Download
slide1 n.
Skip this Video
Loading SlideShow in 5 Seconds..
SAÚDE À LUZ DOS DETERMINANTES SOCIAIS: C ONSTRUINDO CONHECIMENTO DE FORMA COLABORATIVA . PowerPoint Presentation
Download Presentation
SAÚDE À LUZ DOS DETERMINANTES SOCIAIS: C ONSTRUINDO CONHECIMENTO DE FORMA COLABORATIVA .

SAÚDE À LUZ DOS DETERMINANTES SOCIAIS: C ONSTRUINDO CONHECIMENTO DE FORMA COLABORATIVA .

109 Views Download Presentation
Download Presentation

SAÚDE À LUZ DOS DETERMINANTES SOCIAIS: C ONSTRUINDO CONHECIMENTO DE FORMA COLABORATIVA .

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript

  1. SAÚDE À LUZ DOS DETERMINANTES SOCIAIS: CONSTRUINDO CONHECIMENTO DE FORMA COLABORATIVA. COMPONENTE CURRICULAR: INTRODUÇÃO AO CAMPO DA SAÚDE SUPERVISÃO E ORIENTAÇÃO: Prof.ª Dr.ª MARIA THEREZA ÁVILA RECORTE: PLANO DE SAÚDE DO MUNICÍPIO DE SALVADOR

  2. INTEGRANTE 1: JAIME WANNER PLANO MUNICIPAL DE SAÚDE DE SALVADOR – 2010-2013

  3. Constituição Federal Plano Plurianual Constituição Estadual

  4. Constituição Federal Plano Plurianual Constituição Estadual

  5. Processo de elaboração do PMS: Uma vez definido o conceito geral do que representa a Saúde, é preciso identificar os seguintes aspectos: • problemas e prioridades de intervenção que necessitam soluções; • fatores que determinam situações consideradas insatisfatórias; • linhas capazes de solucionar problemas; • procedimentos de monitoramento e avaliação do que foi planejado e executado. Serviço Único de Saúde

  6. A Estruturação do PMS: Primeiro momento: a análise da situação da saúde no município Identificação dos problemas e a condição de saúde da população e seus determinantes, tais como: • questões de ambiente e saneamento; • crescimento populacional e índice de envelhecimento; • taxa de fecundidade e mortalidade e expectativa de vida; • renda, taxa de desemprego e níveis de escolaridade; • violência, Índice de Desenvolvimento Humano (IDH), etc.; • identificação de grupos vulneráveis ou de portadores de necessidades especiais. Serviço Único de Saúde

  7. A Estruturação do PMS: Segundo momento: estabelecimento dos objetivos, envolvendo • Análise da viabilidade política, econômica e técnico-organizacional; • Análise da coerência com as políticas do governo. As metas visam a esclarecer e quantificar: • o quê; • para quem; • quando. Serviço Único de Saúde

  8. A Estruturação do PMS: Segundo momento: estabelecimento dos objetivos, envolvendo Análise da viabilidade política, econômica e técnico-organizacional; Análise da coerência com as políticas do governo. As metas visam a esclarecer e quantificar: • o quê; • para quem; • quando. Nosso trabalho é fruto do estudo do Plano Municipal de Saúde (PMS) de Salvador, analisado à luz dos determinantes sociais, e compreende a explanação de cada um dos tópicos ali relacionados. Serviço Único de Saúde

  9. INTEGRANTE 2: ANDRÉ LOURIVAL ASCLÉPIOS

  10. MEDICINA PREVENTIVA (COLETIVA) MEDICINA CURATIVA INDIVIDUAL

  11. PROCESSO HISTÓRICO DA SAÚDE NO BRASIL CAPS CAIXAS DE APOSENTADORIAS E PENSÕES

  12. INTEGRANTE 3: ADRIANA SOUZA Caracterização do município ASPECTO TERRITORIAL • O município de Salvador, capital do Estado da Bahia, possui área de 693,292Km² e uma população de 2.675.656 habitantes(IBGE/2010). • Pertence a macrorregião Leste, microrregião de Salvador e 1ª Diretoria Regional de Saúde (DIRES). • Sua organização político administrativa compreende 18 Regiões Administrativas (RA) e 12 Distritos Sanitários (DS).

  13. Distribuição populacional, Segundo Distrito Sanitário. Salvador/Ba

  14. ASPECTO SOCIOECÔNOMICO • Salvador, no ano de 2005, apresentou um Produto Interno Bruto (PIB) per capita de 1,03%, sendo considerada a 9ª (nona) cidade mais rica do país, apresentando um Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) de 0,805 (IBGE, 2000).

  15. Índice de Desenvolvimento Humano, segundo RMS. 2000.

  16. ASPECTO HABITACIONAL • No ano de 2000 (IBGE) a proporção de moradores com abastecimento de água pela rede geral foi de 96,7% • No que se refere ao esgotamento sanitário 89,9% dos domicílios de Salvador no ano de 2010 (IBGE). • A coleta de lixo foi 93,1%.

