slide1 n.
Download
Skip this Video
Loading SlideShow in 5 Seconds..
Gestão da Manutenção PowerPoint Presentation
Download Presentation
Gestão da Manutenção

Loading in 2 Seconds...

play fullscreen
1 / 15
daphne-ayers

Gestão da Manutenção - PowerPoint PPT Presentation

129 Views
Download Presentation
Gestão da Manutenção
An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author. While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript

  1. Gestão da Manutenção POLÍTICA DE MANUTENÇÃO Manutibilidade do equipamento (acessibilidade e facilidade de ex. de acções de manutenção Tipo de avarias (em função do tempo de fun- cionamento ou aleatórias) Fiabilidade do equipamento e sua taxa previsível de avarias Viabilidade téc. e económ. da detecção anteci- pada de avarias por controlo de variáveis de funcionamento Importância do equipamento ou instalação em relação à sua influência nos custos indire- ctos da manut. (criticidade) Existência de aspectos legais relativos a ins- pecções e vigi- lância aplicáveis ao equipamento Avaliação económica Comparativa dos benefícios resultantes Das diversas opções Possíveis de manu- tenção a aplicar Consequências de uma avaria no equip. ou Inst. em termos de segurança do pes- soal, do próprio equip., da inst. e do ambiente Viabilidade de substituição (seguida de repa- ração) o que dependerá de peças de reserva ou equip. de substituição POLÍTICA DE MANUTENÇÃO DOS EQUIPAMENTOS Selecção da política de manutenção dos equipamentos Fonte: Pinto, p. 52

  2. Gestão da Manutenção COMPLEMENTARIDADE DAS M. CORRECTIVAS E PREVENTIVAS Carga de trabalho 100% Ganhos de carga total 14% 22% 86% 78% Correctiva residual (aleatória) PREVENTIVA 0 30% 60% 90% Divisão do tempo CORRECTIVA 100 56% 18% 5% Carga optimizada Influência sobre a carga de trabalho Fonte: Monchy, p 33

  3. Gestão da Manutenção COMPLEMENTARIDADE DAS M. CORRECTIVAS E PREVENTIVAS Custos Preventiva insuficiente Preventiva a mais Custo de acções preventivas Custo total optimizado Custo de acções correctivas PREVENTIVA 0 30% 60% 90% Divisão do tempo 100 56% 18% 5% CORRECTIVA Nível óptimo de man. preventiva Aspecto económico Fonte: Monchy, p 33

  4. Gestão da Manutenção MANUTENÇÃO CORRECTIVA Nível de performance Degradação Falha cataléctica P. óptima Perda de funcionamento (“pane”) Eliminação de “pane” M. paliativa t TBF1 TAM TBF2 Reparação M. curativa Paragem inesperada Lei de degradação desconhecida • CARACTERÍSTICAS: • Conservação tradicional típica (submissão) • Carga de trabalho irregular • Reparação após a falha • Procura de peças de reposição no momento • Preparação do trabalho no momento

  5. MANUTENÇÃO CORRECTIVA Gestão da Manutenção • JUSTIFICAÇÃO PARA A ADOPÇÃO: • Custos indirectos de manutenção baixos • Problemas ambientais e de segurança desprezíveis • Política de renovação frequente de equipamento • Existência de máquinas de substituição • EVOLUÇÃO (que não se verificava na tradicional conservação): • Análise da causa de falha e correcção de eventual deficiência do sistema; contem noção de melhoria (ex.: motivo de avaria prematura de um rolamento) • Recolha de informação para posterior investigação • FORMAS POSSÍVEIS: • Aplicação isolada (M. bombeiro) • Complementada por rondas

  6. Gestão da Manutenção MANUTENÇÃO PREVENTIVA Nível de performance Visita preventiva V1 V2 V3 V4 P. óptima V5 V6 Intervenção preventiva t TBF1 TAM TBF2 Patamar de admissibilidade procurada Paragem preventiva Lei de degradação procurada • OBJECTIVOS DA M. PREVENTIVA: • Aumentar a fiabilidade, redução de custos de falha e melhoria da disponibilidade • Aumentar a vida eficaz do equipamento • Melhorar o planeamento do trabalho e a coordenação com a produção • Reduzir e regularizar a carga de trabalho • Facilitar a gestão dos stocks • Aumentar a segurança (menos improvisações perigosas) • Melhorar as relações humanas entre diversos sectores

  7. Gestão da Manutenção MANUTENÇÃO PREVENTIVA CONDIÇÕES NECESSÁRIAS À M. PREVENTIVA: 1ª Fase: As visitas preventivas permitem supervisionar o estado do material e, fundamentalmente, a recolha de informação necessária ao estabelecimento das leis de degradação e os patamares de admissibilidade. 2ª Fase: Evolução para a M. sistemática, em conformidade com o comportamento, conhecido, do material.

