Projeto DIEESE/SUPROF
Download
1 / 16

Tinha como objetivo superar os pontos de estrangulamentos que impediam o desenvolvimento; - PowerPoint PPT Presentation


  • 51 Views
  • Uploaded on

Projeto DIEESE/SUPROF Desenvolvimento Metodológico, Formação, Produção de Dados Estratégicos e de Ferramentas de Apoio à Gestão da Educação Profissional da Bahia.

loader
I am the owner, or an agent authorized to act on behalf of the owner, of the copyrighted work described.
capcha
Download Presentation

PowerPoint Slideshow about 'Tinha como objetivo superar os pontos de estrangulamentos que impediam o desenvolvimento;' - moke


An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript
Tinha como objetivo superar os pontos de estrangulamentos que impediam o desenvolvimento

Projeto DIEESE/SUPROF Desenvolvimento Metodológico, Formação, Produção de Dados Estratégicos e de Ferramentas de Apoio à Gestão da Educação Profissional da Bahia

Subprojeto I – Desenvolvimento de Metodologia de Implementação, Assessoria e Formação de conselheiros de centros territoriais e estaduais de educação profissional


Tinha como objetivo superar os pontos de estrangulamentos que impediam o desenvolvimento

PLANO DE METAS DE JK (1956 a 1961)

  • Tinha como objetivo superar os pontos de estrangulamentos que impediam o desenvolvimento;

  • Buscava a modernização, a dinamização e diversificação da economia brasileira;

  • O período anterior (anos 1930 a 1950) foi marcado:

    • Pela transição entre dois modelos de desenvolvimento – agrário exportador para o baseado na industrialização;

    • Fortalecimento do Estado como promotor do desenvolvimento;

    • Valorização do Planejamento;


Tinha como objetivo superar os pontos de estrangulamentos que impediam o desenvolvimento

  • O financiamento era composto por recursos públicos (federais, estaduais e do BNDES), recursos privados e recursos externos (investimento direto e empréstimos);

  • 30 metas abrangendo cinco setores básicos: energia, transporte, indústrias de base, agricultura e alimentação, educação, mais a construção de Brasília – meta síntese;

  • Criação do Conselho de Desenvolvimento em 1956 e Criação da Sudene, em 1959;

  • O Plano foi extremamente exitoso. A economia cresceu a uma média de 8,0% ao ano, mas a inflação chegava aos 23% ao ano. O endividamento público cresceu, houve descontrole nas contas externas e aumento da dependência do capital externo;

  • Grande embate entre a visão desenvolvimentista/estruturalista e a visão monetarista/estabilização;


Tinha como objetivo superar os pontos de estrangulamentos que impediam o desenvolvimento

PLANO TRIENAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL (Celso Furtado de 1963 a 1965)

  • Tentativa de planejamento instituída em meio à crise política que marcou o breve governo de João Goulart após a renúncia de Jânio Quadros;

  • Criação do Ministério Ordinário do Planejamento (1962), extinto logo depois;

  • É considerado um marco histórico no processo de planejamento. Foi além da concepção multisetorial ao ser pensado globalmente. Propunha-se a enfrentar os problemas estruturais do país não apenas no campo econômico.


Tinha como objetivo superar os pontos de estrangulamentos que impediam o desenvolvimento

  • Objetivos Furtado de 1963 a 1965)

    • Assegurar uma taxa de crescimento econômico em torno de 7% ao ano;

  • Reduzir a taxa de inflação para 10% em 1965;

  • Distribuir os frutos do desenvolvimento com crescimento dos salários reais no mínimo compatíveis com o crescimento da produtividade;

  • Investir na educação e na pesquisa científica e tecnológica e na saúde pública (...) a fim de assegurar uma rápida melhoria do homem como fator de desenvolvimento (...);


Tinha como objetivo superar os pontos de estrangulamentos que impediam o desenvolvimento

  • Objetivos Furtado de 1963 a 1965)

    • Reduzir as disparidades regionais orientando adequadamente a localização da atividade econômica;

