teorias do curr culo n.
Download
Skip this Video
Loading SlideShow in 5 Seconds..
TEORIAS DO CURRÍCULO PowerPoint Presentation
Download Presentation
TEORIAS DO CURRÍCULO

Loading in 2 Seconds...

play fullscreen
1 / 84

TEORIAS DO CURRÍCULO - PowerPoint PPT Presentation


  • 214 Views
  • Uploaded on

TEORIAS DO CURRÍCULO. “O currículo é lugar, espaço, território. O currículo é relação de poder. O currículo é trajetória, viagem percurso. O currículo é autobiografia, nossa vida, currículum vitae: no currículo se forja a nossa identidade. O currículo é texto, discurso, documento.

loader
I am the owner, or an agent authorized to act on behalf of the owner, of the copyrighted work described.
capcha
Download Presentation

TEORIAS DO CURRÍCULO


An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
    Presentation Transcript
    1. TEORIAS DO CURRÍCULO

    2. “O currículo é lugar, espaço, território. O currículo é relação de poder. O currículo é trajetória, viagem percurso. O currículo é autobiografia, nossa vida, currículum vitae: no currículo se forja a nossa identidade. O currículo é texto, discurso, documento. O currículo é documento de identidade ” (Tomaz Tadeu da Silva, 2004)

    3. CURRÍCULO CURRICULUM = LATIM ORIGEM E ABRANGÊNCIA CURSO, PERCURSO, ATO DE CORRER

    4. INCLUÍ NO SIGNIFICADO: O ATO DE CORRER, O MODO E A FORMA DE FAZÊ-LO (A PÉ, DE CARRO, A CAVALO...) E O LOCAL ( CANCHA, PISTA, HIPÓDROMO...)

    5. “(...) percurso efetuado até o término da execução do ato – há um todo complexo, que se compreende no ATO e TUDO o que ocorre durante a sua execução até o seu completar” (TRALDI, Lady Lina. CURRÍCULO: conceituação e implicações. São Paulo:Atlas, 1997. p.22)

    6. CURRÍCULO ESCOLAR ORIGEM • QUANDO SE INICIAM AS PRESCRIÇÕES SOBRE O ENSINO • COMO FERRAMENTA PEDAGÓGICA DA SOCIEDADE INDUSTRIAL (TERIGI, Flávia. Notas para uma genealogia do curriculum escolar. Educação & Realidade, Porto Alegre, v.21, n.1, 1996)

    7. CONTEXTO SOCIAL – ECONÔMICO • FORMA E ORGANIZAÇÃO SOCIAL BASEADA NA PROPRIEDADE PRIVADA E NOS MEIOS DE PRODUÇÃO. • INDUSTRIALIZAÇÃO +URBANIZAÇÃO+ IMIGRAÇÃO= ABALAM O TIPO DE VIDA E HOMOGENEIDADE DA COMUNIDADE RURAL

    8. NECESSIDADE MANUTENÇÃO DO STATUS QUO • CONSOLIDAR UM PROJETO NACIONAL COMUM PARA RESTAURAR A HOMOGENEIDADE EM VIAS DE DESAPARECIMENTO

    9. ENSINAR ÀS CRIANÇAS, FILHOS/FILHAS DOS IMIGRANTES, AS CRENÇAS E VALORES DIGNOS DE SEREM ADOTADOS • ESCOLA= PROPORCIONAR E FACILITAR A ADAPTAÇÃO DAS NOVAS GERAÇÕES ÀS TRANSFORMAÇÕES ECONÔMICAS, SOCIAIS E CULTURAIS QUE OCORRIAM

    10. URGENTE • EXPANSÃO DA ESCOLA, MASSIFICAÇÃO DA ESCOLARIDADE,NORMALIZAÇÃO, UNIFORMIZAÇÃO DE COMPORTAMENTOS E ATITUDES

    11. CABERIA À ESCOLA ( VIA CURRÍCULO) INCULCAR, FORJAR, NOVOS VALORES, CONDUTAS, HÁBITOS, CAPACIDADES “ADEQUADOS” ÀS NOVAS NECESSIDADES DA ECONOMIA

