controle de plantas daninhas n.
Download
Skip this Video
Loading SlideShow in 5 Seconds..
Controle de Plantas Daninhas PowerPoint Presentation
Download Presentation
Controle de Plantas Daninhas

Loading in 2 Seconds...

play fullscreen
1 / 21

Controle de Plantas Daninhas - PowerPoint PPT Presentation


  • 313 Views
  • Uploaded on

Controle de Plantas Daninhas. Manejo das Plantas Daninhas Aula 9 e 10: 25 e 26/03/2014. Apresentação de trabalhos. Controle Biológico de Plantas Daninhas. 6.5 Controle Químico.

loader
I am the owner, or an agent authorized to act on behalf of the owner, of the copyrighted work described.
capcha
Download Presentation

PowerPoint Slideshow about 'Controle de Plantas Daninhas' - tamah


Download Now An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript
controle de plantas daninhas

Controle de Plantas Daninhas

Manejo das Plantas Daninhas

Aula 9 e 10: 25 e 26/03/2014

apresenta o de trabalhos

Apresentação de trabalhos

Controle Biológico de Plantas Daninhas

slide3

6.5 Controle Químico

O método de controle químico baseia-se no uso de produtos químicos visando matar plantas daninhas. Muitos produtos, antes da década de 1940, já eram usados com essa finalidade, como os boratos, o brometo de metila, o cloreto de sódio, o ácido sulfúrico, entre outros.

Todos esses produtos apresentavam sérios problemas e riscos, tanto para as culturas como para o ser humano, além de nem sempre serem eficientes ou econômicos, por serem utilizados em grandes quantidades por área aplicada (Deuber, 2006); além de não serem seletivos.

Esses produtos não são, essencialmente, produtos de uso agrícola, mas eram utilizados como herbicidas. Nos dias de hoje, já não se usam mais esses produtos na agricultura. Os produtos químicos utilizados para matar plantas daninhas passaram a ser desenvolvidos a partir da década de 1940 e são, hoje, os principais defensivos agrícolas comercializados no mundo, os herbicidas sintéticos.

slide4

6.5 Controle Químico

No final do século XIX, iniciaram-se as primeiras pesquisas com controle químico de plantas daninhas, utilizando sais de cobre para o controle de algumas eudicotiledôneas.

No início do século XX, o sulfato ferroso foi testado para o controle dessas plantas em trigo. Mas foi apenas durante a Segunda Guerra Mundial que cresceu o interesse em produzir herbicidas, primeiramente para desfolhar florestas.

Por volta de 1942, foi descoberto o 2,4-D, dando início a produção de herbicidas em escala comercial. A partir de 1950, surgiram herbicidas dos grupos amidas, carbamatos, triazinas etc.

Com o desenvolvimento de novos produtos e com a adoção do controle químico como o principal método de controle de plantas daninhas, hoje, quase 50% dos defensivos agrícolas comercializados são herbicidas.

slide5

6.5 Controle Químico

A grande aceitação do uso de herbicidas deve-se a alguns fatores (atribuídos como vantagens em relação aos outros métodos), destacando-se, segundo Silva e Silva (2007):

a) menor dependência de mão de obra, que é cada vez mais cara e difícil de ser encontrada;

b) rápido, prático e eficiente;

c) o controle é eficiente, mesmo em épocas chuvosas;

d) pode ser usado com eficiência mesmo na linha de plantio, sem danificar o sistema radicular da cultura;

e) permite o cultivo mínimo ou plantio direto;

f) pode controlar plantas daninhas de reprodução vegetativa.

slide6

6.5 Controle Químico

O ideal é que o controle químico fosse usado apenas como auxiliar aos demais métodos, porém, em muitos casos, os produtores usam apenas o método químico, gerando alguns problemas. As principais desvantagens do controle químico em relação aos outros métodos, segundo Silva e Silva (2007), são:

a) exigência de mão de obra mais qualificada e técnica;

b) poluição ambiental (de solos, rios, lençol freático etc);

c) presença de resíduos em alimentos, causando riscos para o ser humano e para os animais;

d) manutenção de resíduo no solo, podendo causar danos a culturas subsequentes;

e) risco de deriva, causando danos em culturas vizinhas;

f) propensão à seleção de plantas tolerantes e/ou resistentes.

