simbologia utilizada na corre o da reda o n.
Skip this Video
Loading SlideShow in 5 Seconds..
Simbologia utilizada na correção da redação PowerPoint Presentation
Download Presentation
Simbologia utilizada na correção da redação

play fullscreen
1 / 28
Download Presentation

Simbologia utilizada na correção da redação - PowerPoint PPT Presentation

miracle
93 Views
Download Presentation

Simbologia utilizada na correção da redação

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript

  1. Simbologia utilizada na correção da redação

  2. Letra cursiva

  3. Aspectos ou Convenção de Escrita (-2 pontos) • Acentuação (A) • São considerados erros de acentuação a ausência ou o emprego inadequado dos acentos. Ex.: cajú, caquí, matematica, etc. • Pontuação (P) • Respeitar o uso dos pontos de acordo com a norma culta. Ex.: Não esquecer o ponto final, o uso da vírgula, do ponto-e-vírgula, etc.

  4. Ortografia (ORT) • As palavras devem ser escritas de acordo com a norma culta. Ex.: precisar (forma inadequada: prescisar), com certeza (forma inadequada: concerteza), etc. • Notações Léxicas (NL) • Não se deve esquecer certos sinais gráficos e ortográficos, como o til, a dilha, o travessão, as aspas, o apóstrofo, o hífen,etc. Ex.: moça, imã, etc.

  5. Translineação (T) • Translinear é passar de uma linha para a outra e deixar uma parte da palavra no fim da primeira linha. Deve-se evitar, nessa divisão silábica, deixar uma vogal sozinha ou uma palavra indecorosa, além, é claro, da divisão errada. Ex.: a-mor, i-dei-a, vaga-bunda, pipi-lar, dis-puta, mac-aco, etc. • Rasura (RAS) • Qualquer borrão, risco, rabisco desnecessário ao texto, marca de corretivo, excesso de tinta da caneta, furo no papel devido ao uso da borracha.

  6. Legibilidade (LEG) • Deve-se apresentar uma boa grafia e preservar as idiossincrasias (peculiaridades) do alfabeto. Ex.: não “enfeitar” a letra na hora de escrever o texto. • Margem Lateral (ML) • Não se deve ultrapassar as linhas laterais. • Maiúscula (M) • O uso da inicial maiúscula segue várias normas propostas pela norma culta. Ex.: ONU, Exmo. Sr. Presidente, Deus é tudo, etc.

  7. Minúscula (m) • Assim como o uso da maiúscula, o uso da minúscula também apresenta particularidades. Ex.: O diretor disse que o ator é um deus. • Omissão Acidental de Palavras (OAP) • Ocorre quando, sem querer, omite-se uma palavra. Ex.: A guerra ruim. • Repetição Acidental de Palavras (RAP) • Ocorre quando, sem querer, repete-se uma palavra. Ex.: A guerra guerra é ruim.

  8. Aspectos Gramaticais(-3 pontos) • Concordância Nominal (CN) • O adjetivo, o pronome adjetivo, o artigo e o numeral devem concordar com o substantivo a que se referem. Ex.: Aluna e aluno estudiosos. • Colocação Pronominal (COL) • Colocação dos pronomes oblíquos átonos que acompanham o verbo. Ex.: Vestiu-se com esmero. (forma inadequada: Se vestiu com esmero.)

  9. Coesão Sintática (CSI) • Emprego de preposições, conjunções e pronomes que ligam os termos dentro das frases. Ex.: mas (inadequado: sem ter ideia adversativa), portanto (inadequado: sem apresentar ideia de conclusão), etc. • Flexão Nominal (FLEXN) • Substantivos e adjetivos se flexionam em gênero, número e grau. Ex.: cidadãos (forma inadequada: cidadões); escrivã (forma inadequada: escrivona); azul-marinho (forma inadequada: azuis-marinho); etc.

  10. Flexão Verbal (FLEXV) • O verbo apresenta flexão em tempo, modo, número e pessoa. Ex.: Tu foste (forma inadequada: tu fostes ou tu foi), etc. • Falta de Sujeito (FS) • Não há referente ligado a um verbo dentro de um enunciado, aparentemente, completo. Ex.: “Somos um povo sem cultura própria, por isso pensam que podem esconder os atos ilícitos sem que ninguém diga nada.”