    12. NECESSÁRIO ORGANIZAR UM CURRÍCULO QUE: • BUSQUE A ORDEM RACIONALIDADE E EFICIÊNCIA. • JUSTIFIQUE O SISTEMA CAPITALISTA • ENFATIZE A DEFESA DA LIBERDADE E DOS DIREITOS E INTERESSES INDIVIDUALISTAS NA SOCIEDADE

    13. O CURRÍCULO INTRUMENTO DE CONTROLE SOCIAL POR EXCELÊNCIA

    14. FINAL DO SÉCULO XIX E INÍCIO DO SÉCULO XX- (EUA) • CONTEXTO SÓCIO-HISTÓRICO= GUERRA CIVIL ( 1861 – 1865) • ECONOMIA: CAPITAL INDUSTRIAL + PROCESSO DE PRODUÇÃO COMPLEXO

    15. CONCEPÇÃO DE SOCIEDADE VALORES E PRÁTICAS DERIVADAS DO MUNDO INDUSTRIAL: COOPERAÇÃO E ESPECIALIZAÇÃO; MERITOCRACIA NA TRAJETÓRIA ESCOLAR FOCO RACIONALIZAÇÃO, SISTEMATIZAÇÃO E CONTROLE DA EDUCAÇÃO ESCOLAR

    16. FINALIDADE PLANEJAR CIENTIFICAMENTE AS ATIVIDADES PEDAGÓGICAS E CONTROLÁ-LAS VISANDO METAS, PADRÕES PRÉ-DEFINIDOS

    17. TEORIAS TRADICIONAIS DO CURRÍCULO

    18. BOBBIT – 1918 • THE CURRÍCULUM:ESCOLARIZAÇÃO DA MASSAS • PRINCÍPIOS DA ADMINISTRAÇÃO CIENTÍFICA: TAYLORISMO APLICADO À ESCOLA • PRINCÍPIOS DA ADMINISTRAÇÃO, DA RACIONALIDADE TÉCNICA. • CIENTIFICISMO E PADRONIZAÇÃO NOS PROCESSOS PEDAGÓGICOS

    19. TYLER (1949) • PREOCUPAÇÃO COM ORGANIZAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DO CURRÍCULO • OBJETIVOS EDUCACIONAIS • TECNOCRATISMO - ESCOLA COMO VIA DE ADAPTAÇÃO AOS PRECEITOS MERCADOLÓGICOS – BASE NO CONTROLE DE RESULTADOS E NA EXPLICITAÇÃO DE OBJETIVOS COM BASE NA FORMAÇÃO PARA A BASE MERCANTIL.

    20. CARACTERÍSTICAS • ENSINO HUMANÍSTICO DE CULTURA GERAL • CONCEPÇÃO HUMANISTA TRADICIONAL, CENTRA-SE NA ESSÊNCIA DO INTELECTO, NO CONHECIMENTO; HOMEM CONSTITUÍDO POR UMA ESSÊNCIA IMUTÁVEL ( INATISMO) • ENSINO DE CARÁTER VERBALISTA, AUTORITÁRIO E INIBIDOR DA PARTICIPAÇÃO DO ALUNO

    21. CONTEÚDOS ENCICLOPÉDICOS, DESCONTEXTUALIZADOS • VALORIZAÇÃO DO CONTEÚDO, DO ASPECTO INTELECTUAL, DA DISCIPLINA • EDUCAÇÃO CENTRADA NO PROFESSOR, QUE DEVE DOMINAR OS CONTEÚDOS • ENSINAR É REPASSAR CONHECIMENTOS

    22. APRENDIZAGEM É MODIFICAÇÃO DE DESEMPENHO • ENSINO É PROCESSO DE CONDICIONAMENTO / REFORÇO DA RESPOSTA QUE SE QUER OBTER, ATRAVÉS DA MECANIZAÇÃO DO PROCESSO • BEHAVIORISMO,COMPORTAMENTALISMO, AMBIENTALISMO

