MOTIVACIÓN ¿Para qué estoy en este Mundo? - PowerPoint PPT Presentation

slide1 n.
Download
Skip this Video
Loading SlideShow in 5 Seconds..
MOTIVACIÓN ¿Para qué estoy en este Mundo? PowerPoint Presentation
Download Presentation
MOTIVACIÓN ¿Para qué estoy en este Mundo?

play fullscreen
1 / 250
MOTIVACIÓN ¿Para qué estoy en este Mundo?
158 Views
Download Presentation
kailey
Download Presentation

MOTIVACIÓN ¿Para qué estoy en este Mundo?

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript

  1. MOTIVACIÓN ¿Para qué estoy en este Mundo?

  2. ¿Para qué estoy en este mundo? Para buscar más satisfacción - Para obtener mayor placer - Freud En busca de mayor equilibrio El casamiento solamente acontece por la búsqueda de poder. Uno quiere controlar el otro. • Adler de la misma escuela rompe con el pensamiento de Freud • Y acrecienta: El hombre vive en este mundo en busca de poder.

  3. ¿Para que estoy en este mundo Jung muda totalmente el enfoque Sale en busca Lo que no tiene. Crea una imagine de su contrario. El niño sale en busca de su anima… sol La niña en busca de su animús…. Luna La pasión es fruto de las proyecciones del animús o animas sobre otra persona. • El placer y el poder no son lo que forman el para que humano. • Si la junción de los opuestos. • Esta es la cuestión para el ser humano

  4. ¿Para que estoy en este mundo? El hombre nunca es mal humorados, solamente cuando su anima pierden el equilibrio. Siguiendo Jung a Maslow, presenta la teoría de la motivación. Las personas son motivadas por sus necesidades básicas: comer, beber, dormir, trabajar y desarrollar experiencias que transcienden. • El necesita desarrollar su capacidad de acoger, escuchar, ser cortés, gentil, que son elementos de su anima, necesita entonces de la complementariedad.

  5. ¿Para qué estoy en este mundo Una quinta teoría de la motivación: Busca de sentido - Victor Frankl Los que buscaban el suicidio era exactamente por la perdida de sentido. Observo que los jóvenes de dieciocho años se suicidaban mismo teniendo salud perfecta. El grupo que debía morir por primero era lo de 18 – 45 años. Los de 45 – 70 después. • Un psicólogo que comprueba sus teorías de búsqueda de sentido en el campo de concentración de Auschwitz – Birkenau • 1940 -1945

  6. ¿Para qué estoy en este mundo? Frankl cuestiona Freud y Adler cuando afirma que: “Solamente los impotentes sexuales buscan poder por poder”. “solamente los enfermos se preguntan por el sentido de la vida”. No están sentiéndose bien y piden por el sentido de la vida. Siempre en estado depresivo. El muda la pregunta de ¿“Por qué aconteció esto conmigo”? Y Propone otra formulación: “Para qué” Pregunto para la vida ¿qué me va a dar? Frankl invierte: ¿qué podemos dar a la vida? congregaciones No espere lo que los otros te van a dar, si como intervenir, construir, buscar, investigar.

  7. ¿Para qué estoy en este mundo? La enfermedad de nuestro siglo es el vacio existencial Alma un núcleo sano que nunca se queda enfermo. Un núcleo con libertad interior, que puede decir si o no. Unido a la responsabilidad y al compromiso. Los que busca el suicidio no lograran desencobrir su núcleo. La alma es la transcendencia humana siempre sana. Para Freud la razón substituye el alma. Mira la religión como proceso alienante Para Frankl la consciencia es la alma. Mira la religión como oportunidad para religar las personas.

  8. ¿Para qué estoy en este mundo? Frankl es considerado el padre de la psicoterapia o logo terapia en Europa Es el un psicólogo judío que trabaja con los valores religiosos Su importancia para hoy es ayudar a desmitificar la idea de búsqueda de la felicidad. Otro mito es la eficacia. Según él lo fundamental es el sentido, el significado. Solamente por medio de la consciencia percibimos este proceso. • Para evitar los suicidios, no adelanta huir, es necesario acoger lo que tengo en mi interior. Mi miedo es mío, necesito del.

