Ambulat rio souza ara jo laborat rio de hansen ase instituto oswaldo cruz fiocruz
Download
1 / 28

AMBULATÓRIO SOUZA ARAÚJO Laboratório de Hanseníase Instituto Oswaldo Cruz-FIOCRUZ - PowerPoint PPT Presentation


  • 79 Views
  • Uploaded on
  • Presentation posted in: General

AMBULATÓRIO SOUZA ARAÚJO Laboratório de Hanseníase Instituto Oswaldo Cruz-FIOCRUZ. INTRODUÇÃO (cont.). Série Histórica dos coeficientes de Prevalência e de detecção de hanseníase no Brasil por Unidade Federada. (1990 – 2007). Prevalência. Detecção.

loader
I am the owner, or an agent authorized to act on behalf of the owner, of the copyrighted work described.
capcha

Download Presentation

AMBULATÓRIO SOUZA ARAÚJO Laboratório de Hanseníase Instituto Oswaldo Cruz-FIOCRUZ

An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Presentation Transcript


AMBULATÓRIO SOUZA ARAÚJOLaboratório de Hanseníase Instituto Oswaldo Cruz-FIOCRUZ


INTRODUÇÃO (cont.)

Série Histórica dos coeficientes de Prevalência e de detecção de hanseníase no Brasil por Unidade Federada. (1990 – 2007)

Prevalência

Detecção

Fonte: http://portal.saude.gov.br/portal/arquivos/gif/serie_historica_hansen_nort.gif


Agregação de casos de Hanseníase no Brasil, 2003-2005.

Fonte: Equipe do Programa Nacional de Controle da Hanseníase/Departamento de Vigilância Epidemiológica/ Secretaria de Vigilância em Saúde

Assessoria: Maria Lucia F. Penna


ASA

  • Laboratório de Hanseníase é um Centro de Referência Nacional para o Programa Nacional de Controle da Hanseníase, junto ao Ministério da Saúde, executando as Ações de Controle da Doença.

  • No período de Janeiro de 1988 a Dezembro de 2007 o serviço registrou 2198 pacientes para serem submetidos a tratamento poliquimioterápico (PQT).


O Ambulatório Souza Araújo é responsável pelo diagnóstico de 7 a 10% dos casos de hanseníase notificados no Estado do Rio de Janeiro, e 20 a 30% dos casos notificados no município.


Contatos

Entre os pacientes registrados no serviço no período de Janeiro de 1987 a Dezembro de 2007, 61% tiveram suas famílias examinadas.

Foram examinados 6158 contatos e 447 casos de hanseníase (7,3%) foram detectados entre eles.


Objetivo

  • Este estudo compara o perfil epidemiológico de pacientes do ASA nas décadas 1988-1997 e 1998-2007 visto que em 1998 foi introduzido o esquema de dose fixa (6 meses para paucibacilares e 1 ano para multibacilares).


Metodologia

  • Dados de pacientes do Ambulatório Souza Araújo da FIOCRUZ, Rio de Janeiro, foram analisados comparando características sócio-econômicas e da doença entre os dois períodos analisados.

  • Dados do SINAN (Sistema de Informação de Agravos de Notificação) referente aos casos de hanseníase registrados no Estado do Rio de Janeiro foram tabulados a fim de se comparar com o perfil dos pacientes atendidos no ASA.


Resultados


Resultados


Resultados


Conclusões

  • Na última década a proporção de pacientes multibacilares foi menor do que na 1ª década.

  • Não foram encontradas diferenças para o IB no momento do diagnóstico e GI entre as 2 décadas.

  • Observa-se redução dos casos MB como possível conseqüência da melhoria do diagnóstico, mas apesar da adoção de medidas preconizadas pela OMS para eliminação da hanseníase, desafios na prevenção e diagnóstico ainda persistem.


Outros estudos...

Adoecimento dos contatos

  • Fatores genéticos

  • Transmissão

  • Modelos Multiníveis:

    • consangüinidade

    • Tempo de convivência

    • Tipo de convivência

    • Fatores sócio-demográficos

    • Características do caso índice


Objetivo Geral

  • Identificar e caracterizar os indivíduos com maior risco de desenvolver hanseníase entre os contatos dos pacientes.


Objetivo específico

  • Avaliar a proteção conferida pela vacina BCG-ID em contatos de pacientes de hanseníase.


Desenho do Estudo

Análise dos Dados

  • Estudo de coorte prospectivo

  • Período – JUN 1987 a DEC 2006

  • estimação das taxas e dos riscos – modelo de regressão de Poisson e modelo de regressão logística – STATA 7.0

  • pessoas-ano – período de observação de cada indivíduo – exame inicial até adoecimento ou término do estudo


RESULTADOS

Figura 1. Distribuição dos contatos, segundo vacina BCG recebida após o diagnóstico do caso índice e cicatriz da vacina BCG recebida na infância.


Casos incidentes de hanseníase entre os contatos segundo cicatriz vacinal

e vacina BCG recebida após o diagnóstico do caso índide

Cicatriz não, Vacina não

Cicatriz sim, Vacina não

Cicatriz não, vacina sim

Cicatriz sim, vacina sim

Após o primeiro

15

21,3

39,4

24,5

ano da vacina

Primeiros meses

após a vacina

17,9

57,1

17,9

7,14

0

20

40

60

80

100

120

Casos de hanseníase (%)


Casos incidentes de hanseníase segundo forma clínica e vacina BCG recebida após o diagnóstico do caso índice

Forma clínica

BT,TT

80

HI

BB,BL,LL

60

Número de casos (%)

40

20

0

Até o 1º Ano

1º ano e mais

Até o 1º Ano

1º ano e mais

Vacinados

Não vacinados


Objetivo específico

Identificar contatos com maior risco de desenvolver hanseníase segundo sorologia anti PGL-I e status vacinal: Estudo de coorte


Desenho do Estudo

  • Estudo de coorte prospectivo

  • Contatos – LAHAN – ASA –FIOCRUZ

  • Sorologia anti PGL-I

  • Período – JUN 1987 a DEC 2006


Análise dos Dados

  • estimação das taxas e dos riscos – modelo de regressão de Poisson e modelo de regressão logística – STATA 7.0

  • pessoas-ano – período de observação de cada indivíduo – exame inicial até adoecimento ou término do estudo


RESULTADOS


RESULTADOS


CONCLUSÕES

  • Vacina BCG administrada após o diagnóstico do caso índice confere proteção.

  • Proteção da vacina BCG foi significativa após o primeiro ano de seguimento mesmo entre aqueles que não receberam a vacina na infância

  • Soro-positividade está relacionada a um maior risco de desenvolver hanseníase

  • A maior parte de contatos soropositivos não vacinados, desenvolveram a forma MB

  • O maior número de casos entre contatos soropositivos e vacinados apontam a sorologia como indicador de infecção sub-clínica.


ad
  • Login