slide7

6.5 Controle Químico

Nas principais culturas agrícolas, cultivadas extensivamente, os herbicidas são utilizados como o principal método de controle de plantas daninhas, como comentado. Hoje em dia, alguns herbicidas destacam-se em importância e quantidade utilizada, dependendo da cultura. O principal herbicida utilizado no Brasil e no mundo é o glyphosate. Outros herbicidas também têm se destacado, principalmente com o aparecimento de azevém e buva resistentes a glyphosate, como:

  • metsulfuron-methyl (Ally),
  • gluphosinate-ammonium (Finale),
  • flumioxazin (Flumyzin),
  • iodosulfuron-methyl (Hussar),
  • clodinafop-propargil (Topic),
  • 2,4-D (vários),
  • paraquat (Gramoxone),
  • chlorimuron-ethyl (Classic),
  • clethodim (Select),
  • diclosulan (Spider),
  • cloransulan-methyl (Pacto),
  • atrazine (vários),
  • tembotrione (Soberan),
  • nicosulfuron (Sanson),
  • mesotrione (Callisto),
  • fomezafen (Flex),
  • lactofen (Cobra),
  • bentazon + imazamox (Amplo),
  • entre outros
slide8

6.5.1 Tipos de Herbicidas

Existem vários tipos de herbicidas, que podem ser classificados

de diversas maneiras.

Quanto ao espectro de ação e à seletividade, os herbicidas podem ser:

graminicidas (controlam gramíneas, principalmente),

b) graminicidas exclusivos (controlam gramíneas, essencialmente, sendo seletivos para eudicotiledôneas) Ex: Atrazina no milho

c) latifolicidas (controlam eudicotiledôneas, principalmente), Ex: Imazetapir (Pivot) em soja

d) latifolicidas exclusivos (controlam eudicotiledôneas, essencialmente, sendo seletivos para monocotiledôneas) Ex. 2,4-D na cana

e) de amplo espectro (controlam tanto monocotiledôneas quanto eudicotiledôneas, sendo não-seletivos). Ex: Glifosato, Paraquat, Diquat.

Por meio da biotecnologia, é possível tornar seletivo um herbicida não-seletivo por determinada espécie, como a soja transgênica que é resistente ao glifosato

slide11

6.5.1 Tipos de Herbicidas – IMAZETAPIR (PIVOT)

PARA CONTROLE DE

Amendoim bravo / Leiteiro (Euphorbiaheterophylla) | Arroz-vermelho (Oryza sativa) | Capim colchão (Digitaria sanguinalis / Digitaria horizontalis) | Capim-arroz (Echinochloacruspavonis / Echinochloacrusgalli) | Capim-carrapicho(Cenchrusechinatus) | Capim-marmelada (Brachiariaplantaginea) | Caruru-de-espinho (Amaranthusspinosus) | Caruru-de-mancha (Amaranthusviridis) |Caruru-roxo (Amaranthushybridus) | Corda-de-viola (Ipomoeanil / Ipomoeaquamoclit / Ipomoeagrandifolia) | Erva-de-touro (Tridaxprocumbens) | Joá-bravo(Solenumsisybrifolium) | Junquinho (Cyperus iria) | Nabiça ou Nabo bravo(Raphanusraphanistrum) | Picão-preto (Bidens pilosa) | Poaia-branca (Richardiabrasiliensis) | Trapoeraba (Commelinabenghalensis)

UTILIZADO EM Arroz irrigado | Soja

slide12

Impactos toxicológicos de herbicidas recomendados para a cultura do milho em ninfas do predador Podisusnigrispinus (Hemiptera: Pentatomidae) da Lagarta da Soja (A. gematllis)

Silma da Silva Camilo, Marcus Alvarenga Soares, José Barbosa dos Santos, Sebastião Lourenço de Assis Júnior, Evander Alves Ferreira, Claubert Wagner Guimarães de Menezes