  9. ¿Para que estoy en este mundo? Otro mito es lo tener, la pose. Lo importante es el proceso, el camino para… Cuando el proceso viene del interior se edifica, cuando es exterior a nosotros desaparece. La alma permite mirar con el corazón de forma más amplia, como un todo. Es nuestro lado místico es nuestra consciencia. El ser humano es dialógico, intuitivo Los sentidos son parte de la razón que nos engañan. El principio de la razón es el “por qué”. Ella explica lo concreto por medio de la analice o sintiese. La razón tiene principios necrológicos

  10. ¿Para que estoy en este mundo? Los seres humanos actúan a partir de su centro, de forma equilibrada, libre y responsable. El espacio sano es la presencia de Dios que se construye. La vida es siempre hacer opciones que se determinan por el proceso que usted tubo. ¿qué sentido tiene mi vida? ¿cómo ayudar las personas a poner un sentido en sus vidas? ¿Cuáles son sus motivaciones para la Vida Religiosas? Al hondo del inconsciente tienen el consciente espiritual noético, que hace fluir el proceso divino para unir con el proceso de realización. No vemos las personas vemos las posibilidades. .

  11. Motivación

  12. A logoterapia, também chamada de Terceira Escola Vienense de Psicoterapia, tem como seu tema básico o sentido da vida.

  13. O homem, segundo seus postulados fundamentais, tem inerente um propósito essencial na vida: A procura de um sentido ou um significado de cunho imaterial, de uma meta que signifique a realização de valores na área moral, ética e que o dignifique como ser humano.

  14. Logoterapia • A logoterapia não nega a escola psicanalítica ou freudiana, onde o homem procura essencialmente o prazer, a partir de um inconsciente psicobiológico que o impulsiona na direção da realização da chamada “libido”. • Não nega também a escola de psicologia individual ou de Adler, onde o homem procura a realização do poder para compensar um “complexo de inferioridade”, igualmente de ordem inconsciente...

  15. Logoterapia… A Logoterapia afirma que o sentido da existência, o real significado da missão única e singular de cada pessoa tem para realizar, tem uma prioridade e dá a verdadeira motivação para viver.

  16. Logoterapia... Faltando o sentido da vida, o homem perde seu entusiasmo pela sociedade, pelo amor e pelo trabalho e fica reduzido ao ser “vegetativo”, onde impera o que é chamado de “vazio existencial”, uma situação de não realização de valores em nenhuma área da vida, de esterilidade e de insatisfação vital... uma epidemia em um grande número de paises do mundo civilizado.

  17. A logoterapia originou-se na cidade de Viena, nas décadas dos anos 20 e 30, quando, o neuropsiquiatra, Viktor Emile Frankl descobriu que as pessoas, especialmente os jovens advindos das ruínas da primeira Guerra Mundial na Europa, estavam terrivelmente traumatizadas pela destruição sofrida e que somente poderiam recuperar-se, psicologicamente, quando se empenhassem na busca de um sentido, apesar dos sofrimentos, da miséria, da incapacidade física, da carência de afeto e de recursos que enfrentavam.

  18. Vitor desliga-se das escolas freudianas e adleriana, respectivamente a primeira e a segunda escolas de psicoterapia de Viena, e procurou recursos no chamado “movimento existencial de psiquiatria” ou escola existencial que já na época, estava em grande progresso na Europa.

  19. Logoterapia... • Ali Frankl aprendeu a “orientação filosófica” que estuda a “dimensão espiritual ou noética” do homem e observa que a pessoa pode “ek-sistir”, ou seja sair de si e refletir sobre o seu próprio “ser”. • Aí o autor visualizou que o homem não é somente dirigido ou impulsionado por uma dimensão psicobiológica, mas também uma dimensão espiritual, que o leva a buscar o sentido e a realizar seus valores;

  20. Logoterapia… ... valores que estão juntos do mundo e se distribuem essencialmente nas áreas do TRABALHO ou da CRIATIVIDADE, do AMOR ou das VIVENCIAS e do SOFRIMENTO, ou de uma ATITUDE face aos CONDICIONAMENTOS do mundo.

  21. Logoterapia... ... E que essa dimensão espiritual é a mais autentica qualidade do homem; é o verdadeiro conteúdo do seu “ser” e a verdadeira qualidade que o diferencia dos outros seres vivos.

