experi ncias de internacionaliza o na educa o superior am rica latina n.
Download
Skip this Video
Loading SlideShow in 5 Seconds..
Experiências de Internacionalização na Educação Superior América Latina PowerPoint Presentation
Download Presentation
Experiências de Internacionalização na Educação Superior América Latina

Loading in 2 Seconds...

play fullscreen
1 / 56

Experiências de Internacionalização na Educação Superior América Latina - PowerPoint PPT Presentation


  • 100 Views
  • Uploaded on

Experiências de Internacionalização na Educação Superior América Latina. Argentina. Brasil. Paraguai. Uruguai. Bolívia. Chile. 18 Ar,Bo,Br , Cl,Co,Cr, Cu,Ec,Do, Sv,Gt,Hn, Mx,Nc,Pa, Pe,Py,Ve. Metas. I- Integração. Mobilidade. Qualidade.

loader
I am the owner, or an agent authorized to act on behalf of the owner, of the copyrighted work described.
capcha
Download Presentation

PowerPoint Slideshow about 'Experiências de Internacionalização na Educação Superior América Latina' - tonya


An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript
experi ncias de internacionaliza o na educa o superior am rica latina

Experiências de Internacionalização na Educação Superior América Latina

Argentina

Brasil

Paraguai

Uruguai

Bolívia

Chile

18

Ar,Bo,Br,

Cl,Co,Cr,

Cu,Ec,Do,

Sv,Gt,Hn,

Mx,Nc,Pa,

Pe,Py,Ve.

slide2

Metas

I- Integração

experi ncias de internacionaliza o na es am rica latina

Experiências de Internacionalização na ESAmérica Latina

Mercosul :

Educacional –

MEXA e MARCA

Grupo Mercado Comum-SGT11-Saúde

Exercício Profissional

Tuning/AL:

Competências Profissionais

mercosul estrutura organizacional

Mercosul Estrutura Organizacional

CMC:Conselho do Mercado Comum –MRE e ME

GMC: Grupo do Mercado Comum-12 subgrupos de trabalho

SGT11-Saúde

CCM : Comissão do Mercado Comum

o mercosul educacional

O Mercosul Educacional

1991

Órgão máximo:

Reunião de Ministros de Educação (REM)

Bolívia

Argentina

Chile

Brasil

Paraguai

Uruguai

o mercosul educacional1
O Mercosul Educacional

ATA DA II REUNIÃO DE MINISTROS DA EDUCAÇÃO -1º de junho 1992

CONSIDERANDO:Que a educação deve acompanhar os processos de integração regional, para enfrentar, como bloco geocultural, os desafios decorrentes da transformação produtiva, dos avanços científico-tecnológicos e da consolidação da democracia.

Que por resoluçãodo Conselho do Mercado Comum, a Reunião de Ministros da Educação do MERCOSUL tem como missão acordar planos e programas que orientem a definição de políticas e estratégias comuns para o desenvolvimento educativo regional.

  • ..... uma proposta de Plano Trienal para o setor:ES-EF-ET

Bolívia

Argentina

Chile

Brasil

Paraguai

Uruguai

o mercosul educacional es
O Mercosul EducacionalES

Qualidade :Reconhecimento/AcreditaçãoUm sistema de reconhecimento de carreiras como mecanismo de homologação de títulos facilitará a mobilidade na Região, estimulará os processos de avaliação para elevar a qualidade educativa e irá favorecer a comparação entre os processos de formação para a qualidade acadêmica. Neste mecanismo, os diplomas das instituições participantes não são revalidados para fins de exercício profissional.

Bolívia

Argentina

Chile

Brasil

Paraguai

Uruguai

o mercosul educacional es1
O Mercosul EducacionalES

MobilidadeA criação de um espaço comum regional para a educação superior tem um dos seus pilares no desenvolvimento de programas de mobilidade. Esse programa irá envolver projetos e ações de gestão acadêmica e institucional, a mobilidade estudantil, sistema de transferência de créditos e intercâmbio entre docentes e pesquisadores.

