slide1 l.
Download
Skip this Video
Loading SlideShow in 5 Seconds..
Unidades de Isolamento Respiratório: A experiência no Estado de Pernambuco PowerPoint Presentation
Download Presentation
Unidades de Isolamento Respiratório: A experiência no Estado de Pernambuco

Loading in 2 Seconds...

play fullscreen
1 / 24

Unidades de Isolamento Respiratório: A experiência no Estado de Pernambuco - PowerPoint PPT Presentation


  • 166 Views
  • Uploaded on

Unidades de Isolamento Respiratório: A experiência no Estado de Pernambuco. Antecedentes. Portaria/GM nº 3.523, de 28/08/98.

loader
I am the owner, or an agent authorized to act on behalf of the owner, of the copyrighted work described.
capcha
Download Presentation

PowerPoint Slideshow about 'Unidades de Isolamento Respiratório: A experiência no Estado de Pernambuco' - efrem


An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript
slide1

Unidades de Isolamento Respiratório:

A experiência no Estado de Pernambuco

slide2

Antecedentes

  • Portaria/GM nº 3.523, de 28/08/98

Art. 1º . - Aprovar Regulamento Técnico contendo medidas básicas referentes aos procedimentos de verificação visual do estado de limpeza, remoção de sujidades por métodos físicos e manutenção do estado de integridade e eficiência de todos os componentes dos sistemas de climatização, para garantir a Qualidade do Ar de Interiores e prevenção de riscos à saúde dos ocupantes de ambientes climatizados.

slide3

Antecedentes

  • Resolução – RE nº 176, de 24/10/00

Estabelece os Padrões Referenciais de Qualidade do Ar Interior, em ambientes climatizados artificialmente de uso público e coletivo.

slide4

Antecedentes

  • Resolução – RE nº 09, de 16/01/03
  • Atualiza a Resolução RE 176
  • O Padrão Referencial de QAI é o marcador qualitativo e quantitativo da QAI, utilizado como sentinela para determinar a necessidade de busca das fontes poluentes ou das intervenções ambientais.
slide5

Antecedentes

  • Consulta Pública nº 109, de 11/12/03

Art. 1º . Determinar a publicação de Orientação Técnica referente a Indicadores de Qualidade do Ar Interior em Ambientes de Serviços de Saúde, no que diz respeito à definição de parâmetros biológicos, químicos e físicos do ar interior, a identificação das possíveis fontes poluentes de natureza biológica, química e física e métodos analíticos .

slide6

Ações da VISA/PE

  • Ano 2.000 – Contratação de consultor
  • Capacitar engenheiros e arquitetos na análise de projetos de climatização de EAS (NBR 7256)
  • Capacitação de técnicos para inspeção em sistemas de climatização (Port. 3.523/98);
  • Capacitação de técnicos para coleta de amostras e avaliação da qualidade do ar em ambientes interiores (RE’s 176/00 e 09/03)
slide7

Ações da VISA/PE

  • Ano 2.000 – Diagnóstico de Grandes Estabelecimentos
  • Parceria ANVISA – INMETRO – VISA/PE (Programa Fantástico Rede Globo)
  • Estabelecimentos inspecionados
  • Shopping center ...... 04
  • Supermercados ........ 04
  • Cinema ..................... 03
slide8

Ações da VISA/PE

  • Ano 2.002 – RDC 50 – Exigência do Projeto de climatização
  • 7.5.1 - Ar condicionado (AC)
  • Os setores com condicionamento para fins de conforto, como salas administrativas, quartos de internação, etc., devem ser atendidos pelos parâmetros básicos de projeto definidos na norma da ABNT NBR 6401.
  • Os setores destinados à assepsia e conforto, tais como salas de cirurgias, UTI, berçário, nutrição parenteral, etc., devem atender às exigências da NBR-7256.
slide9

Ações da VISA/PE

  • Ano 2.004 – Gripe Aviária - Nota Técnica da FUNASA
  • Ações de Engenharia em Saúde Pública para o Atendimento de Casos de Síndrome Respiratória Aguda Grave - SRAG
  • Fluxo unidirecional (aparelho instalado do lado contrário a porta)
  • Pressão negativa
  • Troca de ar em intervalos constantes (12 trocas por hora)
  • Sistema de exaustão com filtro HEPA
  • Janelas e aberturas vedadas
  • 1 leito em cada quarto
slide13

Ações da VISA/PE

  • Ano 2.009 – Gripe A (H1N1)
  • Protocolo de Atendimento MS – 06/05/09
  • O isolamento no ambiente hospitalar deve ser realizado em um quarto privativo com vedação na porta e boa ventilação. Se houver disponibilidade no hospital, o isolamento deve ser realizado em uma unidade de isolamento respiratório com pressão negativa e filtro HEPA
slide14

Ações da VISA/PE

  • Ano 2.009 – Gripe A (H1N1)
  • Protocolo de Manejo Clínico MS – 24/08/09
  • 9. Orientações para isolamento no ambiente hospitalar
    • Isolamento em quarto privativo dos casos de doença respiratória aguda grave
    • O isolamento, quando indicado, deve ser realizado em um quarto privativo com vedação na porta e bem ventilado.
    • Isolamento por coorte
slide18

Isolamento x Isolamento Respiratório

  • Parâmetros de Projeto – NBR 7256
slide19

Gripe A (H1N1)

O ar condicionado é o vilão?

slide20

Transmissão

  • Aerossóis
  • Partículas aerodispersas, inferiores a 5 micra, provenientes de gotículas desidratadas
  • Podem permanecer em suspensão no ar por longos períodos de tempo, contendo agente infeccioso viável
  • Podem ser dispersos para longe, pelas correntes de ar podendo ser inalados por um hospedeiro susceptível, dentro do mesmo quarto ou em locais situados a longa distância do paciente-fonte (dependendo dos fatores ambientais)
  • Ex. de agentes etiológicos: tuberculose, varicela (catapora) e sarampo
slide21

Transmissão

  • Gotículas
  • Partículas maiores de 5 micra;
  • originam-se de um indivíduo fonte, sobretudo durante a tosse, o espirro, a conversação, e em certos procedimentos, tais como a aspiração ou a broncoscopia;
  • A transmissão de gotículas requer um contato próximo, entre o indivíduo e o receptor, visto que, tais gotículas não permanecem suspensas no ar e geralmente se depositam em superfícies a uma curta distância;
  • Ex. de agentes etiológicos: Haemophilus influenzae e Neisseria meningitidis;
slide24

Endereço na Internet

www.apevisa.pe.gov.br

apevisa@saude.pe.gov.br

 (81) 3181.6425 fax: 3181.6355