slide1 n.
Download
Skip this Video
Loading SlideShow in 5 Seconds..
O PODER DOS DOCUMENTOS ou Quem decide o que é memorável? (ensaio sobre a política da escrita) Lídia Silva de Freita PowerPoint Presentation
Download Presentation
O PODER DOS DOCUMENTOS ou Quem decide o que é memorável? (ensaio sobre a política da escrita) Lídia Silva de Freita

Loading in 2 Seconds...

play fullscreen
1 / 19

O PODER DOS DOCUMENTOS ou Quem decide o que é memorável? (ensaio sobre a política da escrita) Lídia Silva de Freita - PowerPoint PPT Presentation


  • 178 Views
  • Uploaded on

O PODER DOS DOCUMENTOS ou Quem decide o que é memorável? (ensaio sobre a política da escrita) Lídia Silva de Freitas Departamento de Ciência da Informação Universidade Federal Fluminense Programa de Pós-graduação em Ciência da Informação IBICT-UFF

loader
I am the owner, or an agent authorized to act on behalf of the owner, of the copyrighted work described.
capcha
Download Presentation

PowerPoint Slideshow about 'O PODER DOS DOCUMENTOS ou Quem decide o que é memorável? (ensaio sobre a política da escrita) Lídia Silva de Freita' - nelia


An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript
slide1

O PODER DOS DOCUMENTOS

ou

Quem decide o que é memorável?

(ensaio sobre a política da escrita)

Lídia Silva de Freitas

Departamento de Ciência da Informação

Universidade Federal Fluminense

Programa de Pós-graduação em Ciência da Informação IBICT-UFF

maio/2007 lidiasilvadefreitas@gmail.com

slide2
Estrutura da exposição
  • problematização do mundo da escrita
  • segmentação de aspectos envolvidos no regime ou política da escrita
  • problematização de cada segmento
  • alguns caminhos tentativos
slide3
1. PROBLEMATIZANDO O MUNDO DA ESCRITA

Da clássica revisão de literatura sobre memória de Le Goff (1984) podemos sintetizar politicamente dois pólos quanto ao surgimento histórico dos registros escritos:

os que os abordam como ...

a) neutros suportes auxiliares da memória cerebral quando esta já não daria conta do grande número de saberes socialmente úteis (sobrecarga da memória) ou

b) resultado de luta pela memória social quando, estabelecida alguma fissura social, já não haveria consenso sobre os saberes e/ou as narrativas consideradas socialmente relevantes e/ou verdadeiras (derrocada da memória).

slide4
Adotamos a segunda hipótese

apenas surge registro escrito em sociedades divididas em estamentos ou classes, onde se instaura uma luta pela memória social: escrita como "arcos do triunfo" das narrativas (e propriedades...) dos vencedores em disputas inter ou intra sociedades.

(X abordagem evolucionista que naturaliza o advento da escrita como constitutivo de alguma "etapa" de uma "sociedade humana" genérica.)

slide5
Abordados os registros escritos como marcos em política de memória, podemos tentar isolar para análise alguns aspectos de sua densa rede de co-efeitos político-culturais, insti-tucionais e nas representações imaginárias:

sistema de legitimidades distribuição social desigual

exclusivas e excludentes do saber e poder de escrita

narrativas reguladas registro escrito monumentalização:

sobre o passado, sepa- documento

rado do presente

regulação da novos regimes produção de saberes

circulação social, esto- de verdade sobre todos esses as-

que e guarda: formação e evidência pectos (1ª, 2ª e 3ª or-

de arquivos dens)

slide6

1 - Monumentalização:DOCUMENTOInstauração de sistemas de legitimidade exclusivas (e excludentes) sobre o texto escrito: processos sócio-históricos de inscrição e validação via documentos - e apenas ele - como garantia e prova - processo de monumentalizaçãodeslegitimação da oralidade/diferentes formas de atribuição de autoria(Foucault)/tripla materialidade da enunciação: da língua, do suporte e dos seus efeitos nas práticas sociais: DISCURSO-ATO(Foucault; Frohmann)

poder de criar efeitos sociais
Poder de criar efeitos sociais

Documentos

... não como meio de comunicação da informação, mas como retransmissão da energia gerativa e formativa, através da qual indivíduos reconhecíveis são institucionalmente constituídos. (Frohmann, 2006)

O poder institucional do registro migra entre instituições. Ex.: instituições psiquiátricas e arenas legais - com repercussões críticas.

