Instala es t cnicas e equipamento de uso final em edif cios
This presentation is the property of its rightful owner.
Sponsored Links
1 / 59

Instalações técnicas e equipamento de uso final em edifícios PowerPoint PPT Presentation


  • 50 Views
  • Uploaded on
  • Presentation posted in: General

Instalações técnicas e equipamento de uso final em edifícios. Serviço de Energia Eléctrica. Noção de serviço de EE (perspectiva da oferta). Informação análise de consumos e aconselhamento medição de consumos facturação Serviços de uso final aconselhamento ou instalação. .

Download Presentation

Instalações técnicas e equipamento de uso final em edifícios

An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Presentation Transcript


Instala es t cnicas e equipamento de uso final em edif cios

Instalações técnicas e equipamento de uso final em edifícios


Servi o de energia el ctrica

Serviço de Energia Eléctrica


No o de servi o de ee perspectiva da oferta

Noção de serviço de EE(perspectiva da oferta)

  • Informação

    • análise de consumos e aconselhamento

    • medição de consumos

    • facturação

  • Serviços de uso final

    • aconselhamento

      ou

    • instalação

de equipamento específico


Servi os de energia em edif cios perspectiva do utilizador final

Serviços de energia em edifícios(perspectiva do utilizador final)

  • climatização

  • aquecimento de água

  • iluminação

  • transporte

  • refrigeração (frio alimentar)

  • lavagem

  • lazer

  • ...


N vel de servi o de energia

Nível de serviço de energia

Nível de serviço (NS):

  • função do consumo (Ec) e da eficiência energética ():

    Ec = NS / 


Transporte

Transporte


Ilumina o

Iluminação


Ilumina o defini es

Iluminação definições

  •  - Fluxo luminoso:em lumen -lm (d/dt)

  • I - Intensidade luminosa: em candela (d/dw)

  • E- Iluminância ou nível de iluminação: em lux (d/dS)

  •  - Eficiência: Lumen/Watt (/P)


Import ncia relativa dos consumos em ilumina o

Importância relativa dos consumos em iluminação

  • 32.8% - Edifícios de escritórios

  • 34,4% - Comércio

  • 20,2% - Hotéis

  • 17,0% - Hospitais

  • 22,4% - Escolas

  • 25% em edifícios em geral (como os edifícios representam 20% do global  5% do consumo global em energia)


Tipos de l mpadas incandescentes

Tipos de Lâmpadas - Incandescentes


L mpadas incandescentes influ ncia da tens o

Lâmpadas IncandescentesInfluência da tensão


L mpadas de descarga

Lâmpadas de descarga


Cfl compact flurescent lamp

CFL - Compact Flurescent Lamp


Caracter sticas das fontes luminosas

Características das fontes luminosas

São caracterizadas por quatro factores:

  • Aparência da cor

  • Índice de restituição de cor

  • Tempo de vida útil

  • Eficiência luminosa


Caracter sticas das l mpadas

Características das lâmpadas


Ilumina o de interior

Iluminação de Interior

Parâmetros a ter em conta:

  • Nível de iluminação adequado

  • Limite de encandeamento

  • Conforto visual

  • Facilidade de manutenção e de aprovisionamento

  • Baixo consumo de energia eléctrica

    Primeiros três aspectos psico-fisiológios; os dois últimos aspectos técnicos


N veis de ilumina o

Níveis de iluminação


Apar ncia da cor

Aparência da cor


Rela o entre temperatura de cor e n vel de ilumina o

Relação entre temperatura de cor e nível de iluminação


Ndice de restitui o de cor

Índice de restituição de cor


L mpadas de descarga1

Lâmpadas de descarga

  • Vapor de mercúrio (boa restituição de cores)

  • “Metal halide” (boa restituição de cores)

  • Vapor de sódio de alta pressão (reacendimento rápido)

  • Vapor de sódio baixa pressão (a mais eficiente mas luz monocromática amarela)

  • Tempos de arranque inicial e de reacendimento

    Mercúrio: 5 a 7 min e 3 a 6 min

    “Metal halide”: 3 a 5 min e 10 a 15 min

    Sódio de AP: 3 a 4 min e 1 min


Compara o da efici ncia luminosa

Comparação da eficiência luminosa


Compara o entre tipos diferentes

Comparação entre tipos diferentes


Influ ncia do envelhecimento

Influência do Envelhecimento


Armaduras

Armaduras


Exaust o de ar das armaduras

Exaustão de ar das armaduras


Recupera o de calor

Recuperação de calor


Compensa o do factor de pot ncia

Compensação do factor de potência


Balastros

Balastros

Eficiência depende das perdas (elevadas nas versões mais económicas):

  • no ferro

  • no cobre

    Versões de boa eficiência:

