Universidade Federal de Uberlândia
Download
1 / 79

- PowerPoint PPT Presentation


  • 126 Views
  • Uploaded on

Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Engenharia Mecânica Fundamentos De Dinâmica De Veículos. GEM15-Dinâmica de Máquinas. Professor: Marcelo Braga dos Santos. Capitulo 1. Conceitos de Cinemática e Dinâmica Aplicados às Máquinas.

loader
I am the owner, or an agent authorized to act on behalf of the owner, of the copyrighted work described.
capcha
Download Presentation

PowerPoint Slideshow about '' - tallulah-ramos


An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript
Universidade federal de uberl ndia faculdade de engenharia mec nica

Universidade Federal de Uberlândia

Faculdade de Engenharia Mecânica

Fundamentos De Dinâmica De Veículos

GEM15-Dinâmica de Máquinas

Professor: Marcelo Braga dos Santos


Capitulo 1
Capitulo 1

Conceitos de Cinemática e Dinâmica Aplicados às Máquinas


1 introdu o cinem tica e din mica de m quinas e componentes
1- Introdução à Cinemática e Dinâmica de Máquinas e Componentes

1.1- Considerações

  • Importância do estudo dos mecanismos => Presença nas máquinas;

  • Mecanismo => É um conjunto de elementos de máquinas ligados de forma a produzir um movimento específico;

  • Máquina => Um (ou mais) mecanismo(s) que transmite(m) força de uma fonte de potência a uma resistência a ser superada;


Universidade federal de uberl ndia faculdade de engenharia mec nica

  • Projeto de uma máquina Componentes

  • Cinemática:

    - Posição velocidade e aceleração;

    - Função do sistema => Obtenção do movimento correto.

  • Dinâmica:

    - Cinemática + forças (geradas ou fornecidas) envolvidas no funcionamento;

    - Inércia e potência.

  • Resistência:

    - Esforços => Integridade do sistema;

    - Dimensionamento e seleção de materiais.

  • Modernamente: CAD => Multicorpos (otimização)

    => FEM (otimização)


1 2 tipos de mecanismos
1.2- Tipos de Mecanismos Componentes

  • Sistemas articulados

  • Cursor – biela - manivela;

    *Peça 1 => Suporte ou base => Bloco;

    *Peça 2 => Manivela => Virabrequim;

    *Peça 3 => Biela => Biela;

    *Peça 4 => Cursor => Pistão.


Universidade federal de uberl ndia faculdade de engenharia mec nica


Universidade federal de uberl ndia faculdade de engenharia mec nica

  • Came/Seguidor Componentes

  • Came => Elemento mecânico usado para acionar um seguidor;

  • O acionamento é feito por meio de contato direto;

  • Mecanismo compacto;

  • Aparece em muitas máquinas;

  • Aplicação:


Universidade federal de uberl ndia faculdade de engenharia mec nica

  • Exemplo 1: Forma típica Componentes

    (came de disco com seguidor

    radial de face plana)

    - Came + seguidor;

    - Velocidade constante;

    - Elevação => Excêntrico;

    - Retorno => Gravidade, mola, came => Velocidade;

    - Eixo comando de válvulas de motores.


Universidade federal de uberl ndia faculdade de engenharia mec nica


Universidade federal de uberl ndia faculdade de engenharia mec nica

  • Exemplo 3: Came de retorno comandado Componentes

    - Comando de válvulas desmodrômico => DUCATTI;

    - Retorno forçado => Não permite flutuação;

    - Precisão e desgaste afetam o funcionamento.


Universidade federal de uberl ndia faculdade de engenharia mec nica

  • Engrenagens Componentes

  • Elemento mecânico dentado;

  • Muito usadas para transmitir movimento angular;

  • Projetadas para proporcionar razão de velocidade constante;

  • Contato direto dos dentes;

  • Algumas configurações possíveis (exemplos).


Universidade federal de uberl ndia faculdade de engenharia mec nica

  • Trens de engrenagens Componentes

  • Necessário quando a redução desejada é grande.

  • Divisão da redução:

    - Necessidade cinemática;

    - Restrição construtiva.


1 4 defini es importantes
1.4 – Definições importantes Componentes

  • Ciclo do movimento

  • Partindo da posição inicial;

  • Passagem por todas as posições intermediárias;

  • Retorno à posição inicial.

  • Período: Tempo necessário para completar um ciclo.

  • Fase: Posições relativas de um mecanismo em um determinado instante.

  • Pares de elementos:

    - Forma geométrica pela qual as peças de um mecanismo são articuladas;

    - Conexões.


