slide1 n.
Download
Skip this Video
Download Presentation
Acreditação em Serviços de Saúde

Loading in 2 Seconds...

play fullscreen
1 / 36

Acreditação em Serviços de Saúde - PowerPoint PPT Presentation


  • 150 Views
  • Uploaded on

Acreditação em Serviços de Saúde. Normalização no Brasil. Normalização. Conceito básico “Normalização é a maneira de organizar as atividades pela criação e utilização de regras ou normas, visando contribuir para o desenvolvimento econômico e social”. Definição

loader
I am the owner, or an agent authorized to act on behalf of the owner, of the copyrighted work described.
capcha
Download Presentation

PowerPoint Slideshow about 'Acreditação em Serviços de Saúde' - bob


Download Now An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript
slide3

Normalização

  • Conceito básico
    • “Normalização é a maneira de organizar as atividades pela criação e utilização de regras ou normas, visando contribuir para o desenvolvimento econômico e social”.
  • Definição
    • “É o processo de estabelecer e aplicar regras a fim de abordar ordenadamente uma atividade específica, parao benefício e com a participação de todos os interessados, e, em particular, de promover a otimização da economia, levando em consideração as condições funcionais e as exigências de segurança”.
slide4

Normalização

  • Objetivos
    • Comunicação: proporciona os meios necessários para a adequada troca de informações entre clientes e fornecedores – internos e externos - com vistas a garantir a confiabilidade nas relações, pelo entendimento do que um deve esperar do outro.
    • Simplificação: possibilita a redução da variedade de procedimentos e tipos de produtos.
    • Proteção ao consumidor: assegura a proteção dos interesses do consumidor através da possibilidade de verificação do atendimento aos requisitos estabelecidos para os produtos.
slide5

Normalização

  • Objetivos
    • Segurança: estabelecimento de atributos e características como requisitos para assegurar a proteção e saúde do ser humano e proteção do meio ambiente.
    • Economia: a sistematização e ordenação das atividades pela normalização gera uma padronização através da qual os custos podem ser verificados, controlados e analisados.
    • “Eliminação de barreiras comerciais: com a normalização procuramos evitar a diversidade de regulamentos , muitas vezes conflitantes, elaborados para produtos e serviços, pelos diferentes países.
slide6

Normalização

  • Benefícios Qualitativos
    • Utilização adequada de recursos.
    • Disciplina da produção.
    • Uniformidade do trabalho.
    • Registro do conhecimento tecnológico.
    • Melhoria do nível de capacitação.
    • Controle dos processos e dos produtos.
    • Segurança do pessoal e dos equipamentos.
    • Racionalização do uso do tempo.
slide7

Normalização

  • Benefícios Quantitativos
    • Redução do consumo e do desperdício.
    • Especificação e uniformização de matérias-primas.
    • Padronização de componentes e equipamentos.
    • Redução de variedades de produtos.
    • Procedimentos para cálculos e projetos.
    • Aumento da produtividade.
    • Melhoria da qualidade de produtos e serviços.
    • Forma de comunicação entre pessoas e serviços.
slide9

SINMETRO

Sistema Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial

CONMETRO

  • Órgão normativo

CNN

  • Órgão paritário

INMETRO

  • Órgão executivo

ABNT

  • Foro Nacional

CB

ONS

Normalização

slide11

HISTÓRICO

  • Constituição de 1988:
  • A saúde como direito social universal.
  • Hospitais deixam de ser centros do modelo assistencial, transferindo aos municípios a gestão dos serviços de saúde.
  • Passou-se a observar a importância do desenvolvimento de instrumentos gerenciais relacionados com a avaliação dos serviços oferecidos à população.
  • Década de 90:
  • Iniciativas regionais relacionadas diretamente com a acreditação hospitalar, mais especificamente nos estados de São Paulo, Rio de Janeiro, Paraná e Rio Grande do Sul.
slide12

HISTÓRICO

  • A partir de Junho 1995:
  • O assunto acreditação começa a ser discutido com maior intensidade no âmbito do Ministério da Saúde, com a criação do Programa de Garantia e Aprimoramento da Qualidade em Saúde (PGAQS) .
  • Formação da Comissão Nacional de Qualidade e Produtividade constituída por grupo técnico do Programa, representantes de provedores de serviço, da classe médica, órgãos técnicos relacionados ao controle da qualidade e representantes dos usuários dos serviços de saúde.