Poder da escrita no campo da vigilância/controle e na constituição institucional de sujeitos. Ex.: Distúrbio da Dupla Personalidade e o Homossexualismo.

2 distribui o social desigual do poder e do saber da escrita
2 - Distribuição social desigual do poder e do saber da escrita:

Processos de institucionalização, formalização, distribuição, controle e circulação de saberes - novoregime de verdade (e de evidência)

  • gramaticalização da língua: norma ‘culta’/outras
  • divisão leitura (sacralizada)/ escrita (redatores X escritores)
  • educação formal: conteúdos escolares, formas didáticas e princípios pedagógicos
  • representações imaginárias e instituições para constituição e reprodução de saber científico
slide9
Se a linguagem nunca é apenas instrumento de comunicação, nas sociedades letradas assume um duplo poder cultural: objeto de estudos e cunha de distinção cultural intra e inter sociedades.

A escolarização como modo formal de transmissão e apropriação da linguagem (norma culta) constitui a escola como agente de socialização (sempre seletivo) e instrumento quase exclusivo de seleção de oportunidades econômicas. (Galvão e Batista, 2006)

3 narrativas reguladoras do passado
3 - Narrativas reguladoras do passado:
  • Saber/narrativa sobre o passado pautada por documentos: marcos instituidores da História (X pré-história memorial) - completando o processo de monumentação com a patrimonilização
  • Crescente, e mais rápida, distinção entre passado e presente - rompimento de tradições
  • Saber instituído contra a ‘memória verdadeira’ como sistema permanente de atualização informal de narrativas sobre o social - maior suspeição da oralidade, como subjetiva. (Nora, 1984)
slide11
SOCIEDADES DE MEMÓRIA

Memória: vivida coletivamente junto com presente; afetiva; se nutre de lembranças; assegura identidade do grupo; suporte de continuidade entre passado e presente.

  • SOCIEDADES DE HISTÓRIA

História: construção ‘racional’; ruptura e estranhamento, representação sobre o passado; aparência de dessacralização.

Via documentos: História do Estado como história de todos. Símbolo de unidade nacional ocultando conflitos.(Cunha, 1992)

slide12
A história se torna oficial ao esconder e silenciar as outras narrativas dos acontecimentos passados e presentes [...] afastando-se da memória social, já que silencia sua diversidade. [O perdedor perde] não só o poder, mas também a visibilidade de suas ações, resistências e projetos.(Paoli, 1992)

* * *

Quem decide o que é memorável? Quem decide o que é preservável? (Chauí, 1992)

4 forma o e patrimonializa o de estoques documentais e seus saberes
4 - Formação e patrimonializa-ção de estoques documentais (e seus saberes):
  • Acúmulo e guarda institucional de registos de transações e narrativas: formação de estoques documentais - Arquivos

A memória verdadeira, transformada por sua passa-gem em história, dá lugar a uma memória arquivística: constituição vertiginosa e gigantesca do estoque material daquilo que nos é impossível lembrar

Há lugares de memória(objetos da história, relíquias, indícios de processos + aura simbólica) porque não há mais meios de memória) (Nora, 1984)

arquivo como dispositivo hist rico significativo souza 1996
Arquivo como dispositivo histórico significativo (SOUZA, 1996):

Não nos iludamos com seu caráter: não é o conjunto de textos que uma sociedade deixou, material bruto a partir do qual se pode perceber seja as estruturas sociais, seja a emergência de acontecimentos; ele não é mais do que a moldura institucional que permite conservar os traços, é um dispositivo não fortuito que constitui as imagens distintas, no sentido que cada dispositivo de arquivo estabelece sua própria ordenação [...] o arquivo “exibe” de algum modo um sentido determinado.

(Guilhaumou; Maudidier, 1994 - baseados em Foucault)

slide15
Campos de saber instituídos pelo arquivo: Biblioteconomia, Arquivologia, Documentação e Ciência da Informação

Seumito fundador: a “informação” objetificada, naturalizada.

