“Novas Ruralidades no Brasil:
Download
1 / 20

Prof. Olívio Alberto Teixeira (DEE-UFS) - PowerPoint PPT Presentation


  • 99 Views
  • Uploaded on

“Novas Ruralidades no Brasil: Alguns Debates Recentes”. Prof. Olívio Alberto Teixeira (DEE-UFS). “O Desenvolvimento Rural e as Territorialidades”. Para R. Abramovay , a noção de território é benéfica à pesquisa sobre as sociedades rurais na medida em que ela:.

loader
I am the owner, or an agent authorized to act on behalf of the owner, of the copyrighted work described.
capcha
Download Presentation

PowerPoint Slideshow about ' Prof. Olívio Alberto Teixeira (DEE-UFS)' - flower


An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript

“Novas Ruralidades no Brasil:Alguns Debates Recentes”

Prof. Olívio Alberto Teixeira (DEE-UFS)


“O Desenvolvimento Rural e as Territorialidades”

Para R. Abramovay, a noção de território é benéfica à pesquisa sobre as sociedades rurais na medida em que ela:

I - Abandona os horizontes estritamente setoriais – a agricultura como único setor e os agricultores como únicos atores - do desenvolvimento rural.

  • Conseqüentemente:

  • Exige o refinamento dos instrumentos metodológicos e estatísticos que definem a ruralidade. Portanto, “ruralidade torna-se uma categoria territorial, cujo atributo decisivo está na organização dos seus ecossistemas, na densidade demográfica relativamente baixa, na sociabilidade de interconhecimento e na sua dependência com relação às cidades”.

  • Reconhecimento da importância das atividades rurais não agrícolas.

  • Ampliação dos horizontes teóricos, pois territórios não se definem por limites físicos, mas sim pela maneira como se produz no seu interior a interação social.


“O Desenvolvimento Rurale as Territorialidades”

A noção de território é benéfica pois:

II - Impede a confusão entre crescimento econômico e processo de desenvolvimento rural.

  • Conseqüentemente:

  • A abordagem territorial exige uma análise das instituições em torno das quais se organiza a interação social. Segundo R. Abramovay, a pobreza rural por exemplo, não pode ser encarada como um simples fenômeno de insuficiência de renda agropecuária, pois a renda rural é composta por transferências públicas, envios de recursos de membros exteriores, processos migratórios, finanças informais, etc (ou seja, pobreza rural é um fenômeno multidimensional).


“O Desenvolvimento Rurale as Territorialidades”

A noção de território é benéfica pois:

III - Estimula o estudo de mecanismos de governança pública em torno da composição e da ação dos diferentes conselhos de desenvolvimento rural.

  • Conseqüentemente:

  • A abordagem territorial pode favorecer o desenvolvimento de oportunidades de inovação organizacional que estimulem o empreendedorismo privado, publico e associativo em suas respectivas regiões.


“O Desenvolvimento Rurale as Territorialidades”

A noção de território é benéfica pois:

IV - Coloca ênfase na maneira como uma sociedadeutiliza os recursos disponíveis em sua organização produtiva e na relação entre sistemas sociais e ecológicos.

  • Conseqüentemente:

  • A abordagem territorial pode favorecer a abordagem interdisciplinarentre as ciências sociais e naturais, pois segundo R. Abramovay, os territórios representam o resultado da maneira como as sociedades se organizam para usar os sistemas naturais em que se apóia sua reprodução.


Questão da Relação Des. Territorial e Multifuncionalidadeda Agricultura Familiar

- Produção de alimentos de qualidade – segurança alimentar

- Relevância na produção do autoconsumo

- Construção do desenvolvimento sustentável – relação c/ território e c/ natureza – preservação do meio ambiente, da biodiversidade e das paisagens

- Manutenção de relações sociais e culturais (identidade e integração) no campo

- Manutenção da população jovem no campo e alívio da pressão antrópica nos centros urbanos

- Produção de Agroenergia

- ...


