Roteiro
Download
1 / 29

Roteiro do nosso diálogo : - PowerPoint PPT Presentation


  • 79 Views
  • Uploaded on

Roteiro do nosso diálogo :. Por onde andamos ?. O que fazemos. O que deveríamos fazer !. Por onde andamos ?. Por onde andamos ?. Avaliações. Conceitos Paradigmas e Epistemologias Estratégias Ontologias e Teorias Planejamentos Metodologias Ações Planos de ação. Por onde andamos ?.

loader
I am the owner, or an agent authorized to act on behalf of the owner, of the copyrighted work described.
capcha
Download Presentation

PowerPoint Slideshow about ' Roteiro do nosso diálogo :' - chiquita-warren


An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript

Roteirodo nossodiálogo:

Porondeandamos?

O quefazemos...

O quedeveríamosfazer!


Porondeandamos?


Porondeandamos?

Avaliações

ConceitosParadigmas e Epistemologias

EstratégiasOntologias e Teorias

PlanejamentosMetodologias

AçõesPlanos de ação


Porondeandamos?

ModelosMentais /Paradigmas:

“Princípiosocultosquegovernam a nossavisão das coisas e do mundosemque disso tenhamosconsciência”

“O queafeta um paradigma (pedra angular de qualquersistema do pensamento), afetasimultaneamente a ontologia, a metodologia a lógica e consequentemente a prática, a sociedade e a política”.

(Edgar Morin, 2008)


O quefazemos...


O quefazemos...

Avaliações

ConceitosParadigmas e Epistemologias

EstratégiasOntologias e Teorias

PlanejamentosMetodologias

AçõesPlanos de ação


O quefazemos...

  • - QuandoplanejamosaindasomosinfluenciadospelasConcepções/ Positivistas:

  • Utilizamosquasequeexclusivamenteferramentasmetodológicasquantitativasbaseadasem dados históricos.

  • Vivemos o paradigmadasimplificação: disjunção, redução , abstração, agindo de forma reativa e intuitiva


O que

deveríamosfazer!

O quedeveríamosfazer!

Avaliações

ConceitosParadigmas e Epistemologias

EstratégiasOntologias e Teorias

PlanejamentosMetodologias

AçõesPlanos de ação


O que

deveríamosfazer!


Abstração

SÍNTESE

PROJETO

criação

ANÁLISE

elaboração

METAPROJETO

Aprendizagem

Ação

DESENVOL-

VIMENTO

PESQUISA

observações

execução

Concretização



“A partir da regulamentação da lei (final de 2012) os eventos e projetos serão potencializados? Quem serão os agentes interessados na utilização da lei? Quem serão os maiores beneficiados? Quais as incertezas que definirão os cenários projetados a partir da regulamentação da lei? Quais as estratégias a serem desenvolvidas para a sobrevivência e sucesso nestes cenários?



De quem regulamenta
De quem regulamenta:

“O Esporte e lazer são instrumentos para educar, integrar socialmente e promover a saúde, bem-estar e qualidade de vida. O governo do estado tem demonstrado grande lucidez ao elencá-lo entre suas prioridades” .

”Estamos convictos de que, com o esforço conjunto do poder público, das entidades representativas do setor e da sociedade, avançamos rumo á efetivação de esporte e lazer como elementos de transformação social” .

Kalil Sehbe (CEEL 2012)


De quem deve ser captado
De quem deve ser captado:

Valor compartilhado:

Políticas e práticas operacionais para ressaltarem a competitividade de uma empresa, avançando simultaneamente, as condições econômicas e sociais nas comunidades que estão operando. Uma empresa precisa de uma comunidade bem sucedida, não somente para criar demandas para seus produtos, mas que também possa criar valores e um ambiente apoiador.

Michael E. Porter e Mark R. Kramer


Do proponente
Do proponente: ???????

