TECIDO CARTILAGINOSO - PowerPoint PPT Presentation

tecido cartilaginoso n.
Download
Skip this Video
Loading SlideShow in 5 Seconds..
TECIDO CARTILAGINOSO PowerPoint Presentation
Download Presentation
TECIDO CARTILAGINOSO

play fullscreen
1 / 22
TECIDO CARTILAGINOSO
730 Views
Download Presentation
ceana
Download Presentation

TECIDO CARTILAGINOSO

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript

  1. TECIDO CARTILAGINOSO

  2. Tecido Cartilaginoso • Matriz sólida e firme com alguma flexibilidade. • Origem mesodermica. • Avascularizado, sem nervos e vasos linfáticos. • Metabolismo baixo. • Funções: Suporte dos tecidos moles. Revestimento das superfícies articulares. Age na formação e crescimento dos ossos longos.

  3. Elementos integrantes

  4. Tipos de cartilagem • 1- Hialina • 2- Elástica • 3- Fibrosa

  5. 1- Hialina • Proveniente do grego hyalos=vidro • Apresenta apenas fibras colágenas. • Apresenta um gel elástico como uma substância fundamental e aparece no corpo como uma estrutura brilhante, branco-azulada, com fibras colágenas finas, contém numerosos condrócitos (pequenos e redondos). Estes se alojam em pequenos espaços da matriz – lacunas. É o tipo mais abundante de cartilagem.

  6. É a cartilagem mais freqüênte no corpo.

  7. Localização (c.hialina) • Extremidades dos ossos longos, • Extemidades anteriores das costelas, • Nariz, • Partes da laringe, • Traquéia, • Brônquios.

  8. 2- Cartilagem elástica • Basicamente semelhante a cartilagem hialina. Sua matriz, além de fibrilas colágenas tipo II, apresentam abundante rede de fibras elásticas finas, contínuas com as do pericôndrio (evidenciadas pela orceína dando cor amarela). células: São os condrócitos e os condroblastos. Os condrócitos estão localizados em uma rede filiforme de fibras elásticas no interior da matriz. • A fresco é branco/azulada. • Composta por colágeno, elastina, e proteoglicanos.

  9. Localização (c. elástica) • Válvula na parte superior da laringe (epiglote), • Orelha externa, • Tubas auditivas (trompas de eustáquio), • Cartilagem cuneiforme da laringe.

  10. 3- Cartilagem Fibrosa • É um tecido de transição entre cartilagem e tecido conjuntivo denso dos tendões. A matriz é eosinófila devido a presença de feixes de colágeno tipo I. Não apresentapericôndrio e consequentemente não tem condroblastos. Os condrócitos estão espalhados entre os feixes de fibras colágenas no interior da matriz. • Apresenta dois tipos de fibras (colágenas e elásticas) com predomínio das colágenas. • Células: Os condrócitos são menores que na hialina ou elástica. RER

  11. Localização (cartilagem fibrosa) • Sínfise púbica (canal de parturição), • Discos intervertebrais (anel fibroso e núcleo pulposo), • Meniscos (coxins cartilaginosos) do joelho, • Partes dos tendões que se inserem na cartilagem.

  12. Células • Condroblastos: semelhantes aos fibroblastos sendo chamados fibroblastos like. Se localizam na periferia da cartilagem e são fusiformes com o núcleo achatado. São responsáveis pela produção de matriz cartilaginosa.

  13. Células • Condrócitos: (do grego, chondros = cartilagem) Aparecem em lacunas (do latim, lacuna = pequeno lago) dentro da matriz e são essenciais para a vitalidade da matriz. Tem capacidade de se multiplicar. São arredondados e aparecem em grupos, todos originados por mitose de uma só célula (grupos isógenos). • Grupos Isógenos: Axial: uns sobre os outros(pilhas de moedas) ex.: cartilagem seriada de discos epifisiários. Coronário: formam uma coroa dentro das lacunas. Ex.: cartilagem da traquéia.

  14. Matriz cartilaginosa • Possui fibrilas constituídas de colágeno tipo II (submicroscópico). A parte amorfa é formada por GAGs associados a proteínas para formar proteoclicanos. • Existem na cartilagem 3 tipos de GAGs: Ácido hialurônico (Hialuronan) Condroitin Queratan sulfato

  15. Matriz cartilaginosa • Os proteoglicanos ligam-se quimicamente ao colágeno dando resistência a pressão. • A resistência depende de 2 fatores: a- Interação de colágeno com proteoglicanos b- Turgescência da matriz devido a intensa hidrofilia dos GAGs. Estes GAGs formam camadas de solvatação que participam do discreto metabolismo da cartilagem, atuando como mola biomecânica, o que é importante principalmente em cartilagens articulares.

  16. Pericôndrio (do grego, peri = ao redor) • É uma camada de tecido conjuntivo que envolve as cartilagens com exceção das cartilagens articulares e fibrosas. Apresenta duas camadas: -Externa fibrosa: fibroblastos e fibras colágenas. Rica em colágeno tipo I. -Interna celular: com condroblastos (responsáveis pela secreção da matriz cartilaginosa. A partir desta camada que a cartilagem pode crescer de modo aposicional. *O pericôndrio é uma fonte de novos condrócitos para o crescimento e é o responsável pela nutrição da cartilagem, oxidação e eliminação de refugos metabólicos. Ao contrário de outros tecidos conjuntivos, a cartilagem não possui vasos sanguíneos nem nervos, exceto no pericôndrio.

  17. Histogênese mesenquima condroblastos condrócitos

  18. Histogênese da cartilagem: Começam a se formar a partir da 5a semana de Stem cells que se reúnem num ambiente avascular formando centros de condrogênese (blastema cartilaginoso) originando a cartilagem. • Crescimento: - aposicional (de fora para dentro) as custas da atividade secretora dos condroblastos. - intersticial a partir da multiplicação dos condrócitos, formando grupos (de dentro para fora). • Regeneração da cartilagem: com dificuldade (normalmente incompleta). Ocorre as custas do pericôndrio que ao invés de formar nova cartilagem, forma uma cicatriz de tecido conjuntivo denso. • Degeneração: com a idade sofre um processo de calcificação e torna-se rígida.

  19. Discos intervertebrais/Cartilagem Fibrosa • Anel fibroso: de cartilagem fibrosa formada por feixes concêntricos de colágeno que tem no seu interior células arredondadas imersas no interior de um liquido viscoso rico em ácido hialurônico chamado núcleo pulposo. • Núcleo pulposo: É o resto de uma estrutura embrionária chamada notocorda (3a semana). Os discos intervertebrais funcionam como coxins lubrificados que previnem o desgaste do osso das vertebras. Quando ocorre o rompimento do anel fibroso, o núcleo pulposo, sob pressão extravasa e pressiona os nervos espinhais provocando a hérnia de disco.