  11. Concordância Verbal (CV) • O verbo deve concordar com o sujeito em número e pessoa. Ex.: Vocês já leram o meu livro? Eu, tu e ele viajaremos amanhã. • Falta de Complemento (FCO) • Ausência de termos sintáticos, como complementos verbais ou nominais, que compromete a compreensão do texto. Ex.: Os jovens gostam de arriscar a vida, pois, para eles, isso é “demais”.(forma inadequada: Os jovens gostam. Arriscar a vida é “demais”.)

  12. Ordenação Sintática dos Termos (OST) • Os termos devem estar dispostos organizadamente na oração, de acordo com a função sintática que cada um desempenha no enunciado. Ex.: O leão matou a zebra. (forma inadequada: A zebra o leão matou.) • Paralelismo Sintático (PSI) • Consiste na repetição de termos, dentro da estrutura sintática, para marcar um aspecto textual relevante. Ex.: A mãe, a tia e o sobrinho saíram.

  13. Regência Nominal (RN) • Relação de dependência entre o nome e seus complementos. Ex.: Preste atenção ao que diz o professor. (forma inadequada: Preste atenção o que diz o professor) • Regência Verbal (RV) • Relação de dependência entre o verbo e seus complementos. Ex.: Chegamos ao colégio atrasados. (forma inadequada: Chagamos no colégio atrasados.)

  14. Verbo (V) • O tempo do verbo deve situar a ocorrência do fato em relação ao momento em que se fala, portanto a correlação deve ser feita sem comprometer o enunciado. Ex.: A menina voltou com as mão limpas, embora tivesse brincado na praça. (forma inadequada: A menina voltou com as mão limpas, embora tinha brincado na praça.)

  15. Emprego de Prefixos e Sufixos (PS) • Não se deve usar prefixos e sufixos para formar palavras não reconhecidas pela norma gramatical nem se deve usar afixos que tornem o vocábulo incorreto semanticamente. Ex.: Um ensino de qualidade garante a formação de grandes profissionais. (forma incorreta: Um ensino de qualidade garante a formação de grandes profissionalizantes.) • Emprego de Pronomes Pessoais (PP) • O emprego dos pronomes pessoais deve seguir as normas gramaticais. Ex.: Esta conversa é entre mim e você.

  16. Aspectos Textuais (- 4 pontos) • Argumentação Descontextualizada (AD) • Trechos do texto que não correspondem a um todo significativo e comprometem a coerência textual. Ex.: “Hoje já não se trabalha como antes. As pessoas estão cada vez mais acomodadas por causa do tempo que não favorece o desempenho das atividades.” • Argumentação Extrema (AE) • Uso generalizado de opiniões, geralmente sem comprovação. Ex.: Todos os políticos são ladrões.

  17. Argumentação Inválida (AI) • A argumentação é inválida quando é fraca e apresenta ideias e fatos óbvios. Ex.: “A situação do menor abandonado é triste porque não tem quem o ajude.” • Ambiguidade (AMB) • O enunciado não deve apresentar duplo sentido, pois a interpretação pode ficar comprometida. Ex.: O cliente pediu sapato de homem branco. (quem é branco: o homem ou o sapato?) • Alínea do parágrafo (APG) • É o espaço da margem do parágrafo: 2 a 3 cm.

  18. Coerência (COR) • Conjunto harmônico de ideias, no qual todas as partes se encaixem perfeitamente, formando um todo significativo, totalmente sem contradição. A Coerência pode ser Sintática, Semântica, Estilística ou Pragmática. A incoerência compromete totalmente o texto. Ex.: “Ontem, na boate, o gelo seco tomou conta do ambiente, de forma que eu não conseguia enxergar ninguém. Fiquei encostado na parede lateral e presenciei cenas engraçadíssimas. A Vidinha ficou com o meu melhor amigo, que pisou no pé dela enquanto dançavam.”