Universidade federal de uberl ndia faculdade de engenharia mec nica

  • Peça Componentes:

    - Corpo rígido que possui 2 ou mais conexões;

    - Função: Transmitir força e movimento às demais peças.



1 5 atualidade do estudo e exemplos de aplica es pr ticas
1.5- Atualidade do estudo e exemplos de aplicações práticas

  • Máquinas modernas => Mecanismos clássicos

  • Engrenagens => Câmbio de Fórmula 1

  • Câmbio automático / hidramático

  • Sistema articulados

  • Mecanismo de 4 barras => Motor alternativo de combustão interna;



Universidade federal de uberl ndia faculdade de engenharia mec nica

  • Correias práticas

  • Uno selecta

    - 45 HP e 9Kgfm

  • Nissan CVT

  • - Motor 2.0 e 20Kgfm

  • Mini-Baja UFU

  • - 10 HP


Universidade federal de uberl ndia faculdade de engenharia mec nica


Universidade federal de uberl ndia faculdade de engenharia mec nica

CVT Toroidal práticas


Universidade federal de uberl ndia faculdade de engenharia mec nica




Universidade federal de uberl ndia faculdade de engenharia mec nica

  • Honda VTEC práticas

    - Comando de válvulas variável;

    - Atua na admissão e escape simultaneamente;

    - Altera o tempo de permanência e cruzamento das válvulas;

    - Usado nos motores de Fórmula 1 .


Universidade federal de uberl ndia faculdade de engenharia mec nica

  • Rotores de câmara práticas

  • Motor Wankel

    - Figura => Funcionamento do motor Wankel;

    - Proporciona elevada potência com um volume reduzido;

    - Principal problema: Estanqueidade e durabilidade dos vedadores;

    - Exemplos...


Universidade federal de uberl ndia faculdade de engenharia mec nica

- Exemplo 2: Mazda RX7 => Potência específica de 196 CV/l

- Ótimo desempenho e durabilidade elevada;


Universidade federal de uberl ndia faculdade de engenharia mec nica

  • Compressor de lóbulos ou compressor Roots CV/l

    - Sobrealimentação de motores (MAD MAX);

    - Acionamento mecânico (correia, corrente ou engrenagens);

    - Baixa pressão associada a elevada vazão (Blower ou soprador).



Universidade federal de uberl ndia faculdade de engenharia mec nica

  • Compressor de espiral CV/l

    - Sobrealimentação de motores;

    - Acionamento mecânico;

    - Ex:. Volkswagen Corrado.


Universidade federal de uberl ndia faculdade de engenharia mec nica

  • Compressor de parafuso CV/l

    - Principais usos => Compressor de ar ou sobre alimentação de motores;

    - Proporciona alta pressão e elevada vazão;

    - Extremamente confiável para uso contínuo;

    - Ex. 1: Hospital de clínicas da UFU;

    - Ex.2: Mercedes-Benz 230 Kompressor (Classe C, SLK ou CLK);

    - 2.3 Kompressor => 193CV;

    - 2.8 Aspirado => 197 CV.


1 3 tipos de movimentos
1.3- Tipos de Movimentos CV/l

  • Movimento plano

  • Translação: Quando uma reta pertencente ao corpo permanece sempre paralela a si mesma.

  • Translação retilínea: Todos os pontos do corpo tem trajetórias retas paralelas.



Universidade federal de uberl ndia faculdade de engenharia mec nica


Universidade federal de uberl ndia faculdade de engenharia mec nica

  • Rotação: Cada ponto do corpo rígido permanece a uma distância constante de um eixo fixo normal ao plano do movimento.

  • Oscilação: Rotação alternada de um ângulo determinado.

  • Translação e rotação combinados:

    - Exemplo:

    -Peça 2 => Rotação

    - Peça 4 => Oscilação

    - Peça 3 => Translação e rotação combinadas


Universidade federal de uberl ndia faculdade de engenharia mec nica

  • Movimento helicoidal distância constante de um eixo fixo normal ao plano do movimento.

    • Rotação em torno de um eixo fixo;

    • Translação paralela a este eixo;

    • Exemplo: Porca sendo atarraxada em um parafuso.

  • Movimento esférico

    • Todos os pontos do corpo giram em torno de um ponto fixo;

    • Distância deste ponto é mantida constante;

    • Exemplo: Terminal de direção de automóveis.


Universidade federal de uberl ndia faculdade de engenharia mec nica

  • Cadeia cinemática distância constante de um eixo fixo normal ao plano do movimento.

  • Conjunto de peças ligadas por articulações;

  • Ausência de movimento relativo => Estrutura;

  • Cadeia restrita => Movimento relativo entre as peças é único;

  • Cadeia restrita + Peça fixa = Mecanismo.

