TÉCNICAS  DE SALVAMENTO AQUÁTICO
This presentation is the property of its rightful owner.
Sponsored Links
1 / 56

TÉCNICAS DE SALVAMENTO AQUÁTICO PowerPoint PPT Presentation


  • 220 Views
  • Uploaded on
  • Presentation posted in: General

TÉCNICAS DE SALVAMENTO AQUÁTICO. SUMÁRIO. APRESENTAÇÃO; OBJETIVOS; INTRODUÇÃO; Salvamento Aquático – Conceitos; Fases do Salvamento Aquático; Tipos de Salvamento Aquático; Tipos de Acidentes Na Água; Classificação do Afogamento; Equipamentos de Proteção Individual - EPI do Guarda-Vidas;

Download Presentation

TÉCNICAS DE SALVAMENTO AQUÁTICO

An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Presentation Transcript


T cnicas de salvamento aqu tico

TÉCNICAS DE SALVAMENTO AQUÁTICO


T cnicas de salvamento aqu tico

SUMÁRIO

APRESENTAÇÃO;

OBJETIVOS;

INTRODUÇÃO;

Salvamento Aquático – Conceitos;

Fases do Salvamento Aquático;

Tipos de Salvamento Aquático;

Tipos de Acidentes Na Água;

Classificação do Afogamento;

Equipamentos de Proteção Individual - EPI do Guarda-Vidas;

CONCLUSÃO.


T cnicas de salvamento aqu tico

APRESENTAÇÃO


T cnicas de salvamento aqu tico

APRESENTAÇÃO


T cnicas de salvamento aqu tico

OBJETIVO GERAL

Dotar o socorrista dos conhecimentos necessários à realização de Salvamento Aquático, empregando corretamente as habilidades, as técnicas, os equipamentos , dentro dos padrões mínimos de segurança.


T cnicas de salvamento aqu tico

OBJETIVOS ESPECÍFICOS

  • Identificar as fases, os tipos de salvamento aquático.

  • Conceituar os acidentes na água e o afogamento, de modo a estabelecer a diferença entre o tipo, o mecanismo e a gravidade do afogado;

  • Entender todo o processo fisiopatológico do afogamento, conforme o grau do afogado;

  • Executar os fundamentos da natação utilitária como base específica da prática das fases e dos tipos de salvamento aquático;


Afogamento

Afogamento

  • Éa asfixia gerada por aspiração de líquido de qualquer natureza que venha a inundar o aparelho respiratório. Haverá suspensão da troca ideal de oxigênio e gás carbônico pelo organismo. Os sintomas: em um quadro geral pode haver hipotermia , náuseas, vômito, distensão abdominal, tremores , cefaléia, mal estar, cansaço, dores musculares. Em casos especiais pode haver apnéia (parada respiratória), ou ainda, uma parada cárdio-respiratória. 


T cnicas de salvamento aqu tico

INTRODUÇÃO

Você sabia?

  • Anualmente mais de 500.000 pessoas são vítimas fatais de afogamento.

  • Mais de 10 milhões de crianças entre 0 e 14 anos de idade são internadas e em média uma a cada 35 hospitalizadas chegam a óbito.

  • O sexo masculino morre 2 vezes mais que o feminino.

  • 2ª causa de morte nos países subdesenvolvido.

Fonte: Szpilman D. - ano 2000 - Dados elaborado com base na OMS


T cnicas de salvamento aqu tico

Vocêsabia?

no mundo

13.700 pessoas se afogam diariamente

10 pessoas se afogam e UMAMORRE a cada minuto.

Fonte: Szpilman D. - ano 2000 - Dados elaborado com base na OMS


T cnicas de salvamento aqu tico

Você sabia?

  • Na china e Austrália 1ª causa de morte entre 0 e 14 anos de idade.

  • Na faixa de 1 a 4 anos é a 2ª causa de morte no Brasil, EUA e África do Sul.