    23. NÃO HÁ PREOCUPAÇÃO COM OS PROCESSOS DE APRENDIZAGEM, MAS COM O RESULTADO E PRODUTO DESEJADO • CRIANÇA / ALUNO; CAPACIDADE DE ASSIMILAÇÃO IGUAL A DE ADULTO, PORÉM MENOS DESENVOLVIDA • A APRENDIZAGEM É RECEPTIVA, MECÂNICA, SEM CONSIDERAR AS CARACTERÍSTICAS PRÓPRIAS DE CADA IDADE

    24. O ALUNO/A É EDUCADO/A ATINGIR PELO PRÓPRIO ESFORÇO SUA PLENA REALIZAÇÃO PESSOAL (COMPETITIVIDADE) • BUSCA-SE A EFICIÊNCIA, EFICÁCIA, QUALIDADE, RACIONALIDADE, PRODUTIVIDADE NA ESCOLA, QUE DEVE FUNCIONAR COMO UMA EMPRESA

    25. PAPEL DA ESCOLA • TRANSMITIR CONHECIMENTOS ACUMULADOS PELA HUMANIDADE • REALIZAR A PREPARAÇÃO MORAL E INTELECTUAL DOS INDIVÍDUOS PARA ASSUMIREM SEU LUGAR NA SOCIEDADE • OFERTAR A TODOS OS MESMOS CAMINHOS, PRIVILEGIANDO ASSIM, AS CAMADAS MAIS FAVORECIDAS

    26. ARTICULA-SE COM O SISTEMA PRODUTIVO PARA O APERFEIÇOAMENTO DO SISTEMA CAPITALISTA: PROVÊ A FORMAÇÃO DE INDIVÍDUOS PARA O MERCADO DE TRABALHO, DE ACORDO COM AS EXIGÊNCIAS DA SOCIEDADE INDUSTRIAL E TÉCNOLÓGICA • PREOCUPA-SE COM OS ASPECTOS MENSURÁVEIS E OBSERVÁVEIS DA APRENDIZAGEM ( NOTAS, GRÁFICOS, TABELAS...)

    27. ESCOLA FUNCIONA COMO MODELADORA DO COMPORTAMENTO HUMANO

    28. CONTEÚDOS • SÃO OS CONHECIMENTOS E VALORES SOCIAIS ACUMILADOS ATRAVÉS DOS TEMPOS E REPASSADOS AOS ALUNOS COMO VERDADES ABSOLUTAS E INDISCUTÍVEIS • SÃO INFORMAÇÕES ORDENADAS NUMA SEQUÊNCIA LÓGICA E PSICOLÓGICA

    29. AVALIAÇÃO • VALORIZAÇÃO DOS ASPECTOS COGNITIVOS, QUANTITATIVOS COM ÊNFASE NA MEMORIZAÇÃO • ÊNFASE NA PRODUTIVIDADE DO/DA ALUNO/A • VERIFICAÇÃO DOS RESULTADOS ATRAVÉS DE TESTES ORAIS E ESCRITOS, PROVAS, TRABALHOS DE CASA, TESTES OBJETIVOS

    30. O ALUNO DEVE REPRODUZIR NA ÍNTEGRA O QUE FOI ENSINADO • DIRETAMENTE LIGADA AOS OBJETIVOS ESTABELECIDOS • OCORRE NO FINAL DO PROCESSO COM O OBJETIVO DE CONSTATAR SE AO/AS ALUNOS/AS ATINGIRAM OS COMPORTAMENTOS DESEJADOS • PRÁTICA POUCO FUNDAMENTADA, APEGO EXAGERADO AOS LIVROS DIDÁTICOS

    31. PROFESSOR E ALUNO/A • PROFESSOR É O CENTRO DO PROCESSO • PROFESSOR É O TÉCNICO RESPONSÁVEL PELA EFICIÊNCIA NO ENSINO E QUM ADMINISTRA AS CONDIÇÕES DE TRANSMISSÃO DAS MATÉRIAS • RELAÇÃO BASEADA EM REGRAS E DISCIPLINA RÍGIDA

