Ci ncia pol tica e teoria do estado prof dejalma cremonese
This presentation is the property of its rightful owner.
Sponsored Links
1 / 21

Ciência Política e Teoria do Estado Prof: Dejalma Cremonese PowerPoint PPT Presentation


  • 58 Views
  • Uploaded on
  • Presentation posted in: General

Ciência Política e Teoria do Estado Prof: Dejalma Cremonese. Capitalismo Luana H. Miron.

Download Presentation

Ciência Política e Teoria do Estado Prof: Dejalma Cremonese

An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Presentation Transcript


Ci ncia pol tica e teoria do estado prof dejalma cremonese

Ciência Política e Teoria do EstadoProf: Dejalma Cremonese

Capitalismo

Luana H. Miron


Ci ncia pol tica e teoria do estado prof dejalma cremonese

Encontramos a origem do sistema capitalista na passagem da Idade Média para a Idade Moderna. Com o renascimento urbano e comercial dos séculos XIII e XIV, surgiu na Europa uma nova classe social : a burguesia. Esta nova classe social buscava o lucro através de atividades comerciais.


O capitalismo possu tr s fases

O capitalismo possuí três fases:

  • Capitalismo Comercial ou Pré capitalismo:

    Este período estende-se do século XVI ao XVIII. Neste contexto podemos identificar algumas características como a busca de lucros, moeda substituindo a relação de trocas, fortalecimento da burguesia e desigualdades sociais.


Ilustra o da troca de mercadorias

Ilustração da troca de mercadorias


Ci ncia pol tica e teoria do estado prof dejalma cremonese

  • Capitalismo Industrial:

    No século XVIII, a Europa passa por uma mudança significativa no que se refere ao sistema de produção. A Revolução Industrial, iniciada na Inglaterra, fortalece o sistema capitalista e solidifica suas raízes na Europa e em outras regiões do mundo. O desemprego, baixos salários, péssimas condições de trabalho, poluição do ar e rios e acidentes nas máquinas foram problemas enfrentados pelos trabalhadores deste período.


Ci ncia pol tica e teoria do estado prof dejalma cremonese

  • Capitalismo Monopolista-Financeiro:

    Iniciada no século XX, esta fase vai ter no sistema bancário, nas grandes corporações financeiras e no mercado globalizado as molas mestras de desenvolvimento. Podemos dizer que este período está em pleno funcionamento até os dias de hoje.A globalização permitiu as grandes corporações produzirem seus produtos em diversas partes do mundo, buscando a redução de custos.


Ci ncia pol tica e teoria do estado prof dejalma cremonese

Capitalismo é comumente definido como um sistema de organização de sociedade baseado na propriedade privada dos meios de produção e propriedade intelectual, e na liberdade de contrato sobre estes bens.


Ci ncia pol tica e teoria do estado prof dejalma cremonese

Os elementos que caracterizam o capitalismo são a acumulação permanente de capital; a geração de riquezas; o papel essencial desempenhado pelo dinheiro e pelos mercados financeiros; a concorrência, a inovação tecnológica ininterrupta e, nas fases mais avançadas de evolução do sistema, o surgimento e expansão das grandes empresas multinacionais.


Ci ncia pol tica e teoria do estado prof dejalma cremonese

A divisão técnica do trabalho, é também uma característica importante do modo capitalista de produção, uma vez que proporciona aumento de produtividade. O modelo capitalista também é chamado de economia de mercado ou de livre empresa.


Ci ncia pol tica e teoria do estado prof dejalma cremonese

  • As pessoas com o intuito de satisfazer seus desejos e necessidades, tendem espontaneamente a dirigir seus esforços no sentido de acumular capital.


Ci ncia pol tica e teoria do estado prof dejalma cremonese

A palavra capital vem do latim capitalis, que vem do proto-indo-europeu kaput, que quer dizer "cabeça".

O capitalismo moderno inicia com a Revolução Industrial e as chamadas revoluções burguesas.