Fonte: Szpilman D. - ano 2000 - Dados elaborado com base na OMS


T cnicas de salvamento aqu tico

Você sabia?

  • No Brasil 8.000 pessoas morrem afogadas por ano .

  • 65% delas são crianças.

  • 21 pessoas morrem afogadas diariamente.

Fonte: Szpilman D. - ano 2001

Dados elaborados com base no DATASUS - Atestados de Óbitos


T cnicas de salvamento aqu tico

Você sabia?

  • No Brasil o afogamento é a segunda causa de morte entre 5 e 14 anos.

Fonte: Szpilman D. - ano 2001

Dados elaborados com base no DATASUS - Atestados de Óbitos


T cnicas de salvamento aqu tico

Estimativa Anual no Brasil

  • 260.000 Hospitalizações;

  • Mais de 1.300.000 resgates em praias, piscina, lagoas, rios e outros;

  • Mais de 600 corpos não encontrados.

Fonte: Szpilman D. - ano 2001

Dados elaborados com base no DATASUS - Atestados de Óbitos


T cnicas de salvamento aqu tico

SALVAMENTO AQUÁTICO

Conceito: É todo e qualquer salvamento realizado no meio líquido (lagos, rios, mares, piscinas, açudes, etc.), efetuado ou não por especialistas, com ou sem o apoio de equipamentos específicos.


T cnicas de salvamento aqu tico

PREVENÇÃO EM AFOGAMENTO

Embora prevenir não possa aparentemente transparecer a população como ato “heroico” são alicerces de redução da mortalidade no meio liquido.


T cnicas de salvamento aqu tico

FASES DO SALVAMENTO AQUÁTICO


T cnicas de salvamento aqu tico

  • Aviso ou Observação;

  • Aproximação;

  • Abordagem;

  • Reboque (Resgate);

  • Transporte;

  • Reanimação (APH).


T cnicas de salvamento aqu tico

AVISO OU OBSERVAÇÃO

Solicitação para emprego do guarda-vidas ou quaisquer meio de salvamento aquático, sendo realizada pessoalmente ou através de um meio de comunicação (rádio, bandeirolas, apitos, entre outros), ou ainda pela própria observação por parte do guarda-vidas.


T cnicas de salvamento aqu tico

APROXIMAÇÃO

É o deslocamento do guarda-vidas e/ou outros meios de Salvamento Aquático. Pode ser feita através do meio aquático, terrestre ou aéreo. Na etapa de terra, o guarda-vidas, fará um deslocamento a pé (corrida anaeróbica), inclusive parte dele dentro da água utilizando a técnica do sobrepasso ou da corrida do pato (até a altura dos joelhos), onde passará a realizar “golfinhadas” iniciando a etapa de água, como forma de melhor ultrapassar as ondas (até a altura do peito), a partir de quando inicia o nado de aproximação, uma espécie de nado “crawl” onde o G.V. se desloca com a cabeça fora da água para não perder a vítima de seu campo de visão.


T cnicas de salvamento aqu tico

APROXIMAÇÃO

CORRIDA DE APROXIMAÇÃO NA AREIA

CORRIDA DE APROXIMAÇÃO NA ÁGUA

GOLFINHADAS

NADO DE APROXIMAÇÃO


T cnicas de salvamento aqu tico

ABORDAGEM

É o contato do guarda-vidas e/ou dos meios de Salvamento Aquático com a vítima. Na abordagem o guarda-vidas deve tranquilizar a vítima e ter o cuidado de não permitir que a mesma surpreenda agarrando-o, para tanto o mesmo deverá usar a técnica do nado submerso e abordar a vítima pelas costas ou girando pelas pernas. Em alguns casos, a vítima na ânsia de sobreviver, consegue agarrar-se ao guarda-vidas, para estes casos, o mesmo deverá dominar as técnicas de desvecilhamento, que consiste em manobras utilizadas para “livrar-se” das vítimas, com objetivo de realizar a abordagem da maneira mais adequada à situação.