  17. ASPECTO EDUCACIONAL • A rede municipal de ensino de Salvador é composta segundo dados do site da Secult de 425 Unidades Escolares que atendem a 149.239 alunos em 2012 (Portal Secult) que estão matriculados desde a educação Infantil até o 9º ano do ensino Fundamental e SEJA. Para atender as 425 escolas, a cidade de Salvador está dividida por 11 CREs, que segundo o Regimento da Secult, as CREs têm o objetivo de descentralizar as ações educativas e promover a articulação, monitoramento desenvolvendo as atribuições técnico-administrativo-pedagógicas. • É importante ressaltar o crescimento das matrículas de alunos com deficiência nas escolas regulares de Salvador

  18. ESCOLAS POR CRE

  19. ASPECTO DEMOGRÁFICO • A população estimada de Salvador, no ano 2008, de acordo com os dados censitários (IBGE/2000), foi de 2.948.733 habitantes, dividida em 46,9% do sexo masculino e 53,1% do sexo feminino. • É possível observar que houve uma redução na população de Salvador de acordo com os dados do censo 2010; • Observa-se ainda que a maior proporção da população está na faixa etária entre 10 -14;15 -19; 20 - 24 e 25 - 29 anos IBGE(2010)

  20. INTEGRANTE 4: CAMILA LIMA MORTALIDADE INFANTIL EM SALVADOR

  21. Mortalidade infantil • Diz respeito às mortes de crianças no primeiro ano de vida • TAXA DE MORTALIDADE = Número de óbitos/nascidos vivos • Índice considerável pela OMS = 10 mortes para cada mil nascimentos

  22. PRINCIPAIS CAUSAS (determinantes sociais) • Grau de escolaridade da mãe associada à condição socioeconômica • Falta de estrutura e saneamento básico em determinadas regiões • Falta de programas de saúde • Vazios de oferta de equipamentos de saúde

  23. PRINCIPAIS CAUSAS (doenças consequentes e/ou agravadas) • Algumas afecções originadas no período perinatal • Malformação congênita, deformidade e anomalias cromossômicas • Doenças do aparelho respiratório • Algumas doenças infecciosas e parasitárias • Doenças do sistema nervoso

  24. Processo de redução da taxa de mortalidade infantil em Salvador

  25. Fatores que contribuem para continuidade do processo de redução da taxa de mortalidade infantil em Salvador • Expansão da rede assistencial • Ampliação acelerada da infraestrutura e saneamento básico • Generalização dos serviços de saúde • Aumento da escolarização • Programas de saúde materno infantil voltados para o pré-natal, parto e puerpério • Programas de aleitamento materno e reidratação oral A criação do Comitê de Prevenção do Óbito Infantil e Fetal de Salvador (CPOIFS), cujas atividades iniciaram-se em dezembro de 2007, representa uma estratégia importante para implementação da vigilância do óbito infantil em Salvador

  26. INTEGRANTE 5: MAYRA DOURADO MORTALIDADE MATERNA • DOENÇAS DO APARELHO CIRCULATÓRIO • NEOPLASIAS • CAUSAS EXTERNAS

  27. ABORTO NE • PRÉ-ECLAMPSIA • ECLAMPSIA • GRAVIDEZ ECTÓPICA

  28. DSS Centro Histórico (244,2) • DSS Itapagipe (203,5) • DSS Itapuã (197,3) • DSS Cajazeiras (164,5)

  29. INTEGRANTE 6: ANTÔNIO MORTALIDADE GERAL • Durante os anos de 2000 a 2008 observa-se o aumento percentual de 11,37% no registro do número de óbitos, no entanto a Taxa Bruta de Mortalidade neste período diminuiu em 7,7%.

  30. Aumento da Mortalidade nos DS’s

  31. Doenças Aparelho Circulatório

  32. Coeficiente de mortalidade de doenças do aparelho circulatório entre os Distritos Sanitários Coeficiente de mortalidade (/100.000 habitantes). Fonte: SMS\CRA\SUIS\SIM *Salvador 2005

  33. Doenças Neoplásicas * Traqueia, Pulmão

  34. Coeficiente de mortalidade por neoplasias entre os Distritos Sanitários Coeficiente de mortalidade (/100.000 habitantes). Fonte: SMS\CRA\SUIS\SIM *Salvador 2005

  35. Causas Externas

  36. Coeficiente de mortalidade por causas externas entre os Distritos Sanitários Coeficiente de mortalidade por Homicídio Coeficiente de mortalidade (/100.000 habitantes). Fonte: SMS\CRA\SUIS\SIM *Salvador 2005

  37. INTEGRANTE 7: TATIANE INTERNAÇÕES Diagnósticos mais frequentes Gravidez Parto ou Puerpério Doenças do Aparelho Digestivo, Geniturinário, Respiratório e Circulatório

  38. INTERNAÇÕES • Variação Percentual Positiva • Neoplasias (86,4%) • Doenças do Aparelho Circulatório (44,7%) • Lesões, envenenamentos e outras causas externas (39,1%) • Doenças do Aparelho Digestivo (30,7%) • Redução na Variação Proporcional • Transtornos Mentais e Comportamentais (46,4%) • Doenças do Aparelho Geniturinário (41,2%) • Doenças Endócrinas Nutricionais e Metabólicas (31,8%)

  39. Distritos Sanitários Neoplasias, Doenças do Aparelho Digestivo, Geniturinário e Circulatório. - Centro Histórico e Itapagipe. Doenças do Aparelho Respiratório - Liberdade -Centro Histórico

  40. INTERNAÇÕES Sexo: População Feminina: - Período Perinatal (63,4%) - Neoplasias (62,5%) - Doenças dos Olhos e Nervos (59%) - Doenças do Ouvido e Apófise Mastóide (57,7%) - Doenças Endócrinas Nutricionais e Metabólicas (55,7%) - Doenças do Aparelho Circulatório (54,5%) 2) População Masculina: de forma geral 53%. Raça: 78% não foram classificados, há uma predominância da cor parda (17%) Faixa Etária: 20 e 29, 30 e 39 – Gravidez, parte e puerpério. 40 e 49 – Neoplasias e Aparelho Geniturinário. Acima de 50 anos – Aparelho Circulatório Menores que 1 ano – Período Perinatal e Aparelho Respiratório