Fronteiras da frica
This presentation is the property of its rightful owner.
Sponsored Links
1 / 25

Fronteiras da África PowerPoint PPT Presentation


  • 168 Views
  • Uploaded on
  • Presentation posted in: General

Fronteiras da África. Professor: João Claudio Alcantara dos Santos. A – Climas tropicais úmidos: todos os meses têm temperaturas médias acima dos 18° C; B – Climas árido com precipitação deficiente durante a maior parte do ano; C – Climas úmidos de latitude média com invernos moderados;

Download Presentation

Fronteiras da África

An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Presentation Transcript


Fronteiras da frica

Fronteiras da África

Professor: João Claudio Alcantara dos Santos


Fronteiras da frica

  • A – Climas tropicais úmidos: todos os meses têm temperaturas médias acima dos 18° C;

  • B – Climas árido com precipitação deficiente durante a maior parte do ano;

  • C – Climas úmidos de latitude média com invernos moderados;

  • D – Climas úmidos de latitude média com invernos frios; e

  • E – Clima polares com invernos e verões extremamente frios.


Frica branca e negra

África negra(Subsaariana)

Localiza-se ao sul do deserto do Saara, também chamada de África subsaariana.

A população é composta em sua maioria por grupos negróides.

Predominam seitas politeístas como o animismo, além do catolicismo e islamismo.

A maior parte dos países são subdesenvolvidos e vivem basicamente da agricultura de subsistência.

África branca

Corresponde à parte norte do continente, no deserto do Saara.

Nessa região predominam os povos de origemárabe, etíope, egípcia, dentre outros.

A religião professada é o islamismo.

Alguns países destacam-se pelas riquezas minerais como fosfato, gás natural e petróleo.

África Branca e Negra


Frica branca ao norte e subsaariana ao sul

África branca ao norte e subsaariana ao sul

www.jornallivre.com.br158872africa-subsaria


Da confer ncia de berlim aos dias atuais

Da Conferência de Berlim aos dias atuais

  • Desde o século XVI, devido ao tráfico de escravos, os europeus já conheciam e exploravam algumas regiões litorâneas da África.

  • Com a expansão do capitalismo industrial, várias expedições foram enviadas ao continente com o objetivo de conhecer melhor riquezas e potencialidades da região.

  • Em busca de mercados e recursos naturais, as potências européias realizaram em 1885 a Conferência Internacional em Berlim, onde se estabeleceu a partilha da África sem que houvesse conflitos. Essa conferência resultou na divisão da África entre as potências industrializadas da época.

  • O interesse econômico das grandes potências foi escamoteado com a alegação de que o povo europeu, o homem branco, teria o “dever” de “civilizar” as “culturas inferiores”.


As riquezas minerais

As riquezas minerais presentes no continente africano despertaram o interesse e a cobiça das potências europeias, que em plena revolução industrial estavam à procura de novos mercados e centros fornecedores de matéria prima.

As riquezas minerais

Fonte: Atlas geográfico IBGE


Frica no contexto da guerra fria a descoloniza o

África no contexto da Guerra Fria- A Descolonização

  • Ocorreu após a Segunda Guerra Mundial, no cenário da Guerra Fria.

  • A independência tardia ocorreu apenas no âmbito político, permanecendo a divisão artificial de antes.

  • Esse período ficou conhecido como neocolonialismo, onde os novos países independentes recebiam benefícios ao se alinharem ao socialismo (URSS) ou ao capitalismo (EUA).

  • Os novos países independentes apresentavam disputas internas pelo poder, mão de obra desqualificada e as melhores terras controladas pelas elites locais que produzem para exportação (plantation).


Os mapas abaixo mostram o ritmo da descoloniza o no per odo da guerra fria

A Descolonização

Os mapas abaixo mostram o ritmo da descolonização no período da Guerra Fria.


Indicadores sociais

Indicadores sociais

  • Entre os países com os piores IDH do mundo, quase todos são do continente africano.


