slide1 n.
Download
Skip this Video
Loading SlideShow in 5 Seconds..
ESCHER, Maurício Cornelis. Gravuras e desenhos , Alemanha: Taschen, 1989. PowerPoint Presentation
Download Presentation
ESCHER, Maurício Cornelis. Gravuras e desenhos , Alemanha: Taschen, 1989.

Loading in 2 Seconds...

play fullscreen
1 / 17

ESCHER, Maurício Cornelis. Gravuras e desenhos , Alemanha: Taschen, 1989. - PowerPoint PPT Presentation


  • 92 Views
  • Uploaded on

COLÉGIO NOSS SENHORA DA GLÓRIA ÁREA DO CONHECIMENTO: CIÊNCIAS HUMANS E SUAS TECNOLOGIAS DISCIPLINA: FILOSOFIA 1º TRIMESTRE - 2012. ESCHER, Maurício Cornelis. Gravuras e desenhos , Alemanha: Taschen, 1989. Política Ética Cidadania Espaço Tempo Sociedade Lugar Poder Identidade Moral

loader
I am the owner, or an agent authorized to act on behalf of the owner, of the copyrighted work described.
capcha
Download Presentation

PowerPoint Slideshow about 'ESCHER, Maurício Cornelis. Gravuras e desenhos , Alemanha: Taschen, 1989.' - ouida


An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript
slide1

COLÉGIO NOSS SENHORA DA GLÓRIAÁREA DO CONHECIMENTO: CIÊNCIAS HUMANS E SUAS TECNOLOGIASDISCIPLINA: FILOSOFIA1º TRIMESTRE - 2012

ESCHER, Maurício Cornelis. Gravuras e desenhos, Alemanha: Taschen, 1989.

slide2

Política

Ética

Cidadania

Espaço

Tempo

Sociedade

Lugar

Poder

Identidade

Moral

Saúde

CONCEITOS ESTRUTURANTES

slide3

CONTEÚDOS

  • O CONHECIMENTO
  • O que podemos conhecer?
  • O ato de conhecer
  • Os modos de conhecer
  • A verdade
  • Podemos alcançar a certeza?
  • Teorias sobre a verdade
  • A verdade como horizonte
  • 2. Ideologias
  • Conceito geral de ideologia
  • Ideologia: sentido restrito
  • Conceito marxista de ideologia
  • A ideologia em ação
  • O discurso ideológico
  • 3. Lógica aristotélica
  • O que é lógica
  • Termo e proposição
  • Princípios da lógica
  • Quadrado de oposições
  • Argumentação
  • Tipos de argumentação
  • Falácia
  • A lógica aristotélica
slide4

AVALIAÇÃO

SISTEMÁTICA: Temas, participação em aula, assiduidade, pontualidade,

Trabalhos e Provas.

slide5

O ATO DE CONHECER

  • TEORIA DO CONHECIMENTO
  • ETIMOLOGIA:
  • Conhecimento. Do latim cognoscere, “ato de conhecer”. Em português derivaram termos como cognoscente, “o sujeito que conhece”, e cognoscível, “o que pode ser conhecido”.
  • OS MODOS DE CONHECER
  • A intuição (empírica, inventiva e intelectual)
  • ETIMOLOGIA
  • Intuição. Do latim intuito, do verbo intueor, “olhar atentamente”, “observar”. Intuição é portanto uma “visão”, uma percepção sem conceito.
slide6

Intuição empírica

  • É o conhecimento imediato baseado em uma experiência que independe de qualquer conceito. Pode ser:
slide7

B) A intuição inventiva

É a intuição do sábio, do artista, do cientista, ao descobrirem soluções súbitas, como uma hipótese fecunda ou uma inspiração inovadora.

