Planeamento do treino
This presentation is the property of its rightful owner.
Sponsored Links
1 / 35

Planeamento do Treino PowerPoint PPT Presentation


  • 96 Views
  • Uploaded on
  • Presentation posted in: General

Planeamento do Treino. Ciências do Desporto Teoria e Metodologia do Treino Desportivo. Francisco Alves. Faculdade de Motricidade Humana. Carga e adaptação. Estímulo. Fadiga. Recuperação. Super compensação. Destreino. Carga de treino - fadiga - adaptação - supercompensação.

Download Presentation

Planeamento do Treino

An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Presentation Transcript


Planeamento do treino

Planeamento do Treino

Ciências do Desporto

Teoria e Metodologia do Treino Desportivo

Francisco Alves

Faculdade de Motricidade Humana


Carga e adapta o

Carga e adaptação

Estímulo

Fadiga

Recuperação

Super

compensação

Destreino


Carga de treino fadiga adapta o supercompensa o

Carga de treino - fadiga - adaptação - supercompensação


Periodiza o sobressolicita o sobretreino

Periodização – sobressolicitação - sobretreino


Continuum da estimula o pelo treino

“Continuum” da estimulação pelo treino

Destreino

Manutenção

Efeito do treino

Desenvolvimento

Sobretreino

Armstrong (1998)


Estados de fadiga em treino

Zona desenvolvimento do desempenho em treino e na competição

Carga

moderada

Sobrecarga

Sobressolicitação

Sobretreino

Distúrbios na adaptação

Decréscimo no desempenho

Síndrome sobretreino

Adaptações fisiológicas menores

Ausência de alteração no desempenho

Adaptações fisiológicas positivas

Alterações menores no desempenho

Adaptações fisiológicas óptimas

Alterações óptimas no desempenho

Crise de adaptação

Estados de fadiga em treino

Armstrong & VanHeest (2002)


Sobressolicita o

Sobressolicitação

“Overreaching”

Situação de fadiga permanente mas de duração limitada, de alguns dias a duas semanas, associada provavelmente com níveis insuficientes de recuperação muscular, depleção local de glicogénio e fosfatos de alta energia

  • Redução da capacidade de desempenho do atleta, mesmo em treino

  • Alterações visíveis no comportamento, atitudes e estados de espírito do atleta

(Kentta & Hassmen, 1998).


Sobressolicita o1

Sobressolicitação

“Overreaching”

É reversível após um curto período de recuperação activa de 1 a 2 semanas

Pode conduzir a uma estado de supercompensação

(Kentta & Hassmen, 1998)


Dura o da recupera o dos 5 estadios da fadiga

Duração da recuperação dos 5 estadios da fadiga

1. Stressdo treino< 24 hrs

2. Fadiga local 3-5 dias *

3. Sobrecarga funcional5-7 dias

4. Sobressolicitação 10-14 dias

5. Sobretreino> 28 dias

*dores musculares, 24-48 hrs

Smith, 1999

(Smith, 1999)


Sobretreino

Sobretreino

Síndrome do sobretreino é

um distúrbio neuroendócrino (hipotálamo-hipofisário) resultante do desequilíbrio entre as exigências do exercício e a capacidade funcional, levando a uma diminuição do desempenho

um estado crónico de diminuição do desempenho acompanhado de sinais e sintomas mais graves


Planeamento do treino

Planeamento do Treino

I. O estudo prévio


Planeamento do treino

Planeamento do Treino

II. Definição de Objectivos


Planeamento do treino

Planeamento do Treino

II. Definição de Objectivos


Planeamento do treino

Planeamento do Treino

II. Definição de Objectivos


Planeamento do treino

Planeamento do Treino

III. Calendário Competitivo

Base concreta da forma final assumida pela definição das estruturas intermédias da periodização.


Planeamento do treino

Planeamento do Treino

Hierarquização

  • Especificidade da preparação prévia

  • Grau de redução da carga

  • Carga emocional envolvida

 Competições principais

 Competições importantes

 Competições preparatórias


Planeamento do treino

Planeamento do Treino

  • Estrutura do calendário competitivo:

    • Calendarização distribuída ou cíclica

      • Ideal: 1 competição principal cada 2 semanas ou alternância semanal entre 1 competição principal e 1 competição preparatória.

    • Calendarização condensada ou agrupada

      • Ideal: 2 ou mais períodos de 2-3 competições principais alternando com períodos de 3-5 semanas sem competição ou com competições preparatórias

PFD

OFD


Planeamento do treino

Planeamento do Treino

  • Estrutura do calendário competitivo – induz dois modelos básicos de organização das cargas e de manipulação da curva de forma, dificilmente compatíveis:

OFD – Optimização da forma desportiva. Implica procura de momentos de supercompensação integrada das características específicas do desempenho competitivo, após fases de carga elevada e fadiga acumulada, através de um período de recuperação (diminuição significativa das cargas) e preparação muito específica.

