Download
slide1 n.
Skip this Video
Loading SlideShow in 5 Seconds..
A Importância da Armazenagem PowerPoint Presentation
Download Presentation
A Importância da Armazenagem

A Importância da Armazenagem

169 Views Download Presentation
Download Presentation

A Importância da Armazenagem

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript

  1. A Importância da Armazenagem A Logística é responsável por prover recursos, equipamentos e informações, onde e quando estes forem necessários, para a execução de todas as atividades de uma empresa. Isto significa coordenar o fluxo de produtos de vários fornecedores dispersos pelo país e, cada vez mais, dispersos pelo mundo, para que estes cheguem até os clientes finais, nas mais distantes regiões.

  2. O grande problema passa a ser como estruturar sistemas de distribuição capazes de atender de forma econômica os mercados geograficamente distantes das fontes de produção, oferecendo níveis de serviço cada vez mais altos em termos de disponibilidade de estoque e tempo de atendimento. Neste contexto, a atenção se volta para a armazenagem, suas instalações e para como elas podem contribuir para atender de forma eficiente as metas estabelecidas de nível de serviço.

  3. Distinção entre Armazenar e Estocar A Armazenagem pode ser entendida como um conjunto de funções de recepção, descarga, carregamento, arrumação e conservação de matérias-primas, produtos acabados ou semi-acabados. A Estocagem é o ato de guardar, estocar o produto em um local apropriado, de forma que se possa o retirá-lo quando necessário.

  4. Princípios Gerais de Armazenagem Planejamento - Avaliar previamente a área de armazenagem: • Verificar a existência de efetivas condições físicas e técnicas para receber, armazenar, controlar e entregar o produto; • Observar a natureza, peso e dimensões unitárias do produto; e. • Considerar características de manuseio e de segurança.

  5. Flexibilidade Operacional • Promover a adaptabilidade de corredores, docas, portas, estruturas e equipamentos disponíveis: • Recebimento fácil, simultânea ou sucessivamente, de produtos com diferentes características de movimentação. • As atividades devem ser planejadas de forma a aceitar mudanças, sem que haja acréscimos substanciais de tempo e custo. • Taxa de ocupação e o giro das mercadorias.

  6. Simplificação • Desenvolver, adaptar e/ou implantar o layout de uma área de armazenagem, considerando: • As características dos equipamentos disponíveis; • Localização de docas, portas e corredores; • A simplificação dos fluxos de entrada e de saída; • Máxima produtividade; e. • Eliminação de gargalos.

  7. Otimização do Espaço Físico • Planejar os espaços considerando: • Armazenamento técnico e seguro; • Fácil movimentação; • A resistência estrutural do piso e estruturas; • A capacidade volumétrica da área; • Rotatividade do material; e. • Requisitos especiais.

  8. Otimização de Equipamentos e Mão-de-obra • Analisar, dimensionar, desenvolver, padronizar, sistematizar e implantar um conjunto de procedimentos direcionados à racionalização dos equipamentos de movimentação e equipes de trabalho.

  9. Verticalização • Aproveitar os espaços verticais da melhor maneira possível, sem perder de vista a segurança da movimentação. Mecanização/Automação • Avaliar as reais necessidades; • Relação custo-benefício; e. • Flexibilidade.

  10. Parâmetros do Planejamento • No que/quanto investem os Concorrentes? • Quanto podemos investir? • Qual o custo de operação e manutenção? • Os Fluxos podem ser otimizados? • O sistema será simples, prático e racional? • É possível usar a Lei de Gravidade ou Automatizado? • Há melhor e mais barato? • Conhecemos todas as alternativas?

  11. Instalações de Armazenagem “Complexo de diferentes naturezas e finalidades, situados em áreas cobertas e descobertas, destinados a receber, armazenar, e proteger adequadamente mercadorias soltas ou embaladas, de diferentes tipos, características e naturezas oferecendo total segurança de manuseio às pessoas e equipamentos de movimentação”. (RODRIGUES, 2007) Variam conforme o tipo e a natureza da carga.

  12. Almoxarifado São instalações próprias, ligadas à movimentação interna de uma empresa, destinadas à guarda, proteção e controle dos diferentes insumos consumidos durante o processo de transformação.

  13. Depósitos São áreas próprias, públicas ou contratadas, destinadas à estocagem, guarda, proteção e controle de materiais acabados, destinados ao consumo, transformação futura ou a consolidação de lotes.

