CLASSE REPTILIA - PowerPoint PPT Presentation

classe reptilia n.
Download
Skip this Video
Loading SlideShow in 5 Seconds..
CLASSE REPTILIA PowerPoint Presentation
Download Presentation
CLASSE REPTILIA

play fullscreen
1 / 91
CLASSE REPTILIA
407 Views
Download Presentation
Anita
Download Presentation

CLASSE REPTILIA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript

  1. CLASSE REPTILIA Reptare, reptum Rastejar

  2. Ordens • Testudines (Chelonia): tartaruga-de-pente, cágado, jabuti. • 330 espécies • Squamata (Escamados): 5700 espécies • Subordem Lacertilia (Sáurios): lagartixa, calango, teiú. 3300 sp • Subordem Amphisbenia: cobra-de-duas-cabeças. 135 sp • Serpentes: sucuri, jararaca, cobra-coral.2300 sp • Sphenodonta (Rhynchocephalia): tuatara (Nova Zelândia) – • 1 espécie Sphenodon • Crocodylia: jacaré-do-papo-amarelo. • 25 espécies

  3. Surgimento • Os répteis surgiram, a partir de ancestrais anfíbios, há cerca de 340 M.a. • Estas 4 ordens são as sobreviventes das 20 que floresceram durante o Mesozóico, a era dos répteis, quando estes animais dominavam o panorama animal terrestre.  

  4. Independência da água • Os répteis constituem a primeira classe de animais vertebrados a conquistar definitivamente o meio terrestre; para isso, foi necessário que sofressem uma série de adaptações:

  5. Adaptação Descrição

  6. Adaptação Descrição

  7. Ovos • Adaptações para o desenvolvimento em ambiente terrestre: • são revestidos por uma casca dura que os protegem da desidratação, • possuem estruturas como o âmnio que protege o embrião contra a desidratação , a deformação e contra choques mecânicos e, • o alantóide que funciona como um reservatório de substâncias tóxicas produzidas pelo embrião durante sua permanência dentro do ovo

  8. Habitat • São ectotérmicos. • São dependentes de fontes externas de calor. Por esta razão, eles são muito sensíveis à variações de temperatura, o que faz com que a maior concentração de répteis aconteça em locais próximos aos trópicos e à medida que nos aproximamos dos pólos, encontraremos cada vez menos espécies. • existem dois tipos de lugares apenas onde os répteis são realmente abundantes: regiões tropicais e desérticas.

  9. Hábitos • As tartarugas e crocodilos são, na sua maioria, aquáticos, enquanto os lagartos e serpentes são na maior parte terrestres e arborícolas. Existem exceções interessantes: algumas tartarugas não apenas vivem longe da água, mas vivem em regiões desérticas e algumas serpentes marinhas têm uma existência totalmente aquática. • São predominantemente predadores, embora algumas tartarugas e lagartos possam ser vegetarianos.

  10. Hábitos • Terrestres • Arborícolas • Aquáticos • Subterrâneos

  11. Revestimento do corpo • pele não mucosa (com poucas glândulas superficiais • geralmente com escamas epidérmicas (em filas transversais e longitudinais) • ou escudos córneos, o que os torna capazes de viver em meios secos.

  12. A pele é composta por duas camadas principais: epiderme e derme. • As escamas são produzidas pela epiderme e são compostas por queratina. • As escamas não podem ser removidas individualmente e devem ser substituídas regularmente - muda -, permitindo o crescimento e eliminando o desgaste. • As cobras substituem a pele toda de uma vez só, como se retirassem uma meia, mas os restantes grupos de répteis soltam-na em pedaços.

  13. Escamas • Esculturações: dispersam a luz e reduzem a quantidade de radiação que penetra profundamente no corpo. • Pigmentação: responsável pelas manchas e coloração do corpo, servindo de camuflagem ou exibição. • “cristas“ ou "chifres“: em alguns lagartos as escamas evoluíram nestas ou outras formas exóticas, usadas em rituais de acasalamento ou com defesa. • Permanecem zonas de pele fina entre as escamas e escudos: confere flexibilidade (aumentada pela disposição de fibras na derme), permitindo que uma cobra engula algo até 6 vezes superior ao diâmetro do seu corpo. 

