acompanhamento terap utico n.
Download
Skip this Video
Loading SlideShow in 5 Seconds..
Acompanhamento Terapêutico PowerPoint Presentation
Download Presentation
Acompanhamento Terapêutico

Loading in 2 Seconds...

play fullscreen
1 / 12

Acompanhamento Terapêutico - PowerPoint PPT Presentation


  • 119 Views
  • Uploaded on

Acompanhamento Terapêutico. Maria do Rosário Dias Varella. Tópicos de discussão. conceito histórico funções contrato relação com a família relação com a rede. Conceito.

loader
I am the owner, or an agent authorized to act on behalf of the owner, of the copyrighted work described.
capcha
Download Presentation

PowerPoint Slideshow about 'Acompanhamento Terapêutico' - armine


An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript
acompanhamento terap utico

Acompanhamento Terapêutico

Maria do Rosário Dias Varella

t picos de discuss o
Tópicos de discussão
  • conceito
  • histórico
  • funções
  • contrato
  • relação com a família
  • relação com a rede
conceito
Conceito
  • Intervenção de atendimento que objetiva estar com o paciente no seu cotidiano, explorando com o mesmo as possibilidades transformadoras de uma situação.
hist rico
Histórico
  • Por volta da década de 1960, ocorreram movimentos político-ideológicos de reformas psiquiátricas, na Europa Ocidental e nos Estados Unidos, na tentativa de acabar com os hospícios, os ditos manicômios.
  • A primeira imagem que tem o acompanhante terapêutico (que ainda nem era chamado assim) que nasce neste período, quando profissionais da área da saúde interessados em redimencionar o lugar ocupado pelos loucos que agora rompem o muro da clausura, é de fazer-se cargo do paciente, acompanhando-o, cotidianamente, na trajetória por essa rede de equipamentos institucionais espalhados pela cidade, articulando, facilitando e promovendo a utilização de papéis sociais, incluindo a criação de novos papéis, e também dos recursos próprios do urbano, na invenção de projetos de saúde. Como se vê a origem do acompanhamento é institucional."(Károl Cabral, 1998)
hist rico1
Histórico
  • "No Brasil, o AT começou em Porto Alegre na Clínica Pinel, depois chegou ao Rio de Janeiro, na Clínica Vila Pinheiros, e finalmente em São Paulo. Posteriormente, este recurso passou a ser utilizado também por pacientes não psiquiátricos que apresentavam diferentes quadros clínicos." (CAT)
hist rico2
Histórico
  • Movimento antipsiquiátrico - discussão sobre os tratamentos em saúde mental (60)
  • Inglaterra ( Laing e Cooper ) - Comunidades Terapêuticas
  • Alemanha e E.U.A. ( Szazs ) - Comunidades Terapêuticas
  • Itália ( Basaglia )
  • França ( Oury ) - Psicoterapia Institucional
  • América Latina - Argentina ( atendentes terapêuticos - final de 60 )
  • Brasil - Comunidades Terapêuticas - Acompanhantes
  • Terapêuticos (70 )
fun es
FUNÇÕES
  • Não existem atividades padrão para acompanhar, assim como não existem interpretações padrão em psicanálise.
  • Acompanhar é poder escutar a particularidade da experiência de cada paciente pondo-se ao lado, sem pressa, sem um dever ser. Não existe um dever ser no acompanhamento.
  • Sair com um paciente é tão operativo quanto ficar em casa. desde que a escolha do gesto do acompanhante parta do que este entenda ser o momento particular de seu paciente.
  • Sabemos que o projeto do acompanhamento terapêutico diz respeito a restabelecer pontes com o mundo.
  • “As atividades no acompanhamento tem valor de interpretação. Mas produzi-la não é simples". (Berger, 2002)
tipos de acompanhamento
Tipos de Acompanhamento
  • Medicação
  • Transporte
  • Internação Domiciliar
  • Situações Críticas
  • Acompanhamento em Instituições
  • Férias
  • Pacientes Clínico-Médicos
demanda de at
Demanda de AT
  • busca de tratamento para o psicótico freqüentemente se dá através de terceiros; especialmente no caso do acompanhamento, este costuma ser demandado por familiares, psiquiatra ou psicanalista
contrato
Contrato
  • o contrato terapêutico e algumas regras de trabalho devem ser estabelecidos desde o início do tratamento, funcionando como um terceiro, um testemunho das regras sociais exteriores às relações duais, pessoais e afetivas
a fam lia e o at
A Família e o AT
  • O papel do acompanhante, aqui, é não só compartilhar com a família os projetos e responsabilidades quanto ao tratamento (o engajamento da família no processo é de crucial importância), como fazer com que o paciente seja reconhecido por ela como sujeito
a quest o da rede
A questão da Rede
  • enfoque do tratamento em saúde mental é exatamente a tentativa de inclusão de um terceiro, que permita ao sujeito uma reorganização narcísica
  • O importante na rede, é que sua composição seja feita de amarrações, que permita um deslocamento, uma passagem de um ponto a outro