slide1 n.
Download
Skip this Video
Loading SlideShow in 5 Seconds..
Escuta Discípulo Amado, o meu coração. E a Palavra dos meus lábios guarda em teu coração. PowerPoint Presentation
Download Presentation
Escuta Discípulo Amado, o meu coração. E a Palavra dos meus lábios guarda em teu coração.

Loading in 2 Seconds...

play fullscreen
1 / 48

Escuta Discípulo Amado, o meu coração. E a Palavra dos meus lábios guarda em teu coração. - PowerPoint PPT Presentation


  • 227 Views
  • Uploaded on

Escuta Discípulo Amado, o meu coração. E a Palavra dos meus lábios guarda em teu coração. O MÉTODO. Ver. Iluminar. Agir. Celebrar. Rever. Diretório Nacional de Catequese nº. 157-162. Ver.

loader
I am the owner, or an agent authorized to act on behalf of the owner, of the copyrighted work described.
capcha
Download Presentation

Escuta Discípulo Amado, o meu coração. E a Palavra dos meus lábios guarda em teu coração.


An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
    Presentation Transcript
    1. Escuta Discípulo Amado, o meu coração. E a Palavra dos meus lábios guarda em teu coração.

    2. O MÉTODO Ver Iluminar Agir Celebrar Rever

    3. Diretório Nacional de Catequese nº. 157-162

    4. Ver É um olhar crítico e concreto a partir da realidade da pessoa, dos acontecimentos e dos fatos da Vida. A catequese motiva os catequizandos a conhecer e analisar criticamente a realidade social em que vivem, com seus condicionamentos econômicos, sócio-culturais, políticos e religiosos...

    5. ...É necessário que o próprio catequista tenha formação contínua, para que se habitue a fazer análise de conjuntura e sensibilizar-se com seus problemas de realidade, descobrindo os sinais dos tempos. O ver cristão já traz em si a iluminação da fé.

    6. Iluminar É o momento de escutar a Palavra de Deus. Implica a reflexão e o estudo que iluminam a realidade, questionando- a pessoal e comunitariamente. Para acolher a realidade, como cristãos, é necessária a conversão contínua na busca da vontade do Pai...

    7. ...Com cobertura à presença do Espírito Santo, na escuta orante da Palavra de Deus, com atitude contemplativa e fidelidade á mesma Palavra, à Tradição e ao magistério, o catequista cresce na capacidade de questionar a realidade.

    8. Agir É o momento de tomar decisões, orientando vida na direção das exigências do Projeto de Deus. É o tempo de vivenciar e assumir conscientemente o compromisso e dar as necessárias respostas para a renovação da Igreja e a transformação da realidade...

    9. ...Isto exige de catequistas e catequizandos confiança em Deus, coerência entre a Fé e vida e a fortaleza para acolher as mudanças que são necessárias na caminhada da sociedade e na sua vida pessoal, com suas profundas exigências éticas e morais...

    10. ...O agir é compromisso de viver como irmãos, promover integralmente as pessoas e as comunidades, servir aos mais necessitados, lutar por justiça e paz, denunciar profeticamente e transformar evangelicamente as estruturas e as situações desumanas, buscando o bem comum...

    11. ...O compromisso do agir aparece hoje muito enriquecido com os princípios e critérios expostos no COMPÊNDIO DA DOUTRINA SOCIAL DA IGREJA (2005) que fundamenta e aplica nas realidades sociais uma ética e moral cristã.

    12. Celebrar É momento privilegiado para a experiência da graça divina. É o feliz encontro com Deus na oração e no louvor, que anima e impulsiona o processo catequético. Supera a oração puramente rotineira.

    13. ...Esta dimensão orante e celebrativa deve caracterizar a catequese, para que ela não caia na tentação de ser feita de encontros só de estudo e compreensão intelectual da mensagem evangélica...

    14. ...A celebração também educa a pessoa o grupo para a oração e contemplação, para o dialogo filial e amoroso, pessoal e comunitário com o Pai. A dimensão catecumenal da Catequese tem aqui sua maior expressão.

    15. Rever É o momento para sintetizar a caminhada catequética, valorizar os catequistas e os catequizandos, aprofundar as etapas do planejamento proposto, revendo os conteúdos e os compromissos assumidos...

    16. ...O rever é o ver de novo a caminhada da Catequese; é tomar consciência, hoje, de como agimos ontem para melhor agir amanhã. Faz surgir novos questionamentos para ajudar a tomar as decisões e determinar o grau de eficácia e de eficiência, favorecendo uma contínua realimentação...

    17. ...O rever é uma construção do Reino. Para rever com eficiência a sua ação, os catequistas devem ter um conhecimento básico dos princípios de planejamento participativo e a atitude firme de levar em conta as avaliações feitas, mudando o que deve ser mudado, libertando-se de rotinas paralisantes, confirmando a caminhada feita sob o impulso do Espírito Santo.

    18. Vamos fazer uma revisão da Interação Fé e Vida de nossa Comunidade?

    19. O que fazemos? Atividade catequética. Como fazemos? Como está sendo realizada. Necessidades a que responde? Como é usada a Bíblia?

    20. Ao preparar o encontro de catequese, é preciso ter a mesma disposição de quem prepara uma festa se prepara para receber seus convidados.

    21. Três momentos são significativos para o encontro • Antes do Encontro. • Durante o Encontro. • Depois do Encontro.

    22. Bom, agora vamos todos juntos ver e refletircada um desses momentos

    23. Antes do Encontro Onde criamos intimidade com o conteúdo a ser desenvolvido... É o momento de planejar o desenvolvimento do encontro.

