Pucrs fabio depbio zoologia dos invertebrados superiores 2 samir i cafrune turma 120
Download
1 / 21

PUCRS FaBio DepBio Zoologia dos Invertebrados Superiores 2 Samir I. Cafrune Turma: 120 - PowerPoint PPT Presentation


  • 146 Views
  • Uploaded on

PUCRS – FaBio – DepBio – Zoologia dos Invertebrados Superiores 2 Samir I. Cafrune Turma: 120. Strepsiptera Kirby, 1813. A ordem enigmática. Strepsiptera é uma ordem que compreende aproximadamente 600 espécies as quais tem deixado os entomólogos perplexos mais do que qualquer outro grupo.

loader
I am the owner, or an agent authorized to act on behalf of the owner, of the copyrighted work described.
capcha
Download Presentation

PowerPoint Slideshow about 'PUCRS FaBio DepBio Zoologia dos Invertebrados Superiores 2 Samir I. Cafrune Turma: 120' - neila


An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript
Pucrs fabio depbio zoologia dos invertebrados superiores 2 samir i cafrune turma 120 l.jpg

PUCRS – FaBio – DepBio – Zoologia dos Invertebrados Superiores 2Samir I. CafruneTurma: 120

StrepsipteraKirby, 1813


A ordem enigm tica l.jpg
A ordem enigmática Superiores 2

  • Strepsiptera é uma ordem que compreende aproximadamente 600 espécies as quais tem deixado os entomólogos perplexos mais do que qualquer outro grupo.

  • A extrema especialização morfológica das larvas, adultos e mesmo de seu genoma tem confundido esforços para identificar a ordem (Grimaldi & Engel, 2005).

  • O nome Strepsiptera significa asas torcidas. Do Grego Strepsi, torcido ptera, asa;


Aspectos morfol gicos diagn sticos l.jpg
Aspectos morfológicos diagnósticos Superiores 2

  • Os Strepsiptera machos se assemelham um pouco a besouros, têm olhos salientes e antenas frequentemente com processos alongados em alguns segmentos, as asas anteriores são reduzidas a estruturas claviformes que se assemelham aos alteres dos Díptera;

  • as asas posteriores são grandes e membranosas estas possuem forma de leque e tem nervação reduzida;

  • cabeça com antena flabeliforme variando entre 4-8 artículos (sensilhos);

  • olhos compostos, formados por omatídeos e separados por faixas de cutícula;

  • peças bucais mastigadoras;

  • Prótorax pequeno, Mesotórax suportando o par de asas anterior e o Metatórax grande e portando os principais músculos do vôo;

  • pernas anteriores e medianas não possuem trocanter, as pernas posteriores começam pelo trocanter, pois não tem coxa;

  • tarsos variam desde dímeros a pentâmeros, com ou sem garras;

  • abdome composto por 10 segmentos, o 9° urômero possui os órgãos


Slide4 l.jpg

Male of Superiores 2Xenos vesparum Rossius 1793, lateral view (SEM).


F mea l.jpg
Fêmea Superiores 2

  • A fêmea adulta, nas espécies em que estas são de vida livre, tem cabeça distinta, antenas simples com 4 ou 5 segmentos, peças bucais mastigadoras e olhos compostos;

  • Nas espécies em que as fêmeas adultas são parasitas, estas não possuem olhos, antenas e pernas, a segmentação do corpo é indistinta e a cabeça e o tórax fundidos;

  • As larvas são chamadas de Triungulinos e possuem olhos e pernas bem desenvolvidas


Aspectos biol gicos comportamentais l.jpg
Aspectos Biológicos Comportamentais Superiores 2

  • São cosmopolitas;

  • o ciclo de vida das formas nas qual a fêmea adulta é parasita é bastante complexo e envolve hipermetamorfose (ínstares com tipos morfológicos distintos);

  • o macho, ao emergir, procura uma fêmea, a qual nunca deixa o hospedeiro, e com ela copula;

  • A fêmea produz grande número, até vários milhares de pequeninas larvas (de 1000 a 750.000 larvas Grimaldi & Engel, 2005);

  • estas escapam de seu corpo e do corpo do hospedeiro, indo para o solo e para a vegetação. Localizam um hospedeiro e nele penetram;

  • a larva transforma-se em um estágio vermiforme ápodo que se alimenta na cavidade do corpo do hospedeiro. Após várias mudas, empupa dentro da ultima pele larval;

  • o macho, ao emergir, deixa o hospedeiro e voa;

  • a fêmea permanece no hospedeiro, com a parte anterior do corpo protraído entre os segmentos abdominais do hospedeiro; após produzir os jovens morre;


