slide1
Download
Skip this Video
Download Presentation
Semana de Arte Moderna

Loading in 2 Seconds...

play fullscreen
1 / 50

Semana de Arte Moderna - PowerPoint PPT Presentation


  • 242 Views
  • Uploaded on

Semana de Arte Moderna. Capa do catálogo da exposição da Semana da Arte Moderna, São Paulo, fevereiro de 1922. A Semana de Arte Moderna, também chamada de Semana de 22, ocorreu em São Paulo no ano de 1922, nos dias 13 a 17 de fevereiro, no Teatro Municipal da cidade.

loader
I am the owner, or an agent authorized to act on behalf of the owner, of the copyrighted work described.
capcha
Download Presentation

PowerPoint Slideshow about 'Semana de Arte Moderna' - jens


An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript
slide3
A Semana de Arte Moderna, também chamada de Semana de 22, ocorreu em São Paulo no ano de 1922, nos dias 13 a 17 de fevereiro, no Teatro Municipal da cidade.

Apesar do designativo "semana", o evento ocorreu em três dias. Cada dia da semana trabalhou um aspecto cultural: pintura e escultura, poesia, literatura e música. O evento marcou o início do modernismo no Brasil e tornou-se referência cultural do século XX.

slide4
Semana de Arte Moderna representou uma verdadeira renovação de linguagem, na busca de experimentação, na liberdade criadora da ruptura com o passado e até corporal, pois a arte passou então da vanguarda, para o modernismo. O evento marcou época ao apresentar novas ideias e conceitos artísticos, como a poesia através da declamação, que antes era só escrita; a música por meio de concertos, que antes só havia cantores sem acompanhamento de orquestras sinfônicas; e a arte plástica exibida em telas, esculturas e maquetes de arquitetura, com desenhos arrojados e modernos. O adjetivo "novo" passou a ser marcado em todas estas manifestações que propunha algo no mínimo curioso e de interesse.

Participaram da Semana nomes consagrados do modernismo brasileiro, como Mário de Andrade, Oswald de Andrade, Víctor Brecheret, Plínio Salgado, Anita Malfatti, Menotti Del Pichia, Guilherme de Almeida, Sérgio Milliet, Heitor Villa-Lobos, Tácito de Almeida, Di Cavalcanti entre outros, e como um dos organizadores o intelectual Rubens Borba de Moraes que, entretanto, por estar doente, dela não participou[1]. Na ocasião da Semana de Arte Moderna, Tarsila do Amaral, considerada um dos grandes pilares do modernismo brasileiro, se achava em Paris e, por esse motivo, não participou do evento.

slide5
Segundo Di Cavalcanti, essa semana seria “marcada por escândalos literários e artísticos, de meter os estribos na barriga da burguesiazinha paulista”. Monteiro Lobato criticou as obras de Anita Malfatti em 1917, comparando-as às telas feitas nos manicômios. O mesmo ocorreu com a obra do escultor Vítor Brecheret.

Di Cavalcanti

slide6
Aproveitando o centenário da Independência e contando com o apoio de Paulo Prado, os Modernistas organizam a Semana de Arte Moderna no Teatro Municipal de São Paulo, como um brado de protesto e tentativa de ruptura com o passado. Segundo Mario de Andrade, "a independência não é somente política, é acima de tudo independência mental e moral".

Mario de Andrade

slide8
Oswald de Andrade, trazendo as ideias do Futurismo, tenta resgatar um nacionalismo que busca as origens, fazendo uma análise crítica da sociedade, valorizando o falar do cotidiano daquilo que seria a língua brasileira, ou seja, “como falamos, como somos”.
slide9
Enfim, a Semana de Arte Moderna foi um marco na forma de expressão do povo brasileiro, contestando as tendências europeias nos meios intelectuais mais conservadores. As novas formas retratavam os problemas a angústias contemporâneas, onde os conflitos entre interesses divergentes na sociedade brasileira demonstravam uma sociedade em processo de mudança e em busca de sua identidade enquanto Nação.
slide10
Tarsila do Amaral, embora não estivesse presente na Semana da Arte Moderna, pois encontrava-se em Paris, tornou-se a musa dos Modernistas. Foi quem melhor captou e expressou a paisagem proletária e suburbana da futura megalópole paulista. A simplicidade dos temas, do colorido e do desenho foi traduzida em paisagens oníricas e surrealistas da fase antropofágica de Oswald de Andrade.

