Tv saber democratizado ou divertimento sem qualidade francisco rui c dima
This presentation is the property of its rightful owner.
Sponsored Links
1 / 21

TV: SABER DEMOCRATIZADO OU DIVERTIMENTO SEM QUALIDADE FRANCISCO RUI CÁDIMA PowerPoint PPT Presentation


  • 63 Views
  • Uploaded on
  • Presentation posted in: General

TV: SABER DEMOCRATIZADO OU DIVERTIMENTO SEM QUALIDADE FRANCISCO RUI CÁDIMA. Será a televisão o objecto mais democrático das sociedades democráticas ou o objecto mais totalitário das sociedades totalitárias?.

Download Presentation

TV: SABER DEMOCRATIZADO OU DIVERTIMENTO SEM QUALIDADE FRANCISCO RUI CÁDIMA

An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Presentation Transcript


Tv saber democratizado ou divertimento sem qualidade francisco rui c dima

TV: SABER DEMOCRATIZADO OU DIVERTIMENTO SEM QUALIDADEFRANCISCO RUI CÁDIMA

Será a televisão o objecto mais democrático das sociedades democráticas ou o objecto mais totalitário das sociedades totalitárias?


Tv saber democratizado ou divertimento sem qualidade francisco rui c dima

Os efeitos da televisão na segunda metade do século XX são extremamente complexos e de natureza multimodal.


Tv saber democratizado ou divertimento sem qualidade francisco rui c dima

«A televisão não é boa nem má, depende do uso que se faça dela.»

Marcelo Caetano


Contexto

Contexto

  • A televisão entrou nas nossas vidas como um dos mais poderosos instrumentos de entretenimento e informação.

  • Quando a televisão começou, nos anos 30, a grande inquietação era saber se constituiria um progresso civilizacional ou se seria a decadência.

    Hoje, essas questões permanecem.


Tv saber democratizado ou divertimento sem qualidade francisco rui c dima

A televisão foi o primeiro meio de comunicação que submergiu a aldeia global sem que esta a pudesse, em boa parte, entender. Mas desde cedo se compreendeu a sua importância:

  • Havia exemplos de uso amigável do aparelho, mas também de “ódios de estimação”.

  • A chegada da publicidade não se fez sem forte oposição

  • No início dos anos 60 um legislador do estado da Califórnia inscreveu a televisão na lista dos «objectos de primeira necessidade».


Tv saber democratizado ou divertimento sem qualidade francisco rui c dima

Kennedy em 1961 convida todos os países a participar na organização de um sistema por satélite “para concorrer para a paz mundial e para a fraternidade entre os povos”.


Tv saber democratizado ou divertimento sem qualidade francisco rui c dima

De Gaulle afirmava a sua esperança de ver a nova tecnologia contribuir para “as relações entre os povos, para a sua compreensão recíproca, para a sua amizade, alguma coisa que será provavelmente decisiva na evolução da história e do relacionamento entre os homens”.


Actualmente que balan o fazer da presen a massificante da televis o

Actualmente que balanço fazer da presença massificante da televisão?

  • Mutação no plano da mentalidade e dos comportamentos

  • Miscigenação ou mesmo aculturação a novos padrões de vida

  • Mutações sociais e políticas

  • Emancipação da opinião pública

  • Espectacularização do real

  • Negação do acesso e dos particularismos

  • Aculturação por “empréstimo”

  • Abuso de violência

  • Desautorização e desafio de valores tradicionais

  • Atribuição de notoriedade ao prevaricador


Tv saber democratizado ou divertimento sem qualidade francisco rui c dima

Várias personalidades que conferiram à televisão uma importância civilizacional começam a descobrir o seu lado negro

  • Arthur Clarke, criador da Mundivisão: «a televisão era pior que a bomba...»

  • Portugal: um responsável do Instituto Piaget propôs a suspensão temporária das emissões às horas das refeições

  • Gerald Long, antigo director do Times: chamava à televisão uma «chaga da sociedade»


A quest o da privacidade

A questão da privacidade

  • A televisão dos anos 90 é a televisão da convivialidade, da participação, das grandes audiências. Surgem programas cujos temas podem ir desde alguém que procura um familiar, que declara o seu amor a outrem, que pede perdão em directo ou casos limite como o incesto e o sexo.

  • A televisão tornou-se algo demasiadamente familiar, mais íntima do que as pessoas com as quais se compartilha a vida de todos os dias.

  • Transforma-se a esfera do íntimo no verdadeiro show do real – surgimento dos reality shows.