  14. Centros de Distribuição São áreas destinadas a operações de alta rotatividade, englobando o recebimento de grandes lotes, a desmontagem, a separação, a montagem dos pedidos de clientes e a roteirizar da programação de entregas.

  15. Centros de Distribuição Avançados

  16. Armazém Construção de madeira, metal, alvenaria ou concreto armado, coberta com telhas francesas, de fibro-cimento ou de zinco, fechada de todos os lados, dispondo de portas para permitir o acesso de pessoas, equipamentos de transporte e/ou movimentação de mercadorias, podendo apresentar distintas características de construção, conforme as diferentes finalidades a que se destinam.

  17. Galpão Construção coberta, geralmente localizada entre armazéns, destinada a serviços de apoio do armazém, em momentos de congestionamento ou ainda, para a guarda de estrados, implementos, ferramentas e materiais de separação ou de forração.

  18. Pátio Área pavimentada descoberta, com zonas de empilhamento demarcadas, vias de acesso definidas, geralmente utilizados para armazenagem de grandes volumes, com elevado peso unitário, veículos rodoviários e minérios.

  19. Silo Construção destinada a armazenar cereais, fertilizantes ou rações animais, dotada de instrumentos que permitem o armazenamento simultâneo e separado de granéis de diferentes granulometrias, graus de umidade, pesos específicos e teores de gordura.

  20. Tanque Construção de metal ou aço, dotada de sistema de segurança compatível, destinada a armazenar granéis líquidos com diferentes características físico-químicas, pesos específicos, viscosidades e pontos de fulgor, como por exemplo, derivados de petróleo e produtos químicos.

  21. Serviços de Armazenagem

  22. Serviços de Armazenagem

  23. Indicadores de Desempenho • Taxa de Ocupação e Giro da área; • Produtividade na descarga e no embarque; • Ciclos operacionais dos equipamentos; • Índice de avarias observadas, por tipo de mercadoria e por Operador; • Tempo Médio de Permanência do lote.

  24. Mercadoria e Carga Mercadoria é qualquer produto que seja objeto do comércio, ou seja, o termo mercadoria define a ótica do seu proprietário. Carga é qualquer mercadoria entregue a terceiros para ser transportada pagando frete e/ou ser armazenada pagando tarifa.

  25. Natureza das Cargas De acordo com a sua natureza, as cargas podem ser classificadas em Carga Geral e Granéis: Carga Geral: É toda mercadoria acondicionada em sacos, fardos, caixas, cartões, engradados, amarrados, tambores, etc., ou ainda volumes sem embalagens, como animais vivos, veículos, chapas de ferro, maquinários industriais, blocos de pedra e outros. A carga geral pode ser solta ou unitizada.

  26. Carga Solta Inclui os volumes acondicionados sob dimensões e formas diversas, ou seja, sacarias, fardos, caixas de papelão e madeira, engradados, tambores, etc. Com este tipo de carga, há perda de tempo na manipulação, carregamento e descarregamento devido à grande quantidade de pequenos volumes, sujeitos a perdas e avarias, e à variedade de mercadorias.

  27. Carga Unitizada É uma carga constituída de materiais, embalados ou não, arranjados e acondicionados de modo a possibilitar a movimentação e armazenagem por meios mecanizados como uma única unidade.

  28. Cargas Perigosas É toda substância cujas características físicas e químicas possam oferecer, quando em transporte, riscos a segurança pública, saúde de pessoas e meio ambiente, de acordo com os critérios de classificação da ONU, publicados através da Portaria nº 204/97 do Ministério dos Transportes e NBR 7500 da ABNT.

  29. Classes das Cargas Perigosas

  30. A classificação dos produtos considerados perigosos é feita com base no tipo de risco que apresentam e conforme as Recomendações para o Transporte de Produtos Perigosos das Nações Unidas, conforme tabela a seguir:

  31. Embalagem É parte de um sistema complexo que envolve design, marketing, logística, engenharia de produção e meio ambiente, que tem por objetivo minimizar o custo aplicado aos materiais utilizados, reduzir a possibilidade de danos às mercadorias as quais protegem, agregando valor ao oferecer informações sobre os produtos.  FUNÇÕES

  32. Proteger a Mercadoria – sabemos que a maioria das avarias decorre de embalagens inadequadas, o que facilita a exposição aos agentes naturais, impactos no processo de movimentação ou furtos. Por isso, busca-se sempre um equilíbrio entre reduzir pesos e custos, mantendo-se resistência e eficácia durante o manuseio e o transporte.

