Renata Rodrigues de Araújo Neves - PowerPoint PPT Presentation

inez
slide1 n.
Skip this Video
Loading SlideShow in 5 Seconds..
Renata Rodrigues de Araújo Neves PowerPoint Presentation
Download Presentation
Renata Rodrigues de Araújo Neves

play fullscreen
1 / 21
Download Presentation
150 Views
Download Presentation

Renata Rodrigues de Araújo Neves

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript

  1. Monografia apresentada ao Programa de Residência Médica em Pediatria Hospital Regional da Asa Sul (HRAS)/SES/DF Perfil epidemiológico dos pacientes atendidos com varicela no Hospital Regional da Asa Sul (HRAS) em 2010 Renata Rodrigues de Araújo Neves Orientadora: Dra Flávia de Assis Silva Brasília, 9 de novembro de 2011 www.paulomargotto.com.br

  2. INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO • A varicela é uma doença comum na infância, de distribuição universal, causada pela infecção primária do vírus varicela-zoster; • Altamente contagiosa – taxa de ataque secundário de 90% em contato domiciliar; • Transmissão • contato direto, aerossóis, secreção respiratória; • 2 dias antes do exantema até todas as lesões estarem na fase de crosta. • Exantema • Distribuição centrípeta • Polimorfismo regional (mácula – pápula – vesícula – pústula – crosta)

  3. Sazonalidade – final do inverno e início da primavera • Zona rural X urbana • Regiões tropicais X temperadas • Alta temperatura e umidade • Radiação ultra-violeta • Complicações ocorrem em 5-10% dos casos • Maior gravidade em adultos e imunocomprometidos • Profilaxia • vacina segura e eficaz disponível nos CRIEs • VZIG em situações especiais

  4. No Brasil, a varicela não é uma doença de notificação compulsória, porém os surtos em creches, pré-escolas e escolas devem ser notificados no Sistema de Informação de Agravos Notificáveis (SINAN). • No DF, a notificação é compulsória, porém os casos são subnotificados. • O conhecimento da epidemiologia da doença é importante para se implementar medidas de prevenção nos grupos de maior risco, já que existem vacinas seguras e eficazes disponíveis.

  5. OBJETIVO • Delinear o perfil epidemiológico dos casos de varicela atendidos no Hospital Regional da Asa Sul (HRAS) comparado com os casos atendidos no Distrito Federal (DF).

  6. MÉTODOS • Estudo descritivo e retrospectivo; • Dados fornecidos pelo Sistema de Informações de Agravos de Notificações (SINAN); • Dados de hospitalização coletados no livro de registro de internações pertencente ao setor de emergência do HRAS; • Análise estatística foi feita no programa Microsoft Office Excel 2010, sendo utilizado cálculo de média, desvio padrão e intervalo de confiança; • Na análise da faixa etária, os adultos e adolescentes maiores de 14 anos foram excluídos para evitar o viés do atendimento especializado no HRAS ao comparar com os dados do DF.

  7. RESULTADOS Total de casos de varicela notificados em 2010 12.941 642 HRAS DF 640 99,6% 11.876 (91,8%) Idade entre 0 e 14 anos.

  8. Varicela no DF e no HRAS em 2010 Figura 1 - Percentual de casos de varicela notificados no HRAS e no DF segundo mês de notificação no ano de 2010. Fonte: SINAN

  9. Varicela no DF e no HRAS em 2010 FIGURA 2: Número e média de casos de varicela notificados no HRAS e no DF segundo mês de notificação no ano de 2010. 1078 54 Fonte: SINAN

  10. Varicela no DF e no HRAS em 2010 FIGURA 3: Percentual acumulado de casos de varicela notificados no HRAS e no DF segundo mês de notificação no ano de 2010. Quase 70% Fonte: SINAN

  11. Distribuição por sexo FIGURA 4: Percentual de casos de varicela por sexo notificados no HRAS e no DF segundo mês de notificação no ano de 2010. FIGURA 5: Número de casos de varicela por sexo notificados no HRAS e no DF no ano de 2010. Fonte: SINAN Fonte: SINAN

  12. Distribuição por faixa etária FIGURA 6: Percentual de casos de varicela por faixa etária notificados no HRAS e no DF no ano de 2010. FIGURA 7: Percentual de casos de varicela notificados no HRAS e no DF segundo mês de notificação no ano de 2010. Fonte: SINAN Fonte: SINAN

  13. Distribuição por procedência no HRAS 146 CASOS COM LOCALIDADE INDEFINIDA ALTA DEMANADA DE PACIENTES DO ENTORNO FIGURA 8: Casos de varicela notificados no HRAS segundo local de residência no ano de 2010. Fonte: SINAN

  14. Distribuição por procedência no DF BAIXA DENSIDADE DEMOGRÁFICA ATENDIMENTOS PARTICULARES VACINAS POPULOSAS ALTA DENSIDADE DEMOGRÁFIA FIGURA 9: Casos de varicela notificados no DF segundo local de residência no ano de 2010. Planaltina - 1428 Ceilândia - 1116 Plano piloto - 285 Fonte: SINAN

  15. Varicela nos últimos anos no DF FIGURA 10: Número de casos de varicela notificados no DF segundo mês de notificação nos anos de 2007, 2008, 2009 e 2010. Fonte: SINAN

  16. Varicela nos últimos anos no DF FONTE: SINAN Média mensal em 2010: 1078 O ano de 2010 não foi um ano de SURTO! Meses de agosto, setembro e outubro ultrapassaram o limite superior esperado. SURTO!

  17. Varicela nos últimos anos no DF FIGURA 12: Percentual acumulado de casos de varicela notificados no DF segundo mês de notificação nos anos de 2007, 2008, 2009 e 2010. Fonte: SINAN

  18. Complicações FIGURA 13: Número de complicações de varicela internados no HRAS em 2010. FIGURA 14: Número de complicações de varicela, por faixa etária, internados no HRAS em 2010. 72 casos 11% do total de atendimentos

  19. CONCLUSÃO • Comportamento epidemiológico da varicela é semelhante no HRAS, no DF e no mundo; • Atual sistema de vigilância epidemiológica não permite o conhecimento da real magnitude e do risco da doença; • Necessidade de estudos mais amplos, principalmente, na detecção de grupos de risco e fatores preditores de gravidade, no intuito de alertar profissionais de saúde e autoridades públicas para implementação estratégias para reduzir o dano da varicela na população.

  20. “ Não importa o quanto fazemos, mas quanto amor colocamos naquilo que fazemos” Madre Teresa de Calcutá