  22. A LOGOTERAPIA NA AMERICA LATINA: Foi em abril de 1984 que o Dr. Viktor Frankl veio ao Brasil, mas especialmente à cidade de Porto Alegre, onde proferiu conferencias no I Encontro Latino-Americano Humanístico Existencial. • A partir desse evento foram organizados a Sociedade Brasileira de Logoterapia (SOBRAL) e várias outras associações de profissionais interessados nessa forma de psicoterapia...

  23. Logoterapia... • Desce o início de suas atividades, a SOBRAL vem tendo uma ampla ajuda dos membros da Sociedade Argentina de Logoterapia, estes já com grande experiência na prática e na teoria dessa escola. • Hoje o SOBRAL tem vários núcleos distribuídos por vários estados do Brasil, organizando encontros, congressos de nível nacional e internacional e cursos de formação e informação em logoterapia.

  24. Logoterapia... “Desce o início de suas atividades, a SOBRAL vem tendo uma ampla ajuda dos membros da Sociedade Argentina de Logoterapia, estes já com grande experiência na prática e na teoria dessa escola.”

  25. Logoterapia... Hoje o SOBRAL tem vários núcleos distribuídos por vários estados do Brasil, organizando encontros, congressos de nível nacional e internacional e cursos de formação e informação em logoterapia.

  26. Logoterapia no Brasil... No Brasil, portanto, a obra de Viktor Frankl tem sido, na atualidade, bastante divulgada, surgindo profissionais da área de psicoterapia, da psiquiatria, da psicologia e de outras atividades nas disciplinas humanísticas,(Counseling – Aconselhamento) plenamente capacitados para o exercício da logoterapia e psicologia.

  27. Logoterapia no Brasil... Realmente no continente sul-americano, e sobretudo no Brasil, estamos nessa posição de constante crise de subsistência da imensa maioria da população. E, mais que nunca, necessitados de encontrar uma meta, um caminho que nos possibilite sair desse principio social econômico em que nos encontramos.

  28. Logoterapia no Brasil... Se a busca de sentido e a capacidade de transcendência do homem pudessem substituir essa ânsia superficial e egoística de poder e prazer que os lideres e as pessoas comuns tem face ao contexto neurótico mercantilista e consumista atual da sociedade, então, talvez, alguns problemas essenciais pudessem ser resolvidos.

  29. Logoterapia no Brasil... • O esquecimento de si próprio e o trabalho sincero e autentico em prol da humanidade leva à felicidade genuína. • Não é egoísmo, a ganância, a ação em benefício próprio, situações que tanto tem corroído o nosso pais e que a tantos conflitos sociais nos tem conduzido.

  30. Logoterapia no Brasil… Evidentemente, a logoterapia não podem em si mesma, dar nenhuma solução a isso. O homem é a verdadeira solução. A logoterapia apenas tenta mostrar essa dimensão, onde o homem “existe” e onde sua real essência se manifesta nos mais nobres valores.

  31. A TERCEIRA ESCOLA DVIENA: O TOPO DA PIRAMIDE É curioso notar que as doutrinas psicológicas que procuram explicar o comportamento e a personalidade do homem, embora pareçam constituir-se numa verdadeira desordem e em intricados labirintos, por sua extensão, sua complexidade, elas têm, na verdade, uma ordenada e harmônica relação entre si.

  32. A Terceira Escola Vienense... • Uma relação em termos de evolução de conceitos fundamentais; em termos de uma escalada hierárquica que parte de uma “infra-estrutura” em direção a um fim último, um cume ou “topo”. • Essa progressão harmônica não foi planejada. Ela não surgiu de um estudo racional e lógico de um grupo de antropologistas ou cientistas do homem.

  33. A terceira escola... Ao contrário: ela apareceu naturalmente, originando-se das observações particulares dos homens de ciência, cada um por si, trabalhando independentemente dos outros, constatando e registrando os fenômenos antropológicos, históricos e personalísticos do homem. E esse surgimento “ao natural” demonstra a lógica cientifica e o concatenamento racional e observacional-empírico das doutrinas e escolas na sua abordagem da psicologia humana.

  34. PERCORRENDO O CAMINHO:O nosso caminho de aprendizagem partirá de Sigmund Freud – o construtor das teorias psicanalíticas clássicas, e conhecido como o “Homem da infraestrutura” da personalidade, e chegaremos a Viktor Frankl no topo, na área noética ou espiritual. No intermédio veremos que uma gama de autores e suas escolas correspondente vão assumindo uma posição ascendente numa verdadeira escalada em direção à pessoa, ao eu pessoal.

