influ ncia social
Download
Skip this Video
Download Presentation
Influência Social

Loading in 2 Seconds...

play fullscreen
1 / 18

Influ ncia Social - PowerPoint PPT Presentation


  • 192 Views
  • Uploaded on

Influência Social. Influência Social. A Psicologia Social é “uma tentativa para compreender e explicar como o pensamento, o sentimento e o comportamento dos indivíduos são influenciados pela presença real, imaginada ou implícita de outras pessoas ”. Allport , 1954. Influência Social.

loader
I am the owner, or an agent authorized to act on behalf of the owner, of the copyrighted work described.
capcha
Download Presentation

PowerPoint Slideshow about 'Influ ncia Social' - moanna


An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript
influ ncia social2
Influência Social
  • A Psicologia Social é “uma tentativa para compreender e explicar como o pensamento, o sentimento e o comportamento dos indivíduos são influenciados pela presença real, imaginada ou implícita de outras pessoas”.

Allport, 1954

influ ncia social3
Influência Social
  • Ocorre quando “as acções de uma pessoa são condição para as acções de outra”
  • Secord & Backman, 1964
confomismo
Confomismo
  • Processo de adaptação de juízos ou normas, pré-existentes no sujeito, às normas de outros indivíduos ou grupos, como consequência da pressão real ou simbólica exercida por estes
tend ncia para o conformismo
Tendência para o Conformismo
  • Asch procurou averiguar qual o grau de conformismo determinado pela inserção num grupo, gerando aquilo que designou por sonambulismo social.
tend ncia para o conformismo6
Tendência para o Conformismo
  • Processo experimental (1956)

A pergunta era:

Qual das linhas

numeradas é igual

à linha-padrão?

3

2

P

1

tend ncia para o conformismo7
Tendência para o Conformismo
  • Processo experimental :
  • Isoladamente, o erro foi quase nulo;
  • De seguida, os indivíduos foram colocados em grupos de sete, em que os restantes seis tinham sido instruídos, pelo investigador, no sentido de dar uma resposta incorrecta.
  • Nesta fase, foi visível a alteração das respostas por parte do membro isolado, para ficar em conformidade com a resposta maioritária (63% independentes contra 37% influenciados).
tend ncia para o conformismo8
Tendência para o Conformismo
  • A partir do grau de influência verificado, os sujeitos experimentados foram divididos em:
  • Independentes, com dois sub-grupos:
  • Verdadeiramente independentes – inabaláveis na sua resposta face à pressão do grupo;
  • Falsamente independentes – admitiram o erro pessoal, aceitavam a opinião da maioria, mas preferiam seguir a orientação do investigador, mantendo a sua resposta.
tend ncia para o conformismo9
Tendência para o Conformismo
  • Conformistas, de três tipos:
  • A nível da percepção – categoria menos frequente, alteravam a sua própria percepção acerca do que viam, julgavam ter visto mal;
  • A nível do julgamento – categoria mais frequente, reconheciam ter dado respostas em desacordo com o que viam; justificavam-se, afirmando que perante a unanimidade do resto grupo, só poderiam ser eles próprios a estar errados;
  • A nível do comportamento – categoria intermédia, sabiam estar certos e a maioria errada, mas não queriam ir contra o grupo.
obedi ncia o respeitinho muito bonito
Obediência – “O respeitinho é muito bonito”
  • Processo pelo qual um indivíduo adopta comportamentos sugeridos por outros
obedi ncia
Obediência
  • Santley Milgram (1963, 1974): obediência à autoridade
  • Objecto:
  • Estudo das reacções individuais face a indicações concretas de outros;
  • A obediência é medida através de acções manifestas;
  • A obediência implicava comportamentos fonte de sofrimento para outros.
obedi ncia cont
Obediência (cont.)
  • Metodologia:
  • Os sujeitos são ostensivamente encarregues do papel de “professor” numa experiência sobre “aprendizagem”;
  • O experimentador instrui os sujeitos a aplicar punições, na forma de choques eléctricos, a um “aprendiz” (comparsa do experimentador), que está numa sala adjacente;
obedi ncia cont13
Obediência (cont.)
  • A intensidade dos choques aumentava 15 volts por cada erro cometido, desde 15 (marcado na máquina como “choque ligeiro”) a 450 volts (“XXX”), passando antes por “perigo: choque severo”;
  • À medida que os choques aumentam, o aprendiz protesta cada vez mais, e depois recusa-se a responder;
obedi ncia cont14
Obediência (cont.)
  • O experimentador ordena ao sujeito para continuar a administrar choques. “Você não tem alternativa, tem que continuar”.
obedi ncia cont15
Obediência (cont.)
  • Variações no procedimento:
  • Milgram (1974):
  • Proximidade da vítima:

Se a vítima só podia ser ouvida, 65% dos sujeitos ia até ao limite. Se houvesse contacto visual, a percentagem baixava. Contudo, mesmo quando os sujeitos eram eles próprios a manter a mão do aprendiz sobre uma placa metálica, 30% ia até os 450 volts.

obedi ncia cont16
Obediência (cont.)
  • Proximidade da figura de autoridade:

Quando o experimentador dava as instruções pelo telefone, só 20,5% continuava a obedecer;

obedi ncia cont17
Obediência (cont.)
  • Legitimidade da autoridade:

Quando a experiência era conduzida num edifício normal de escritórios, a obediência caía para 48%;

obedi ncia cont18
Obediência (cont.)
  • Influências sociais:
    • Se estivesse presente um segundo sujeito que obedecia, a obediência chegava aos 92%. Se o outro recusava, somente 10% dos sujeitos chegava aos 450 volts.
ad