  8. Gestão da Manutenção MANUTENÇÃO PREVENTIVA INFLUÊNCIA DA DISTRIBUIÇÃO DE FREQ. NA MTBF Freq. avarias σ1 σ1 < σ2 σ2 T2 MTBF1 MTBF2 t T1 M correctiva residual (p.e.: 10%) Desperdício de potencial de utilização = T1 – T2

  9. Gestão da Manutenção M. PREVENTIVA SISTEMÁTICA Nível de performance Deg. prevista Deg. possível Deg. teórica Int. corre-ctiva (resid) P. máxima Inspecção periódica I1 I1 I2 I2 Intervenção sistemática TAM T=kMTBF T=kMTBF t MTBF teórica Patamar de admissibilidade estabelecido Paragem programada Lei de degradação conhecida

  10. Gestão da Manutenção M. PREVENTIVA SISTEMÁTICA • CONDIÇÕES REQUERIDAS • Conhecimento prévio do comportamento do material no tempo: • 1ª Fase: Recomendações do fabricante; • 2ª Fase: Informação recolhida nas inspecções e ensaios. Problema Considera a MTBF constante. Na realidade, com o envelhecimento a taxa de falhas tende a subir e, consequentemente, a MTBF a baixar. M. SISTEMÁTICA ABSOLUTA Nenhuma inspecção é feita entre duas intervenções programada.

  11. Gestão da Manutenção M. PREVENTIVA SISTEMÁTICA • M. SISTEMÁTICA SUPERVISIONADA • São programadas inspecções periódicas tendo como objectivo o controlo do estado de degradação relativamente ao previsto para estabelecer a MTBF. • Utilização: • Equipamentos com elevado custos de falha; • Órgãos cuja falha é grave; • Equip. cuja paragem é sempre longa; • Quando está em causa a segurança das pessoas; • Quando a legislação o impõe. CÁLCULO DO PERÍODO DE INTERVENÇÃO Probabilidade estatísta aplicando dist. de Gaus e Weibull.

  12. Gestão da Manutenção M. DE RONDA • Vigilância regular do material, através de rondas de curta frequência: • Lubrificação • Controlos de pressão, temperaturas • exames sensoriais: níveis de líquidos, cheiros, ruídos... • Pequenos trabalhos de afinação, substituição de componentes correntes... Telemanutenção Sistema de monitorização e armazenamento de informação, à distância, usando a telemática e sensores (transdutores) nas variáveis técnicas a controlar.

  13. Também designada de preditiva no caso de máquinas rotativas. Gestão da Manutenção M. CONDICIONADA Nível de performance Єt = tempo de reacção Alarme P. máxima TAM TBF2 TAM TBF1 t Patamar de admis. Int. preventiva de condição Lei de degradação inútil

  14. Gestão da Manutenção M. CONDICIONADA • Parâmetros controláveis • Físicos: pressões, temperaturas, espessuras, alinhamentos, proximidade, vibrações, velocidade, aceleração... • Eléctricos: isolamento, intensidade de corrente eléctrica, tensão, potência... • Químicos: níveis de contaminação, acidez, dureza, resíduos... Forma estrita: vigilância contínua. Forma larga: vigilância periódica. Forma integrada: sem vigilância externa, integrada na concepção do equipamento.

  15. Gestão da Manutenção M. CONDICIONADA • M. SISTEMÁTICA VRS. M. CONDICIONADA • A data de intervenção sistemática é predetermi-nada e a de condição quando soa o alarme. • Consequências da M. condicionada: • Utiliza ao máximo as potencialidades dos órgãos e equipamentos, retardando as intervenções (redução de consumos e stocks); • Diminui a parte correctiva residual; • Diminui erros resultantes de intervenções desne-cessárias; • Dificulta o planeamento e a programação; • Maiores investimentos em meios técnicos. • Tendência: Presença obrigatória em todos os sistemas complexos, generalizando-se mesmo às situações mais banais.