Roteiro
This presentation is the property of its rightful owner.
Sponsored Links
1 / 29

Roteiro do nosso diálogo : PowerPoint PPT Presentation


  • 52 Views
  • Uploaded on
  • Presentation posted in: General

Roteiro do nosso diálogo :. Por onde andamos ?. O que fazemos. O que deveríamos fazer !. Por onde andamos ?. Por onde andamos ?. Avaliações. Conceitos Paradigmas e Epistemologias Estratégias Ontologias e Teorias Planejamentos Metodologias Ações Planos de ação. Por onde andamos ?.

Download Presentation

Roteiro do nosso diálogo :

An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Presentation Transcript


Roteiro do nosso di logo

Roteirodo nossodiálogo:

Porondeandamos?

O quefazemos...

O quedeveríamosfazer!


Roteiro do nosso di logo

Porondeandamos?


Roteiro do nosso di logo

Porondeandamos?

Avaliações

ConceitosParadigmas e Epistemologias

EstratégiasOntologias e Teorias

PlanejamentosMetodologias

AçõesPlanos de ação


Roteiro do nosso di logo

Porondeandamos?

ModelosMentais /Paradigmas:

“Princípiosocultosquegovernam a nossavisão das coisas e do mundosemque disso tenhamosconsciência”

“O queafeta um paradigma (pedra angular de qualquersistema do pensamento), afetasimultaneamente a ontologia, a metodologia a lógica e consequentemente a prática, a sociedade e a política”.

(Edgar Morin, 2008)


Roteiro do nosso di logo

O quefazemos...


Roteiro do nosso di logo

O quefazemos...

Avaliações

ConceitosParadigmas e Epistemologias

EstratégiasOntologias e Teorias

PlanejamentosMetodologias

AçõesPlanos de ação


Roteiro do nosso di logo

O quefazemos...

  • - QuandoplanejamosaindasomosinfluenciadospelasConcepções/ Positivistas:

  • Utilizamosquasequeexclusivamenteferramentasmetodológicasquantitativasbaseadasem dados históricos.

  • Vivemos o paradigmadasimplificação: disjunção, redução , abstração, agindo de forma reativa e intuitiva


Roteiro do nosso di logo

O que

deveríamosfazer!

O quedeveríamosfazer!

Avaliações

ConceitosParadigmas e Epistemologias

EstratégiasOntologias e Teorias

PlanejamentosMetodologias

AçõesPlanos de ação


Roteiro do nosso di logo

O que

deveríamosfazer!


Roteiro do nosso di logo

Abstração

SÍNTESE

PROJETO

criação

ANÁLISE

elaboração

METAPROJETO

Aprendizagem

Ação

DESENVOL-

VIMENTO

PESQUISA

observações

execução

Concretização


Que oportunidade se apresenta

QUE OPORTUNIDADE se APRESENTA ?


Roteiro do nosso di logo

“A partir da regulamentação da lei (final de 2012) os eventos e projetos serão potencializados? Quem serão os agentes interessados na utilização da lei? Quem serão os maiores beneficiados? Quais as incertezas que definirão os cenários projetados a partir da regulamentação da lei? Quais as estratégias a serem desenvolvidas para a sobrevivência e sucesso nestes cenários?


Conceitos exemplos

CONCEITOS: exemplos


De quem regulamenta

De quem regulamenta:

“O Esporte e lazer são instrumentos para educar, integrar socialmente e promover a saúde, bem-estar e qualidade de vida. O governo do estado tem demonstrado grande lucidez ao elencá-lo entre suas prioridades” .

”Estamos convictos de que, com o esforço conjunto do poder público, das entidades representativas do setor e da sociedade, avançamos rumo á efetivação de esporte e lazer como elementos de transformação social” .

Kalil Sehbe (CEEL 2012)


De quem deve ser captado

De quem deve ser captado:

Valor compartilhado:

Políticas e práticas operacionais para ressaltarem a competitividade de uma empresa, avançando simultaneamente, as condições econômicas e sociais nas comunidades que estão operando. Uma empresa precisa de uma comunidade bem sucedida, não somente para criar demandas para seus produtos, mas que também possa criar valores e um ambiente apoiador.