Existem tr s modos de encarar este tipo de programas

Existem três modos de encarar este tipo de programas:

  • Denegar e criticar, ser totalmente contra

  • Ponto de vista do telespectador passivo, que contribui para as audiências

  • Constatação da existência do problema, necessidade de reflexão


Tv saber democratizado ou divertimento sem qualidade francisco rui c dima

Verifica-se actualmente uma inversão perversa na partilha do espaço público: o facto dos excluídos sociais ascenderem à primeira página não significa que lhes esteja a ser dada uma voz. Significa apenas que foi criada uma forma de reparação dessa exclusão: enquanto ela não é resolvida no plano da educação e na sociedade, a televisão vai criando as suas ilusões.


A quest o da viol ncia e do sexo

A Questão da Violência e do Sexo

  • Segundo a linha mais conservadora da sociedade americana, é imperioso que as principais redes de televisão passem a emitir, em horário nobre, séries televisivas dirigidas à família.

  • Em Portugal, a partir de Fevereiro de 1997, a Alta Autoridade para a Comunicação Social e os operadores de televisão assinaram um protocolo em que se comprometem a respeitar regras elementares face à questão da violência na TV.

  • Len Masterman considera ser vital para a democracia que as mensagens dos media possam ser descodificadas pelo espírito crítico do cidadão.


Televis o versus poder

Televisão versus Poder

  • De uma forma geral, a televisão sempre se deu bem com o poder. Uma relação demasiado estreita ou um afastamento total entre política e televisão pode ser fatal para a política.


Tv saber democratizado ou divertimento sem qualidade francisco rui c dima

Serge Moati propôs à TF1 um projecto que se chamava «O Ringue»: dois políticos deviam afrontar-se perante as câmaras, em directo, precisamente no ringue de boxe do Elysée-Montmartre.


Tv saber democratizado ou divertimento sem qualidade francisco rui c dima

  • Debates Nixon-Kennedy 1960 – a imagem dos candidatos foi determinante para a escolha do Presidente. Também pequenas alterações do tipo técnico podem condicionar enormemente uma prestação.

  • No passado a gestão televisiva da política fazia-se num registo de teatralidade e de marketing político. Agora, a tendência é para a exteriorização convival do protagonismo e da performance. Exemplo: Canal Parlamentar.


Teoria da recep o

Teoria da recepção

  • Estudo do impacto dos programas num público que já não é um simples consumidor do discurso dominante, mas participa na construção do sentido. Implica:

    • Análise das práticas de ver televisão e da competência do telespectador em integrar uma estética da recepção

    • Ver como a recepção organiza o texto

    • Pensar a recepção como apropriação, ou seja, compreender os efeitos do ficcional no real de cada espectador.

    • O audímetro não foi destinado a medir a experiência da audiência, mas apenas a contabilizar o número de telespectadores.


Tv saber democratizado ou divertimento sem qualidade francisco rui c dima

Parâmetros pelos quais se devem reger as rádios e as televisões públicas europeias, à luz do Conselho da Europa e do Parlamento Europeu:

  • Ser uma referência para o público, factor de coesão social e de integração de todos os indivíduos, grupos e comunidades

  • Fornecer um fórum de discussão

  • Difundir informações e comentários imparciais e independentes

  • Desenvolver uma programação pluralista, inovadora e diversificada correspondendo a normas éticas

  • Estruturar grelhas de informação para um largo público sem descurar as minorias

  • Contribuir, graças à programação, para um melhor conhecimento e apreciação da diversidade do património cultural nacional e europeu

  • Alargar a escolha de que dispõem os telespectadores e os ouvintes


Tv saber democratizado ou divertimento sem qualidade francisco rui c dima

  • Os operadores privados também têm de responder a algumas exigências, nomeadamente ao nível da programação cultural

  • Diferentes concepções de audiência:

    • Normativa – o seu objectivo é dar conformidade a uma norma cultural.

    • Funcionalista – modificar as atitudes e o comportamento do público.

    • Subjectivista (tem predominado historicamente) – responder às necessidades imediatas do público na perspectiva de venda de espaço comercial.


Tv saber democratizado ou divertimento sem qualidade francisco rui c dima

  • Para Meneer, existe uma incompatibilidade entre «audiência» e «diversidade». Assim, o serviço público deve ser complementar em relação aos difusores privados, deve ter uma oferta variada, promover a cultura local e ter em conta a sensibilidade do público.

  • Os índices de audiência devem ser complementados com estudos qualitativos: mais do que saber quantos telespectadores viram um programa, importa saber a razão por que o viram, a reacção ao que viram e sobretudo a disponibilidade para o mundo de coisas que não viram.

  • Os estudos qualitativos em televisão devem possuir dados sobre o agrado do público mas também procurar definir modelos de programação que encontrem o equilíbrio entre o agrado do público e a responsabilidade de fornecer um serviço público.


Tv saber democratizado ou divertimento sem qualidade francisco rui c dima

Será que compete apenas às televisões públicas programar conteúdos que promovam o acesso ao saber e à cultura? Segundo o autor, a resposta é não, e existem vários exemplos de obrigatoriedade das televisões privadas também o fazerem.


  • Login