T cnicas de salvamento aqu tico

ABORDAGEM

INICIO DA ABORDAGEM

MERGULHO

ROTAÇÃO 1

ROTAÇÃO 2

TOMADA DE POSIÇÃO

FINAL DA ABORDAGEM


T cnicas de salvamento aqu tico

REBOQUE

É a retirada da vítima do meio líquido, esta retirada pode ser realizada pelo próprio guarda-vidas, com ou sem os meios de Salvamento Aquático. Durante esta fase, o guarda-vidas deve atentar para fazer a avaliação das condições gerais mais perceptíveis da vítima, bem como procurar acalmá-la, se for o caso, de modo a facilitar e agilizar as fases seguintes. Vale ressaltar, que havendo condições, pode ser dado início ao atendimento à vítima já nesta fase.


T cnicas de salvamento aqu tico

REBOQUE


T cnicas de salvamento aqu tico

TRANSPORTE

É o deslocamento da vítima, após a retirada do meio líquido, até um local seguro. Quando houver necessidade, o transporte poderá ser efetuado até o local de primeiro atendimento médico. Normalmente o transporte é feito até um local seco, com boa ventilação e fácil acesso, para que o G.V. possa realizar a próxima fase com segurança, bem como, os veículos possam fazer o deslocamento a um centro especializado em atendimento à vítima de acidentes no meio líquido.


T cnicas de salvamento aqu tico

TRANSPORTE

TRANSPORTE UTILIZANDO DOIS GUARDA-VIDAS

TRANSPORTE UTILIZANDO UM GUARDA-VIDAS


T cnicas de salvamento aqu tico

TRANSPORTE

TRANSPORTE UTILIZANDO UM GUARDA-VIDAS MÉTODO NÃO MAIS UTILIZADO


T cnicas de salvamento aqu tico

REANIMAÇÃO - APH

É a fase onde são empregadas as técnicas de primeiros socorros (avaliação primária e secundária) aplicadas aos casos de acidentes em meio líquido, as quais podem ser desenvolvidas pelo socorristas, visando o restabelecimento das condições normais da vítima. Tais procedimentos podem variar desde uma orientação, até a manobras de reanimação cardiorrespiratória (RCP). Paralelo ao atendimento de primeiros socorros propriamente dito, vale ressaltar que todo acidente deve ser devidamente registrado, independentemente de sua gravidade.


T cnicas de salvamento aqu tico

REANIMAÇÃO - APH


T cnicas de salvamento aqu tico

TIPOS DE SALVAMENTO

  • Salvamento Simples;

  • Salvamento com Equipamento;


T cnicas de salvamento aqu tico

SALVAMENTO SIMPLES

É aquele caracterizado pela ação de um ou mais guarda-vidas, sem a utilização de equipamentos de proteção individual, de flutuação ou de tração, no resgate da vítima. O único equipamento que o guarda-vidas faz uso neste tipo de salvamento, é a nadadeira, que entende-se como um prolongamento do corpo do guarda-vidas.


T cnicas de salvamento aqu tico

SALVAMENTO COM EQUIPAMENTO

É aquele caracterizado pela ação de um ou mais guarda-vidas, com a utilização de equipamentos de proteção individual, de flutuação ou de tração, para auxiliá-lo no resgate da vítima. Destacamos entre esses equipamentos, as pranchas, as bóias, os tubos de salvamento (flutuação) e os cabos (tração).


T cnicas de salvamento aqu tico

SALVAMENTO COM EQUIPAMENTO

PRANCHAS


T cnicas de salvamento aqu tico

SALVAMENTO COM EQUIPAMENTO

RESCUE-TUBE


T cnicas de salvamento aqu tico

SALVAMENTO COM EQUIPAMENTO

CORDAS


T cnicas de salvamento aqu tico

  • Tipo de acidentes na água

  • Síndrome de Imersão;

  • Hipotermia;

  • Afogamento.


