slide1
Download
Skip this Video
Download Presentation
AVALIAÇÃO – PRINCIPAIS DEFINIÇÕES

Loading in 2 Seconds...

play fullscreen
1 / 19

AVALIAÇÃO – PRINCIPAIS DEFINIÇÕES - PowerPoint PPT Presentation


  • 65 Views
  • Uploaded on

AVALIAÇÃO – PRINCIPAIS DEFINIÇÕES. É a determinação do esforço, mérito ou valor de algo. (Joint Committee on Standards , 1994; Scriven, 1991); É a aplicação sistemática de métodos e técnicas oriundas da pesquisa social para aferir programas de intervenção social (Rossi & Freeman, 2004);

loader
I am the owner, or an agent authorized to act on behalf of the owner, of the copyrighted work described.
capcha
Download Presentation

PowerPoint Slideshow about ' AVALIAÇÃO – PRINCIPAIS DEFINIÇÕES' - taipa


An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript
slide1

AVALIAÇÃO – PRINCIPAIS DEFINIÇÕES

  • É a determinação do esforço, mérito ou valor de algo. (Joint Committee on Standards , 1994; Scriven, 1991);
  • É a aplicação sistemática de métodos e técnicas oriundas da pesquisa social para aferir programas de intervenção social (Rossi & Freeman, 2004);
  • É a coleta sistemática de informações sobre as atividades, características e produtos dos programas para fazer julgamentos sobre o programa, melhorar a efetividade do mesmo e ou informar decisões sobre futuras programações (Patton, 1997);
  • É o julgamento que se faz sobre uma intervenção ou sobre qualquer dos seus componentes com o objetivo de auxiliar na tomada de decisões. (Contandriopoulos , 2000).

(Vieira da Silva, 2005)

avalia o quatro gera es
Avaliação: quatro gerações
  • Primeira geração: “medir” os fenômenos da realidade, atributos da avaliação.
  • Segunda geração: perspectiva mais ampliada, permite avançar da medição para a descrição dos objetos avaliados, bem como dos fatores que os condiciona e determina.
  • Terceira geração: inclui além da descrição, a noção de julgamento como função primordial da avaliação. Por último;
  • Quarta geração: consiste na integração de diferentes perspectivas do processo de avaliar, articulando portanto, distintos atores envolvidos na produção do fenômeno a ser avaliado.

Tanaka & Melo (2004)

uma abordagem construtivista
Uma abordagem construtivista
  • Gradual “substituição” dos sujeitos responsáveis pela avaliação de um especialista, na maioria das vezes na condição de externo à instituição, pela inclusão das diferentes perspectivas trazidas pelos diversos atores envolvidos com o objeto da avaliação em questão.
  • Permite uma abordagem participativa na definição do escopo do que se pretende avaliar, das ferramentas necessárias e dos parâmetros a serem empregados.

Tanaka & Melo (2004)

concep o adotada no planejasus
Concepção adotada no PlanejaSUS

Processo permanente destinado, principalmente, a manter sob controle a execução do Plano de saúde em direção aos objetivos propostos.

  • Não se esgota na avaliação dos resultados alcançados em um determinado momento.
  • É uma atividade contínua , inerente e necessária ao exercício da função gerencial e para a qual podem ser utilizados distintos mecanismos e procedimentos.
monitoramento avalia o
Monitoramento & Avaliação
  • Monitoramento: análise continuada dos sistemas de informação, acompanhando procedimentos, produtos e situações de saúde.
  • Avaliação: utiliza informações complementares e focaliza o impacto das mudanças pretendidas.
  • Em algumas circunstâncias o monitoramento se resume ao registro contínuo de variáveis ao longo do tempo se superpõe à montagem de um sistema de informação.
  • (Hartz, 2006)
em s ntese
Em síntese
  • O monitoramento busca alcançar as metas enquanto a avaliação julga se as metas e objetivos foram alcançados.
  • Ambos os processos são ferramentas valiosas para os sistemas de saúde.
slide7

OBJETIVOS DESEJADOS E POSSÍVEIS

  • Auxiliar no processo de planejamento e tomada de decisão;
  • Aperfeiçoar o programa;
  • Prestar contas à sociedade;
  • Contribuir para com o desenvolvimento do conhecimento;