  • Inversão de um mecanismo

  • Alteração da peça fixa;

  • Movimento relativo entre peças permanece inalterado;

  • Movimentos absolutos diferentes.


Universidade federal de uberl ndia faculdade de engenharia mec nica

  • Transmissão de movimento distância constante de um eixo fixo normal ao plano do movimento.

  • Contato direto => Ex: Came/seguidor e dentes de engrenagens;

  • Por elemento intermediário => Ex: Biela;

  • Através de uma ligação flexível => Ex: Correia, corrente ou cabo.


Universidade federal de uberl ndia faculdade de engenharia mec nica

  • Exemplo 1 distância constante de um eixo fixo normal ao plano do movimento.


Universidade federal de uberl ndia faculdade de engenharia mec nica

  • Exemplo 1 distância constante de um eixo fixo normal ao plano do movimento.


Universidade federal de uberl ndia faculdade de engenharia mec nica

PM2 O2P


Universidade federal de uberl ndia faculdade de engenharia mec nica

NN’ => Normal comum passando por P => Linha de ação (ou transmissão) da força

TT’ => Tangente comum

A velocidade PM2 pode ser decomposta em:

- PN => Ao longo da normal comum

- Pt2 => Ao longo da tangente comum


Universidade federal de uberl ndia faculdade de engenharia mec nica

  • Uma vez que existe contato: transmissão) da força

    PN (considerando P na peça 2) = PN (considerando P na peça 3)

  • Conhecendo PN e o raio O3P pode-se determinar o vetor velocidade tangencial

PM3 O3P


Universidade federal de uberl ndia faculdade de engenharia mec nica

Conhecido PM transmissão) da força3 pode-se obter a velocidade de rotação do seguidor:

Cálculo da velocidade de deslizamento: Neste caso observa-se que: Pt2 e Pt3 tem direção contrária, logo

Velocidade deslizamento= /Pt2 / +/Pt3 / = Pt2 + Pt3 ( se eles tivessem a mesma direção seria a diferença)

V= ω.R


Universidade federal de uberl ndia faculdade de engenharia mec nica


Universidade federal de uberl ndia faculdade de engenharia mec nica

Para o mecanismo em questão: transmissão) da força

- Combinação de rolamento e deslizamento

- Rolamento puro => P sobre a linha de centros => Não é possível pela configuração física do problema, proporção das peças


Universidade federal de uberl ndia faculdade de engenharia mec nica

De outra maneira.... transmissão) da força

e

Ao dividir uma equação pela outra =>


Universidade federal de uberl ndia faculdade de engenharia mec nica


Universidade federal de uberl ndia faculdade de engenharia mec nica

Os triângulos PM e passando por O3n e O3Pf também são semelhantes, assim:


Universidade federal de uberl ndia faculdade de engenharia mec nica

- Substituindo em (1) ... e passando por O

Logo:

  • Existem mais de 2 triângulos semelhantes => O2Ke e O3Kf , assim:


Universidade federal de uberl ndia faculdade de engenharia mec nica


Universidade federal de uberl ndia faculdade de engenharia mec nica

  • Conclusão e passando por O

  • Para superfícies curvas em contato direto, as velocidades angulares são inversamente proporcionais aos segmentos determinados na linha de centro por sua interseção com a normal comum (linha de ação da força).

  • Para haver uma razão de velocidade angular constante, a normal comum deve cruzar a linha de centros em um ponto fixo.


Universidade federal de uberl ndia faculdade de engenharia mec nica

  • Exemplo 2 e passando por O

  • Provar que, para o mecanismo mostrado a velocidade angular da peça conduzida e condutora são inversamente proporcionais aos seguimentos determinados na linha de centro por sua interseção com a linha de transmissão.


Universidade federal de uberl ndia faculdade de engenharia mec nica


Universidade federal de uberl ndia faculdade de engenharia mec nica

Solução e passando por O

Tem-se que:


Universidade federal de uberl ndia faculdade de engenharia mec nica

Mas... e passando por O


Universidade federal de uberl ndia faculdade de engenharia mec nica


Universidade federal de uberl ndia faculdade de engenharia mec nica


Universidade federal de uberl ndia faculdade de engenharia mec nica

  • Exemplo 3 e passando por O

    Provar que, para as polias mostradas as velocidades angulares das polias são inversamente proporcionais ao segmento determinado na linha de centro por sua interseção com a linha de transmissão.


Universidade federal de uberl ndia faculdade de engenharia mec nica

Solução e passando por O

  • Dos triângulos semelhantes O2T2 K e O4T4 K têm-se:


Universidade federal de uberl ndia faculdade de engenharia mec nica