  14. Esqueleto • Totalmente ósseo, crânio com um côndilo occipital, limitado ventralmente por um palato, que separa as passagens respiratórias e digestivas. • Fornece uma sustentação adequada à vida em meio terrestre. • Em muitos répteis o crescimento ósseo não termina com a maturidade sexual, o que permite a muitos exemplares atingirem tamanho gigantesco.

  15. Apêndices • 2 pares de patas (capazes de movimentos rápidos), • 5 dedos terminando em garras córneas, adaptadas a correr, rastejar ou trepar. As garras protegem as pontas dos dedos e ajudam á locomoção em meios ásperos. 

  16. Apêndices • Alguns têm patas reduzidas ou totalmente ausentes no adulto (alguns membros ainda apresentam patas vestigiais) • Com exceção dos crocodilianos, os répteis têm as patas para os lados e não por baixo do corpo, o que os obriga a deslocarem-se rastejando.

  17. Órgãos dos Sentidos • São muito mais desenvolvidos que os anfíbios, e alguns apresentam sentidos únicos no reino animal.  • Olhos grandes e apresentam geralmente pálpebras superior, inferior e membrana nictitante, (excepto nas cobras onde são cobertos por uma cutícula transparente).

  18. Órgãos dos Sentidos • Muitas vezes apenas têm percepção do movimento, como em algumas cobras ou lagartos escavadores, mas geralmente a visão é muito apurada. • Lagartos e as tuataras têm uma área semitransparente e sensível á luz no topo do crânio (terceiro olho) cuja função parece relacionada com o controle metabólico diurno e sazonal, de acordo com o fotoperíodo.

  19. Órgãos dos Sentidos • Os ouvidos são geralmente pouco desenvolvidos e muitas espécies nem apresentam abertura externa do canal auditivo. Neste caso os sons são transmitidos por vibrações dos ossos do maxilar e do crânio. • O paladar também não é um sentido muito importante para os répteis

  20. Órgãos dos Sentidos • Olfato muito apurado. • Língua bifurcada nas cobras e maioria dos lagartos: transporta informações químicas para o órgão de Jacobson, localizado na zona anterior do palato e em comunicação com a cavidade bucal por ductos, onde são detectadas. • A bifurcação permite à língua detectar um gradiente nas substâncias detectadas, localizando a sua origem. Uma chanfradura na mandíbula permite a deslocação da língua.

  21. Órgãos dos Sentidos • Fossetas loreais • Algumas cobras apresentam dos lados da maxila fossetas termorreceptoras especializadas na detecção de calor, o que lhes permite detectar as presas de sangue quente.

  22. Sistema Digestivo • Boca marginada por dentes tipicamente cônicos e implantados em alvéolos.  • Cobras: ossos das mandíbulas são soltos, podem mover-se livremente uns em relação aos outros. Dentes inclinados para trás, permite segurar a presa enquanto esta é engolida. • Cobras venenosas: presas - dentes longos e ocos, capazes de injetar veneno ao morder. Podem ser fixas (Naja sp. e cobras marinhas) ou estar recolhidas para trás quando não estão em uso (cascavéis e víboras).

  23. Jogo dos Erros

  24. Venenos • Cobras: apresentam toxidade variada, • neurotóxicos (como o da Naja afetam o sistema nervos e os centros respiratórios) ou • Hemotóxicos ou proteolítico (como o das cascavéis e víboras, destrói as paredes dos capilares e os glóbulos vermelhos).  • Os lagartos não produzem veneno, embora a mordida de muitos deles (principalmente os de maior porte, como os dragões do Komodo) possa ser altamente infecciosa. A única exceção para esta regra é o monstro Gila, o único lagarto que produz veneno (altamente mortal para o Homem). 

  25. Venenos • O veneno de cobra não é mais do que saliva, ainda que altamente modificada, e é produzido por glândulas salivares modificadas.

  26. Sistema Circulatório • Coração incompletamente dividido em 4 câmaras (duas aurículas e um ventrículo parcialmente dividido), exceto nos crocodilianos, onde o septo ventricular é completo. Este fato permite uma maior separação do sangue arterial e venoso. • Glóbulos vermelhos biconvexos e nucleados.