(Vieira da Silva, 2005)

slide9

Principais atributos para avaliação em saúde

  • Relacionados com a adequação das ações aos objetivos e problemas de saúde: direcionalidade e consistência (análise estratégica);
  • Relacionados com a disponibilidade e distribuição social dos recursos:
    • Cobertura
    • Acessibilidade
    • Equidade
    • (Vieira da Silva, 2005)
slide10

Relacionados com o efeito das ações:

    • a) eficácia
    • b) efetividade
    • c) impacto
  • Relacionados com os custos das ações:
  • eficiência
  • Relacionados com a a adequação das ações ao conhecimento técnico e científico vigente:
  • qualidade técnico-científica
  • (Vieira da Silva, 2005)
slide11

Relacionados com o processo de implantação das

  • ações
  • a) avaliação do grau de implantação e (ou) avaliação de processo.
  • b) análise de implantação - Estudos que investigam as relações entre o grau de implantação, o contexto e os feitos das ações:
slide12

Características relacionais entre os agentes das

  • ações:
  • a) usuário x profissional (percepção dos usuários sobre as práticas, satisfação dos usuários, aceitabilidade, acolhimento, respeito a privacidade e outros direitos cidadãos);
  • b) profissional x profissional (relações de trabalho e no trabalho)
  • c) gestor x profissonal (relações sindicais e de gestão)
slide13

AVALIAÇÃO - ABORDAGENS (Donabedian)

  • Estrutura:
    • recursos materiais
    • recursos humanos
    • características organizacionais
  • Processos - atividades constitutivas do cuidado à saúde.
  • Resultados:
    • produtos
    • modificações no estado de saúde
    • satisfação do usuário
slide14

INSTITUCIONALIZAÇÃO DA AVALIAÇÃO

Institucionalização: incorporação da avaliação à rotina dos serviços

  • Necessidade do fortalecimento e/ou desenvolvimento de capacidade técnica, nas diversas esferas do sistema de saúde:
  • Ações de monitoramento e avaliação como subsidiárias ou intrínsecas ao planejamento e à gestão;
  • Instrumento de suporte à formulação de políticas, ao processo decisório e de formação dos sujeitos envolvidos (gestores, usuários do sistema de saúde e profissionais dos serviços e das instituições de ensino e pesquisa)
slide16

A avaliação de políticas e programas de saúde deve contemplar ampla participação e o uso de múltiplos focos e métodos, permitindo que a visão de diferentes grupos seja considerada no objeto de estudo

AVALIAÇÃO

Para Hartz (2002):

[...] Institucionalizar a avaliação tem o sentido de integrá-la em um sistema organizacional no qual esta seja capaz de influenciar o seu comportamento, ou seja, um modelo orientado para a ação ligando necessariamente as atividades analíticas às de gestão.

investindo na institucionaliza o
Investindo na institucionalização
  • Objetivo: Transformar a avaliação num processo contínuo e ágil.
  • Durante todo o período de execução do Plano os procedimentos de avaliação podem alimentar a trajetória estratégica definida, indicando as mudanças de rumo que se fazem necessárias para atingir os resultados esperados.
  • Ferramentas:
  • Relatórios Anuais de Gestão: produto da avaliação processual
  • Documento de avaliação final do Plano
iniciativas e processos
INICIATIVAS E PROCESSOS
  • Aprimoramento do Sistema Nacional de informação em saúde superando os limites atuais e transformando-o numa ferramenta que subsidie os processos de monitoramento e avaliação;
  • Dinamização do Pacto Pela Saúde e outros como instrumento de mobilização, de negociação política mas, efetivamente, como elemento norteador da formulação das políticas setoriais e da programação das ações;
  • Divulgação de forma ampla dos estudos e pesquisas no campo da saúde proporcionando o acesso de gestores, profissionais dos serviços de saúde e docentes, pesquisadores e estudantes das instituições de ensino e pesquisa;
slide19

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

  • Silva, L. M. V. Material didático (slides) elaborado para o projeto de Monitoramento e Avaliação da Atenção Básica. MS, 2005.
  • Silva, L. M. V. & Formigli, V. L. A. Avaliação em Saúde: Limites e Perspectivas . Cad. Saúde Públ., Rio de Janeiro, 10(1): 80-91, Jan/Mar, 1994.
  • Felisberto, E. Monitoramento e Avaliação na atenção Básica: Novos horizontes. Revista Brasileira de Saúde da Família, Ano V, n. 7, edição especial, jan. 2003 a abri. 2004, p. 24 a 29.
  • Tanaka e Melo, ???
ad