Resumo

A presença de plantas daninhas na cultura do milho (ZeamaysL.) pode ocasionar altas perdas na produção. O controle químico das plantas daninhas é o mais utilizado nesta cultura, mas pode afetar negativamente os inimigos naturais presentes nas lavouras. O objetivo do trabalho foi avaliar a toxicidade de herbicidas registrados para a cultura do milho a ninfas do predador PodisusnigrispinusDallas, 1851 (Hemiptera: Pentatomidae). Avaliou-se o efeito de atrazine, nicosulfuron, mesotrione, paraquat e o controle à base de água destilada, sobre três estádios imaturos do inseto (terceiro, quarto e quinto), em doses equivalentes à metade, ao dobro, a quatro e dez vezes à recomendada para a cultura do milho. Os herbicidas foram aplicados sobre potes plásticos de 500 mL contendo, cinco ninfas de cada estádio do inseto, constituindo a unidade amostral, com seis repetições. Após 96 horas foi realizada a contagem dos sobreviventes. Para todos os estádios de P. nigrispinus o aumento das doses dos herbicidas ocasionou decréscimo na taxa de sobrevivência. Esta foi menor para os insetos expostos ao atrazine e paraquat (Gramoxone) . O mesotrione (Callisto) foi o menos tóxico e o nicosulfuron (Sanson) apresentou toxicidade mediana. Conclui-se que as ninfas do terceiro ao quinto estádio do inimigo natural P. nigrispinussão mais suscetíveis aos herbicidas atrazine e paraquat. Além disso, mesotrione e nicosulfuron podem ser utilizados na cultura do milho, visando preservar a população deste predador.

slide13

6.5.1 Tipos de Herbicidas

Quanto à translocação nas plantas, os herbicidas podem ser:

tópicos ou de contato (após serem absorvidos, atuam próximo ao local de absorção, apresentando translocação insignificante) – Ação mais rapidamente visível .

sistêmicos (após serem absorvidos, podem atuar longe do local de absorção, apresentando translocação significante) – Ação mais demorada.

Quanto à época de aplicação, os herbicidas podem ser:

pré-emergentes (aplicados antes da emergência) ou

b) pós-emergentes (aplicados após a emergência das plantas daninhas)

slide14

6.5.1 Tipos de Herbicidas – Pré Emergentes

Quando o herbicida é muito volátil, de solubilidade muito baixa em água e, ou, fotodegradável, ele necessita ser incorporado ao solo. Por essa razão, deve ser aplicado antes do plantio, como é o caso do trifluralin . Quando aplicado após o preparo do solo e incorporado antes do plantio, diz-se que este herbicida é aplicado no sistema PPI (Pré plantio incorporado).

Também no sistema de plantio direto e cultivo mínimo alguns herbicidas devem ser aplicados antes do plantio, pois normalmente são não-seletivos, apresentam curto efeito residual e quase sempre são utilizados como dessecantes, visando facilitar o plantio e promover a cobertura morta do solo, como glifosato, paraquat.

Contudo, podem-se também misturar, especialmente com o glifosato, outros que possuem maior efeito residual no solo, auxiliando ou não na dessecação das plantas, porém garantindo o controle inicial das plantas daninhas na implantação da lavoura. Ex: flumioxazin (Flumyzin), imazaquin (Scepter), Clorimuron-ethyl (Classic), imazetapir (Pivot), metribuzin (Sencor).