Bolívia

Argentina

Chile

Brasil

Paraguai

Uruguai

o mercosul educacional es2
O Mercosul EducacionalES

Cooperação inter-institucionalOs atores centrais do processo de integração regional em matéria de educação superior são as próprias instituições universitárias.. A ênfase será dada nas ações conjuntas de desenvolvimento de programas colaborativos de graduação e pós-graduação, em programas de pesquisas conjuntas, na criação de redes de excelência e no trabalho conjunto com os outros níveis educacionais, em matéria de formação docente.

Bolívia

Argentina

Chile

Brasil

Paraguai

Uruguai

slide12

O Mercosul Educacional ES

RME – 1999

  • Aprovam Memorado de Entendimento sobre a criação de um mecanismo experimental de credenciamento de cursos universitários nos países do Mercosul - Mexa.
  • Determinam que o MEXA se inicie pelos curso de agronomia, engenharia e medicina.
slide13

O Mercosul Educacional ES

Acreditação

  • Mecanismo de reconhecimento de Cursos e Títulos de graduação que facilitará a mobilidade na região, estimulará os processos de avaliação com a finalidade de elevar a qualidade educativa, e favorecerá a comparabilidade dos processos de formação em termos de qualidade acadêmica
slide14

O Mercosul Educacional ES

MEXA- Documento Mercosul de Referência

  • Comissão de especialistas
  • 6 países: Argentina, Brasil, Bolívia, Chile, Paraguai e Uruguai
  • Período 1999-2001
slide15

O Mercosul Educacional ES

MEXA- Documento Mercosul de Referência

1999-2001

“Dimensões, Componentes, Critérios e Indicadores para o Credenciamento Mercosul”

quatro dimensões que agregam os critérios(88) a serem avaliados:

  • Projeto Acadêmico
  • Contexto Institucional
  • Docentes, Alunos e Egressos
  • Infra-Estrutura
o mercosul educacional es mexa documento mercosul de refer ncia 2002 2005
O Mercosul Educacional ES MEXA- Documento Mercosul de Referência2002-2005

AÇÕES:

-ESTABELECIMENTO DAS REGRAS

-TREINAMENTO DE PARES AVALIADORES

-SELEÇÃO DE CURSOS

-APLICAÇÃO DO INSTRUMENTO

slide17

O Mercosul Educacional ES

MEXA- Documento Mercosul de Referência

Pares Avaliadores:

-Acadêmicos

-Perfil de títulos e competências

-Treinados em Oficinas Nacionais e Regionais

slide18

O Mercosul Educacional ES

MEXA

  • Agência Nacional de Acreditação:
  • Obrigação dos países membros e
  • associados
  • Processos nacionais e Mercosul

Brasil=Conaes

slide19

O Mercosul Educacional ES

MEXA

Aplicação

  • 2005-2006
  • N de cursos avaliados: 60
  • Agronomia- 19
  • Engenharia-29
  • Medicina-12
  • Instituições Públicas e Privadas
mexa reuni o conjunta da ctres y ag ncias nacionais 1 a 3 de novembro de 2006
MEXA:Reunião conjunta da CTRES y Agências Nacionais1º a 3 de novembro de 2006
  • Os resultados do Seminário Mercosul de Avaliação do Mexa destacaram a pertinência do processo experimental para o estímulo à melhoria da qualidade da formação na graduação nas áreas e cursos envolvidos, ao conhecimento mútuo sobre os sistemas educacionais dos países, a incorporação da cultura da avaliação, bem como o conhecimento e a cooperação entre os paises e a mobilidade de docentes
xxxi reuni o dos ministros da educa o dos pa ses do mercosul 24 de novembro de 2006
XXXI REUNIÃO DOS MINISTROS DA EDUCAÇÃO DOS PAÍSES DO MERCOSUL24 de novembro de 2006,
  • . Aprovaram o plano de trabalho com vistas

à elaboração de um Sistema Regional Permanente

de Credenciamento de Cursos de Graduação

apresentado pela Comissão Regional Coordenadora

de Educação Superior.