Objetivo: definir estratégias para o estabelecimento das diretrizes do Programa.

slide13

HISTÓRICO

  • Compilação dos Manuais de Acreditação utilizados no exterior - Estados Unidos, Canadá, Catalunha/Espanha, Inglaterra e outros, além dos manuais que começavam a ser utilizados no Brasil.
  • Encaminhamento de projeto ao Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade (PBQP), definindo metas para implantação de um processo de certificação de hospitais identificado como ACREDITAÇÃO HOSPITALAR.

Em 1998

  • A partir do Manual editado pela OPAS e das experiências estaduais, surge o "Manual Brasileiro de Acreditação Hospitalar".
slide14

HISTÓRICO

Em maio de 1999

  • É constituída a Organização Nacional de Acreditação (ONA),visando a criação de um sistema de avaliação para a certificação dos serviços de saúde.
slide16

ORGANIZAÇÃO NACIONAL DE ACREDITAÇÃO

- ONA -

Organização não governamental caracterizada como: “pessoa jurídica de direito privado sem fins lucrativos e de interesse coletivo”, com abrangência de atuação nacional.

slide17

ORGANIZAÇÃO NACIONAL DE ACREDITAÇÃO - ONA -

OBJETIVO

Promover a implementação de um processo permanente de avaliação e de certificação da qualidade dos serviços de saúde, permitindo o aprimoramento contínuo da atenção, de forma a garantir a qualidade na assistência aos cidadãos brasileiros, em todas as

organizações prestadoras de serviços de saúde do País.

slide18

ORGANIZAÇÃO NACIONAL DE ACREDITAÇÃO - ONA -

MISSÃO

Promover o desenvolvimento de um processo de Acreditação visando aprimorar a qualidade da assistência à saúde em nosso país.

slide19

ORGANIZAÇÃO NACIONAL DE ACREDITAÇÃO - ONA -

VISÃO

Tornar o Sistema Brasileiro de Acreditação e a Organização Nacional de Acreditação até 2010, uma referência nacional e internacional, com uma metodologia reconhecidamente sólida e confiável, comprometida com a viabilização de um processo de melhoria contínua, qualidade e produtividade no setor saúde.

slide20

ORGANIZAÇÃO NACIONAL DE ACREDITAÇÃO - ONA -

VALORES

Credibilidade

Legitimidade

Qualidade

Ética

Resultado

slide21

ORGANIZAÇÃO NACIONAL DE ACREDITAÇÃO - ONA -

  • PRINCIPAIS RESPONSABILIDADES
  • Implantação das normas técnicas,
  • Credenciamento de instituições acreditadoras,
  • Qualificação e capacitação de avaliadores.
slide22

MODELO ONA DE GESTÃO HOSPITALAR

CONCEITO BAKER TILLY

Consiste em um conjunto de práticas organizacionais, administrativas e técnicas que definem padrões de excelência na gestão e realização de serviços de saúde.

Este modelo de gestão é desenvolvido e continuamente revisado, seguindo técnicas adotadas internacionalmente, assegurando manter-se dentro das mais modernas práticas de gestão e prestação de serviços de saúde e atendimento aos requisitos legais.

Sua implementação é reconhecida através de certificação conforme avaliação de organismos independentes.

slide23

MODELO ONA DE GESTÃO HOSPITALAR

OBJETIVO – VISÃO BAKER TILLY

Este modelo de gestão visa assegurar um padrão de qualidade internacional adequado a realidade nacional tendo como princípios a educação continuada para o desenvolvimento dos profissionais e a melhoria contínua para eficácia dos processos administrativos e técnicos e, conseqüentemente, a eficiência do desempenho organizacional.

slide24

MODELO ONA DE GESTÃO HOSPITALAR

  • RESULTADOS – COMPROMISSOS BAKER TILLY
  • Ter um modelo de gestão e práticas operacionais ACREDITADOS por ORGANIZAÇÕES INDEPENDENTES credenciadas pela ONA que garanta:
  • Segurança para os pacientes e profissionais;
  • Satisfação dos clientes pela qualidade dos serviços;
  • Criação da cultura da melhoria contínua;
  • Otimização dos controles gerenciais;
  • Conhecimento sistemático do desempenho organizacional.
slide25