    32. ALUNO É UM SER PASSIVO, SUBMISSO, RECEPTIVO E SUJEITO AOS CASTIGOS • O/A ALUNO/A É UM SER FRAGMENTADO, ESPECTADOR QUE ESTÁ SENDO PREPARADO PARA O MERCADO DE TRABALHO, PARA “APRENDER A FAZER”

    33. MANIFESTAÇÕES HERBART SKINNER GAGNÉ COSETE RAMOS LDB 5.540/68 LDB 5.692/71

    34. MODELO DE CONHECIMENTO OBJETIVISTA S O

    35. TEORIAS CRÍTICAS DO CURRÍCULO

    36. CONCEPÇÃO DE SOCIEDADE A SOCIEDADE É DIVIDIDA EM CLASSES ANTAGÔNICAS QUE SOB A FORMA DE LUTA DE CLASSES OPÕE BURGUESIA AO PROLETARIADO É UMA LUTA QUE SE TRAVA NAS RELAÇÕES DE PRODUÇÃO, QUE SÃO RELAÇÕES DE EXPLORAÇÃO

    37. FOCO DISCUTE QUE A EDUCAÇÃO É UM INTRUMENTO DE DISCRIMINAÇÃO SOCIAL, NA MEDIDA QUE REFORÇA E LEGITIMA A MARGINALIZAÇÃO CULTURAL ESCOLAR ESCOLA CUMPRE SEU PAPEL NO PROCESSO DE REPRODUÇÃO DO CAPITALISMO

    38. CONCEITOS 1)VIOLÊNCIA SIMBÓLICA OS GRUPOS E CLASSES DOMINANTES CONTROLAM OS SIGNIFICADOS CULTURALMENTE LEGÍTIMOS E SOCIALMENTE MAIS VALORIZADOS AQUELES QUE TÊM MAIS CAPITAL CULTURAL SÃO MAIS BEM SUCEDIDOS NA ESCOLA

    39. 2) APARELHOS REPRESSIVOS DO ESTADO (POLÍCIA, TRIBUNAIS, PRISÕES..) 3)APARELHOS IDEOLÓGICOS DO ESTADO ( IGREJA, ESCOLA, MÍDIA...)

    40. 4) A ESCOLA É DIVIDIDA EM DUAS GRANDES REDES • REDE PP= PRIMÁRIO =PROFISSIONAL, DESTINADA AOS TRABALHADORES; • REDE SS = SECUNDÁRIO SUPERIOR, DESTINADA À BURGUESIA • CORRESPONDE À DIVISÃO NA SOCIEDADE CAPITALISTA

    41. FINALIDADE EXPLICITA OS MECANISMOS DE FUNCIONAMENTO DA ESCOLA CAPITALISTA E COMO ESTA SE CONSTITUI PÕE EM EVIDÊNCIA O COMPROMETIMENTO DA EDUCAÇÃO COM OS INTERESSES DA CLASSE DOMINANTE

    42. DEFENDE QUE QUANTO MAIS OS PROFESSORES IGNORAM QUE ESTÃO REPRODUZINDO A SOCIEDADE CAPITALISTA, MAIS EFICAZMENTE A REPRODUZEM A ESCOLA É CONDICIONADA PELOS ASPECTOS SOCIAIS, POLÍTICOS E CULTURAIS, MAS CONTRADITORIAMENTE EXISTE NELA UM ESPAÇO QUE APONTA A POSSIBILIDADE DE TRANSFORMAÇÃO SOCIAL

    43. A EDUCAÇÃO POSSIBILITA A COMPREENSÃO DA REALIDADE HISTÓRICO-CULTURAL-SOCIAL E EXPLICITA O PAPEL DO SUJEITO CONSTRUTOR / TRANSFORMADOR ESSA MESMA REALIDADE SUSTENTA A FINALIDADE SÓCIO-POLÍTICA DA EDUCAÇÃO SE COLOCA COMO INSTRUMENTO DE LUTA DOS PROFESSORES AO LADO DE OUTRAS PRÁTICAS SOCIAIS