A ‘informação’ somente emerge como efeito de práticas materiais legitimadas institucionalmente sobre inscrições de forma que enunciados e seus conjuntos ganhem estabilidade como recurso para uma larga gama de práticas sociais.(cf. Frohmann)

slide16
Que questões não costumam ser abordadas pelo campo informacional em suas práticas e teorias?
  • Como é definida “informação”, de acordo com que imperativos de estocagem por máquina, manipulação e recuperação?
  • Como os mesmos imperativos determinam um conjunto paralelo de configurações discursivas sobre usuários e usos?
  • Que plataforma institucional permite formas específicas de enunciação dessas identidades?
  • Como esse discurso constrói a informação que se torna objeto de especialização profissional, estruturas administrativas ou estratégias corporativas?
  • Como a fala profissional e corporativa configura redes específicas de conceitos, definições, proposições, hipóteses, argumentos, especulações e uma miríade de outros elementos discursivos através dos quais formas específicas de poder sobre a informação são exercidas?
caminhos tentativos sobre o tema da escrita e suas representa es
Caminhos tentativos sobre o tema da escrita e suas representações:
  • Desnaturalização das estruturas institucionais de controle e produção de saberes sobre a escrita e seus poderes diretos e correlatos.
  • Reconhecimento da mitologia reprodutora desses poderes nos saberes dos campos abordados.
  • Conhecimento dos principais rompimentos com sua lógica, principalmente os fundamentados em Foucault.
slide18
Referências
  • CHAUÍ, Marilena. Política cultural, cultura política e patrimônio histórico. In: SÃO PAULO (cidade). O direito à memória: patrimônio histórico e cidadania. São Paulo: Secretaria Municipal de Cultura, 1992. p. 37-46.
  • CUNHA, Maria Clementina P. Patrimônio histórico e cidadania. In: SÃO PAULO (cidade). O direito à memória: patrimônio histórico e cidadania. São Paulo: Secretaria Municipal de Cultura, 1992. p. 9-11.
  • FOUCAULT, Michel. A arqueologia do saber. Rio: Forense Universitária, 1997.
  • _______ . A ordem do discurso. São Paulo: Loyola, 1996
  • FREITAS, Lídia S.de. Uma leitura crítica da crise da leitura. Cadernos BAD, Lisboa, n. 3, p.39-47, 1994.
  • FREITAS, L.S.; GOMES, S.L.R. Quem decide o que é memorável?: a memória de setores populares e os profissionais da informação. 1. Foro Social de Información, Documentación y Bibliotecas. Anais... 2004. Doc. Eletr.
  • FROHMANN, Bernd. Discourse analysis as a research method in library and information science. Library and Information Science Research, Perth (Austrália), v.16, p.119-138, 1994.
slide19
FROHMANN, Bernd. Discourse and documentation: some implications for pedagogy and research. Journal of Education for Library and Information Science, Oak Ridge (EUA), v. 42, n.1, 2001. Disponível em:http://www.fims.uwo.ca/people/faculty/frohmann/Jelis.htm
  • GUILHAUMOU, J., MALDIDIER, D. Coordination et discours: “du pain ET X” à l’époque de la Révolution française. In: GUILHAUMOU, J., MALDIDIER, D., ROBIN, R. Discours et Archive: expérimentations en analyse du discours. Liège: Mardaga, 1994(a). (Philosophie et Langage).
  • PAOLI, Maria Célia. Memória, história e cidadania: o direito ao passado. In: SÃO PAULO (cidade). O direito à memória: patrimônio histórico e cidadania. São Paulo: Secretaria Municipal de Cultura, 1992. p. 25-28.
  • PÊCHEUX, Michel. Ler o Arquivo Hoje. In: ORLANDI, Eni P. Gestos de Leitura: da história do discurso. Campinas: Editora da UNICAMP, 1994. (Repertórios) p. 55-66.
  • SOUZA, Tânia C. Clemente de. O arquivo como espaço de discursividade. In: Seminário de Estudos de Informação, 1, set. 1996, Niterói. Anais ... Niterói, set. 1996.

* * *