Teoria de estado liberalismo cl ssico
This presentation is the property of its rightful owner.
Sponsored Links
1 / 28

Teoria de Estado Liberalismo Clássico PowerPoint PPT Presentation


  • 85 Views
  • Uploaded on
  • Presentation posted in: General

Teoria de Estado Liberalismo Clássico. O que não é:. Não é licenciosidade Não é um sistema econômico (muito embora exista o laissez faire , sua contrapartida econômica.) " laissez faire , laissez aller , laissez passer ” (deixai fazer, deixai ir, deixai passar). Origem da palavra.

Download Presentation

Teoria de Estado Liberalismo Clássico

An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Presentation Transcript


Teoria de estado liberalismo cl ssico

Teoria de EstadoLiberalismo Clássico


O que n o

O que não é:

  • Não é licenciosidade

  • Não é um sistema econômico (muito embora exista o laissezfaire, sua contrapartida econômica.)

    "laissezfaire, laissezaller, laissezpasser” (deixai fazer, deixai ir, deixai passar)


Origem da palavra

Origemdapalavra

  • Do latimLiber (livre)


O que

O que é

  • Um sistema político, uma teoria de estado.

  • Em última análise é uma ideologia:

    “O liberalismo é um sistema de crenças e convicções, isto é, uma ideologia. Todo sistema de convicções tem como base um conjunto de princípios. (CUNHA, 1979)


Plano de aula

Plano de aula

  • DefiniçõesIniciais

  • Origens e principaisautores

  • Crítica

  • Neoliberalismo


John locke 1632 1704

John Locke (1632-1704)

Edição conjunta dos Dois Tratadossobre o Governo Civil, 1689.


Niccol machiavelli 1469 1527

NiccolòMachiavelli (1469-1527)

Maquiavel por Santi di Tito, nas vestes de um funcionário público florentino

O príncipe, 1532


Maquiavel

Maquiavel

  • Contextohistórico

  • Principal questão: política é um saber técnico, pragmático, não moral e nãoreligiosa.


Thomas hobbes 1588 1679

Thomas Hobbes (1588-1679)

Leviatã, 1651.


Thomas hobbes

Thomas Hobbes

  • Contexto histórico: Revolução Inglesa

  • Desejo de poder em todos os homens

  • Igualdade e liberdade natural

  • 3 causas da discórdia entre os homens: competição; desconfiança e glória

  • Estado natural é de guerra (não necessariamente de luta)

  • Luta de todos contra todos: o homem é o lobo do homem

  • Medo da morte tende o homem a paz

  • Pacto ou contrato: abdicar da liberdade e de todos os direitos pela sobrevivência.

  • Soberano: Leviatã


John locke 1632 17041

John Locke (1632-1704)

Edição conjunta dos Dois Tratadossobre o Governo Civil, 1689.


John locke

John Locke

  • Contexto Histórico: depois da Revolução Inglesa

  • Homens livres, iguais e fraternos. Propriedade Privada.

  • Lei da “natureza”: não fazer mal a ninguém

  • Propriedade privada, acúmulo e desigualdade

  • Contrato social: da liberdade natural a liberdade civil (não há perda de liberdade)

  • Soberano: corpo político (todos)


Montesquieu 1689 1755

Montesquieu, (1689-1755)

O Espírito das Leis (L'Espritdeslois, 1748)


Montesquieu

Montesquieu

  • Contexto histórico: Iluminismo (vésperas da Revolução Francesa)

  • Divisão dos poderes:

  • Executivo (Ação, força)

  • Legislativo (Vontade)

  • Judiciário (Justiça)


Jean jacques rousseau 1718 1778

Jean-Jacques Rousseau (1718-1778)

Do Contrato Social, 1762.