    44. CARACTERÍSTICAS • CRÍTICA AOS PROCESSOS DE CONVENCIMENTO, ADAPTAÇÃO E REPRESSÃO DA HEGEMONIA DOMINANTE • CONTRAPOSIÇÃO AO EMPIRICISMO E AO PRAGMATISMO DAS TEORIAS TRADICIONAIS • CRÍTICA À RAZÃO ILUMINISTA E RACIONALIDADE TÉCNICA

    45. BUSCA DA RUPTURA DO STATUS QUO • MATERIALISMO HISTÓRICO DIALÉTICO - ( MOVIMENTO E TRANSFORMAÇÃO) • CRÍTICA DA ORGANIZAÇÃO SOCIAL PAUTADA NA PROPRIEDADE PRIVADA DOS MEIOS DE PRODUÇÃO. (FUNDAMENTOS EM MARX E GRAMSCI) • CRÍTICA À ESCOLA COMO REPRODUTORA DA HEGEMONIA DOMINANTE E DAS DESIGUALDADES SOCIAIS. (MICHAEL APPLE)

    46. ESCOLA FRANCESA: TEORIA DA REPRODUÇÃO CULTURAL - “CAPITAL CULTURAL”. O CURRÍCULO DA ESCOLA ESTÁ BASEADO NA CULTURA E NA LINGUAGEM DOMINANTE, TRANSMITIDO ATRAVÉS DO CÓDIGO CULTURAL (BOURDIEU E PASSERON) • ESCOLA DE FRANKFURT : CRÍTICA À RACIONALIDADE TÉCNICA DA ESCOLA “PEDAGOGIA DA POSSIBILIDADE”- DA RESISTÊNCIA: CURRÍCULO COMO EMANCIPAÇÃO E LIBERTAÇÃO (GIROUX E FREIRE)

    47. CURRÍCULO OCULTO = CRÍTICA À REPRODUÇÃO NÃO EXPRESSA NO CURRÍCULO OFICIAL, MAS MANIFESTADA PELAS RELAÇÕES SOCIAIS NA E DA ESCOLA • BOWLES E GINTIS : AS RELAÇÕES SOCIAIS NA ESCOLA MAIS QUE O CONTEÚDO ERAM RESPONSÁVEIS PELA SOCIALIZAÇÃO NECESSÁRIAS PARA BOA ADAPTAÇÃO ÀS EXIGÊNCIAS DO TRABAHO CAPITALISTA

    48. TEORIAS CRÍTICAS NA FORMULAÇÃO DAS TENDÊNCIAS PEDAGÓGICAS • CONCEPÇÃO DIALÉTICA DE EDUCAÇÃO SISTEMATIZADA NA PEDAGOGIA HISTÓRICO-CRÍTICA EM 1980. • EDUCAÇÃO COMO VIA DE EMANCIPAÇÃO HUMANA E TRANSFORMAÇÃO DAS BASES SOCIAIS.

    49. CURRÍCULO COMO CONJUNTO DAS ATIVIDADES NUCLEARES DA ESCOLA – RECUPERAÇÃO DA ESPECIFICIDADE DA FUNÇÃO SOCIAL DA ESCOLA E DO PAPEL DO CONTEÚDO HISTORICAMENTE SISTEMATIZADO E CONSTRUÍDO PELO CONJUNTO DA HUMANIDADE. • SUPERAÇÃO DAS VISÕES NÃO-CRÍTICAS E CRÍTICO – REPRODUTIVISTAS DA EDUCAÇÃO

    50. A PRÁTICA PEDAGÓGICA PROPÕE UMA INTERAÇÃO ENTRE CONTEÚDO E REALIDADE CONCRETA, VISANDO A TRANSFORMAÇÃO DA SOCIEDADE = AÇÃO – COMPREENSÃO – AÇÃO