slide15

6.5.1 Tipos de Herbicidas

Ex: Trecho da bula do DICLOSULAM - Spider 840 WG – 41,7 g/há EM PPI

Euphorbiaheterophylla – leiteira

Ipomoeagrandifolia – corda de viola

Sida rhombifolia – guanxuma

Xanthiumstrumarium – carrapichão

Acanthospermumaustrale – carrapicho rasteiro

Desmodiumtortuosum – carrapicho beiço de boi

Hyptissuaveolens – cheirosa

Mimosa invisa – sensitiva, dormideira

Chamaesyce hirta – erva de santa luzia

Portulacaoleracea – beldroega

Eupatoriumpauciflorum – botão azul

Ageratumconyzoides – mentrasto

Cróton grandulosus – gervão branco

slide16

6.5.1 Tipos de Herbicidas

Ex: Trecho da bula do DICLOSULAM - Spider 840 WG – 24 g/há EM PPI

Raphanusraphanistrum – nabo

Bidens pilosa – picão preto

Emilia sonchifolia – falsa serralha

Amaranthusviridis - caruru

Acanthospermumhispídum - carrapicho de carneiro

Tridaxprocumbens – erva de touro

slide17

6.5.1 Tipos de Herbicidas

Ex: Trecho da bula do Spider WG – 29,8 g/há EM Pré emergência

Bidens pilosa – picão preto

Euphorbiaheterophylla – leiteira

Ipomoeagrandifolia – corda de viola

Sida rhombifolia – guanxuma

Chamaesyce hirta – erva de santa luzia

Ex: Trecho da bula do Spider WG – 41,7 g/há EM Pré emergência

Acanthospermumaustrale – carrapicho rasteiro

Acanthospermumhispidum – carrapicho de carneiro

Spermacocelatifolia – erva quente

slide18

6.5.1 Tipos de Herbicidas

Ex: Trecho da bula do DICLOSULAM - Spider 840 WG

7. LIMITAÇÕES DE USO:

A soja apresenta boa tolerância à aplicação de SPIDER 840 WG nas doses

recomendadas, quando a mesma for plantada em áreas apropriadas para o seu cultivo.

A soja não poderá ser rotacionada com as seguintes culturas de outono, plantadas imediatamente após a colheita da soja: milho, girassol, sorgo e brássicas.

O girassol poderá ser plantado 18 meses após a colheita da soja.

slide19

6.5.1 Tipos de Herbicidas – Pós Emergentes

Quando o herbicida é absorvido apenas pelas folhas, eles devem ser aplicados somente em pós-emergência das plantas daninhas.

Esses produtos podem ser ainda não-seletivos para a cultura, e nesse caso, devem ser aplicados antes da emergência (pré-emergência), como o glifosato e paraquat aplicados no plantio direto ou em aplicação dirigida em culturas perenes como fruteiras, reflorestamento e lavouras de café.

Entretanto, se o herbicida é seltivo para a cultura, ele pode ser aplicado em pós-emergência das plantas daninhas e das culturas. Ex: Setoxydim (Posat) em tomate, feijão, soja; nicosulfuron (Sanson) em milho; metsulfuron-methyl (Ally) em trigo, etc.

Se o herbicida é absorvido pelas folhas e raízes, a sua aplicação em pré ou pós emergência vai depender da tolerância da cultura e também das condições nas quais ele apresenta melhor desempenho. Ex: Atrazina, recomendado para cultura do milho e sorgo é usado em pré-emergência. Mas quando usado em pós-emergência, deve-se adicionar óleo à calda mineral, visando solubilizar parte da cera epicuticular, aumentando a sua penetração pelas folhas.

slide20

6.5.2 Absorção,Translocação e Detoxificação

A absorção de herbicidas está relacionada ao modo de aplicação. Herbicidas aplicados no solo podem ser absorvidos pelos pelas raízes ou outros órgãos subterrâneos (bulbos, tubérculos, rizomas e estolão) de plantas já emergidas, ou mesmo ser absorvidos por primórdios foliares ou radiculares da plântula em emergência.

Herbicidas aplicados na parte aérea podem ser absorvidos pelas folhas ou mesmo pelo caule.

A translocação de herbicidas pode ocorrer através do xilema (apoplástica), do floema (simplástica) ou ambos (apossimplástica). No xilema, a translocação do herbicida acompanha o fluxo de seiva bruta, obedecendo ao fluxo transpiratório da planta. No floema, a translocação do herbicida acompanha o fluxo de fotoassimilados da planta produzidos na fotossíntese.

A detoxificação de herbicidas é a degradação do produto em metabólitos menos tóxicos ou atóxicos, após a absorção. Existem várias enzimas envolvidas no processo de detoxificação de herbicidas, destacando-se: cytP450m (citocromo-P450-monooxigenases), SOD (superóxido dismutase), GT (glicosiltransferases), MT (maloniltransferases), GST (glutationa-S-transferases), entre outras.

slide21

X. Bibliografia

SILVA, A. A.; SILVA, J. F. Tópicos em manejo de plantas daninhas. Viçosa: Ed. UFV, 2007. 367p.

Carvalho, Leonardo Bianco de, Plantas Daninhas / Editado pelo autor, Lages, SC, 2013 vi, 82p.

CHRISTOFFOLETI, P. J.; LÓPEZ-EVEJERO, R. F.; NICOLAI, M.; VARGAS, L.; CARVALHO, S. J. P.; CATANEO, A. C.; CARVALHO, J. C.; MOREIRA, M. S. Aspectos de resistência de plantas daninhas a herbicidas. 3. ed. HRAC-BR: Piracicaba, 2008. 120 p.