A Construção Social dos Mercados

Economia dos

Custos de Transação

Nova Economia

Institucional

Base da Discussão – Coase

(1937) – Custos de Transaçãono Mercado

Williamson - North

Importância das Instituições

Regras do Jogo e Regulações

  • Rompe com a teoria neoclássica de que o consumidor e um ator atomizado, interessado, racional;

  • O preço não é a única informação importante – assimetrias de informação

  • Os agentes econômicos têm racionalidade limitada e são oportunistas por natureza


A Construção Social dos Mercados

TRANSAÇÃOECONÔMICA

Foco Principal dos Estudos

Os custos de transação estão associados com os mercados:

Custos ex-ante – para adquirir informações e tratar os negócios;

Custos ex-post – associados ao acompanhamento, ajustes e falhas dos contratos.

Arranjos Institucionais

Estruturas de Governança

Coordenações, Convenções


A Construção Social dos Mercados

A coordenação não é uma característica dos sistemas produtivos, mas sim uma construção dos agentes econômicos.” (P. Azevedo, 2000)

Coordenação

  • Pois, quanto mais forma apropriada a coordenação:

    • Menores serão os custos

    • Mais rápidas serão as adaptações ao ambiente

    • Menos custosos serão os conflitos inerentes às relações na distribuição, desde o fornecedor até o cliente.

Mas como coordenar os mercados?

  • mais tradicional – Mercado (preço, qualidade – MÃO INVISÍVEL)

  • Pólo extremo – verticalização das empresas

  • Coordenação de formas híbridas : parcerias, franchising, licenciamentos, alianças, contratos, convenções


A Construção Social dos Mercados

Questões da confiabilidade tornam-se centrais nesse debate:

Processos de certificação

Construção da qualidade

  • Discussões centrais da “Sociologia Econômica”

Os mercados são construídos socialmente.

“é possível estabelecer relações de troca pautadas por outra lógica que não a mercantil e individualista”.

# Recoloca-se o antigo debate: os mercados podem ser administrados?

(argumentos liberais X sociais)?

Os estudos constatam que:

Os mercados se encontram permeados e influenciados por aspectos sociais e culturais das sociedades.

“as sociedades possuem relações de mercado orientadas por reciprocidade e redistribuição” (argumentos precursores de Karl Polanyi)


A Construção Social dos Mercados

Como indica K. Polanyi,

  • A economia está embeddednes nas dinâmicas sociais e culturais das sociedades e são elas que orientam o mercado e não o contrário.

  • Os mercados podem tomar configurações diversas e que a ação econômica não se realiza ausente de um contexto institucional, moral e ético socialmente construído.

  • Toda ação econômica é uma forma de ação social. Ela está socialmente situada.

  • (ABRAMOVAY; RAUD-MATTEDI; GRANOVETTER, WILKINSON, SOUZA, SCHNEIDER, CASSARINO, STEINER, SWEDBERG ...)


A questão dos Mercados para a Agricultura Familiar

# Gargalo representado pela questão dos mercados para a Agricultura Familiar

Wilkinson indica que, a partir da década de 1990, as tendências que podem ser observadas em termos de mercadospara a agricultura familiar se referem à(s):

  • Mudanças de regulação, organização e formas de acesso aos mercadosagrícolas tradicionais.

  • Abertura comercial dada pela integração regional, bem como pela relevância do desmantelamento do papel do Estado na regulação do mercado de alimentos.

  • Mudanças no ambiente concorrencial, no caso do Brasil, dadas pela expansão da fronteira agrícola e pelo aumento da escala em atividades integradas, tais como aves, suínos e leite.

  • Surgimento de novos mercados notadamente de nicho, tais como produtos com denominação de origem, comércio justo, artesanais, orgânicos, ...


A questão dos Mercados para a Agricultura Familiar

  • Granovetter (2007), resgatando a abordagem do 'enraizamento‘ da economia lançada por Polanyi, atribui um papel decisivo as estruturas de relações em rede e a comunicação social na ação econômica.

  • “toda ação econômica se encontra imersa (ou enraizada) em redes de relações interpessoais, de maior ou menor intensidade, mas que são determinantes na configuração dos mercados”.