    24. Pesquisar: Os acontecimentos da semana e dados da vida dos catequizandos, que possam contribuir no desenvolvimento do conteúdo.

    25. Entrar em contato com o texto bíblico.Definir o que é prioritário...

    26. ...Ver se o conteúdo é adequado para a idade dos catequizandos...

    27. ...Selecionar textos, filmes, dinâmicos que contribuíam para a compreensão da mensagem que queira passar.

    28. Programar bem o tempo para aplicar o conteúdo, bem como as dinâmicas. Preparar bem o ambiente...

    29. ...É importante prever no planejamento dos encontros todos os passos necessários: Acolhida, Motivação, Momento da Palavra, Atividades, Momento do agir, Avaliação. Depois passaremos um quadro do planejamento dos encontros.

    30. Se estivermos bem preparados, estaremos preparados para eventuais imprevistos que venham acontecer durante o encontro e vamos saber contornar e fazer com que os catequizandos voltem a se interar do assunto que esta sendo dado no encontro. Mas se não estivermos bem preparados não saberemos voltar a atenção dos nossos catequizandos para aquilo que esta sendo dado.

    31. Tem vários livros que explicam com detalhes os passos de um encontro

    32. Durante o Encontro • Durante o encontro o catequista apresenta o conteúdo permitindo espaço para intervenções e contribuições dos Catequizandos. Nesse momento o catequista deverá ter a postura de ESCUTA. ESCUTA tem o significado de aprender a viver e conviver com diversas realidades humanas...

    33. ...Nossa postura deverá ser acolhedora porque agindo assim o catequizando terá oportunidade de esclarecer possíveis duvida, concepções erradas sobre a Igreja, a Catequeses e a melhor compreensão de DEUS e de mundo, Quando estamos preparados para o encontro damos testemunhos da nossa experiência na vivência de nossa Fé por que...

    34. Quando testemunhamos essa vivência vamos conseguir a confiança dos nossos catequizandos. • Saberemos lidar com as diferenças de opiniões. • Não faremos diferença entre nossos catequizandos • Sabemos controlar as emoções dos catequizandos (impulsos, suas ansiedades, medos, raivas, vergonhas. • Saberemos conduzir o grupo a uma convivência serena e fraterna. • Haverá maior participação dos catequizandos com os conteúdos que estamos desenvolvendo.

    35. Porque é durante nossos encontros que colocamos em prática o jeito de Jesus catequizar e trabalhar através do amor gratuito e de uma comunicação sincera, que provem do coração.

    36. Motivação • Devemos entender que motivar não é só usar dinâmicas ou outros recursos. Motivar na catequese é darmos um motivo, uma razão do nosso catequizando estar no encontro e se sentir parte daquele grupo de catequese. É nos interarmos de assuntos atuais da realidade deles (filmes, recortes de revistas incentivá-los, despertá-los.

    37. Palavra: É o momento de encontro entre o Catequizando e a Palavra de Deus. Daí a importância de nos prepararmos proclamação da Palavra, com um refrão, Acender a vela, reverencia a Palavra,...

    38. ...É bom sempre procuramos trazer o texto bíblico para a nossa realidade, questionar os catequizandos, ajudá-los a compreendem melhor o texto.

    39. Oração:

    40. É o ponto alto do encontro, é o elo que liga DEUS-CATEQUZANDO-CATEQUISTA. Momento de silêncio, da explicação, de nosso louvor, de agradecimento e o pedido de ajuda a Deus, para conseguir fidelidade coragem e esperança na nossa caminhada...

    41. Nesse momento veremos se preparamos e se estamos preparados para a escuta e o dialogo com Deus. Porque se não sentirmos isso em tão nossos encontros apenas foram “aulas de Catequese” Devemos nos apegar em quatro momentos bem significativos na Oração...

    42. Rezar: O catequista envolvido com a Palavra de Deus conseguirá fazer do seu encontro um verdadeiro momento de Oração.

    43. Rezamos Catequizandos; Através dos nossos testemunhos, posturas e palavras nos tornamos testemunhas da Experiência de Oração. Rezar com Eles- é o momento onde unimos a Motivação (encontro com Deus) e a Palavra (texto bíblico) aí realizamos o sentido da Oração.

    44. Ensinando os Catequizandos a Rezar: Quando passarmos á eles através dos encontros o sentido da Oração na Vida do Cristão, então ele irá compreender e ver que a Oração é o alimento para nossa espiritualidade.

    45. Atividades: • É um passo que devemos ensinar aos nossos catequizandos que devemos transformar as atividades em ações transformadoras e gerando com isso o envolvimento na Comunidade. é insuficiente realizar encontros com perspectivas de comunidade se o catequizando não ter prática participativa. Podemos colocá-los em ações transformadoras na Comunidade tais como, campanhas sociais, missões, festas do Padroeiro.

    46. Compromisso. • É o momento de fazer nossos catequizando tomar consciências de que alguma coisa deve ser feita , que ele deve se sentir comprometido com a mensagem e com a mudança a partir de suas necessidades e tudo deve ser de forma espontânea.

    47. Depois do encontro. • Ao sair do encontro é importante que os catequizandos tenham a clareza que o evangelho é para ser OUVIDO, VISTO e VIVIDO. Por isso cada encontro de catequese deverá rornar-se ação transformadora da Vida, segundo Plano de Deus. • Para nós catequistas ficam os questionamentos:

    48. O que contribui para formação dos meus catequizandos? • Como conduzi o encontro? • Despertei a participação de todos? • Consegui vivenciar a mensagem que transmiti? • O que devo melhorar para o próximo encontro?