  27. Sistema Respiratório • É exclusivamente pulmonar, nunca existem brânquias, embora em algumas tartarugas aquáticas possa ocorrer respiração faríngica ou cloacal. • Existem cordas vocais na laringe. 

  28. Sistema Excretor • Composto por rins metanéfricos, o que reduz grandemente a perda de água pela urina, fundamental em meio seco.

  29. Temperatura corporal • Não geram calor interno, mas devem controlar cuidadosamente a sua temperatura.  • A temperatura corporal deve estar entre os 30 e os 40ºC. Abaixo desses valores abrandam a sua atividade e se deitam ao sol. Para receber calor mais eficientemente, achatam o corpo para que fique mais encostado à rocha quente.  • Os répteis de zonas tropicais raramente necessitam de apanhar sol,mas os de zonas temperadas ou desérticas passam parte do ano em hibernação ou estivação, até que as temperaturas sejam adequadas.

  30. Árvore Filogenética dos Répteis

  31. Ordem Rhyncocephalia Tuataras Nova Zelândia

  32. Ordem Rhyncocephalia Tuataras • Tuataras não são lagartos • Eles são os únicos membros sobreviventes desta ordem • Fósseis de Rhynchocephalianos nos mostram répteis de pequeno a médio porte que eram muito comuns no mundo há cerca de 225 e 120 milhões de anos atrás, muito antes do primeiro dinossauro aparecer na Terra.

  33. Ordem Rhynchocephalia Tuataras • Com o tempo, esses animais foram desaparecendo e há cerca de 60 milhões de anos atrás eles ficaram praticamente extintos, exceto por uma pequena população que vive na Nova Zelândia.

  34. Tuatara

  35. Tuataras • Os tuataras diferem dos lagartos em vários aspectos: • Não possuem ouvido externo, • Apresentam uma extensão de suas costelas, em forma de gancho, • Possuem duas grandes aberturas em cada lado do crânio, imediatamente atrás e acima da cavidade ocular • Machos não possuem pênis.

  36. Tuataras • Apresentam um lendário "terceiro olho", que é parte de um complexo órgão situado no topo do cérebro. • Este possui lentes, retina e uma conexão nervosa junto ao cérebro, mas logo cedo, na fase de crescimento dos tuataras, este órgão é coberto por uma escama opaca. Muitos lagartos também possuem este "terceiro olho", de complexidade similar. • Enquanto nos lagartos este órgão é envolvido na regulação da temperatura do corpo, testes experimentais falharam ao testar esta mesma função nos tuataras.

  37. Hábitos • Os tuataras são mais ativos durante a noite e passa o dia escondido em buracos e tocas, ou, aquecendo seu corpo na entrada desses buracos. • Uma característica peculiar é que sempre haverá apenas um tuatara por buraco. • A atividade máxima do animal acontece com temperaturas entre 17 e 20ºC - baixo para um réptil - e a partir daí, sua atividade começa a decair a medida que a temperatura baixa, tornando-se praticamente inativos há 7ºC

  38. Ordem Chelonia Tartarugas, Cágados e Jabutis

  39. Casco • Consiste de 2 partes: • a parte superior, chamada carapaça e • a parte inferior, chamada de plastrão. Cada parte tipicamente possui uma camada óssea interna e outra camada externa, de placas ásperas. A camada visível é feita de grandes placas ásperas e duras, mas esta apenas cobre uma grossa camada de segmentos ósseos que efetivamente forma o verdadeiro casco protetor. No local onde a carapaça encontra o plastrão, existe uma abertura para a cabeça, pernas e cauda.

  40. Casco O número e disposição das tais placas ásperas variam de acordo com a espécie e este arranjo é geralmente útil no processo de identificação da espécie, embora existam muitas outras diferenças que ajudem a identificar.

  41. Ausência de dentes na mandíbula. • Os fósseis mais antigos do período Triássico possuíam pequenos dentes, mas estes eram localizados no palato e a mandíbula era desdentada. • No lugar dos dentes, as tartarugas modernas possuem pontas sulcadas e duras que cobrem a mandíbula superior e inferior. Nas tartarugas carnívoras, estas pontas são afiadas e cortantes e funcionam como uma tesoura.