    • Eliminar fatores de ordem institucional que impedia o desenvolvimento de alguns setores entre eles a estrutura agrária;

    • Refinanciar a dívida externa;

    • Gestão do plano articulando as esferas de governo como forma de garantir a sua execução;


Tinha como objetivo superar os pontos de estrangulamentos que impediam o desenvolvimento

PAEG - PROGRAMA DE AÇÃO ECONÔMICA DO GOVERNO (1964 a 1966)

  • Objetivos

    • Retomada do crescimento da atividade econômica;

    • Ampliação do emprego;

    • Redução rápida da taxa de inflação;

    • Redução dos déficits nas contas públicas;

    • Redução dos desequilíbrios no Balanço de Pagamentos;

    • Renegociação da dívida externa;

    • Diminuição dos desníveis econômicos setoriais e regionais;


Tinha como objetivo superar os pontos de estrangulamentos que impediam o desenvolvimento

PAEG - PROGRAMA DE AÇÃO ECONÔMICA DO GOVERNO (1964 a 1966)

  • Propugnava um sistema de economia mista regulada segundo os princípios de mercado;

  • Criação do Sistema Financeiro de Habitação e do BNH; Fim do estatuto da estabilidade e instituição do FGTS; Criação do Conselho Monetário Nacional e do Bacen; Instituição das ORTNs e da Correção Monetária;

  • Restrição ao crédito/contenção de empréstimo;

  • Nova lei salarial que deteriorava o poder aquisitivo dos salários mais baixos (salário mínimo);

  • O Paeg não obteve sucesso nos seus objetivos específicos, mas lançou as bases com o conjunto de reformas e regulamentações que criando ambiente para a retomada do crescimento no período pós 1968.


Tinha como objetivo superar os pontos de estrangulamentos que impediam o desenvolvimento

  • PLANO DECENAL (1967 a 1976) 1966)

    • Formulado sob a influência do relativo êxito do Paeg, foi o primeiro plano de longo prazo no Brasil. Entretanto, não foi além de estudos, relatórios e recomendações.

  • PROGRAMA ESTRATÉGICO DO DESENVOLVIMENTO

  • (1968 a 1970)

    • Os objetivos principais eram o crescimento da economia, a redução da inflação e a ampliação dos níveis de emprego;

    • Diagnosticava que o modelo de substituição de importações havia se esgotado;

    • Alcançou êxito no combate à inflação e na recuperação do crescimento econômico iniciando o período do “milagre brasileiro”.


  • Tinha como objetivo superar os pontos de estrangulamentos que impediam o desenvolvimento

    • I PLANO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO (I PND – 1972

    • a 1974)

      • Mais conhecido como o período do auge do “milagre brasileiro”. O crescimento atingiu taxas médias de cerca de 11% ao ano, aliado a baixas taxas de inflação;

      • Estabelecia três grandes objetivos:

      • Colocar o Brasil, em uma geração, na categoria das nações desenvolvidas;

      • Duplicar, até 1980, a renda per capita do país;

      • Elevar a economia às dimensões resultantes de um crescimento anual do PIB entre 8% e 10%.


    Tinha como objetivo superar os pontos de estrangulamentos que impediam o desenvolvimento

    • I PLANO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO (I PND – 1972 a 1974) 1966)

      • Mais conhecido como o período do auge do “milagre brasileiro”. O crescimento atingiu taxas médias de cerca de 11% ao ano, aliado a baixas taxas de inflação;

      • Estabelecia três grandes objetivos:

      • Colocar o Brasil, em uma geração, na categoria das nações desenvolvidas;

      • Duplicar, até 1980, a renda per capita do país;

      • Elevar a economia às dimensões resultantes de um crescimento anual do PIB entre 8% e 10%.


