, indo para estágios mais avançados, através do trampolim da tecnologia, sem precisar passar pelos mesmos estágios que os países hoje desenvolvidos passaram

  12. Mudanças, a Educação e a Escola • Elas alteraram o contexto histórico e social mais amplo em que a educação acontece • Assim afetaram: • Nossa visão de educação e aprendizagem • Os ambientes em que a aprendizagem ocorre • O perfil dos alunos que chegam à escola • Os recursos que as pessoas usam para aprender • A identidade e o perfil dos educadores

  13. Mudança Sistêmica na Escola Visão-Estratégia Pedagógica informada pelo passado e focada no futuro Liderança iluminada e inspiradora em nível sistêmico e local Comunidade envolvida e apoiadora em nível local, regional e nacional Aprendentes motivados e com amplo acesso a todos os elementos do sistema Profissionais de aprendizagem engajados e bem capacitados Recursos de aprendizagem desafiadores, eficazes e eficientes Ambientes de aprendizagem (formais e não formais), ricos, flexíveis e diversificados

  14. Mudança Sistêmica na Escola Visão-Estratégia Pedagógica informada pelo passado e focada no futuro Liderança iluminada e inspiradora em nível sistêmico e local Comunidade envolvida e apoiadora em nível local, regional e nacional Aprendentes motivados e com amplo acesso a todos os elementos do sistema Profissionais de aprendizagem engajados e bem capacitados Recursos de aprendizagem desafiadores, eficazes e eficientes Ambientes de aprendizagem (formais e não formais), ricos, flexíveis e diversificados

  15. Mudança Sistêmica na Visão e na Estratégia Pedadógica Estratégia 1:Currículo Baseado em Competências Visão da Educação Visão da Aprendizagem Aprendizagemdo Aluno Estatégia 3:Avaliação Baseada em Observação e Interação Estratégia 2:Metodologia Baseada em Projetos Visão do Aluno

  16. Visão da Educação • Educação como processo de desenvolvimento humano • Nascemos incompetentes, dependentes, sem condições de assumir responsabilidade pela nossa vida • Mas nascemos com uma programação aberta e com uma incrível capacidade de aprender • Educação é o processo pelo qual nos tornamos competentes, autônomos, responsáveis • Escolhemos nosso próprio projeto de vida

  17. Visão da Aprendizagem • Aprender é se tornar capaz de fazer aquilo que antes não se conseguia fazer • Deve ser diferenciado de “ficar sabendo”, “tomar conhecimento de”, “receber e reter informação”, etc.

  18. Visão do Aluno • O Nativo Digital • Lida extremamente bem com a tecnologia • Faz múltiplas coisas ao mesmo tempo • Tem iniciativa, é empreendedor • Toma riscos • Aprende fazendo (“Hands on”) • Aprende “Just in Time” • Aprende “Just Enough” • Pouca tolerância com coisas chatas ou que não lhe interessam

  19. Currículo Centrado em Competências • Competência = Capacidade = Saber Fazer • Competência = Conjunto integrado contendo habilidades, informações, atitudes, etc. • Currículo = expectativas de aprendizagem que a escola tem para com seus alunos • Ele lista o que se espera que o aluno aprenda na escola

  20. Carlos Alberto Sicupira • “Ensinar vontade é muito difícil. É uma característica inata, da mesma forma que você pode nascer com olho verde ou azul. Não tento transformar ninguém em empreendedor. A idéia é mostrar a um empreendedor que ele pode fazer um negócio muito maior do que estava pensando. A gente tem de alavancar a vontade que a pessoa tem. Disciplina dá para ensinar. O que uma pessoa tem de saber? Não tem de saber nada. As pessoas valem pelo que elas são capazes de fazer, e não por aquilo que elas conhecem. Algumas pessoas sabem de tudo, mas não conseguem transformar isso em nada”.

  21. Metodologia Baseada em Projetos • Metodologia = conjunto de abordagens e procedimentos mediante os quais se espera que o aluno aprenda • Metodologia = como aprender (matética, não didática) • Um projeto de aprendizagem surge a partir de um problema que o aluno tem, ou de uma pergunta que ele quer responder • O projeto deve especificar com clareza as competências previstas no currículo que o aluno vai desenvolver ao realizar o projeto • Não confundir projeto de aprendizagem, que é do aluno, com projeto de ensino, que é do professor • Mas o professor pode sugerir projetos de aprendizagem

  22. Avaliação Baseada em Observação • Avaliação = verifica se o aluno desenvolveu, no projeto, as competências previstas • Avaliação = verifica se o aluno aprendeu • Avaliação de desenvolvimento de competências ≠ avaliação de assimilação de informações • Avaliação de assimilação de informações = provas, testes, exames • Avaliação de desenvolvimento de competências = observação, interação, desafios • Pré-requisitos: definição operacional das competências, seleção de indicadores, especificação de conceitos, definição de critérios para atribuição dos conceitos

  23. Mudança Sistêmica na Visão-Estratégia Pedadógica Currículo Baseado em Competências Aprendizagemdo Aluno Metodologia Baseada em Projetos Avaliação Baseada em Observação e Interação

  24. Mudança Sistêmica na Escola Visão-Estratégia Pedagógica informada pelo passado e focada no futuro Liderança iluminada e inspiradora em nível sistêmico e local Comunidade envolvida e apoiadora em nível local, regional e nacional Aprendentes motivados e com amplo acesso a todos os elementos do sistema Profissionais de aprendizagem engajados e bem capacitados Recursos de aprendizagem desafiadores, eficazes e eficientes Ambientes de aprendizagem (formais e não formais), ricos, flexíveis e diversificados

  25. A Natureza da Mudança e a Linha da Inovação REFORMA Menor, lenta, gradual, superficial, incremental Maior, rápida, súbita, profunda, sistêmica – – Próxima da prática atual: Reforço do paradigma Inovação Distante da prática atual: Subversão do paradigma + + TRANSFORMAÇÃO Adaptado de David Hargreaves, Education Epidemic

  26. Eduardo Chaveseduardo@chaves.com.br Obrigado