o modelo pesquisa a o l.
Download
Skip this Video
Loading SlideShow in 5 Seconds..
O Modelo Pesquisa - Ação PowerPoint Presentation
Download Presentation
O Modelo Pesquisa - Ação

Loading in 2 Seconds...

play fullscreen
1 / 17

O Modelo Pesquisa - Ação - PowerPoint PPT Presentation


  • 468 Views
  • Uploaded on

O Modelo Pesquisa - Ação. Modelo de ciência comportamental aplicada, elaborado pelo psicólogo social Kurt Lewin. Útil em programas de mudança planejada nas organizações. O Modelo Pesquisa – Ação Compõe-se de cinco etapas:. Coleta de Dados Diagnóstico Ação Avaliação Novo Ciclo.

loader
I am the owner, or an agent authorized to act on behalf of the owner, of the copyrighted work described.
capcha
Download Presentation

PowerPoint Slideshow about 'O Modelo Pesquisa - Ação' - ciel


An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript
o modelo pesquisa a o

O Modelo Pesquisa - Ação

Modelo de ciência comportamental aplicada, elaborado pelo psicólogo social Kurt Lewin. Útil em programas de mudança planejada nas organizações.

Profª Denise Ferreira

o modelo pesquisa a o comp e se de cinco etapas

O Modelo Pesquisa – Ação Compõe-se de cinco etapas:

Coleta de Dados

Diagnóstico

Ação

Avaliação

Novo Ciclo

Profª Denise Ferreira

slide3
1ª etapa – faz-se o levantamento dos dados relevantes ao problema identificado.
  • 2ª etapa – procura-se identificar as lacunas existentes entre o que é e o que deveriaser,com base nos dados coletados, chegando-se a um diagnostico da situação.
  • 3ª etapa – elabora-se o planejamento global estratégico e tático para diminuir ou eliminar as lacunas diagnosticadas e implementam-se as atividades planejadas.

Profª Denise Ferreira

slide4
4ª etapa – avaliação dos resultados, conducente a um rediagnóstico mediante a indagação: “Após as ações realizadas e obtidos esses resultados, quais as lacunas existentes agora?”
  • 5ª etapa e última etapa – novo ciclo de pesquisa-ação, o qual, levará a um outro ciclo subseqüente continuando o processo dinâmico.

Profª Denise Ferreira

an lise de campo de for as kurt lewin

ANÁLISE DE CAMPO DE FORÇAS (KURT LEWIN)

Situação Problema é uma resultante de forças que atuam em direções opostas.

Profª Denise Ferreira

esquema conceitual baseado no modelo da f sica 1951
Esquema Conceitual baseado no modelo da Física.(1951)
  • Lewin considerou que qualquer situação psicossocial, pode ser concebida como um campo de forças cuja expressão aparente seria o que denominou “nível de Atividade”.Este nível mantém-se relativamente constante por causa do equilíbrio entre a intensidade total das forças opostas, caracterizando o equilíbrio quase estacionário.

Profª Denise Ferreira

slide7
As forças atuantes são todos os componentes ativos que concorrem para determinar aquele nível de atividade específico, podendo ser internos ou externos à pessoa, grupo ou organização.
  • As forças atuantes são de dois tipos:

a) forças impulsoras - que tendem a elevar o nível de atividade;

b) forças restritivas - que tendem a diminuir o nível de atividade.

Profª Denise Ferreira

slide8

O nível de atividade é o ponto de partida na identificação de problemas e sua análise para fins de diagnóstico.

A técnica de análise decampo de forças consiste em:

Profª Denise Ferreira

1 identificar as for as atuantes na situa o colocando as em duas listas
FORÇAS IMPULSORAS

FORÇAS RESTRITIVAS

1. Identificar as forças atuantes na situação, colocando-as em duas listas:

Profª Denise Ferreira

exemplos de for as identific veis em grupos de treinamento desenvolvimento
IMPULSORAS

I Ambientais

Recursos suficientes

Equipamento adequado

Instalações confortáveis

Ambiente prazeroso

Tempo disponível

Isolamento/privacidade

RESTRITIVAS

Pressões normais externas

Horário rígido

Interferências /interrupções

Equipamento falho

Tamanho do grupo

Ambiente desagradável

Exemplos de forças identificáveis em grupos de treinamento/desenvolvimento

Profª Denise Ferreira

impulsoras restritivas
II Grupais

Motivação

Cordialidade

Aceitação das diferenças individuais

Ritmo das atividades liderança

Confiança recíproca

Espontaneidade

Interdependência

Defensividade

Apatia

Hostilidade

Dependência do coordenador

Normas ambíguas

Silêncio

Desorganização

Facções

Impulsoras Restritivas

Profª Denise Ferreira

impulsoras restritivas12
III Individuais

Empatia

Competência do coordenador

Suporte emocional

Busca de informações

Troca de experiências

Inovação

Ouvir os outros

Facilitação de comunicação

Objetivos conflitantes

Dominação/manipulação

Rigidez/intransigência

Timidez

Disputa pelo poder

Alianças em duplas/trios/subgrupos

Evasão

Divergências pendentes

Impulsoras Restritivas

Profª Denise Ferreira

slide13
Os números de 1 a 5 representam a intensidade das forças. Qualquer que seja o número de forças de cada lado, a sua soma algébrica será zero, caracterizando o nível atual de atividade, considerado insatisfatório e carente de modificação.

Profª Denise Ferreira

2 avaliar a intensidade dessas for as e construir o diagrama de campo de for as

E

Impulsoras

Restritivas

G

H

n’

F

NÍVEL ATUAL DE ATIVI-DADE

C

n

D

A

B

2. Avaliar a intensidade dessas forças e construir o diagrama de campo de forças.

5 4 3 2 1 1 2 3 4 5

A

Profª Denise Ferreira

3 categorizar as for as atuantes
3. Categorizar as forças atuantes
  • As forças atuantes podem ser agrupadas em três categorias principais, conforme seu relacionamento com:

a) o eu - refere-se a mim como indivíduo

(esforços para estabelecer comunicação)

b) os outros – refere-se a outras pessoas

(pressão manifesta ou velada de um subgrupo para uma determinada decisão grupal)

c) o ambiente – elemento de natureza não pessoal (ambiente físico da reunião, tempo disponível)

Profª Denise Ferreira

slide16
As pessoas tendem a ignorar ou minimizar seu próprio papel na situação ao fazerem um diagnóstico. Quando as forças referentes ao eu são incluídas no campode forças, aparecem como forçasimpulsoras.Outros e ambiente são vistos como forças restritivas.É difícil perceber, reconhecer e aceitar o papel que o eu desempenha como força restritiva numasituação-problema.

Profª Denise Ferreira

4 elaborar alternativas de mudan as
4. Elaborar Alternativas de Mudanças
  • O que fazer para alterar o equilíbrio quase estacionário?
  • Duas alternativas lógicas: aumentar a intensidade das forças impulsoras ou diminuir a intensidade de forças restritivas.
  • No primeiro caso deve-se esperar aumento na tensão do sistema pois haverá um aumento de força igual do outro lado.
  • Terceira alternativa: identificar forças latentes ou neutras que existem na situação ou fora dela e que podem ser mobilizadas para atuarem como impulsoras.

Profª Denise Ferreira