    Tinha como objetivo superar os pontos de estrangulamentos que impediam o desenvolvimento

    I PLANO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO (I PND – 1972 a 1974) 1966)

    • Ampliação da taxa de investimento para 17% do PIB para 19% em 1974;

    • Os investimentos eram direcionados aos setores: petroquímica; transporte; construção naval; energia elétrica e mineração e agricultura;

    • Na área social propunha: programas de saúde, educação, saneamento básico e pesquisa técnico-científica;

    • Programa de Integração Nacional – PIN (construção da Rodovia Transamazônica);

    • Foi um plano que executou grande parte das ações, principalmente na área econômica;

    • Entretanto, em fins de 1973, já dava sinais de esgotamento em função da crise econômica internacional (choque do petróleo);

    • Mesmo assim, o governo optou por continuar o processo de desenvolvimento, lançando o II PND.


    Tinha como objetivo superar os pontos de estrangulamentos que impediam o desenvolvimento

    II PLANO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO (II PND – 1975 a 1979)

    • Mudança na ênfase setorial: do setor de bens de consumo duráveis para o setor de bens de capital, insumos básicos (Carajás, Energia Nuclear, Polo Petroquímico de Camaçari) e ampliação da capacidade energética;

    • Seria uma reposta à crise internacional no setor de energia;

    • O plano materializava a ideia do "Brasil Potência“, símbolo do ufanismo dos governos militares;

    • Baseava-se no diagnóstico de que os problemas da economia brasileira eram: 1) atraso nos setores de bens intermediários e de bens de capital; 2) forte dependência externa do petróleo; e 3) elevado desequilíbrio externo.

    • Foi um plano que não se concluiu em função de seu tamanho e da crise internacional;

    • Os objetivos do II PND eram audaciosos e o país não dispunha de condições internas para custear os gigantescos investimentos planejados pelo governo.


    Tinha como objetivo superar os pontos de estrangulamentos que impediam o desenvolvimento

    OS ANOS PÓS II PND 1979)

    • Aprofundamento da crise econômica (anos 1980 – década perdida);

    • Ruptura do padrão de desenvolvimento baseado no endividamento externo;

    • Crise no instrumento do planejamento como instrumento da ação governamental e indutor da ação privada;

    • Desgaste da ditadura militar;

    • Difícil transição democrática;

    • Vários planos distintos na década de 1980;

    • Críticas ao padrão de intervenção do estado;

    • Ganha força o debate privatista e de redução do papel do estado – tendo como sustentação o ideário neoliberal;

    • Dos anos 1980 até os anos 2000, foram quase três décadas de abandono do debate sobre o desenvolvimento e a importância do estado como seu promotor e indutor.


    Tinha como objetivo superar os pontos de estrangulamentos que impediam o desenvolvimento

    PROGRAMA DE ACELERAÇÃO DO CRESCIMENTO - PAC 1979)

    • Lançado no início do 2º mandato do presidente Lula;

    • Combina crescimento econômico com distribuição de renda;

    • Redução da dependência do financiamento externo;

    • Ambiente econômico (inflação, juros, dívida pública) e político favorável ao crescimento;

    • Infraestrutura: logística (rodovias, ferrovias, portos, aeroportos e hidrovias); energia (geração e transmissão de energia elétrica, petróleo e gás natural e combustíveis renováveis);

    • Infraestrutura social e urbana (saneamento, habitação, transporte urbano, luz para todos e recursos hídricos);


    Tinha como objetivo superar os pontos de estrangulamentos que impediam o desenvolvimento

    PROGRAMA DE ACELERAÇÃO DO CRESCIMENTO - PAC 1979)

    • Estímulo ao Crédito e ao Financiamento;

    • Melhora do Ambiente de Investimento;

    • Ainda que não seja um plano de desenvolvimento o governo Lula através do PAC e de outras medidas como novas universidades/escolas técnicas (descentralizadas espacialmente), bolsa família, salário mínimo recoloca em discussão o tema do desenvolvimento e do papel do estado como seu promotor e indutor;

    • Por outro lado o avanço da democracia afasta a hipótese de planos nacionais de desenvolvimento sem uma ampla discussão com a sociedade.