  • Na mesma perspectiva, aprovaram a inclusão de quatro novos cursos a serem credenciados: ENFERMAGEM, ODONTOLOGIA,VETERINÁRIA e ARQUITETURA.
o mercosul educacional es3
O Mercosul Educacional ES

O Programa de Mobilidade Acadêmica Regional

em Cursos Acreditados(MARCA) foi desenvolvido

e implementado pelo Setor Educacional do MERCOSUL

(SEM) como uma das ações voltadas para a mobilidade

e cooperação na região, envolvendo cursos de

graduação que passaram pelo processo de acreditação

de qualidade acadêmica do próprio SEM.

o mercosul educacional es4
O Mercosul Educacional ES
  • 2006: cursos de Agronomia

alunos 58

instituições 19 acreditadas

  • Argentina, Brasil, Bolívia, Chile, Paraguai e Uruguai.
mercosul educacional es
Mercosul EducacionalES
  • 2008
  • Agronomia- 19
  • Engenharia-29
  • Medicina-12
mercosul educacional es1
Mercosul EducacionalES
  • Acordo de Admissão de Títulos e Graus:
  • exercício deAtividades Acadêmicas nos Estados Partes
  • Assunção, 14 de junho de 1999
  • Br -Decreto Legislativo nº 800, de 23/10/2003
mercosul exerc cio profissional
MercosulExercício Profissional
  • Comissão de Serviços de Atenção à Saúde
  • Resolução GMC Nº 151/96
  • Subgrupo de trabalho Nº 11 Saúde-SGT 11:

“Harmonizar as legislações dos Estados Partes referentes aos bens, serviços, matérias-primas e produtos da área da saúde, os critérios para a vigilância epidemiológicas e contrôle sanitário com a finalidade de promover e proteger a saúde e a vida das pessoas e eliminar os obstáculos ao comércio regional, contribuindo dessa maneira ao processo de integração”.

mercosul exerc cio profissional1
MercosulExercício Profissional
  • Subgrupo de trabalho Nº 11 Saúde-SGT 11:

Três Comissões:

  • -Produtos para a Saúde- COPROSAL
  • -Vigilância em Saúde-COVIGISAL
  • -Serviços de Atenção em Saúde- COSERATS
mercosul exerc cio profissional2
MercosulExercício Profissional
  • Saúde-SGT 11 :
  • COSERATS
  • Subcomissões:
  • -Serviços de Saúde
  • -Desenvolvimento e Exercício Profissional
  • -Avaliação e Usos das Tecnologias em Serviços de Saúde
mercosul exerc cio profissional3
MercosulExercício Profissional

Desenvolvimento e Exercício Profissional

1. Definir e acompanhar o processo de implementação

de Matriz mínima para o exercício profissional

2. Desenvolver princípios e diretrizes que estabeleçam Direitos e Obrigações Para o Trabalho em Saúde no Mercosul

3. Identificar e especificar, em função das necessidades e das políticas de saúde dos Estados Partes as profissões e áreas de atuação a serem priorizadas

4. Definir criterios de avaliação e certificação de profissionais especialistas de acôrdo com as prioridades definidas

5. Desenvolver o processo de compatibilização das especialidades

mercosul exerc cio profissional4
MercosulExercício Profissional
  • Desenvolvimento e Exercício Profissional
  • Resoluções:

- Princípios Éticos dos Médicos do Mercosul

- Matriz mínima para o exercício profissional

- Especialidades Priorizadas: comuns entre

os estados partes

mercosul exerc cio profissional5
MercosulExercício Profissional
  • Desenvolvimento e Exercício Profissional
  • Tarefa- àrea médica

-identificar as especialidades comuns

- identificar as instituições formadoras nos Estados Partes

- identificar o conteúdo da formação das especialidades médicas prioritárias e comuns e as instituições habilitadas visando o reconhecimento recíproco

- desenvolver o processo de compatibilização das especialidades

mercosul exerc cio profissional6
MercosulExercício Profissional
  • Especialidades selecionadas
  • Pediatria
  • Tocoginecologia
  • Clínica médica
  • Medicina de Familia
  • Terapia Intensiva: adultos, pediatríca, neonatal ( sejam especialidades ou áreas de atuação nos estados parte)
mercosul exerc cio profissional7
MercosulExercício Profissional
  • Desenvolvimento e Exercício Profissional
  • Modalidades de acesso às especialidades:
  • -Residência não universitária (não outorga título)
  • -Residência universitária (outorga título)
  • -Carreira universítaria
  • -Carreira de especialista outorgada por sociedades científicas
mercosul exerc cio profissional8
MercosulExercício Profissional
  • Caracterização das especialidades selecionadas:

-Competências

-Pré requisitos

-Tempo de formação: anos, carga horária( Prática/teórica

-Locais de práticas

-RH- preceptorias (requisitos)

-Exames Finais

-Título ou certificado

mercosul exerc cio profissional9
MercosulExercício Profissional
  • Forum Permanente Mercosul para o Trabalho em Saúde
  • Brasil ,Ministério da Saúde- Portaria Nº929/GM, DOU

02/05/2006

Degets

Representantes de 14 profissões da saúde/CNS

experi ncias de internacionaliza o na es am rica latina1
Tuning/AL : 19 paises

ArgentinaBolíviaBrasilChileColômbiaCosta RicaCubaEquadorEl SalvadorGuatemala

HondurasMéxicoNicaráguaPanamáParaguaiPeruRep. DominicanaUruguaiVenezuela

Experiências de Internacionalização na ES América Latina
tuningal
TUNINGAL
  • Origem:
  • IV reunião de seguimento do Espaço Comum de ES da União Européia, América Latina e Caribe (UEALC), Córdoba, 2002, proposta de 8 universidades :
  • U. Nacional de La Prata-Ar
  • Unicamp-Br
  • U de Chile-Cl
  • Pontifícia U. Javeriana-Co
  • U. de Costa Rica- Cr
  • U.Rafael Landivar-Gt
  • U.de Guanajuato-Mx
  • U.Católica Andrés Bello-Ve
tuningal1
TUNINGAL
  • Projeto Tuning América Latina   O projeto Alfa Tuning América Latina procura "afinar" as estruturas educativas da América Latina iniciando um debate que tem como meta identificar e intercambiar informação e melhorar a colaboração entre as instituições de educação superior para o desenvolvimento da qualidade, efetividade e transparência. È um projeto independente, impulsionado e coordenado por Universidades de distintos países, tanto latino-americanos como europeus.
tuningal2
TUNINGAL
  • Projeto Tuning América Latina   - Trabalho conjunto que procura e constroi linguagens e mecanismos para a compreensão recíproca dos sistemas de ensino superior, que facilitem os processos de reconhecimento de caráter transnacional e transregional.
tuningal3
TUNINGAL
  • Foi concebido como um espaço de reflexão de atores comprometidos com a educação superior, que através da busca de consensos, contribuem para avançar no desenvolvimento de titulações facilmente comparáveis e compreensíveis, de forma articulada, na América Latina.
tuningal4
TUNINGAL
  • Estrutura Funcional
  • Comitê de Gestão
  • 19 centros nacionais
  • 190 universidades latino americanas
  • 12 grupos de trabalho
  • Página Web: http://tuning.unideusto.org/tuningal/

acesso restrito, rede

Financiamento: Programa Alfa

Contrapartida IES-Dias de trabalho($)

tuningal5
TUNINGAL

Áreas:

Administração de Empresas*

Arquitetura

Direito Educação*

  Enfermagem Física  Geologia * História*  Engenharia Civil  Matemática Medicina  Química * FaseI-inicio março de 2005

Fase II-inicio fevereiro de 2006

tuningal6
TUNINGAL

Duração Projeto-2anos

5 reuniões gerais

  • Argentina. Buenos Aires, U Federal del Plata. Março 2005
  • Brasil. Belo Horizonte, UFMG. Agosto de 2005
  • Costa Rica . San José ,U de Costa Rica. Fevereiro de 2006
  • Belgica. Bruxelas. Junho de 2006
  • México. Cidade do México. Fevereiro de 2007
tuningal7
TUNINGAL
  • Linhas de Trabalho:
  • Competências Gerais e Específicas
  • Enfoques de ensino-aprendizagem das competências
  • Créditos Acadêmicos
  • Qualidade dos programas
tuningal8
TUNINGAL

Metodologia Competências

Proposta em reunião presencial

Validadas por consultas a grupos específicos:

  • Professores
  • Empregadores
  • Estudantes*
  • Egressos**
  • Para cada variável(competência) admitiu-se 4 níveis decrescentes de importância e de realização:4muito,3bastante,2pouco,1nada

* 2ª metade do curso

**intervalo de 3-5 anos

tuningal9
TUNINGAL
  • Competências Gerais-
  • N = 27
  • Mais importantes:
  • Compromisso ético
  • Compromisso com a qualidade
  • aprender e atualizar-se
  • abstração, análise e síntese
  • aplicar os conhecimentos na prática
  • identificar, planejar e resolver problemas
  • tomar decisões
  • trabalho em equipe
tuningal10
TUNINGAL
  • Competências Específicas
  • Exemplo Medicina.
  • 10 grupos de macro competências 63 competências
tuningal11
TUNINGAL
  • Competências Específicas
  • Exemplo Medicina.10 grupos de macro competências:

I o exercício da prática clínica,

II atendimento médico de urgências,

III receitar medicamentos,

IV comunicar-se no exercício profissional,

V realizar procedimentos diagnósticos e terapêuticos,

VI identificar os fatores determinantes no processo saúde-doença,

VII uso da evidência na prática médica,

VII uso efetivo da informação e suas tecnologias no contexto médico

IX aplicar os princípios éticos e legais,

X trabalhar efetivamente nos sistemas de saúde.

tuningal12
TUNINGAL
  • Competências Específicas.Med
  • I Competência PARA REALIZAR A PRÁTICA CLÍNICA
  • Competências para:
  • 1. redigira História Clínica.
  • 2. realizar em qualquer ambiente a anamnesis completa, enfatizando os aspectos psico-sociais e ambientais que incidem na saúde das pessoas.
  • 3.realizar o exame físico completo,incluindo a avaliação do estado mental.
  • 4. realizar o diagnóstico sindrômico e formular hipóteses diagnósticas levando em conta os dados anamnésicos, os resultados descobertos no exame físico e as doenças prevalentes.
  • 5. realizar diagnósticos diferenciais.
  • 6. selecionar, indicar e interpretar as provas diagnósticas.
  • 7. indicar e realizar os tratamentos médicos correspondentes.
  • 8.derivar a outro nível de atendimento.
tuningal13
TUNINGAL
  • Competências Genéricas e Específicas
  • Enfoques de ensino-aprendizagem das competências
  • Créditos Acadêmicos
  • Qualidade dos programas
tuningal14
TUNINGAL

Enfoques de ensino-aprendizagem das competências:

  • COMPETÊNCIA.-

Capacidade para selecionar, indicar e interpretar Provas Diagnósticas.

  • DEFINIÇÃO-

Capacidade para selecionar e identificar, as provas diagnósticas mais adeguadas.

  • O DOMINIO da competência está relacionado com:

Capacidade para seleccionar e indicar en forma coerente de acordo a prioridade e importância seguindo ordem sequencial no

pedido das mesmas.

Capacidade de interpretação das provas para poder chegar a um diagnóstico definitivo.

  • NIVEIS.-

Seleciona e indica as Provas Diagnósticas.

Reconhece as pruebas diagnósticas e organiza o diagnóstico...

tuningal15
TUNINGAL

Competências Genéricas e Específicas

  • Enfoques de ensino-aprendizagem das competências
  • Créditos Acadêmicos
  • Qualidade dos programas
tuningal16
TUNINGAL

Publicação:

Tuning América Latina-Refexiones Y perspectivas de la Educación Superior em América Latina

Editores:

Pablo Benetone, Cesar Esquetini, Julia Gonzalez, Maida Marty Maletá, Gabriela Siufi, Robert Wagenaar

Editora de la Universidad de Deusto, Espanha

slide56

Nosso Norte é o Sul

"...nosso norte é o Sul. Não deve existir norte para nós, senão em oposição ao nosso Sul. É por isso que agora viramos o mapa de baixo para cima, e agora passamos a conhecer nossa posição verdadeira, e certamente esta não é a posição que o resto do mundo gostaria que tivéssemos. De agora em diante, a extremidade alongada da América do Sul vai apontar insistentemente para o Sul, nosso Norte." Torres-García, La Escuela del Sur, 1935.