  35. Percorrendo o Caminho... • A Logoterapia, ao tratar da finalidade última do ser humano, ou seja, o sentido de sua vida segundo seus valores na dimensão espiritual, aborda, sem duvida, uma característica humana que se coloca acima da infra-estrutura psicofísica, isto é, o existecial subjetivos da pessoa espiritual e sua expressão nos valores objetivos da pessoa espiritual colocados no mundo.

  36. Logoterapia... • Realmente, essa dimensão, que é o objetivo fundamental da logoterapia, embora de maneira nenhuma única, não deixa de ser o “topo da pirâmide” de caracteres humanos abordados pelas várias escolas psicoterapeuticas.

  37. Logoterapia… o topo da pirâmide... • Para chegar ao topo, é necessário antes galgar os vários degraus que constituem a personalidade humana: o biológico, o psicológico e a dimensão social. • Não se pode conhecer a dimensão noológica independentemente dos condicionamentos psicofísicos.

  38. Logoterapia... • Isso significa que, para uma avaliação psicopatológica e, posteriormente, de conflitos na área noética, a psiquiatria clinica e a psicoterapia tradicional são imprescindíveis.

  39. Logoterapia… Somente após uma completa elucidação da problemática na área psicofísica e social, é que poderemos, com tranqüilidade, nos aproximar da dimensão espiritual.

  40. Vôo de pássaros... Vejamos, num “vôo de pássaro” como se desenvolveu essa escala ascendente na progressão hierárquica das escolas psicológicas em geral.

  41. Logoterapia... Se iniciarmos com a época pré-freudiana, veremos que a psiquiatria e a neurologia da época constituíram-se de um verdadeiro caos e de uma miscelânea extremamente cariada e complexa.

  42. Logoterapia... A neuro-psiquiatria procurava encontrar nos neurônios cerebrais toda a explicação do comportamento humano. A psicologia experimental evoluía numa velocidade sem precedentes. Enfim, um grande progresso se realizava nas mais diversas áreas dessas disciplinas, as quais não divergiam, em seus parâmetros, das clinicas médicas clássicas.

  43. Logoterapia... • No entanto, apesar desse retumbante progresso que se constitui no móvel precursor da psiquiatria e da psicologia moderna a essência da abordagem à problemática do homem por essas teorias e hipóteses era a de uma “psicologia sem alma”. • Sem alma porque, apesar dos estudos sem fim sobre a personalidade humana, esta era tratada como uma “coisa” máquina.

  44. Logoterapia... Os pesquisadores não abordavam o homem diretamente; não se comunicavam com ele, mas pensavam, raciocinavam, experimentavam e faziam testes “sobre ele” e não “com ele”. Por isso, essa psicologia pré-freudiana, por mais científica e metodologicamente orientada, por mais racional e realistica, era uma ciência do “homem-máquina”, do homem “sem alma”.

  45. Freud e o espírito... Com Sigmund Freud algo muito importante aconteceu: de uma ou de outra forma ele foi ao homem! Enfrentou sua alma e “psicologizou-a”. Não vem ao caso aqui “qual” foi essa alma e “onde” foi ela psicologizada. Porém, o essencial é que agora se tratava de algo “humano”, de pessoas como o centro de comunicação.

  46. Freud e o espírito... Doravante, portanto, o homem passava a ser real, como tal com defeitos e virtudes; com emoções e sentimentos; com desejos e paixões, boas ou más; com raiva, ódio, amor, etc. Enfim, já tínhamos aqui uma personalidade com alma.

  47. Freud e o espírito... Acontece que essa alma, na teoria freudiana, foi “edificada”, isto é, objetificada num ID freudiano, onipresente e onipotente. Realmente, o ID freudiano é um todo ilimitado no seu poder sobre a personalidade, dando origem ao Ego e ao Superego, sendo estes meras extensões daquela estrutura psicológica.

  48. Freud e o espírito... Isso significa, portanto, que, com a psicanálise propriamente dita, a origem de todos os processos psíquicos foi colocada predominantemente no Id, uma instancia de fundo biológico, onde cargas e descargas de energia psíquica e neuronal obedecem aos processos vitais e comandam, por impulsos e tendências diretivas, todas as respostas da personalidade. Já se vislumbra então uma “alma coisificada”; mas no homem e com o homem.