  • “uma resposta a expulsão da vida social da análise econômica”, como diz Wilkinson

  • De que maneira estas abordagens teóricas têm pensado o desenvolvimento rural e da agricultura familiar?

A força que determina as estruturas agrícolas é a,

DINÂMICA ECONÔMICA E POLÍTICA DO SISTEMA AGROALIMENTAR E DAS CADEIAS DE COMMODITIES


A questão dos Mercados para a Agricultura Familiar: Cadeias, Redes....

O sistema de produção orientado pela oferta, tem se deslocado para um sistema orientado pela demanda.

A Era fordista caracterizada pelo critério quantidade/preço,deu lugar à economia da qualidade.

Goodman

Redclift

Marsden

Sorj

Allaire, ...

MERCADO DE ALIMENTOS CADA VEZ MAIS FRAGMENTADO E DIFERENCIADO GLOBALMENTE

No Brasil, “a segmentação dos mercados está associada a novas diferenciações geográficas e socioeconômicas, baseadas numa interação estreita entre territórios, inovação e qualidade dos produtos, além de identificação dos consumidores com os produtos”. (FERRARI, 2011)


A questão dos Mercados para a Agricultura Familiar: Cadeias, Redes....

Nestas condições de coerção, quais são as respostas dos atores sociais, das comunidades?

Estratégias,

Alianças,

Respostas Sociais, ...

ECONOMIA DAQUALIDADE

Ploeg

Long

Schneider

Callon, ...

Do “mundo da produção” para

o “mundo dos alimentos”

Processo de um quality turn, associado à emergência de cadeias agroalimentares alternativas

  • INRA – Toulouse

  • CIRAD

  • SABOURIN

Processosde criaçãode confiança

Reciprocidade


A questão dos Mercados para a Agricultura Familiar: Cadeias, Redes....

Processos de criaçãode confiança

Teoria dasConvenções

  • a confiança baseada em similaridade social(possivelmente vinculada a características sociais, tais como etnia, gênero e classe, pode estimular o reconhecimento entre as pessoas e os grupos);

  • a confiança sustentada por instituições e estruturas sociais formais, que pode estar associada a incentivos formais econômicos, legais e políticos.

  • a confiança que surge de transações cotidianas, que pode estar relacionada aos laços sociais diretos, geográficos e de vizinhança e que pode favorecer a aprendizagem mútua entre os envolvidos;

(Zucker, in: N. Wanderley)

“O funcionamento dos mercados depende de um acordo entre os atores acerca da constituição de um quadro valorativo comum. A qualidade se apresenta, portanto, como um ‘valor’ socialmente compartilhado, em outras palavras, o resultado de um julgamento coletivo socialmente situado”.

(EYMARD-DUVERNAY, 1989; KARPIC, 1989).


A questão dos Mercados para a Agricultura Familiar: Cadeias, Redes....

Processos decriação de confiança

Um destes processos ser ilustrado pela certificação socioambiental dos processos produtivos

P.ex., desde muito desenvolvem-se iniciativas ligadas à economia solidária e ao mercado fair trade.

Nestes processos alternativos de comercialização, os consumidores tomam suas decisões baseados em critérios socioambientais que nem sempre significam o menor preço da mercadoria em questão. (Raynolds, Wilkinson)


Vendas do Mercado Fair Trade em 2004 e 2005 (milhões US$) Cadeias, Redes....

Mercados Fair Trade

Fonte: Raynolds e Long (2008)


Alguns Debates Acadêmicos Recentes sobre as novas Ruralidades que foram destacados:

  • Desenvolvimento Territorial e Sustentabilidades dos Territórios Rurais

  • Multifuncionalidade da Agricultura Familiar

  • Construção Social dos Mercados da Agricultura Familiar

  • Construção das Cadeias de Suprimentos Agroalimentares

  • Economia da Qualidade da Produção Agrícola Familiar

  • Processos de Confiança e de Certificação da Produção Agrícola Familiar


Obrigado!!! Ruralidades que foram destacados:

[email protected]


ad