Ci ncia pol tica e teoria do estado prof dejalma cremonese

A partir da segunda metade do século XVIII, com a Revolução Industrial, causada pela a implantação do capitalismo, inicia-se um processo ininterrupto de produção coletiva em massa, geração de lucro e acúmulo de capital


Ci ncia pol tica e teoria do estado prof dejalma cremonese

  • O Capitalismo do século XX passou a manifestar crises que se repetem a intervalos. O desemprego, as crises nos balanços de pagamentos, a inflação, a instabilidade do sistema monetário internacional e o aumento da concorrência entre os grandes competidores caracterizam as chamadas crises cíclicas do sistema capitalista.


Ci ncia pol tica e teoria do estado prof dejalma cremonese

  • O capitalista, proprietário de empresa, compra a força de trabalho de terceiros para produzir bens que, após serem vendidos, lhe permitem recuperar o capital investido e obter um excedente denominado lucro.


Ci ncia pol tica e teoria do estado prof dejalma cremonese

  • A partir da primeira guerra mundial, o quadro do capitalismo mundial sofreu importantes alterações: o mercado internacional restringiu-se; a concorrência americana derrotou a posição das organizações econômicas européias e impôs sua hegemonia inclusive no setor bancário; o padrão-ouro foi abandonado em favor de moedas correntes nacionais, notadamente o dólar americano, e o movimento anticolonialista recrudesceu.


Ci ncia pol tica e teoria do estado prof dejalma cremonese

DOZE FORMAS DE CAPITALISMO

1 - CAPITALISMO IDEAL: Você tem duas vacas. Vende uma e compra um boi. Eles multiplicam-se, e a economia cresce. Você vende a manada e aposenta-se. Fica rico!

2 - CAPITALISMO AMERICANO: Você tem duas vacas. Vende uma e força a outra a produzir o leite de quatro vacas. Fica surpreso quando ela morre.

3 - CAPITALISMO JAPONÊS: Você tem duas vacas. Redesenha-as para que tenham um décimo do tamanho de uma vaca normal e produzam 20 vezes mais leite. Depois cria desenhinhos de vacas chamados Vaquimon e vende-os para o mundo inteiro.

4 - CAPITALISMO BRITÂNICO: Você tem duas vacas. As duas são loucas.

5 - CAPITALISMO HOLANDÊS: Você tem duas vacas. Elas vivem juntas, em união de facto, não gostam de bois e tudo bem.

6 - CAPITALISMO ALEMÃO: Você tem duas vacas. Elas produzem leite regularmente, segundo padrões de quantidade e horário previamente estabelecido, de forma precisa e lucrativa. Mas o que você queria mesmo era criar porcos.


Ci ncia pol tica e teoria do estado prof dejalma cremonese

7 - CAPITALISMO RUSSO: Você tem duas vacas. Conta-as e vê que tem cinco. Conta de novo e vê que tem 42. Conta de novo e vê que tem 12 vacas. Você pára de contar e abre outra garrafa de vodka.

8 - CAPITALISMO SUÍÇO: Você tem 500 vacas, mas nenhuma é sua. Você cobra para guardar a vaca dos outros.

9 - CAPITALISMO ESPANHOL: Você tem muito orgulho de ter duas vacas.

10 - CAPITALISMO BRASILEIRO: Você tem duas vacas. E reclama porque o seu rebanho não cresce...

11 - CAPITALISMO HINDU: Você tem duas vacas. Ai de quem tocar nelas.

12 - CAPITALISMO PORTUGUÊS: Você tem duas vacas. Uma delas é roubada. O governo cria O IVVA- Imposto de Valor Vacuum Acrescentado. Um fiscal vem e multa-o, porque embora você tenha pago correctamente o IVVA, o valor era pelo número de vacas presumidas e não pelo de vacas reais. O Ministério das Finanças, por meio de dados também presumidos do seu consumo de leite, queijo, sapatos de couro, botões, presume que você tenha 200 vacas e para se livrar do sarilho, você dá a vaca que resta ao inspector das finanças para que ele feche os olhos e dê um jeitinho...


Ci ncia pol tica e teoria do estado prof dejalma cremonese

Bibliografia:

  • http://www.renascebrasil.com.br/f_capitalismo2.htm

  • pt.wikipedia.org/wiki/Capitalismo

  • orbita.starmedia.com/achouhp/geografia/capitali.htm - 6k

  • Dicionário Fundação Getúlio Vargas


  • Login