T cnicas de salvamento aqu tico

  • TIPOS DE ACIDENTES NA ÁGUA

Síndrome de Imersão

Também conhecida como hidrocussão ou ainda choque térmico, possui origem bastante discutida. A maioria das correntes de pensamento explica que é o resultado de uma arritmia cardíaca resultante da exposição do corpo a água fria, podendo evoluir a um quadro de parada cardiorrespiratória. Sua maior característica é a forma imediata de manifestação, ou seja, a vítima apresenta os sinais e sintomas segundos após ser exposta à água fria.


T cnicas de salvamento aqu tico

Hipotermia

Exposição da vítima à água fria. Observa-se uma redução gradual da temperatura do corpo o que pode causar, da mesma forma que a hidrocussão, uma arritmia cardíaca com posterior parada. Ao contrário da síndrome de imersão, a hipotermia é um processo lento, mas seu mecanismo é muito parecido.

  • TIPOS DE ACIDENTES NA ÁGUA


T cnicas de salvamento aqu tico

  • TIPOS DE ACIDENTES NA ÁGUA

Afogamento

  • Éa asfixia gerada por aspiração de líquido de qualquer natureza que venha a inundar o aparelho respiratório. Haverá suspensão da troca ideal de oxigênio e gás carbônico pelo organismo. Os sintomas: em um quadro geral pode haver hipotermia, náuseas, vômito, distensão abdominal, tremores , cefaléia, mal estar, cansaço, dores musculares. Em casos especiais pode haver apnéia (parada respiratória), ou ainda, uma parada cárdio-respiratória. 


T cnicas de salvamento aqu tico

  • CLASSIFICAÇÃO DO AFOGAMENTO

  • Podemos classificar o afogamento de três formas, cada forma com suas peculiaridades:

  • Quanto ao tipo de água;

  • Quanto a causa do afogamento;

  • Quanto a gravidade do afogamento.


T cnicas de salvamento aqu tico

Classificação do Afogamento

Quanto ao tipo de água: O afogamento pode ocorrer tanto na água doce (rios, lagos, piscina, açudes, entre outros), como na água salgada que é o caso do mar.

Quanto a causa do afogamento: Quanto a sua causa, o afogamento pode ser dividido em dois grupos: Primários e Secundários.

  • Quanto a gravidade do afogamento: Quanto a sua gravidade, o afogamento pode ser dividido em 6 graus, que vai desde o mais leve ao mais grave.

  • .


T cnicas de salvamento aqu tico

Quanto ao Tipo de Água

Afogamento em Água Doce:

Por a água doce ser menos densa que o sangue, pode ocorrer aumento das hemácias; causando fibrilação ventricular, tipo de PCR muito difícil de reanimar apenas com RCP.

  • Afogamento em Água Salgada:

  • Por a água salgada ser mais densa que o sangue pode ocorrer desidratação das hemácias, ocorrendo PCR por esgotamento muscular do miocárdio; mais chance de reanimação por RCP.


T cnicas de salvamento aqu tico

Causas do Afogamento

Afogamento Primário

Quando é impossível identificar alguma causa de ordem alheia a vontade da vítima, que tenha interferido ou dificultado a mesma manter-se na superfície da água, ou seja, não se pode dizer o que fez a vítima submergir. Nestes casos, a única explicação possível, será um cansaço físico, motivado apenas pela atividade na água.


T cnicas de salvamento aqu tico

Causas do Afogamento

Afogamento Secundário

Quando algum fator impediu que a vítima pudesse se manter na superfície da água. Estes fatores podem ser de diversas naturezas, como o uso de álcool, drogas, ataques epilépticos, ataques cardíacos, choque térmico, hipotermia, ou ainda acidentes de mergulho, acidentes com animais marinhos, como os tubarões, barracudas, moréias, água-vivas, caravelas, entre outros.