Hospedeiros l.jpg
Hospedeiros Superiores 2

  • Várias espécies de Orthoptera, Hemíptera, Homóptera, Hymenoptera e Thysanura servem de hospedeiro para os Strepsiptera (podem invadir hospedeiros em 34 famílias e em 7 ordens Grimaldi & Engel, 2005);

  • O hospedeiro nem sempre morre, mas pode ser prejudicado; a forma ou a cor do abdome podem mudar ou os órgãos genitais podem ser lesados. No desenvolvimento, o macho de Strepsiptero causa mais danos ao hospedeiro que a fêmea;


Reprodu o l.jpg
Reprodução Superiores 2

  • Na reprodução o macho que é ótimo voador procura à fêmea no hospedeiro, onde ocorre a cópula;

  • A fertilização ocorre com a introdução do pênis na abertura do cefalotórax da fêmea, onde deposita o conteúdo espermático;

  • As glândulas de Nassonow, no cefalotórax, produzem o ferormônio que atrai os machos.


Slide14 l.jpg

. Superiores 2

Photograph by: Chris Tipping, University of Florida



Aspectos de import ncia para o homem l.jpg
Aspectos de Importância para o Homem Superiores 2

  • Provavelmente os Strepsiptera exercem um controle nos níveis de população de seus hospedeiros sendo que alguns destes são considerados peste. Alguns exemplos destes hospedeiros são: Nilaparvata lugens e Sogattella furcifera (Hemíptera: Delphacidae) e Nephotettix sp. (Hemíptera: Cicadellidae), que são vetores do vírus que causa doenças no arroz, no sul e leste da Ásia.


Classifica o e diagnose l.jpg
Classificação e Diagnose Superiores 2

  • Alguns pesquisadores têm incluído esta ordem em Coleoptera, como família Stylopidae, devido ao fato de as asas anteriores serem semelhantes a élitros e as veias das asas posteriores serem reduzidas. Outros pesquisadores os consideram uma ordem independente, devido à presença da região anal muito expandida na asa e escutelo e pós escutelo do metatórax muito alargados, o que não ocorre em Coleóptera (Buzzi & Miyazaki, 1999);

  • Porém existem também autores que consideram as asas anteriores estruturas claviformes que se assemelham aos alteres dos Díptera (Borror & DeLong, 1969);

  • Na família Mengeidae, os adultos são de vida livre encontrados sobre pedras e os estágios imaturos parasitam Thysanura (Borror & DeLong, 1969). Possuem tarsos pentâmeros com duas garras (Buzzi & Miyazaki, 1999). Nos Miyrmecolacidae, os machos parasitam formigas e as fêmeas, insetos ortopteróides (Borror & DeLong, 1969). Possuem antenas com sete antenômeros, sendo o quarto muito curto (Buzzi & Miyazaki, 1999). Os Callipharixenidae parasitam hemípteros. A família Stylopidae é a maior da ordem e seus membros parasitam abelhas, mas alguns atacam vespas (Borror & DeLong, 1969). Possuem antenas com quatro a seis artículos, sendo o terceiro flambelado lateralmente (Buzzi & Miyazaki, 1999).


Slide18 l.jpg

  • REINO Superiores 2 Animália

  • FILO Arthopoda

  • CLASSE Insecta

  • ORDEM Strepsiptera

  • SUBORDEM Mengenillidia

  • Mengenillidae

  • Mengeidae

  • SUBORDEM Stylopidia

  • Corioxenidae

  • Bohartillidae

  • Halictophagidae

  • Myrmecolacidae

  • Callipharixenidae

  • Elenchidae

  • Stylopidae

  • (KATHIRITHAMBY,1991).


Refer ncias bibliogr ficas l.jpg
Referências Bibliográficas Superiores 2

  • BORROR, D.J. & DELONG, D.M. 1969. Introdução ao Estudo dos Insetos. São Paulo, Edgard Blücher, 653p..

  • BUZZI, Zundir J.; MIYAZAKI, Rosina D. 1999. Entomologia Didática. 3ª ed. Curitiba: Editora da UFPR. 306p.

  • GRIMALDI, D. & ENGEL, M.S. 2005. Evolution of the Insects. Cambridge, Cambridge University Press, 755p.

  • KATHIRITHAMBY, J. 1991. Strepsiptera. In: MACKERRAS, M. I. The Insects of Australia. 2ª ed. 2v. Melbourne University Press. P 685-695


Slide21 l.jpg

“Se os humanos e os demais vertebrados deixassem de existir o planeta continuaria muito bem obrigado, mas se os insetos e demais invertebrados sumissem o sistema todo entraria em colapso”


ad