MODELO ONA DE GESTÃO HOSPITALAR

ACREDITAÇÃO – NÍVEIS

Nível 1 - Organização Acreditada

Nível 2 - Organização Acreditada Plena

Nível 3 - Organização Acreditada por Excelência

slide26

MODELO ONA DE GESTÃO HOSPITALAR

ACREDITAÇÃO – por ATIVIDADES

Serviços Hospitalares

Serviços de Nefrologia e Terapia R. Substitutiva

Serviços de Laboratórios

Serviços de Hemoterapia

Serviços de Assistência Domiciliar

Serviços Ambulatoriais / Terapia / Pronto Atendimento.

slide27

MODELO ONA DE GESTÃO HOSPITALAR

  • ACREDITAÇÃO – ASPECTOS AVALIADOS
  • Liderança e Administração
  • Serviços Profissionais e Organização da Assistência
  • Serviços de Atenção ao Paciente / Cliente
  • Serviços de Apoio ao Diagnóstico
  • Serviços Assistenciais e de Abastecimento
  • Serviços de Infra-estrutura e Apoio Logístico
  • Ensino e Pesquisa
slide28

MODELO ONA DE GESTÃO HOSPITALAR

  • LIDERANÇA E ADMINISTRAÇÃO
  • Direção e Liderança;
  • Gestão com Pessoas;
  • Gestão Administrativa e Financeira;
  • Gestão de Materiais e Suprimentos;
  • Gestão da Qualidade;
slide29

MODELO ONA DE GESTÃO HOSPITALAR

  • SERVIÇOS PROFISSIONAIS E ORGANIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA
  • Corpo Clínico;
  • Enfermagem;
slide30

MODELO ONA DE GESTÃO HOSPITALAR

  • SERVIÇOS DE ATENÇÃO AO PACIENTE / CLIENTE
  • Internação;
  • Recepção, Transferência, Referência e Contra-Referência;
  • Atendimento Ambulatorial;
  • Emergência;
  • Centro Cirúrgico;
  • Anestesiologia;
  • Obstetrícia;
  • Neonatologia;
  • Tratamento Intensivo;
slide31

MODELO ONA DE GESTÃO HOSPITALAR

  • SERVIÇOS DE ATENÇÃO AO PACIENTE / CLIENTE
  • Hemoterapia;
  • Reabilitação;
  • Medicina nuclear;
  • Radioterapia.
slide32

MODELO ONA DE GESTÃO HOSPITALAR

  • SERVIÇOS DE APOIO AO DIAGNÓSTICO
  • Laboratório Clínico;
  • Diagnóstico por Imagem;
  • Métodos Gráficos;
  • Anatomia Patológica.
slide33

MODELO ONA DE GESTÃO HOSPITALAR

SERVIÇOS ASSISTENCIAIS E DE ABASTECIMENTO

  • Sistema de Informação do Paciente;
  • Prevenção e Controle de Infecções;
  • Assistência Farmacêutica;
  • Assistência Nutricional;
  • Central de Processamento de Roupas – Lavanderia;
  • Processamento de Materiais e Esterilização;
  • Higiene;
  • Segurança e Saúde Ocupacional;
  • Serviço Social;
  • Materiais e Suprimentos
slide34

MODELO ONA DE GESTÃO HOSPITALAR

SERVIÇOS DE INFRA-ESTRUTURA E APOIO LOGÍSTICO

  • Gestão de Projetos Físicos;
  • Gestão da Estrutura Físico - Funcional;
  • Gestão da Manutenção Predial;
  • Gestão de Resíduos;
  • Gestão de Equipamentos Médico - Hospitalares;
  • Gestão da Segurança.
slide35

MODELO ONA DE GESTÃO HOSPITALAR

ENSINO E PESQUISA

  • Educação Continuada;
  • Ensino;
  • Pesquisa.
slide36

NÓS DAMOS VALOR À SUA EMPRESA

NÓS DAMOS VALOR À SUA EMPRESA

Rua Alberto Paiva, 275

Graças - Recife - PE, Brasil

Tel/Fax (55) 81 3427-1040

www.btpe.com.br