  33. Aumentar a Eficácia da Movimentação – as características relativas ao tamanho, peso unitário e altura do volume são fatores determinantes na seleção do equipamento de movimentação, sistema de armazenagem e otimização do transporte.

  34. Identificar, Transmitir Informações e Promover um Produto – a embalagem pode servir para identificar o modelo e a cor de um produto, divulgar instruções de uso, bem como possibilitar que seja um meio de divulgação de uma marca.

  35. Tipos de Embalagem

  36. Riscos Sofridos pelas Cargas • Mecânicos: vibração, compressão, atrito e impactos; • Físicos: empilhamento ou manuseio inadequados; • Climáticos: calor, frio, umidade, condensação, salinidade; • Contaminantes: Deterioro, manchas, odores; • Humanos: negligência/imperícia no manuseio, dolo, roubos e furtos; • Imponderáveis: Causas fortuitas (enchentes, descargas elétricas ...)

  37. Equipamentos de Armazenagem e Movimentação • Paleteiras; • Elevador e transelevador; • Plataformas e rampas elevadoras ou basculantes; • Empilhadeira com lança telescópica e implementos; • Ponte rolante, telescópica ou aérea; • Conjuntos tratores de terminal e semi-reboques rodoviários (carretinhas do tipo MAFI); • Veículos Automaticamente Guiados (AGV).

  38. Equipamentos de Movimentação e Elevação

  39. Layout de Armazéns • A procura pela redução de custos, pelo melhor atendimento ao cliente e por competitividade têm ressaltado a importância de uma efetiva gestão da armazenagem não somente no que diz respeito à armazenagem física dos produtos e/ou materiais, mas, também, da movimentação de materiais e distribuição física, agregando valores através de diversas atividades.

  40. Entre outras atividades, a Gestão da Armazenagem envolve o Planejamento do layout de um armazém. Um bom layout, combinado a fluxos previamente planejados oferece as seguintes vantagens: • Racionaliza a utilização da área de armazenagem; • Simplifica a movimentação dos volumes; • Reduz o tempo perdido dos equipamentos; • Racionaliza o uso da mão de obra; e. • Reduz a possibilidade de avarias.

  41. Sistemas de Localização O objetivo do planejamento da localização é minimizar o custo total de manuseio que será tão menor quanto menor forem as distâncias percorridas. Os métodos intuitivos têm boa aceitação por não envolver matemática de alto nível: complementaridade, compatibilidade, popularidade e tamanho.

  42. Resumindo • Conceitos e Princípios da Armazenagem; • Melhores Práticas de Operação e Controle dos Armazéns; e. • A Importância dos Armazéns para a Cadeia de Suprimentos.

  43. Contextualização • Estoques são importantes mas nem sempre necessários; • Quando devemos formar estoques? • Flutuações da demanda e dúvidas quanto ao ressuprimento; • A Importância da relação de parceria entre cliente e fornecedor; • Estoque zero (Desejável e complexo).

  44. Por que surgem os Estoques? • Difícil ou inviável coordenar suprimento e demanda; • Incertezas de previsões de demanda; • Especular com Estoques (preços); • Suprir os canais de distribuição.

  45. Funções Associadas à Gestão de Estoques Determinar “o quê” deve permanecer em estoque. Número de itens; Determinar “quando” se devem reabastecer os estoques. Periodicidade; Determinar “quanto” de estoque será necessário para um período determinado;

  46. Funções Associadas à Gestão de Estoques Acionar o Departamento de compras para executar a aquisição de estoque; Receber, armazenar e atender os materiais estocados de acordo com as necessidades; Controlar os estoques em termos de quantidade e valor e fornecer informações sobre a posição do estoque;

  47. Funções Associadas à Gestão de Estoques Manter inventários periódicos para avaliação das quantidades e estados dos materiais estocados; e. Identificar e retirar do estoque os itens obsoletos e danificados.

  48. Tipos de Demanda • Conceituar os tipos de demanda é importante na gestão dos estoques pois, cada um merece uma forma diferenciada quanto ao ressuprimento de seus itens. • Demanda Permanente ou regular; • Demanda Sazonal; • Demanda Irregular; • Demanda em declínio; e. • Demanda Derivada.

  49. Demanda Permanente ou Regular Muitos produtos tem ciclo de vida longo, de forma que parece que vão ser comercializados para sempre. Tal caso ocorre quando não existem grandes picos ou vales de consumo ao longo de um determinado período. Exemplos: Coca–Cola e Big Mac