Tarsila teve duas fases: pau brasil e antropofagia.

slide11
São Paulo

Tarsila do Amaral

Operários

Tarsila do Amaral

a nega abaporu
A nega Abaporu
di cavalcanti
DI CAVALCANTI

O pintor das mulatas.

slide16
Baile Popular

Di Cavalcanti

Samba

Di Cavalcanti

vicente do rego monteiro
VICENTE DO REGO MONTEIRO

O pintor com expressão cubista.

slide19
Duelo

Vicente do Rego Monteiro

O Combate

Vicente do Rego Monteiro

slide20
Geométrico

John Graz

Troféu Saci

Victor Brecheret

victor brecheret
VICTOR BRECHERET

Em 1920 ganhou um concurso internacional de maquetes para a construção de uma grande escultura em São Paulo (o futuro Monumento às Bandeiras). Em 1923 o governo do Estado de São Paulo encomendou-lhe a execução do Monumento às Bandeiras, projeto a que Brecheret viria a se dedicar nos vinte anos seguintes. O Monumento às Bandeiras foi a maior obra de Brecheret e demorou 33 anos para ser construído (1920—1953).

slide24
Anjos no túmulo da Família Scuracchio Cemitério São Paulo

Túmulo de Olívia Guedes Penteado, Cemitério da Consolação

anita malfatti1
ANITA MALFATTI

É considerada a primeira representante do modernismo no Brasil. Ela nasceu em São Paulo em 2 de dezembro de 1889 e faleceu aos 74 anos, em 6 de novembro de 1964. Aos 19 anos Anita formou-se professora pela Escola Normal e em 1910 mudou-se para Berlim onde, no ano seguinte, matriculou-se na Academia Real de Belas Artes. Em visita a uma exposição ela conheceria uma arte “rebelde” cujas regras não eram ditadas pelo academicismo da época. Foi com esta arte que ela se identificou.

Em 1916, com 27 anos, a pintora estava de volta ao Brasil, adulta e madura, sentindo-se suficientemente segura para expor sua nova concepção de arte, voltada para o Expressionismo.

slide28
Fiando-se nos comentários favoráveis de amigos e, particularmente, do crítico Nestor Rangel Pestana, assim como nas palavras de incentivo de modernistas como Di Cavalcanti e outros, Anita não hesitou em alocar um espaço nas dependências do Mappin Stores, na rua Líbero Badaró, onde, em 12 de dezembro de 1917, realizou uma única apresentação de seus trabalhos.

Ao contrário do que se imagina, Monteiro Lobato sequer foi à exposição de Anita Malfatti. Não viu nada e não gostou do que não viu.

Mas, em artigo virulento, publicado no jornal «O Estado de São Paulo», depois de criticar as extravagâncias de «Picasso & Cia.», o escritor assestou as baterias contra Anita, esperando que as balas ricocheteassem, atingindo seu alvo principal, que eram modernistas, companheiros da pintora.

Foi uma reação inesperada, que espantou até os que conheciam o destempero do escritor, e inexplicável, pois sua editora, havia pouco tempo, publicara um livro do modernista Oswald de Andrade, cuja capa fora desenhada justamente por Anita Malfatti.

slide29
Paranóia ou mistificação

     Usando como título: «Paranóia ou mistificação – A propósito da exposição Malfatti,», Lobato ataca as «escolas rebeldes, surgidas cá e lá como furúnculos de cultura excessiva... produtos do cansaço e do sadismo de todos os períodos de decadência» e, depois, explica o título de sua catilinária:

     «Embora se deem como novos, como precursores de uma arte a vir, nada é mais velho do que a arte anormal ou teratológica: nasceu como paranóia e mistificação.

     «De há muito que a estudam os psiquiatras, em seus tratados, documentando-se nos inúmeros desenhos que ornam as paredes internas dos manicômios. A única diferença reside em que, nos manicômios, essa arte é sincera, produto lógico dos cérebros transtornados pelas mais estranhas psicoses;

     «e fora deles, nas exposições públicas zabumbadas pela imprensa partidária mas não absorvidas pelo público que compra, não há sinceridade nenhuma, nem nenhuma lógica, sendo tudo mistificação pura.»

lasar segall
LASAR SEGALL

Foi um pintor, escultor e gravurista judeu brasileiro nascido na Lituânia. O trabalho de Segall tem influências do impressionismo, expressionismo e modernismo. Seus temas mais significativos foram representações pictóricas do sofrimento humano: a guerra, a perseguição e a prostituição.

slide50
Créditos:

Museu Tarsila do Amaral

Museu Lasar Segall

Wikipédia

Pitoresco

Google

ad