"O Prêmio Nobel de Medicina ou Fisiologia de 2011 foi dividido, metade para Bruce A. Beutler e Jules A. Hoffmann 'por suas descobertas sobre a ativação da imunidade inata' e a outra metade para  Ralph M. Steinman 'por sua descoberta das células dendríticas e seu papel na imunidade adaptativa'."

Steve-Jobs-Apple

slide8

C) A intuição intelectual

Procura captar diretamente a essência do objeto.

COGITO: ERGO SUM, “PENSO, LOGO EXISTO” Descartes

slide10

Conhecimento discursivo

Para compreender o mundo, a razão supera as informações concretas e imediatas recebidas por intuição e organiza-as em conceitos ou ideais gerais que, articuladas pelo encadeamento de juízos e raciocínios, levam à demonstração e a conclusões.

O conhecimento discursivo ao contrário da intuição, precisa da palavra, da linguagem.

ETIMOLOGIA

Discurso. Do latim discursus, literalmente “ação de correr para diversas partes, de tomar várias direções.

slide11

ATIVIDADES

1. Com base em sua experiência pessoal, descreva uma intuição que lhe tenha sido proveitosa.

slide12

DATA: 19/03/12

  • O QUE PODEMOS CONHECER?
  • A VERDADE
  • VERDADE E VERACIDADE
  • QUAL É A DIFERENÇA?
  • A veracidade nos coloca diante de uma questão moral. Ex.: Suponhamos que alguém diz que há um lado da lua que nunca é visto da Terra. Se eu perguntar: - Isto é verdade?, a indagação pode ter dois sentidos. Será verdade ou meu interlocutor está mentindo. O indivíduo veraz é aquele que não mente. O segundo “é verdade?” tem sentido epistemológico: quero saber se a afirmação de meu interlocutor é verdadeira ou falsa.
  • A proposição corresponde à realidade?
  • Já foi comprovada?
  • A fonte da informação é digna de crédito ou não?
slide13

VERDDE E REALIDADE

São confundidos na linguagem cotidiana.

A verdade do conhecimento diz respeito a uma proposição que pode ser verdadeira ou falsa.

Ex.: Quando afirmamos “Este colar é de ouro”, a proposição é falsa caso se trate de uma bijuteria. Mas se nos referirmos a coisas (um colar, um quadro, um dente) só podemos afirmar que são reais, e não verdadeiras ou falsas.

O falso ou o verdadeiro não estão na coisa mesma, mas no JUÍZO, NO VALOR DE VERDADE OU FALSIDADE DE UMA PROPOSIÇÃO.

O juízo corresponde à realidade. Um juízo verdadeiro é aquele que corresponde aos fatos.

slide14

PODEMOS ALCANÇAR A CERTEZA?

  • Duas tendências principais para conhecermos a verdade:;
  • O dogmatismo filosófico e o ceticismo.
  • O dogmatismo
  • O dogmatismo do senso comum
  • Designa as certezas não questionadas do nosso cotidiano “sempre foi assim”...
  • Etimologia
  • Dogma. Dógma, em grego, significa “doutrina”, ensinamento”. Dogmatikós, “o que se funda em princípios” ou aquilo que é “relativo a uma doutrina”.
slide15

b) O dogmatismo filosófico

A filosofia dogmática serve para identificar os filósofos que estão convencidos de que a razão pode alcançar a certeza absoluta.

O primeiro filósofo a colocar em questão a capacidade de atingir certezas absolutas foi o escocês David Hume. Influenciou Kant, que, na obra Crítica da razão pura, põe a razão em um tribunal a fim de definir os limites e as possibilidades do conhecimento. Kant concluiu que não somos capazes de conhecer pela razão as verdades metafísicas, que estão além da experiência sensível, tais como Deus, a alma, a liberdade.

slide16

TEMA PARA O DIA 26/03/12

  • QUEM É DAVID HUME?
  • Critérios:
  • Em folha escrito a mão ou digitado, cabeçalho, nome completo, turma e disciplina.
  • Apenas uma folha de ofício.