O Esporte Social, formado pelo Esporte-Formação e o Esporte Participação, deve receber fomento, enquanto o Esporte de Rendimento, deve ser incentivado como agente mobilizador das instituições e fator de integração entre as dimensões do esporte.


Forças

Fraquezas

  • - Relaçãoestabelecida entre osatores (1°, 2° e 3° setor);

  • “Espíritoda lei” X especificaçãoesportiva;

  • - Falta de inovação na concepção de projetos esportivos .

  • - Raízes e identidade dos municípios;

  • Esportecomo um mobilizador de indicadoressistêmicos(saúde , segurança e educação);

  • - Característicasinerentes do esporte e do lazer..

Oportunidades

Ameaças

  • - Experiênciadas empresas do RS emaplicações de ICMS, juntoà cultura e áreasocial;

  • Espaçopara o protagonismodos municípiosnarelação comclubes e federações;

  • Empresas“conhecendo“o conceito de valor compartilhado.

  • 25% para o Fundo Pró-esporte.

  • - Falta de agilidadenosprocessosburocráticos de aplicaçaoda Lei.

  • - Proliferação de projetosinadequados.


Investir

Monitorar

Processos de aplicaçãoda lei.

Estratégias das empresas prospects.

Instituiçõesparceiras do terceirosetor

Na relação das estratégias das empresas (com bompotencial de ICMS) com osesportes e com seumunicípio;

Emprojetosemque o proponente e o beneficiáriosejamo município.

As resistências entre ostrêssetores.

Modelosmentaisexistentesnosgestoresesportivos.

Melhorar

Eliminar

Relacionamento com stakeholders: mídia, municipios, clubes e federações, ACIs e Universidades.

A formatação de projetoscontemplandoosobjetivosda lei.



Realizar um projeto que mobilize instituições* da região, que a partir da prática do voleibol feminino em todas as dimensões do esporte**. contribuam para o desenvolvimento regional e para o reconhecimento do Vale do Taquari como um polo de alimentos.

  • * 1°, 2°, 3° setor

  • * * Rendimento, Participação e Formação.


Realizar um projeto piloto que integre programas, ações intersecretarias e eventos da PM de Canoas capaz de expressar uma política de Esportes e Lazer e a percepção de valor compartilhado para as empresas parceiras

  • * 1°, 2°, 3° setor

  • * * Rendimento, Participação e Formação.


Diferenciais exemplos

DIFERENCIAIS: exemplos intersecretarias e eventos da PM de Canoas capaz de expressar uma política de Esportes e Lazer e a percepção de valor compartilhado para as empresas parceiras


Protagonismo da sociedade na construção , realização e na Governança do projeto ;Construção de Indicadores capazes de atestar a validade do projeto piloto;Atuação nas três dimensões do esporte: formação, participação e rendimento;

  • * 1°, 2°, 3° setor

  • * * Rendimento, Participação e Formação.


Abstração na Governança do projeto ;

SÍNTESE

PROJETO

criação

ANÁLISE

elaboração

METAPROJETO

Aprendizagem

Ação

DESENVOL-

VIMENTO

PESQUISA

observações

execução

Concretização


Processos na Governança do projeto ; de elaboração de projetos

Decidiro quefazerparareunirostrêssetores

Refletirsobreconceitos

Agir!

Identificardiferenciais (estratégiasrobustas)


Utilizar a Oportunidade como forma de modificar modelos mentais, ampliar o presente e desenvolver projetos inovadores, capazes de elevar o patamar do Esporte e do lazer no RS.


O mentais, ampliar o presente e desenvolver projetos inovadores, capazes de elevar o patamar do Esporte e do lazer no RS.que

deveríamosfazer!


O mentais, ampliar o presente e desenvolver projetos inovadores, capazes de elevar o patamar do Esporte e do lazer no RS.que

deveríamosfazer!


Obrigado pulga48@gmail com

Obrigado !!! mentais, ampliar o presente e desenvolver projetos inovadores, capazes de elevar o patamar do Esporte e do lazer no [email protected]


ad