estudo da taxa de ocupa o do centro cir rgico atrav s da modelagem e simula o de sistemas n.
Download
Skip this Video
Loading SlideShow in 5 Seconds..
Estudo Da Taxa de Ocupação do Centro Cirúrgico Através da Modelagem e Simulação de Sistemas PowerPoint Presentation
Download Presentation
Estudo Da Taxa de Ocupação do Centro Cirúrgico Através da Modelagem e Simulação de Sistemas

Loading in 2 Seconds...

play fullscreen
1 / 17

Estudo Da Taxa de Ocupação do Centro Cirúrgico Através da Modelagem e Simulação de Sistemas - PowerPoint PPT Presentation


  • 112 Views
  • Uploaded on

Estudo Da Taxa de Ocupação do Centro Cirúrgico Através da Modelagem e Simulação de Sistemas. Joelson Ricardo Stroparo Gerson Linck Bichinho e Roberto Max Protil (co-autores). PPGTS Programa de Pós-Graduação em Tecnologia em Saúde. Centro Cirúrgico.

loader
I am the owner, or an agent authorized to act on behalf of the owner, of the copyrighted work described.
capcha
Download Presentation

PowerPoint Slideshow about 'Estudo Da Taxa de Ocupação do Centro Cirúrgico Através da Modelagem e Simulação de Sistemas' - pooky


An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript
estudo da taxa de ocupa o do centro cir rgico atrav s da modelagem e simula o de sistemas

Estudo Da Taxa de Ocupação do Centro Cirúrgico Através da Modelagem e Simulação de Sistemas

Joelson Ricardo Stroparo

Gerson Linck Bichinho e Roberto Max Protil

(co-autores)

PPGTS

Programa de Pós-Graduação em Tecnologia em Saúde

centro cir rgico
Centro Cirúrgico
  • Grande rotatividade de pacientes e profissionais
  • Número de especialidades e procedimentos cirúrgicos
  • Integração necessária com outros setores hospitalares
  • Controle de dados estatísticos
mapa cir rgico
Mapa Cirúrgico
  • Especialidade clínica do(s) procedimento(s)
  • Procedimento(s) a serem executados
  • Profissionais envolvidos
  • Sala, data e horário da cirurgia
  • Informações do paciente

Verificação de leitos, preparo dos pacientes, adequação do ambiente cirúrgico, reserva de equipamento / instrumentos e aquisição e ou transporte dos materiais/medicamentos

problemas
Problemas

Atraso no início da execução ou cancelamento dos procedimentos clínicos

Diminuição na taxa de ocupação

Irregularidades nos horários dos profissionais

Qualidade na prestação de serviço

desafio
Desafio

Fornecer subsídios para melhorar a taxa de ocupação das salas cirúrgicas através da validação da modelagem e simulação de um ambiente cirúrgico, definido a partir do estudo e alteração dos valores das variáveis envolvidas no processo de execução de cirurgias eletivas de um hospital de médio porte.

slide6

Diminuir a ociosidade das salas cirúrgicas

  • Administração dos intervalos de utilização das salas cirúrgicas
  • Flexibilidade na agenda dos profissionais envolvidos
  • Diminuição do tempo médio de dias de internamento
  • Melhor previsão dos instrumentos, equipamentos e materiais
  • Diminuição das situações de risco aos quais pacientes são submetidos desnecessariamente
  • Macro Modelo

Motivação

slide7

Metodologia

FLUXO DE ATENDIMENTO

MODELAGEM

SIMULAÇÃO

VALIDAÇÃO

ANÁLISE DOS RESULTADOS

slide8

Simulação x Real

Setor Centro Cirúrgico

Fornece entrada de dados para

o aviso de cirurgias eletivas

Definição das variáveis

Utilizadas na simulação

Gera o mapa de cirurgias eletivas

Execução das cirurgias eletivas

Simular a execução de cirurgias,

validando o modelo desenvolvido

Os dados gerados com o software de simulação, são utilizados para validar o modelo, através da comparação com os dados gerados sem o software

slide9

Modelagem

  • Delimitação do intervalo e tempo de execução
  • Delimitação do escopo do modelo
  • - Especialidade clínica do(s) procedimento(s)
  • - Procedimento(s) a serem executados
  • - Sala cirúrgica
  • - Tipo de atendimento
  • Procedimento utilizado para tomada e distribuição dos tempos.
  • Definição do downtime
slide10

Simulação

  • Estudo das variáveis significativas
  • Tomada do tempo de interação
  • Definição de 2 grupos de variáveis

DEFINIÇÃO DO ESCOPO

IMPLEMENTAÇÃO NO MEDMODEL

slide11

Implementação no Medmodel

  • Tipos e quantidades de profissionais envolvidos
  • Tempo de translado do paciente até o centro cirúrgico
  • Tempo de execução do procedimento cirúrgico
  • Tempo de execução do procedimento anestésico
  • Tempo de entrada do material e do anestesista na sala
  • Tempo de limpeza e preparo da sala cirúrgica
  • Média de cancelamentos existentes
  • Tempo médio de atraso
  • Tempo de recuperação pós-anestésica
  • Cronograma de atendimento
  • Tempo de limpeza da sala
slide13

Validação do modelo

  • Maiores incidências de cancelamento
  • Tempo médio de atraso
slide15

Características do fluxo desconsideradas

  • Ocupação de determinada sala por especialidade não agendada
  • Procedimentos cirúrgicos de emergência
  • Redistribuição do mapa cirúrgico de acordo com a necessidade
  • Encaixes que podem vir a ocorrer

Provável diferença de 5 % encontrada na simulação

slide16

Discussão / conclusão

Um modelo de simulação pode ser desenvolvido utilizando suposições que simplificam o esforço da modelagem para eliminar parâmetros e / ou eventos insignificantes, mas existentes no processo real, que podem impossibilitar a sua implementação.

Algumas situações que podem ocorrer:

  • possibilidade de ocupação de determinada sala por uma especialidade que não estava programada previamente.
  • devido a característica do hospital em questão ser de emergência, o número de cirurgias deste tipo pode ser significativo.
  • não sendo possível o agendamento de novas cirurgias em determinadas especialidades, ocorre uma redistribuição na escala, criando uma homogeneidade no número de cirurgias das salas.
agradecimentos
Agradecimentos

Pontifícia Universidade Católica do Paraná