Michael E. Porter e Mark R. Kramer


Do proponente

Do proponente: ???????

O Esporte Social, formado pelo Esporte-Formação e o Esporte Participação, deve receber fomento, enquanto o Esporte de Rendimento, deve ser incentivado como agente mobilizador das instituições e fator de integração entre as dimensões do esporte.


Roteiro do nosso di logo

Forças

Fraquezas

  • - Relaçãoestabelecida entre osatores (1°, 2° e 3° setor);

  • “Espíritoda lei” X especificaçãoesportiva;

  • - Falta de inovação na concepção de projetos esportivos .

  • - Raízes e identidade dos municípios;

  • Esportecomo um mobilizador de indicadoressistêmicos(saúde , segurança e educação);

  • - Característicasinerentes do esporte e do lazer..

Oportunidades

Ameaças

  • - Experiênciadas empresas do RS emaplicações de ICMS, juntoà cultura e áreasocial;

  • Espaçopara o protagonismodos municípiosnarelação comclubes e federações;

  • Empresas“conhecendo“o conceito de valor compartilhado.

  • 25% para o Fundo Pró-esporte.

  • - Falta de agilidadenosprocessosburocráticos de aplicaçaoda Lei.

  • - Proliferação de projetosinadequados.


Roteiro do nosso di logo

Investir

Monitorar

Processos de aplicaçãoda lei.

Estratégias das empresas prospects.

Instituiçõesparceiras do terceirosetor

Na relação das estratégias das empresas (com bompotencial de ICMS) com osesportes e com seumunicípio;

Emprojetosemque o proponente e o beneficiáriosejamo município.

As resistências entre ostrêssetores.

Modelosmentaisexistentesnosgestoresesportivos.

Melhorar

Eliminar

Relacionamento com stakeholders: mídia, municipios, clubes e federações, ACIs e Universidades.

A formatação de projetoscontemplandoosobjetivosda lei.


Propostas exemplos

PROPOSTAS: exemplos


Roteiro do nosso di logo

Realizar um projeto que mobilize instituições* da região, que a partir da prática do voleibol feminino em todas as dimensões do esporte**. contribuam para o desenvolvimento regional e para o reconhecimento do Vale do Taquari como um polo de alimentos.

  • * 1°, 2°, 3° setor

  • * * Rendimento, Participação e Formação.


Roteiro do nosso di logo

Realizar um projeto piloto que integre programas, ações intersecretarias e eventos da PM de Canoas capaz de expressar uma política de Esportes e Lazer e a percepção de valor compartilhado para as empresas parceiras

  • * 1°, 2°, 3° setor

  • * * Rendimento, Participação e Formação.


Diferenciais exemplos

DIFERENCIAIS: exemplos


Roteiro do nosso di logo

Protagonismo da sociedade na construção , realização e na Governança do projeto ;Construção de Indicadores capazes de atestar a validade do projeto piloto;Atuação nas três dimensões do esporte: formação, participação e rendimento;

  • * 1°, 2°, 3° setor

  • * * Rendimento, Participação e Formação.


Roteiro do nosso di logo

Abstração

SÍNTESE

PROJETO

criação

ANÁLISE

elaboração

METAPROJETO

Aprendizagem

Ação

DESENVOL-

VIMENTO

PESQUISA

observações

execução

Concretização


Roteiro do nosso di logo

Processos de elaboração de projetos

Decidiro quefazerparareunirostrêssetores

Refletirsobreconceitos

Agir!

Identificardiferenciais (estratégiasrobustas)


Roteiro do nosso di logo

Utilizar a Oportunidade como forma de modificar modelos mentais, ampliar o presente e desenvolver projetos inovadores, capazes de elevar o patamar do Esporte e do lazer no RS.


Roteiro do nosso di logo

O que

deveríamosfazer!


Roteiro do nosso di logo

O que

deveríamosfazer!


Obrigado pulga48@gmail com

Obrigado !!! [email protected]


  • Login