slide1 n.
Download
Skip this Video
Loading SlideShow in 5 Seconds..
Eletroconvulsoterapia(ect) PowerPoint Presentation
Download Presentation
Eletroconvulsoterapia(ect)

Loading in 2 Seconds...

play fullscreen
1 / 29

Eletroconvulsoterapia(ect) - PowerPoint PPT Presentation


  • 88 Views
  • Uploaded on

Eletroconvulsoterapia(ect). Alunos : Artur,Cintia,Diana,Elianeide,Rosicleide, Rosilene. introdução. A eletroconvulsoterapia (ECT) consiste na indução controlada de crises com finalidade terapêutica . É um dos tratamentos biológicos mais utilizados em psiquiatria.

loader
I am the owner, or an agent authorized to act on behalf of the owner, of the copyrighted work described.
capcha
Download Presentation

Eletroconvulsoterapia(ect)


An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript
eletroconvulsoterapia ect
Eletroconvulsoterapia(ect)
  • Alunos : Artur,Cintia,Diana,Elianeide,Rosicleide, Rosilene.
introdu o
introdução
  • A eletroconvulsoterapia (ECT) consiste na indução controlada de crises com finalidade terapêutica .
  • É um dos tratamentos biológicos mais utilizados em psiquiatria.
  • O uso da eletroconvulsoterapia tem gerado muita controvérsia,mas hoje ela é considerada um tratamento atual e seguro.
  • Os profissionais da área e familiares que antes combatiam o uso da ECT,hoje procuram o tratamento expressando a aceitação.
hist rico
histórico
  • Foi Joseph Von Meduna neuropsiquiatra Húngaro,o primeiro a induzir convulsões com finalidade terapêutica;
  • Utilizando cânfora(planta utilizada para fabricação de incenso e medicamentos).
  • Em 1934 induziu uma série de convulsões em pacientes com quadros esquizofrênicos dos 26 tratados 10 apresentaram recuperação completa;
hist rico1
histórico
  • Em 1937 neuropsiquiatras italianos começaram a induzir convulsões com eletricidade;
  • Era mais fácil produzir convulsões e regular a eletricidade do que com agentes farmacológicos;
  • Tornou-se o principal tratamento biológico em psiquiatria;
  • Com o surgimento dos fármacos a ECT começou a declinar;
hist rico2
histórico
  • Movimentos “antipsiquiátricos” e sensacionalismo dos meios de comunicação criaram uma imagem negativa e estigmatizada desse tratamento;
  • Visto como ultrapassado,cruel e desumano;
  • Intervenção terapêutica mais polêmica da história;
  • Criação de leis proibindo o seu uso nos EUA e alguns países;
mecanismos de a o
Mecanismos de ação
  • A ECT consiste na indução de uma crise convulsiva pelo uso de corrente elétrica ;
  • Apesar dos benefícios para o cliente,o mecanismo de ação ainda não é totalmente conhecido;
indica es
indicações
  • A ECT é um tratamento eficaz e seguro,desde que indicado com critérios definidos ;
  • Depressão grave com risco de suicídio;
  • Psicoses agudas acompanhadas de delírios e alucinações;
  • Esquizofrenia catatônica(pessoa fica parada,quieta e muda);
contra indica es
Contra-indicações
  • Não há contra-indicação absoluta para ECT;
  • Lesões cerebrais expansivas;
  • Aneurisma ou má-formação vascular;
  • Doença coronária crônica;
  • Hipertensão arterial não controlada;
  • Hipertensão intracraniana;
  • Glaucoma;
  • Deslocamento de retina;
  • Acidente vascular recente;
  • Luxação e subluxação cervical;
  • Contra-indicações de uso anestésico;
contra indica es1
Contra-indicações
  • Não há contra-indicação durante a gravidez,exige-se uma avaliação clinica acurada principalmente no terceiro trimestre da gestação.
aten o especial
Atenção especial
  • Uso de marca-passo cardíaco;
  • Arritmias;
  • Osteoporose e doenças ósseas;
  • Hipertensão arterial sistêmica;
  • Doença pulmonar;
  • Diabetes.
n mero e freq ncia
Número e freqüência
  • O número total de aplicações da ECT varia de acordo com o quadro clínico e do critério médico.
  • Em geral vai de 6 a 12,podendo chegar a 20 sessões.
  • Sessões variam de 2 a 3 por semana,em dias alternados,para uma melhor recuperação cognitiva;
  • Em alguns casos é necessário tratamento de manutenção em intervalos semanais,diminuindo as aplicações.
equipe de tratamento
Equipe de tratamento
  • Composta por:
  • Psiquiatra;
  • Anestesista;
  • Clínico;
  • Enfermeiro especialista;
  • Psicólogo;
  • Auxiliar de enfermagem;
avalia o pr tratamento
Avaliação pré-tratamento
  • O cliente deve ser submetido a avaliação clinica completa;
  • Avaliação neurológica;
  • Avaliação psiquiátrica;
  • Avaliação odontológica;
  • Exames laboratoriais;