PFD – Prolongamento da forma desportiva. Implica a definição de níveis mínimos das componentes do estado de treino, que serão trabalhadas no sentido da sua manutenção por períodos prolongados de tempo – até 8 meses, nalguns casos extremos.


Planeamento do treino

Planeamento do Treino

IV. Periodização

1. Racionalização das Estruturas Intermédias

  • Correspondência com objectivos intermédios previamente definidos

  • Sequenciação – estabelecer uma ordem temporal lógica e comprovadamente eficaz

  • Temporização – atribuição da duração adequada a cada fase prevista


Planeamento do treino

Planeamento do Treino

Sequenciação

Efeito residual das cargas de treino

  • cargas de grande volume e de pequena intensidade têm um efeito de treino mais prolongado;

  • cargas de grande intensidade e de pequeno volume têm um efeito mais breve;

  • as aquisições que levam mais tempo a ser obtidas, mantêm-se durante mais tempo;

  • o decréscimo dos efeitos da adaptação da carga será tanto maior quanto menos consolidados estiverem os níveis de adaptação.


Periodiza o

Macrociclo

Mesociclo

Microciclo

Sessão

de

Treino

Periodização

Estruturas intermédias


Planeamento do treino

Planeamento do Treino

IV. Periodização

2. Selecção dos Meios de Intervenção

Para cada estrutura de periodização:

Definir processos de intervenção que melhor cumprem os objectivos

Levando em conta:

O seu grau de especificidade

O equilíbrio requerido entre preparação geral e preparação especial/específica


Planeamento do treino

V. Operacionalização

Execução

Avaliação

Planeamento do Treino

IV. Periodização

3. Distribuição das Cargas de Treino

Para cada estrutura de periodização:

Atribuição de valores referentes às componentes da carga de treino


Planeamento do treino

Periodização do Treino

Definição

Processo que organiza as estruturas intermédias, num quadro temporal bem definido, de modo a possibilitar, de modo óptimo, o cumprimento dos objectivos inerentes ao processo de treino desportivo.


Planeamento do treino

Macrociclo

  • Os macrociclos são períodos de preparação nos quais se concretiza um efeito específico ou uma adaptação do treino de modo a realizar um desempenho competitivo de relevo.

  • Culmina com uma competição ou com um período de competições que constitui o objectivo de desempenho fundamental para esse período.

  • Tem uma duração habitual de 12 a 20 semanas, ou seja, poderá haver 1 a 3 macrociclos num ano de treino

  • Alguns modelos de periodização podem chegar aos 7 macrociclos anuais, mas são pouco habituais.


Planeamento do treino

Macrociclo

O número de macrociclos que surgem num ano de treino ou numa época desportiva dá lugar à seguinte classificação:

Periodização Simples: 1 macrociclo / ano

Periodização Dupla: 2 macrociclos / ano

Periodização Tripla: 3 macrociclos /ano

Periodização Múltipla: > 3 macrociclos / ano


Macrociclo modelo cl ssico matveiev

Etapas

V

I

Meses

II

I

III

IV

V

VI

VII

VIII

IX

X

XI

XII

Geral

Especial

Taper

Períodos

P. Preparatório

P. Competitivo

P. Transição

Periodização simples

MacrocicloModelo clássico (Matveiev)


Macrociclo modelo cl ssico matveiev1

MacrocicloModelo clássico (Matveiev)

  • Pressupostos

    • O “pico “ de forma desportiva só pode ocorrer uma ou duas vezes por ano

    • Os “picos “ de forma desportiva têm uma duração limitada (2-3 semanas)

    • Existe um efeito retardado das cargas de treino - um ciclo inferior a 6 meses não pode constituir base para a renovação da forma desportiva


Macrociclo modelo cl ssico matveiev2

MacrocicloModelo clássico (Matveiev)

  • Evolução da dinâmica da carga

    • A carga deve aumentar:

      • gradualmente (em relação com o grau de preparação do atleta)

      • ciclicamente

      • primeiro o Volume, depois a Intensidade


Macrociclo modelo cl ssico matveiev3

MacrocicloModelo clássico (Matveiev)

  • Periodização

    • Período preparatório (tempo requerido para a aquisição da forma desportiva)

      • Geral

      • Especial ou específico

    • Período competitivo

      • Limitado pela duração possível de manutenção da forma desportiva

      • Dependente da estrutura do calendário desportivo

    • Período de transição (perda temporária da forma desportiva)


Prepara o geral prepara o especial espec fica

Preparação Geral – Preparação Especial/Específica


Planeamento do treino

Planeamento do Treino

Modelo “clássico” – periodização tripla


Planeamento do treino

Adaptação do modelo clássico para a periodização do atleta jovem

(Wathen et al., 2000)


Planeamento do treino

Adaptação do modelo clássico para a periodização de atletas de Alto Rendimento

(Wathen et al., 2000)


Planeamento do treino

Macrociclo Corrida 400m

Exemplo - Periodização Simples


  • Login