Conflitos na frica

Conflitos na África

  • A situação de pobreza e subdesenvolvimento presente no continente africano foi provocada, em parte, pelo colonialismo ambicioso dos países europeus.

  • O continente africano encontra-se isolado do processo de globalização, apresentando inúmeros conflitos internos, fruto da ocupação e descolonizaçãoeuropeia que levou em conta apenas seus interesses econômicos.

  • Atualmente, vários grupos lutam pelo controle territorialampliando a pobreza e dizimando milhares de pessoas.


A guerra dos fac es na ruanda

A guerra dos facões na RUANDA

veja.abril.com.br/170805/p_133.html


Fronteiras da frica

Ruanda foi colonizada pela Bélgica.

Está localizada na África central e possui cerca de 8,2 milhões de habitantes.

Sua capital é Kigali e tem como línguas oficiais o francês e o ruandês.

www2.mre.gov.brdeafd

A guerra dos facões na RUANDA

  • Está localizada ao lado de Uganda e Burundi, que foram criados artificialmente, misturando grupos étnicos inimigos históricos: os Tutsis, os Hutus e os Twas.


Crian as tutsis

A guerra dos facões na RUANDA

  • Em finais do século XIX, a região é ocupada pelos alemães que logo se aliam aos Tutsis e convertem os Hutus à escravidão, despertando antigas divergências.

  • Após a Segunda Guerra, os alemães perdem o poder na região e a instabilidade passa a reinar. Tutsis e Hutus passam a se confrontar provocando atitudes cruéis e violentas de ambas as partes.

Crianças Tutsis

  • Em 1962, o país conquista sua independência e a liderança dos Hutus se consolida. Estes passam a perseguir os Tutsis, massacrando-os.


Fronteiras da frica

A guerra dos facões na RUANDA

  • Os Hutus contam com a maioria da população de Ruanda, cerca de 90%. Controlam o exército e convocaram a população civil a participar da guerra usando armas domésticas como facões, machadinhas e facas.

  • Já os Tutsis representam 10%da população, entretanto controlam as atividades agropecuárias, podendo desta forma adquirir armas no mercado informal.

www2.mre.gov.brdeafd


Fronteiras da frica

A guerra dos facões na RUANDA

  • Em 1994, morre o presidente da Ruanda, Habyarimana, vítima de um atentado.

  • Explode uma violenta guerra civil entre Hutus e Tutsis e em apenas 2 meses de combate cerca de 1 milhão de pessoas foram mortas.

  • Os Tutsis, melhor equipados belicamente, tomaram o poder, e num ato revanchista passaram a massacrar os Hutus. A partir de 1996, a ONU institui um Tribunal Internacional, para julgar os acusados pelo massacre de

  • 1994.

Crânios das vítimas do massacre ocorrido em1994. A maior parte delas eram de Tutsis

www.adventistas.comabril2004cranios_ruanda.jpg


Fronteiras da frica

Evolução demográfica de Ruanda

O genocídio provocou uma notável descida demográfica na primeira metade dos anos 90. Se foram 800 mil mortos, equivaleriam a 11% do total da população.

Fonte: www.eduquenet.net


Consequ ncias do conflito

Consequências do conflito

A paz é uma situação provisória

Investimentos nos setores sociais são escassos

Crianças são usadas como soldados.

Milhares de refugiados vivendo em absoluta miséria.

httpnewsimg.bbc.co.ukmediaimages42887000jpg


Filme hotel ruanda

Filme: Hotel Ruanda

  • 2004, 121min.

  • Direção: Terry George

  • Gênero: drama

  • Sinopse: O filme é uma coprodução da Itália, Reino Unido e África do Sul, e relata a história real de Paul Rusesabagina, que foi capaz de salvar a vida de 1268 pessoas durante o genocídio de Ruanda em 1994. O filme relata o período em que o aumento da tensão entre a maioria hutu e a minoria tutsi, duas etnias de um mesmo povo (ninguém sabe diferenciar uma da outra a não ser pelos documentos), massacrou cerca de 1 milhão de pessoas.


  • Login