  19. Coesão Semântica (CSE) • É a unidade, a conexão que permite a harmonia do texto. É o uso adequado dos conectivos dentro das ideias interligadas. A Coesão pode ser Referencial (Substituição e Reiteração) ou Sequencial (Temporal e por conexão). Ex.: Lá ele não tinha escolha, por isso resolveu sair daquele lugar. • Expressão Clichê (EC) • Chavão, expressão desgastada. Ex.: Desde os primórdios da civilização, hoje em dia, certa vez, etc.

  20. Frase Mal Estruturada (FME) • É aquela que apresenta os termos desorganizadamente, gerando problemas de entendimento no texto. Ex.: “Quando se trata de pichação em patrimônio público, as pessoas não veem como ato de expressão. Geralmente, são grupos de menores de idade, de árias classes sociais, que se arriscam à noite para pichar muros, e não com o intuito de expressar algo, somente para rabiscos escrever que entre eles é uma forma de serem identificados, muitos morrem na tentativa de muros mais altos pichar.”

  21. Citação (CIT) • O ideal é só se apropriar do discurso alheio quando servir para a fundamentação da ideia. Ex.: “É, o tempo não para.” (música) • Mudança da Voz Discursiva (DIS) • Deve-se atentar para o foco narrativo da proposta. Não se pode a pessoa exigida pelo discurso. Ex.: A proposta pede 1ª pessoa e o aluno escreve em 3ª. • Fuga ao Tema (FT) • O tema é o assunto sobre o qual se deve falar, a fuga a ele implica nota zero.

  22. Falta de Palavra (FP) • Ausência de termos necessários. Ex.: Ela longe. • Ideia Vaga (IDV) • Ideia descontextualizada, não fundamentada. Ex.: “Todos devem curtir a vida. È dessa forma que eu penso.” • Inadequação às Instruções (II) • Desobediência aos critérios estabelecidos para a construção do texto. Transgredir uma norma indicada nas instruções da folha.

  23. Ideia sem Complementação (ISC) • Uma ideia que não traz nada de específco. Ideia solta, que precisa de complementos para ser compreendida. Ex.: “A morte tem assolado a população. A falta de assistência é a maior causadora disso.” (que tipo de assistência?) • Oralidade (ORAL) • Uso de marcas de oralidade, coloquialismos e gírias: palavras ou expressões que só são utilizadas na fala. Ex.: Aí, né, botar, tá.

  24. Paragrafação (PG) • Parágrafos muito extensos podem ocasionar perda de referencial. O ideal é que um parágrafo tenha, no máximo, seis linhas. • Paralelismo Semântico (PS) • Expressões que aparecem, geralmente, em par e que precisam uma da outra para fazer sentido. Ex.: Não só ele, mas também a irmã. • Os elementos de um mesmo grupo devem ser apresentados na mesma forma. Ex.: Fiz uma operação em São Paulo e outra no ouvido. (quebra de paralelismo semântico)

  25. Raciocínio Interrompido (RI) • Quebra da apresentação da sequência de ideias. Geralmente, acontece na interrupção de um parágrafo para o outro. Ex.: No primeiro parágrafo, o aluno faz alusão aos problemas gerados pela poluição. No decorrer do texto, porém, ele não exemplifica esses problemas. • Repetição de Ideias ou de Palavras (RIP) • Repetição proposital excessiva de uma palavra ou ideia. Ex.: “Eu só queria que ele dissesse que aquilo que eu pensava era equivocado e que demonstrasse o que de fato passava por sua cabeça.”

  26. Tautologia (TAU) • Redundância: repetição de ideias, ditas de forma diferente, mas com o mesmo significado. Ex.: A televisão inibe a criatividade. A televisão aliena. A televisão rouba a capacidade das pessoas pensarem. • Palavra inadequada (PI) • Acrescentar palavras totalmente desnecessárias ao enunciado ou usá-las fora do contexto em que são aceitas. Ex.: Por causa que... (porque)

  27. Lembretes importantes • Faça o rascunho e revise-o antes de entregar. • Use letra cursiva. • Se sua letra for ilegível, escreva em letra de forma, destacando as maiúsculas. • Não assine a redação. • Linhas não escritas ou não compensadas equivalem a erros de texto.

  28. “Enquanto eu tiver perguntas e não houver respostas... continuarei a escrever” Clarice Lispector