  • Hemograma completo;
  • Glicemia de jejum;
  • Raio x de tórax;
  • Eletrocardiograma;
  • Hormônios tireoideanos.
equipamento de tratamento
Equipamento de tratamento
  • Uma unidade de terapia intensiva,contendo aparelhos de ECT e de eletrocardiograma(ECG) com monitores;
  • Oxímetro;
  • Aspirador;
  • Material completo para atender a uma parada cardiorespiratória;
  • Desfibrilador;
  • Cardioscópio;
  • Material para entubação;
  • Sala de recuperação anestésica.
t cnica
técnica
  • Pode ser estimulada por diferentes ondas elétricas;
  • Semelhante com os sinais elétricos endógenos do cérebro;
  • A voltagem deve ser ajustada de acordo com cada cliente;
  • Oscila entre 70 e 110v,quanto menor a voltagem maior a preservação da memória.
coloca o dos eletrodos
Colocação dos eletrodos
  • Bilateral=colocado frontotemporalmente;
  • Unilateral=um eletrodo estimulador é colocado na região frontotemporal não dominante,geralmente á direita
dura o da crise
Duração da crise
  • 20 segundos para resposta motora;
  • 25 segundos para resposta eletroencefalográfica;
  • O início da convulsão deve ocorrer entre 20 e 40 segundos após a aplicação;
  • Caso a crise não ocorra(crise frustra),o médico deve fazer uma nova aplicação.
rea es adversas
Reações adversas
  • Apesar da eficácia e da segurança oferecidas algumas pessoas podem apresentar:
  • Confusão mental passageira;
  • Cefaléia;
  • Dores musculares;
  • Náuseas;
  • Sonolência.
considera es ticas
Considerações éticas
  • Termo de Consentimento Livre e Esclarecido(que deve ser observado rigorosamente);
  • A compreensão do conteúdo tanto pelo cliente quanto pela família ou responsável;
  • Se o cliente puder assinar,um responsável deve assinalá-lo;
  • Realizar avaliação clínica acurada;
  • Os procedimentos anestésicos de acordo com Lei n.1640/2002 do Conselho Federal de Medicina.
interven es antes do tratamento
INTERVENÇõES ANTES DO TRATAMENTO
  • Preparar o cliente e família sobre o tratamento;
  • Distribuir um folder para o cliente e seus familiares para esclarecer dúvidas,mitos e receios;
  • O modo de orientação do enfermeiro influencia na aceitação do tratamento;
  • Conhecer previamente o tratamento e os profissionais envolvidos;
  • Minimizar o medo.
interven es antes do tratamento1
Intervenções antes do tratamento
  • Orientar a necessidade do jejum;
  • Orientar não usar maquiagem nem esmalte;
  • Ter os cabelos limpos e secos;
  • Usar roupas confortáveis;
  • Necessidade de um acompanhante adulto.
primeira aplica o
Primeira aplicação
  • Certificar-se da assinatura do termo de Livre Consentimento;
  • Esclarecer as dúvidas sobre o tratamento;
  • Oferecer apoio para que eles sintam segurança;
  • Informar-se sobre comportamento do cliente;
  • Registrar o comportamento do cliente;
  • Assegurar o jejum e mantê-lo assim até sua recuperação anestésica evitando refluxo,vômito e possível risco de aspiração.
primeira aplica o1
Primeira aplicação
  • Conduzi-lo ao sanitário,pois o tratamento provoca relaxamento dos esfíncteres anal e uretral;
  • Não ingerir água nesse momento;
  • Vestir roupas confortáveis;
  • Retirar óculos,lentes de contato,prótese ocular,auditiva e dentária;
  • Verificar sinais vitais;
  • Se houver alterações discutir com a equipe de ECT sobre a realização da sessão.
durante a tratamento
Durante a tratamento
  • Auxiliar o anestesista(puncionando veia,aspirando vias aéreas);
  • Instalar no cliente eletrodos do ECG;
  • Colocar o manguito desinsuflado para monitorar a pressão arterial;
  • Instalar o oxímetro para saturação do oxigênio;
durante tratamento
Durante tratamento
  • Colocar o protetor das arcadas dentárias;
  • Observar e registrar no prontuário o tipo de crise,duração e intercorrências;
  • Ficar atento aos parâmetros vitais até a sua normalização;
  • Retirar o scalp;
recupera o p s anest sica
Recuperação pós-anestésica
  • Manter paciente em decúbito lateral,para evitar aspiração de vômito;
  • Aferir sinais vitais;
  • Ouvir queixas do cliente sendo as mais comum cefaléia;
  • Permanecer ao lado do cliente até que este esteja desperto;
considera es finais
Considerações finais
  • Com as novas tecnologias houve a diminuição dos riscos deste tratamento;
  • O uso anestésico reduziu a ansiedade e o medo;
  • A ECT realizada por profissionais competentes“faz a diferença entre saúde e doença,ou mesmo vida e morte entre milhares de pessoas”.