T cnicas de salvamento aqu tico

Gravidade do Afogamento

Afogamento Grau I (Leve)

É representado pelas vítimas que aspiram quantidade mínima de água, suficiente para produzir tosse. A ausculta pulmonar é normal. Seu aspecto geral é bom, geralmente encontram-se lúcidas, porém podem estar agitadas ou sonolentas.


T cnicas de salvamento aqu tico

Gravidade do Afogamento

Afogamento Grau II (Moderado)

É representado pelas vítimas que aspiram uma pequena quantidade de água e apresenta sibilos (chiados no peito) ou roncos, suficiente para alterar a troca gasosa a nível alveolar. Apresentam-se lúcidas agitadas ou desorientadas, podendo apresentar sinais de cianose de lábios e dedos, indicando comprometimento respiratório e alterações cardiovasculares leves, com freqüência cardíaca e respiratória aumentada.


T cnicas de salvamento aqu tico

Gravidade do Afogamento

Afogamento Grau III (Grave)

Neste grupo, as vítimas tem aspirado grande quantidade de água apresentando deficiência respiratória, com dispnéia (irregular) intensa, cianose de mucosas e extremidade e secreção oral e nasal em forma de espuma. Podem apresentar vômito, os quais podem vir a agravar o caso, se forem aspirados. Por gravidade, necessitam de atendimento médico especializado imediato grau hospitalar.


T cnicas de salvamento aqu tico

Gravidade do Afogamento

Afogamento Grau IV (Gravíssimo)

Possui as mesmas características do afogamento grau III, no entanto neste grau, a vítima encontra-se inconsciente, ou seja, já apresenta um quadro de leve coma além de hipotensão arterial .

O atendimento de uma vítima grau IV não difere do anteriormente descrito para o grau III.


T cnicas de salvamento aqu tico

Gravidade do Afogamento

Afogamento Grau V (PR)

Nestes casos, a vítima se apresenta com parada respiratória, mas pulso arterial presente, ainda que fraco. Encontra-se em coma leve a profundo, cianótico, com grande quantidade de secreção oral e nasal e distensão abdominal freqüente.


T cnicas de salvamento aqu tico

Gravidade do Afogamento

Afogamento VI (PCR)

Este grau de afogamento, é caracterizado pela parada cardiorrespiratória, ou seja, falência das funções cardíacas e pulmonares. Todas as demais características do grau V são neste grau encontradas.


T cnicas de salvamento aqu tico

NA HORA DO SALVAMENTO O GUARDA-VIDAS DEVE AVALIAR

  • As condições do local;

  • As condições da(s) vítima(s);

  • O equipamento para o SALVAMENTO;

  • A disponibilidade/habilidade dos recursos humano para o salvamento.


T cnicas de salvamento aqu tico

Futuro Afogado

  • FORA D’ÁGUA:

  • Pessoas nos extremos de idade;

  • Pessoas obesas ou com aparência de cansado;

  • Turistas, imigrantes ou estranhos ao ambiente;

  • Roupas inadequadas;

  • Alcoolizado;

  • Estranhos comportamento desequilíbrio mental .


T cnicas de salvamento aqu tico

Futuro Afogado

  • DENTRO D’AGUA:

  • Eufórico na água com brincadeira espalhafatosa;

  • Que escolhe a vala para se banhar;

  • Que não olha as placas de sinalização;

  • Com estilo de natação errado;


T cnicas de salvamento aqu tico

  • EPI´s do Guarda-Vidas

  • Óculos de sol com proteção UVA e UVB;

  • Protetor Solar fator 50;

  • Apito;

  • Camisa de manga longa e cobertura;

  • Guarda Sol grande;

  • Postos fixos e móveis de GV.


T cnicas de salvamento aqu tico

  • EPI´s do Guarda-Vidas


T cnicas de salvamento aqu tico

“Nunca exija o máximo dos outros, senão pode dar o mínimo de si.”

VIDAS ALHEIAS RIQUEZAS SALVAR!!!


  • Login