Jean jacques rousseau

Jean-Jacques Rousseau

  • O homem nasce bom, a sociedade o corrompe

  • Repetição do trabalho  Propriedade privada  Desigualdade

  • Estado de guerra aparece portanto na sociedade

  • Força para manter sociedade. Leis são convenções e não naturais (jus naturalismo)

  • Renúncia a liberdade é renunciar a ser Homem

    Nova sociedade:

  • Democracia direta: soberania está no legislativo (vontade). Ninguém pode representar a vontade de ninguém


Benjamin constant 1767 1830

Benjamin Constant (1767-1830)

Da liberdade dos antigos comparada à dos modernos (1819)


Benjamin constant

Benjamin Constant

  • representatividade


Os federalistas 1787

Os Federalistas (1787)

John Jay

Alexander Hamilton

James Madison


Os federalistas

Os Federalistas

  • Contexto: Revolução Americana

  • União x federação

  • Problemas das facções: interesses particulares sobre interesses comuns

  • Resolução: aumento das facções (para nenhuma ser maioria) e “opinião pública”

  • Preocupação com judiciário (também eleito) por não ter vontade nem força). Estabilidade do cargo.


Liberalismo

Liberalismo

  • axiomas básicos ou os valores máximos da doutrina liberal : o individualismo, a liberdade, a propriedade, a igualdade e a democracia.

  • Em termos políticos:

  • Democracia Liberal (representativa);

  • 3 poderes;

  • Lei como valor máximo da sociedade


Cr tica

Crítica

  • Marx (1818 -1883)

  • Definição de trabalho , divisão de trabalho, propriedade privada, mais-valia

  • Ideologia e hegemonia

  • Estado é um estado de classes

  • Portanto estado liberal é um estado burguês


O estado neoliberal

O Estado Neoliberal


Teoria de estado liberalismo cl ssico

  • Contexto histórico: queda do muro e do WelfareState

  • Estado mínimo

  • Agências reguladoras

  • Soberano: mercado

  • Desregulamentação (afrouxamento das leis econômicas e trabalhistas)

  • Democracia Liberal: jogo político e não representação


Consenso de washington 1989

Consenso de Washington (1989)

1 – Disciplina fiscal

2 – Redução dos gastos públicos

3 – Reforma tributária

4 – Juros de mercado

5 – Câmbio de mercado

6 – Abertura comercial

7 – Investimento estrangeiro direto com eliminação de restrições

8 – Privatização de estatais

9 – Desregulamentação (afrouxamento das leis econômicas e trabalhistas)

10 – Direito à propriedade intelectual.


Teoria de estado liberalismo cl ssico

  • “Estabilizar, privatizar e liberar tornou-se o mantra de uma geração de tecnocratas que estavam tendo sua primeira experiência no mundo subdesenvolvido e dos líderes políticos por eles aconselhados” (Dani Rodrik prof. de política econômica. Universidade de Harvard)

  • “O resultado desse processo é uma falência dos Estados Nacionais mediante a perda da capacidade de suas moedas - crise fiscal e crescente delapidação do fundo público para honrar ganhos de capital especulativo. As reformas do Estado sob a tríade desregulamentação, flexibilização, autonomia/descentralização e a privatização são, em verdade, políticas de desmonte da sociedade salarial e da limitada estratégia de unir a sociedade integradora.” (FRIGOTTO)


Caracter sticas

Características:

  • Desestabilização dos trabalhadores estáveis

  • Instalação da precariedade do emprego

  • Aumento crescente do exército de mão-de-obra de reserva


Bibliografia b sica

Bibliografia Básica:

  • ALTHUSSER, L. Ideologia e aparelhos ideológicos do Estado.EditorialPresença:s/data.

  • MARX, K.; ENGELS, F. Manifesto do partido comunista. Progresso: URSS, 1987.

  • GRUPPI, L. Tudo começou com Maquiavel. Porto Alegre: L&PM, 1980.

  • OLIVEIRA. D. A. A reestruturação do trabalho docente: precarização e flexibilização. Educação e Sociedade. São Paulo: Campinas, vol. 25, n. 89, p. 1127-1144, set/dez, 2004.

  • FRIGOTTO, G. Educação e trabalho: bases para debater a Educação profissional Emancipadora. Perspectiva. Florianópolis, v.19, n. 1, p. 71-87, jan/jun. 2001.

  • Obras citadas


  • Login