  • Balastros de baixo consumo

  • Balastros de baixas perdas (melhorias construtivas

  • Balastros electrónicos


Balastro electr nico

Balastro electrónico

Frequência elevada (> 20 kHz) aumenta:

  • Eficiência das lâmpadas

  • Duração das lâmpadas

    Permitem “diming” com controlo manual ou controlo automático (com informação de um foto-sensor) para aproveitamento da luz natural


Uso de balastro electr nico 2 l mpadas tl 26 mm

Uso de balastro electrónico (2 Lâmpadas TL  26 mm)


Deprecia o do fluxo luminoso

Depreciação do fluxo luminoso


Manuten o

Manutenção

Questões econó-

micas e funcionais.

Influência no projecto

e no controlo.


Manuten o substitui es

Manutenção - substituições

% de lâmpadas

sobreviventes

substituição

vantajosa

% de vida útil


Substitui o em grupo

Substituição em grupo

Reduz custo de manutenção e exploração:

  • Aumenta a eficiência e duração das armaduras

  • Representa uma percentagem fixa nos orçamentos de manutenção

  • Reduz custos de substituição

  • Reduz stocks

  • Reduz ao mínimo as perturbações do ritmo de trabalho


Medidas de racionaliza o de consumos

Medidas de racionalização de consumos

  • Utilizar ao máximo a luz natural

  • Desligar quando desnecessário

  • Reduzir níveis excessivos em áreas não laborais e de armazenamento

  • Rever os níveis actuais de iluminação / considerar a remoção de algumas fontes

  • Rever iluminação exterior

  • Utilização de luz local

  • Fazer manutenção (limpeza, substituição)

  • Fazer limpeza periódica das lâmpadas e armaduras


Medidas de racionaliza o de consumos1

Medidas de racionalização de consumos

  • Planear a substituição periódica

  • Usar revestimentos com coeficientes de reflexão adequados

  • Manter as superfícies limpas

  • Segregar adequadamente os circuitos

  • Substituição de tecnologias (lâmpadas)

  • Usos de balastros eficientes

  • Fazer recuperação de calor das armaduras


Climatiza o

Climatização


Sistemas activos de climatiza o

Sistemas activos de climatização

  • Proveniência de energia térmica por

    • queima directa de combustível fóssil

    • queima directa de biomassa

    • energia solar

    • utilização de electricidade


Sistemas activos de climatiza o1

Sistemas activos de climatização

Distribuição de energia térmica por insuflação / extracção directas de ar


Sistemas activos de climatiza o2

Sistemas activos de climatização

Distribuição de energia térmica por circulação de água por permutadores


Sistemas activos de climatiza o3

Sistemas activos de climatização

Exº:

sistema multizona com aquecimento e arrefecimento


Sistemas activos de climatiza o4

Sistemas activos de climatização

  • Algumas características

    • controlo de caudais por registos/válvulas de estrangulamento

    • ventiladores / bombas de velocidade constante

  • Opções

    • temperatura variável

    • volume de ar variável


Sistemas activos de climatiza o5

Sistemas activos de climatização

Ciclo de produção de frio por compressão de vapor


Sistemas activos de climatiza o6

Sistemas activos de climatização

  • Bomba de calor eléctrica

    • meios de permuta diversos


Sistemas activos de climatiza o7

Sistemas activos de climatização

Chiller de absorção


Sistemas activos de climatiza o8

Sistemas activos de climatização

Coeficiente de desempenho

COP = Et / Ec

Et - calor transferido

Ec - energia dispendida na transferência

variável com a temperatura no permutador exterior


Oportunidades de racionaliza o

Oportunidades de racionalização

  • Chillers

  • Calor de exaustão

  • Bombas e ventiladores

  • Modo de distribuição


Chillers

Chillers

Chillers

  • cargas parciais

  • set point

  • free cooling

  • arranque / paragem óptimos


Recupera o de calor1

Recuperação de calor

Heat pipe


Recupera o de calor2

Recuperação de calor

  • Permutador de placas

Roda de calor


Recupera o de calor3

Recuperação de calor

Interacção com os ganhos internos da iluminação.


Bombas e ventiladores

Bombas e ventiladores

  • Cargas parciais (adaptação à carga térmica)

    • potências variadas

    • plena carga

  • Controlo de velocidade variável


Armazenamento t rmico

Armazenamento térmico

Limitar encargos de potência e de energia

  • Climatização de aquecimento ambiente e aquecimento de água

    • termodinâmico

    • por efeito de Joule

  • Climatização de arrefecimento

    • termodinâmico


Armazenamento t rmico1

Armazenamento térmico

Exº:

Climatização de frio - opções


Compara o de diagramas

Comparação de Diagramas


  • Login